Sábado, 17 de Novembro, 2018
Estudo

Viabilidade da Imprensa portuguesa na "corda bamba"...

A questão da sustentabilidade da Imprensa em Portugal, depois da revolução digital, é reflectida em ensaio publicado no Observador, onde se faz o diagnóstico das causas conhecidas, a descrição dos efeitos e um prognóstico pouco optimista. O trabalho, assinado por Carlos Guimarães Pinto, refere algumas alternativas de solução pensadas ou tentadas, como o financiamento público, a (renovada) dependência de accionistas ou a mistura de informação com entretenimento e, a concluir, algumas outras que deram provas e “funcionaram”  - pelo menos em grandes jornais estrangeiros.

“A má notícia para os órgãos de comunicação social é que o sucesso na era digital também depende em muito de escala, algo que será difícil de obter para um órgão em língua portuguesa.” (...) “E com um processo de cura dos jornais que se espera lento, no curto prazo o importante é mesmo manter os pacientes vivos por qualquer meio disponível.

O diagnóstico parte de situações que são hoje evidentes: 

“Enquanto que até há uns anos um indivíduo que presenciasse um acontecimento relevante telefonava de imediato a um órgão de comunicação social, hoje prefere registá-lo e divulgá-lo por meios próprios aos seus amigos ou seguidores nas redes sociais. (...) E, assim, cada vez mais os consumidores preferem seguir directamente a fonte das notícias em vez de utilizar o filtro dos órgãos de comunicação social.” (...) 

Criou-se a ilusão, no consumidor, de que “não existe necessidade de pagar por conteúdos jornalísticos”, enquanto nos próprios media tradicionais diminuía o cuidado na verificação de fontes, pela necessidade de “andar à mesma velocidade que as redes sociais”. 

O autor descreve a situação económica dos principais grupos de media em Portugal como estando “no limiar da sobrevivência”, mantendo-se “graças a injecções de capital de accionistas”  - sobretudo na Imprensa escrita -, e os que têm resultados mais saudáveis “ou estão incluídos num grupo cujo objectivo é vender entretenimento; ou misturam entretenimento e jornalismo, sem que sejam bem definidas as fronteiras entre um e outro”. (...) 

Outra evidência conhecida é a da queda no mercado da publicidade. Mesmo no segmento digital, o único em franco crescimento, “uma fatia muito gorda destas receitas é capturada pelos gigantes internacionais (tais como Google e Facebook), não sendo por isso passível de associar estas receitas aos jornais digitais”. 

O autor aborda depois as alternativas: o financiamento público é a primeira, com o risco conhecido da dependência do poder  - que “já existe de forma encapotada, mas tem como único efeito a restrição da concorrência e não o oposto; dificilmente aumentar esse financiamento traria mais independência e qualidade na informação”. (...) 

A segunda será “aceitar que a Imprensa escrita terá sempre que depender de financiamento de accionistas com variados interesses (que podem ir do puro altruísmo à vontade de controlar a informação) – restando regular para que esse financiamento e motivações sejam transparentes para os leitores”. (...) 

A terceira implica “colocar a viabilidade do jornalismo nas sinergias com o entretenimento”. O risco é o de deixar de ser levado a sério e de perder terreno até no mercado do entretenimento, que “está em vias de sofrer a sua própria disrupção digital”. 

“Uma quarta alternativa é a coexistência no mesmo órgão de conteúdos disponíveis gratuitamente e conteúdos pagos”, que tem sido seguida por muitos media em Portugal e um pouco por todo o Mundo, mas tem entre nós mais limitações de escala, pela dimensão do país e do seu nível de desenvolvimento. 

Carlos Guimarães Pinto apresenta os exemplos conhecidos daquilo “que funcionou”, em jornais como The Washington Post ou o Financial Times, trazendo a boa notícia de que “parece haver um caminho para o sucesso na era digital: melhorar a experiência do utilizador utilizando as potencialidades da Internet para o conhecer melhor, e um esquema de preços e pacotes de produtos que alargue a base de leitores pagantes”. 

Mas ressalvando a referida diferença de escala, que torna a comparação  - e possível aplicação do modelo -  inaplicável ao caso português. 

“À medida que as fontes de financiamento passam de quem tem interesse em consumir informação para quem tem interesse em controlá-la, a quantidade, qualidade e diversidade da informação tenderá inevitavelmente a diminuir. A existência de concorrência interessada aliviará em parte o problema de conflitos de interesses, mas dificilmente será suficiente para garantir uma comunicação plural como aquela que é essencial existir em democracia.” 

O autor conclui que, “perante este cenário, parece evidente que a única forma de termos Imprensa livre é garantir que esta continua a depender dos consumidores e não de outras fontes de financiamento”: 

“A criação de novos modelos de relação com os consumidores, novas plataformas de distribuição, e sinergias cuidadosas entre informação e entretenimento serão essenciais para a manutenção de uma Imprensa livre. (...) Quanto mais rapidamente os órgãos de comunicação social conseguirem convencer os consumidores a voltar a pagar pelo seu trabalho, menos longa e dolorosa será a fase de transição.”  (...) 

O artigo citado está acessível na edição Premium do Observador

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto