Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Estudo

Viabilidade da Imprensa portuguesa na "corda bamba"...

A questão da sustentabilidade da Imprensa em Portugal, depois da revolução digital, é reflectida em ensaio publicado no Observador, onde se faz o diagnóstico das causas conhecidas, a descrição dos efeitos e um prognóstico pouco optimista. O trabalho, assinado por Carlos Guimarães Pinto, refere algumas alternativas de solução pensadas ou tentadas, como o financiamento público, a (renovada) dependência de accionistas ou a mistura de informação com entretenimento e, a concluir, algumas outras que deram provas e “funcionaram”  - pelo menos em grandes jornais estrangeiros.

“A má notícia para os órgãos de comunicação social é que o sucesso na era digital também depende em muito de escala, algo que será difícil de obter para um órgão em língua portuguesa.” (...) “E com um processo de cura dos jornais que se espera lento, no curto prazo o importante é mesmo manter os pacientes vivos por qualquer meio disponível.

O diagnóstico parte de situações que são hoje evidentes: 

“Enquanto que até há uns anos um indivíduo que presenciasse um acontecimento relevante telefonava de imediato a um órgão de comunicação social, hoje prefere registá-lo e divulgá-lo por meios próprios aos seus amigos ou seguidores nas redes sociais. (...) E, assim, cada vez mais os consumidores preferem seguir directamente a fonte das notícias em vez de utilizar o filtro dos órgãos de comunicação social.” (...) 

Criou-se a ilusão, no consumidor, de que “não existe necessidade de pagar por conteúdos jornalísticos”, enquanto nos próprios media tradicionais diminuía o cuidado na verificação de fontes, pela necessidade de “andar à mesma velocidade que as redes sociais”. 

O autor descreve a situação económica dos principais grupos de media em Portugal como estando “no limiar da sobrevivência”, mantendo-se “graças a injecções de capital de accionistas”  - sobretudo na Imprensa escrita -, e os que têm resultados mais saudáveis “ou estão incluídos num grupo cujo objectivo é vender entretenimento; ou misturam entretenimento e jornalismo, sem que sejam bem definidas as fronteiras entre um e outro”. (...) 

Outra evidência conhecida é a da queda no mercado da publicidade. Mesmo no segmento digital, o único em franco crescimento, “uma fatia muito gorda destas receitas é capturada pelos gigantes internacionais (tais como Google e Facebook), não sendo por isso passível de associar estas receitas aos jornais digitais”. 

O autor aborda depois as alternativas: o financiamento público é a primeira, com o risco conhecido da dependência do poder  - que “já existe de forma encapotada, mas tem como único efeito a restrição da concorrência e não o oposto; dificilmente aumentar esse financiamento traria mais independência e qualidade na informação”. (...) 

A segunda será “aceitar que a Imprensa escrita terá sempre que depender de financiamento de accionistas com variados interesses (que podem ir do puro altruísmo à vontade de controlar a informação) – restando regular para que esse financiamento e motivações sejam transparentes para os leitores”. (...) 

A terceira implica “colocar a viabilidade do jornalismo nas sinergias com o entretenimento”. O risco é o de deixar de ser levado a sério e de perder terreno até no mercado do entretenimento, que “está em vias de sofrer a sua própria disrupção digital”. 

“Uma quarta alternativa é a coexistência no mesmo órgão de conteúdos disponíveis gratuitamente e conteúdos pagos”, que tem sido seguida por muitos media em Portugal e um pouco por todo o Mundo, mas tem entre nós mais limitações de escala, pela dimensão do país e do seu nível de desenvolvimento. 

Carlos Guimarães Pinto apresenta os exemplos conhecidos daquilo “que funcionou”, em jornais como The Washington Post ou o Financial Times, trazendo a boa notícia de que “parece haver um caminho para o sucesso na era digital: melhorar a experiência do utilizador utilizando as potencialidades da Internet para o conhecer melhor, e um esquema de preços e pacotes de produtos que alargue a base de leitores pagantes”. 

Mas ressalvando a referida diferença de escala, que torna a comparação  - e possível aplicação do modelo -  inaplicável ao caso português. 

“À medida que as fontes de financiamento passam de quem tem interesse em consumir informação para quem tem interesse em controlá-la, a quantidade, qualidade e diversidade da informação tenderá inevitavelmente a diminuir. A existência de concorrência interessada aliviará em parte o problema de conflitos de interesses, mas dificilmente será suficiente para garantir uma comunicação plural como aquela que é essencial existir em democracia.” 

O autor conclui que, “perante este cenário, parece evidente que a única forma de termos Imprensa livre é garantir que esta continua a depender dos consumidores e não de outras fontes de financiamento”: 

“A criação de novos modelos de relação com os consumidores, novas plataformas de distribuição, e sinergias cuidadosas entre informação e entretenimento serão essenciais para a manutenção de uma Imprensa livre. (...) Quanto mais rapidamente os órgãos de comunicação social conseguirem convencer os consumidores a voltar a pagar pelo seu trabalho, menos longa e dolorosa será a fase de transição.”  (...) 

O artigo citado está acessível na edição Premium do Observador

Connosco
Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo Ver galeria

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome... Ver galeria

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA