Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Fórum

Ética para o jornalismo digital, uma obra em construção

Não foi só o modelo de sustento económico que foi sacudido pela revolução digital. Temos a questão de saber até que ponto a ética dos media é ainda “adequada ao jornalismo de hoje e de amanhã, imediato, interactivo e ‘sempre ligado’  - um jornalismo de amadores e profissionais”.

Estamos a caminho de um jornalismo misto, de cidadãos e jornalistas profissionais, usando muitas plataformas  -  o qual requer uma nova ética: “linhas de conduta que se apliquem a amadores e profissionais, quer escrevam em blogs, ou por tweet, ou façam emissão ou publiquem em jornais”.

É esta a reflexão inicial de Stephen J.A. Ward, docente e fundador do Centro para a Ética do Jornalismo na Universidade de Wisconsin–Madison, num texto sobre a ética nos meios digitais.

O autor começa por descrever a nossa actual “ecologia” mediática como “uma paisagem caótica evoluindo a um ritmo furioso”, no qual os profissionais “partilham o espaço jornalístico com tweeters, bloggers, ‘jornalistas cidadãos’ e utentes das redes sociais”. 

“As mudanças desafiam as fundações da ética, e esse desafio vai mais fundo do que os debates sobre um ou outro princípio  - por exemplo o da objectividade.” (...)  

“O que pode significar a ética para uma profissão que tem de providenciar notícias e análises instantâneas, onde qualquer pessoa com um modem é um editor?” (...) 

Stephen Ward descreve o que será uma redacção “integrada”, a trabalhar com todos os “níveis” e “naturezas” de novos conteúdos sempre a chegar, e vai direito às “perguntas difíceis” para uma ética dos meios digitais: 

O que é um jornalista? O que é o jornalismo? Como lidar com o anonimato? Como lidar com os boatos e a necessidade de correcção? Como manter a imparcialidade e lidar com os conflitos de interesse e um jornalismo partidário? Como é uma empresa jornalística não-lucrativa? Como podem os jornalistas usar as redes sociais? E qual o papel dos “cidadãos-jornalistas”? 

Hoje, cidadãos sem formação jornalística, e que não trabalham para os media tradicionais, chamam-se a si mesmos jornalistas ou escrevem de modos que cabem na descrição geral de alguém que escreve regularmente sobre assuntos públicos para uma audiência. Não é sempre claro onde começa ou acaba o termo “jornalista”. 

A mesma ambiguidade se prolonga sobre o termo de “jornalismo”. A abordagem normativa assenta “numa visão ideal do jornalismo como informação pública rigorosa e responsável”. Define-se o jornalismo “considerando os seus melhores exemplos e as práticas dos melhores jornalistas”. 

A velocidade proporcionada pelos meios digitais é responsável por uma enorme pressão que afrouxa o cuidado de uma redacção perante boatos muito “partilhados”. Alguns serão inofensivos, outros podem cusar pânico público ou desencadear reacções perigosas. O problema posterior é o da necessária correcção. Já existe a prática de eliminar do ficheiro online todo o erro cometido, como se não tivesse sido publicado  - o que se chama unpublishing [despublicar]... 

Sobre as questões da imparcialidade, o autor chama a atenção para o facto de assistirmos hoje a uma espécie de regresso do jornalismo de opinião claramente partidária que informava muitos jornais do final do séc. XIX, “antes da reportagem objectiva dos princípios de 1900”. (...) 

“Para tornar as coisas ainda mais contenciosas, alguns dos novos expoentes do jornalismo de opinião e do imparcial não só colocam em questão a objectividade, como também o princípio estabelecido de que os jornalistas deviam ser independentes dos grupos a respeito dos quais escrevem.” (...) 

Sobre o uso das redes sociais pelos jornalistas, a questão desemboca sempre nos limites, auto-impostos ou colocados pelos meios para que trabalham, dada a quase inevitável “contaminação” entre os dois ambientes. 

No artigo citado, Stephen Ward insiste mais em definir as questões colocadas pelas novas realidades  - portanto as perguntas -  do que em adiantar respostas que resolvam todos os problemas. A leitura na íntegra do seu trabalho (que estes extractos não substituem) deixa-nos a noção muito clara de que a ética no jornalismo digital é um edifício em começo de construção.

 

O texto citado, no Center for Journalism Ethics

Connosco
Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo Ver galeria

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome... Ver galeria

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA