Segunda-feira, 16 de Setembro, 2019
Colectânea

Revolução digital no jornalismo: mistura de coisas boas e más

No início da revolução digital, muitos aplaudiram a queda de influência do jornalismo tradicional, e o facto de os seus profissionais terem perdido o papel de “porteiros” do notíciário. Os “missionários” do digital aplaudiram a chegada de uma nova situação, em que “as pessoas anteriormente referidas como sendo a audiência” podiam agora voltar o jogo: todos os cidadãos podiam ser “escritores, repórteres e analistas”. Mas o que aconteceu a seguir foi mau dos dois lados: nem o jornalismo profissional aprendeu a lição, nem a Internet inaugurou uma era de informação verdadeira, responsável e não tendenciosa.

É esta a reflexão inicial de um artigo de Roy Greenslade, jornalista e docente de Jornalismo na Universidade da Londres, em The Guardian.

O optimismo desses primeiros tempos assentava na suposta vocação libertadora da tecnologia. Os blogs e outras iniciativas de base, associados às novas ferramentas que permitiam escrever e filmar, colocando conteúdos em plataformas como o YouTube, fariam do jornalismo tradicional uma coisa do passado. 

Mas o autor pergunta: será que nós, os chamados MSM -  mainstream media, mudámos? Tomámos as críticas a sério? Roy Greenslade afirma que, pela observação dos diários de distribuição nacional, ao longo desta década, isso não aconteceu: 

“Os proprietários e editores dos jornais continuaram a acreditar que eram eles quem marcava a agenda política, social e cultural. Apesar de as vendas do impresso terem caído mais de 50% desde a passagem do milénio, eles sentiram-se confortados por grandes números no digital.” 

“Sem dúvida que isto os levou a crer que alguma coisa estariam a fazer bem, e deixaram de escutar as crescentes críticas das suas audiências.” (...) 

Mas este é apenas um dos lados da história, segundo o autor. O outro é que, se bem que os blogs tenham sido uma inovação importante “em sociedades onde a liberdade de Imprensa nunca existiu”, o seu impacto na agenda noticiosa do mundo desenvolvido tem sido mínimo. 

“Por outras palavras, os mainstream media não foram superados pelo desenvolvimento de uma quantidade de meios alternativos de natureza all-singing, all-dancing, truth-telling  - fresca, responsável, informativa, não tendenciosa. Aquilo que tomou conta da Internet foi o contrário, baseado numa inflação de fake news: um bando amotinado, maldoso, grosseiro, histérico e intolerante, proclamando opiniões extremistas marcadas pelo racismo, incluindo tanto o anti-semitismo como a islamofobia.” 

“Vozes sensíveis foram silenciadas. O fanatismo levou aquilo que estávamos habituados a considerar o centro moderado para as margens. O que conta são as opiniões, não os factos. Derrubou o pressuposto jornalístico de que as pessoas têm sede de informação. Na verdade, têm sede daquilo que reforce a sua intolerância. Não é exagero sugerir que este fenómeno afectou o resultado das eleições presidenciais nos Estados Unidos e o referendo sobre a União Europeia. E infecta todos os aspectos da vida na Net.” (...) 

Roy Greenslade volta a chamar a atenção para a responsabilidade dos próprios meios tradicionais por terem cedido também neste ponto  - por exemplo, promovendo, desde os anos 50, os colunistas de opinião, “encorajados a serem tão veementes e controversos quanto possível, na crença de que isso atrai leitores”. (...) 

“Por contraste, os repórteres  - os que procuram os factos, escavadores e investigadores, homens e mulheres empenhados na tarefa difícil de revelar coisas que os poderosos desejariam esconder -  têm passado a ganhar menos e a trabalhar mais. A mensagem não podia ser mais clara: a missão de informar não é tão valorizada como a missão de ofender.” (...) 

“Colhemos aquilo que semeamos.” (...)

 

O texto citado, na íntegra,  em The Guardian

Connosco
Portugal entre os que menos pagam por jornalismo na Internet Ver galeria

“Em Portugal, o número de consumidores de notícias que pagam por jornalismo online baixou 2% em relação ao ano passado. Hoje são apenas 7% o total de leitores pagantes. Se considerarmos apenas os que têm uma assinatura recorrente, o número desce para 5%”, refere João Pedro Pereira, num artigo do jornal Público, intitulado “Quem Paga o Poder”.

O colunista lembra que após a massificação da Internet, ocorrida na década de 90, do século passado, começaram as quebras nas vendas de jornais e revistas. Os números do Instituto Nacional de Estatística, revelam que o número total de exemplares vendidos caiu 40% entre 2011 e 2017.

A grande quebra nas vendas de jornais foi acompanhada da redução, também drástica do segmento da publicidade, que, segundo o mesmo Instituto, caiu 41% entre 2008 e 2017.
O dilema dos conteúdos pagos como resposta à quebra de receitas Ver galeria

 

Num contexto de crise, o conteúdo pago ganha maior relevo, sendo considerado um mal necessário por muitos órgãos de comunicação social.  Mas será que é possível haver qualidade nos textos patrocinados? Esta é a questão levantada por Lívia Souza Vieira, num artigo reproduzido no site do Observatório de Imprensa do Brasil, com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

A professora de jornalismo, cita The  New York Times e a revista The Atlantic, como exemplos de duas publicações de referência, onde esse passo para a qualidade parece ter sido dado.

O primeiro, quando publicou uma peça paga pela Netflix, sobre as particularidades do sistema prisional feminino, integrado numa campanha da série televisiva, “Orange is the new black”, que teve a vantagem de abordar um tema normalmente esquecido pelas agendas.

No segundo caso, salienta-se o facto de a publicação ter revisto e actualizado as regras e procedimentos para publicação de conteúdos pagos.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
16
Set
16
Set
Ferramentas Google para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Set
Local Media Fal(l) School
09:00 @ Covilhã
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul