Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

Ensinar os Media a "tomarem o pulso" aos seus leitores

Quando se trata da relação entre os media e a sua audiência, há uma pergunta que pode passar esquecida: o que é que o leitor, ouvinte ou espectador, precisa realmente de saber? Há programas para treinarem os jornalistas na pesquisa do que os utentes querem saber, mas não tanto sobre o que precisam. Informação sobre o tempo ou o tráfego é sempre útil, e reflexões de fundo sobre temas da comunidade podem ser úteis, mas Sarah Alvarez, uma advogada de formação, interessada por causas de direitos cívicos, e agora a trabalhar numa rádio pública, procurava o terreno intermédio onde os meios de comunicação podem encontrar a sua utilidade e vocação. Foi daqui que chegou ao projecto Pulse  - que procura, literalmente, “tomar o pulso” a uma comunidade e identificar o que lhe falta.

Sarah começou pela diferença entre as necessidades e as lacunas [gaps, no original] de informação. Como explica, “uma necessidade de informação é apenas isso, qualquer coisa que se deseja saber, mas só  se torna uma lacuna se não se consegue encontrar a informação”. 

Sarah Alvarez e Andrew Haeg, o fundador da ferramenta de envolvimento via SMS denominada GroundSource, que se tornou seu colaborador no projecto, adaptaram às redacções dos meios de comunicação um formato de inquérito criado na Google para antecipar as necessidades dos utentes. O método foi testado em vários media, baseando-se na formação de grupos representativos das suas comunidades, e compostos por pessoas disponíveis para participarem, às quais eram enviadas três vezes por dia perguntas como: 

O que precisa de saber, ou compreender melhor, neste preciso momento? Tem conseguido encontrar esta informação? (respostas possíveis  - Sim / Não / Não estou satisfeito com o que encontrei). Esta informação podia, ou conseguiu, ajudá-lo a  - Tomar uma decisão? / Responder a uma pergunta? / Esclarecer alguma coisa? / Mais do que uma destas respostas? 

Numa escala de 1 a 3, qual era a sua necessidade desta informação? (1 – Precisava muito, 2 – Teria ajudado, 3 – Só tinha curiosidade). 

No final de cada dia, havia mais as seguintes perguntas: 

Conseguiu a informação que procurava a partir de meios noticiosos que utiliza? (respostas possíveis  - Não consegui procurar ou perguntar / Procurei ou perguntei, mas não tive resposta / Sim). 

Se tivesse um jornalista pessoal, a trabalhar para si, o que lhe interessava que ele pesquisasse? 

Sarah experimentou o projecto no website Chalkbeat Detroit, sobre temas de educação, e ela e Andrew levaram-no também à rádio pública californiana KQED, para pesquisar as necessidades de informação dos residentes em San Jose. 

A experiência revelou-se surpreendente, tanto pela disponibilidade das pessoas em participarem como pelo tipo de informação que assinalaram como desejando receber mais  - por exemplo, sobre a situação dos sem-abrigo nas suas comunidades. 

Tonya Mosley, que dirige a delegação da KQED no Silicon Valley, disse que, “como editora reflectindo sobre isto, por vezes há coisas que pomos de lado para nos focarmos sobre uma história que tenha apelo junto da nossa audiência mais ampla, e não tão centrada sobre a comunidade local”: 

“Mas as pessoas estão interessadas nestas histórias centradas na comunidade, porque são aplicáveis à sociedade no seu todo. Isto abriu-me os olhos.” (...) 

Tanto Sarah como Andrew estão a tentar levar os meios noticiosos a pensarem de modo um pouco diferente sobre a informação  - não necessariamente o conteúdo -  que fornecem. 

“Temos esta questão incómoda de saber por que motivo isto não tem mais prioridade nas redacções, e é o modo como temos tradicionalmente feito as coisas”  - disse Andrew Haeg. “Realmente nunca considerámos prioritário sair mesmo e ir ver quais são as necessidades de informação das pessoas.”

 

O artigo citado, na íntegra, no NiemanLab, cuja imagem também incluimos

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...