Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Media

O "segredo sujo" do Gmail que permite o acesso aos nossos "e-mails"...

A Google reconhece que tem permitido a terceiros, nomeadamente a criadores externos de software, lerem os e-mails particulares recebidos e enviados pelas pessoas que têm conta no Gmail, o que atinge cerca de 1,4 mil milhões de utilizadores em todo o mundo. Esta confirmação vem depois de um artigo publicado em The Wall Street Journal ter revelado o “segredo sujo”, recordando que, “há um ano, a Google garantiu que iria impedir que os seus computadores analisassem as caixas de entrada dos utilizadores do Gmail em busca de informações para personalizar publicidade”. Mas pelo menos duas empresas externas, a Edison Software e a eDataSource Inc, citadas pelo WSJ, admitem tê-lo feito, para desenvolverem o seu próprio software e algoritmos.

A Google alega que esta prática não vai contra as suas políticas, uma vez que são as pessoas a autorizarem esse acesso quando fazem a associação da sua conta ao prestador de serviços. 

Por seu lado, as empresas citadas “disseram que não pediram permissão específica aos utilizadores para ler as suas mensagens do Gmail, porque a prática era coberta pelos contratos”. 

Na opinião do executive manager da CyberSafe, Dinis Fernandes, esta questão “levanta toda uma série de potenciais problemas de segurança”. 

Conforme afirmou ao diário i, que aqui citamos, “a partir do momento em que há seres humanos com a possibilidade de lerem os e-mails de terceiros, isso abre as portas a eventuais abusos como, por exemplo, fazerem a redefinição de passwords de aplicações nas quais o mecanismo utilizado é enviar um e-mail com um link para redefinição de password; e depois utilizarem esse link para trocarem a password e passarem a ter acesso a essas aplicações.” (...) 

A Google argumenta que segue uma prática de verificação e avaliação das políticas de privacidade das aplicações que pretendam aceder às mensagens, mas Dinis Fernandes responde que, “por melhor que seja esse screening, parece claro que será impossível garantir a idoneidade de todas [as pessoas envolvidas] e que um dia não sejam cometidos abusos”. 

O seu conselho final contém uma advertência aos utentes: 

“É certo que há também alguma responsabilidade por parte dos utilizadores, pois são eles que partilham as suas credenciais de acesso ao Gmail com essas empresas terceiras; mas, por outro lado, falta ainda muita cultura de segurança por parte dos utilizadores, e, não estando explícito numa linguagem clara e simples que os e-mails poderão ser lidos por seres humanos, é fácil as pessoas não compreenderem as implicações.” (...)

 

Mais informação no DN

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Regulamento do Prémio de Lusofonia vem incluído na segunda imagem que acompanha este texto.

Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo Ver galeria

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA