Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Media

Jornalista veterano toma conta da direcção editorial do "LA Times"

O novo editor executivo de Los Angeles Times, Norman Pearlstine, não é novo na idade. A primeira pergunta da entrevista aqui citada é como se sente um homem que se reforma aos 75 anos de um posto importante na Time Inc para vir dirigir um jornal que sobreviveu com dificuldade a quase duas décadas na posse do grupo Tronc, de Chicago, para ser agora adquirido por um médico multimilionário cheio de ambições de competitividade. E uma das que se seguem é como explica uma frase sua que ganhou o prémio da melhor citação nas Reliable Sources, em que Pearlstine diz que “os media são a cocaína de Trump”. Norman Pearlstine tem ideias sólidas sobre o que pode fazer, e a primeira é a de que o jornal tem de começar já a pensar sobre a “próxima geração de liderança”  - que não será a sua.

A prioridade absoluta é a de recuperar o jornal do tumultuoso período de 19 anos sob a direcção dos proprietários em Chicago, em que o Los Angeles Times era principalmente citado nos noticiários pela sua situação de “turbulência, cortes de despesa, fricção e despedimentos”. Norman Pearlstine diz que o jornal “tem mais talento do que tinha pensado olhando de fora”, e que é urgente conhecê-lo, avaliá-lo e ver o que se lhe pode acrescentar. 

Quanto ao seu próprio lugar neste processo, admite com realismo:  

“Por muito que eu gostasse de ser a pessoa responsável por uma reformulação de dez anos, no Los Angeles Times, acho que isso não seria provavelmente bom para a empresa, nem bom para mim pensar nesses termos.” (...) 

Sobre a frase a respeito de Trump, que o celebrizou, Pearlstine conta que o conhece bem, pessoalmente, que ele é “uma criatura instintiva”, e que o sentido daquela citação é simplesmente que ele “adora ter a atenção da Imprensa”. 

Isto implica que adora, igualmente, “pegar-se” constantemente com ela. Quando fica furioso, pode cortar o acesso da CNN, ou do New York Times, a algum evento, mas isso não o impede de ter dado a Maggie Haberman [a correspondente do NYT em assuntos da Casa Branca] algumas boas entrevistas. 

“Se eu fosse mais delicado  - diz Pearlstine -  acho que teria dito que se trata de uma relação simbiótica, ou qualquer coisa como isso. Mas sim, é a cocaína dele.” (...) 

Sobre as ambições do novo proprietário, Soon-Shiong, que quer pôr Los Angeles Times a competir directamente com os maiores jornais americanos de projecção mundial, como The New York Times e The Washington Post, admite que isso pode acontecer em determinados casos, mas adverte: 

“Precisamos de ter algum senso a respeito da rapidez com que podemos andar, mas eu não queria ficar ligado a uma data específica em termos de realizações. Neste momento ainda estou a avaliar quais são os nossos activos presentes, e de que modo estão aplicados.” (...) A primeira prioridade é reconhecer o talento que cá temos e garantir que estamos a utilizar em pleno e a tirar partido de algumas pessoas realmente brilhantes, que podem não ter sentido que eram escutadas, ou que tinham oportunidade de assumir mais autoridade ou responsabilidade.” (...) 

Partindo do facto da anterior experiência de Norman Pearlstine ter passado por jornais com tradição sindical interna, foi-lhe perguntado se essa sua experiência de “negociação colectiva” vai continuar com o Los Angeles Times, em que o movimento esteve contra o grupo Tronc

“Não quero entrar na discussão dos pormenores, porque não estive envolvido, mas o voto sindical foi a expressão de preocupações muito profundas da parte de muitas pessoas que aqui trabalham. E havendo ou não um sindicato, temos de tomar a sério essas preocupações. Tive um encontro  - não numa sessão formal, mas informalmente -  com pessoas que têm estado identificadas com o movimento sindical, e penso que há muita sinceridade nas suas preocupações, e que devemos estar preparados para as tomar a sério. Eu não acho que a existência de um sindicato implique qualquer impedimento de termos boas relações com as pessoas que aqui trabalham.” (...) 

E sobre o novo proprietário, Soon-Shiong, sublinha a importância desta oportunidade de “escutar as pessoas e procurar obter ideias da base para cima, em termos daquilo que estamos a fazer”: 

“É muito bom termos um patrão para quem é importante uma força de trabalho diferente, e um local de trabalho diferente. É fabuloso termos um patrão que, apesar do seu sucesso pessoal, continua a ver-se a si mesmo como uma espécie de oprimido [underdog, no original] desejoso de confrontar o establishment, na medicina ou em qualquer outro terreno. E que tem grande capacidade de escutar. Tenho aprendido muito com ele, sempre que estivémos juntos. Acho que é especialmente importante, em face do tumulto dos últimos anos, que possamos escutar cuidadosamente e tentar então dar resposta às melhores ideias que nos cheguem.” (...)

 

A entrevista com Norman Pearlstine, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão