Sábado, 17 de Agosto, 2019
Media

Jornalista veterano toma conta da direcção editorial do "LA Times"

O novo editor executivo de Los Angeles Times, Norman Pearlstine, não é novo na idade. A primeira pergunta da entrevista aqui citada é como se sente um homem que se reforma aos 75 anos de um posto importante na Time Inc para vir dirigir um jornal que sobreviveu com dificuldade a quase duas décadas na posse do grupo Tronc, de Chicago, para ser agora adquirido por um médico multimilionário cheio de ambições de competitividade. E uma das que se seguem é como explica uma frase sua que ganhou o prémio da melhor citação nas Reliable Sources, em que Pearlstine diz que “os media são a cocaína de Trump”. Norman Pearlstine tem ideias sólidas sobre o que pode fazer, e a primeira é a de que o jornal tem de começar já a pensar sobre a “próxima geração de liderança”  - que não será a sua.

A prioridade absoluta é a de recuperar o jornal do tumultuoso período de 19 anos sob a direcção dos proprietários em Chicago, em que o Los Angeles Times era principalmente citado nos noticiários pela sua situação de “turbulência, cortes de despesa, fricção e despedimentos”. Norman Pearlstine diz que o jornal “tem mais talento do que tinha pensado olhando de fora”, e que é urgente conhecê-lo, avaliá-lo e ver o que se lhe pode acrescentar. 

Quanto ao seu próprio lugar neste processo, admite com realismo:  

“Por muito que eu gostasse de ser a pessoa responsável por uma reformulação de dez anos, no Los Angeles Times, acho que isso não seria provavelmente bom para a empresa, nem bom para mim pensar nesses termos.” (...) 

Sobre a frase a respeito de Trump, que o celebrizou, Pearlstine conta que o conhece bem, pessoalmente, que ele é “uma criatura instintiva”, e que o sentido daquela citação é simplesmente que ele “adora ter a atenção da Imprensa”. 

Isto implica que adora, igualmente, “pegar-se” constantemente com ela. Quando fica furioso, pode cortar o acesso da CNN, ou do New York Times, a algum evento, mas isso não o impede de ter dado a Maggie Haberman [a correspondente do NYT em assuntos da Casa Branca] algumas boas entrevistas. 

“Se eu fosse mais delicado  - diz Pearlstine -  acho que teria dito que se trata de uma relação simbiótica, ou qualquer coisa como isso. Mas sim, é a cocaína dele.” (...) 

Sobre as ambições do novo proprietário, Soon-Shiong, que quer pôr Los Angeles Times a competir directamente com os maiores jornais americanos de projecção mundial, como The New York Times e The Washington Post, admite que isso pode acontecer em determinados casos, mas adverte: 

“Precisamos de ter algum senso a respeito da rapidez com que podemos andar, mas eu não queria ficar ligado a uma data específica em termos de realizações. Neste momento ainda estou a avaliar quais são os nossos activos presentes, e de que modo estão aplicados.” (...) A primeira prioridade é reconhecer o talento que cá temos e garantir que estamos a utilizar em pleno e a tirar partido de algumas pessoas realmente brilhantes, que podem não ter sentido que eram escutadas, ou que tinham oportunidade de assumir mais autoridade ou responsabilidade.” (...) 

Partindo do facto da anterior experiência de Norman Pearlstine ter passado por jornais com tradição sindical interna, foi-lhe perguntado se essa sua experiência de “negociação colectiva” vai continuar com o Los Angeles Times, em que o movimento esteve contra o grupo Tronc

“Não quero entrar na discussão dos pormenores, porque não estive envolvido, mas o voto sindical foi a expressão de preocupações muito profundas da parte de muitas pessoas que aqui trabalham. E havendo ou não um sindicato, temos de tomar a sério essas preocupações. Tive um encontro  - não numa sessão formal, mas informalmente -  com pessoas que têm estado identificadas com o movimento sindical, e penso que há muita sinceridade nas suas preocupações, e que devemos estar preparados para as tomar a sério. Eu não acho que a existência de um sindicato implique qualquer impedimento de termos boas relações com as pessoas que aqui trabalham.” (...) 

E sobre o novo proprietário, Soon-Shiong, sublinha a importância desta oportunidade de “escutar as pessoas e procurar obter ideias da base para cima, em termos daquilo que estamos a fazer”: 

“É muito bom termos um patrão para quem é importante uma força de trabalho diferente, e um local de trabalho diferente. É fabuloso termos um patrão que, apesar do seu sucesso pessoal, continua a ver-se a si mesmo como uma espécie de oprimido [underdog, no original] desejoso de confrontar o establishment, na medicina ou em qualquer outro terreno. E que tem grande capacidade de escutar. Tenho aprendido muito com ele, sempre que estivémos juntos. Acho que é especialmente importante, em face do tumulto dos últimos anos, que possamos escutar cuidadosamente e tentar então dar resposta às melhores ideias que nos cheguem.” (...)

 

A entrevista com Norman Pearlstine, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
História de um editor espanhol de sucesso em tempo de crise Ver galeria

No decorrer de uma década, e em plena crise económica e do jornalismo,  a Spainmedia ocupou o seu lugar de editora de revistas internacionais na área designada por  lifestyle  - trazendo para o mercado espanhol a versão local de marcas como a Esquire e a Forbes, entre outras.  A história do seu êxito neste espaço é também a de um jornalista, Andrés Rodríguez, que se torna um director editorial bem sucedido  -  e é essa, naturalmente, a primeira pergunta da entrevista que lhe é feita por Media-tics.

A sua resposta é que foi na base de “paixão, entusiasmo e inconsciência”, e muito por tentativa e erro. Logo acrescenta:

“Aprendi, também, a dirigir recursos humanos  - e que, se não formos rentáveis, fechamos mais tarde ou mais cedo. Os media podem sobreviver algum tempo sem rentabilidade mas, por fim, impõe-se a conta dos resultados.”

Reconhece que aprendeu muito na Prisa, mas ficou frustrado com a fronteira marcada entre o sector jornalístico e o financeiro e publicitário. Como explica,  “pensava que para fazer a minha revista eu tinha que poder vender, ter alianças, mas na Prisa isso não podia ser feito por um jornalista”:

“Se alguma coisa corria bem, resultava do êxito do jornalista e do gestor; se corria mal, era resultado do jornalista. Eu queria ser responsável pelo que fizesse mal.”

"Jornalismo de soluções" como mito ou alternativa Ver galeria

Muitos chegam ao jornalismo com o sonho de fazer reportagem que comunique “impacto, conhecimento e inspiração”. Mas quando encontram o espaço ocupado principalmente por notícias negativas, sem caminho de saída, desanimam e chegam a desistir da profissão.

A jornalista argentina Liza Gross conta que passou por isto, tendo deixado o jornalismo “porque estava esgotada a todos os níveis, não só pelo modelo económico como também pelo modo como nós, jornalistas, estávamos a fazer o nosso trabalho”.

O rumo que seguiu levou-a à rede Solutions Journalism Network [Red de Periodismo de Soluciones  nos países de língua espanhola], cujos métodos promove, no sentido de alterar a imagem clássica do jornalista, que deixa de ser apenas o watchdog (“cão de guarda”) que vigia os poderes e denuncia o que está mal, para se tornar o “cão-piloto” capaz de de fazer “a cobertura rigorosa e baseada na evidência de respostas a problemas sociais”.

A reflexão é desenvolvida em dois textos que aqui citamos, da FNPI – Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, que trabalha em parceria com a Red de Periodismo de Soluciones  para dar formação nesta nova disciplina.

O Clube

É tempo de férias. E este site do Clube Português de Imprensa (CPI) não foge à regra e volta a respeitar Agosto,  como o mês mais procurado pelos seus visitantes para uma pausa nos afazeres. Suspendemos, por isso,  a  actualização diária,  a partir do  fim de semana. 

Quando retomarmos a actualização  das nossas páginas, no inicio de Setembro, contamos com a renovação do interesse dos Associados do Clube e dos milhares de outros frequentadores regulares,  que nos acompanham  em número crescente e que  se revêem neste espaço, formatado no rigor e na independência em que todos nos reconhecemos,  como  valor matricial do Clube, desde a sua fundação,  há quase meio século.   


ver mais >
Opinião
Os jornalistas e os incêndios
Francisco Sarsfield Cabral
Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar. As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à...
O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de...
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
Agenda
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
04
Set
Infocomm China
09:00 @ Chengdu, Sichuan Province, China
09
Set
Facebook Ads Summit 2019
09:00 @ Online