Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Tecnologias

Agência “Xinhua” em vantagem na ‘inteligência artificial’

No início do ano, a Xinhua, maior agência noticiosa estatal da China, divulgou o desenvolvimento de aplicação da ‘inteligência artificial’ para construir “um novo tipo de redacção, baseada na tecnologia de informação e utilizando colaboração entre o homem e a máquina”. Estava então a equipar-se com a plataforma Media Brain, que aplica a parafernália corrente designada por IA (inteligência artificial), Internet das coisas, big data e cloud computing a todas as fases da produção de notícias, desde a criação dos leads à agregação, edição, distribuição e análise de feedback.

Agora anunciou um update ao Media Brain, que vai usar MGC – machine generated content  para uma produção noticiosa de alta velocidade, que pode criar um vídeo de modo automático em cerca de dez segundos. O presidente da Xinhua, Cai Mingzaho, disse que a agência usará a IA para criar uma “informação individualizada e personalizada” que pode tomar muitas formas, desde portais noticiosos personalizados até títulos e artigos ajustados para leitores individuais  -  “e, provavelmente, para propaganda”. A informação é de um artigo de Kelsey Ables, assistente editorial na Columbia Journalism Review.

A Xinhua tem uma presença internacional crescente, com mais de 170 delegações no estrangeiro e o maior número de correspondentes de qualquer agência noticiosa em todo o mundo. 

“Antigamente, a Xinhua admirava a Reuters e a AP – Associated Press, e queria chegar lá”  -  diz Xin Xin, um ex-jornalista da Xinhua, hoje docente de Comunicações Internacionais na Universidade de Westminster. “Mas, subitamente, a Xinhua apercebeu-se de que continuava a expandir-se, enquanto as outras agências de notícias reduziam a dimensão.” Naturalmente, como agência estatal, a Xinhua não depende de receitas da publicidade. 

Sean Gourley, fundador e CEO da Primer, uma empresa de machine intelligence, com sede em San Francisco, sublinha que a Xinhua pode juntar-se ao grupo das grandes redes noticiosas muito depressa  -  e adquirir muita influência: 

“Temos a AP, a Reuters, a emissão da CNN, e algumas outras, mas não são muitas, e estas redes reverberam [replicam-se] maciçamente”  - afirma. “As agências noticiosas têm um papel enorme em dar o tom da conversa, muito mais do que lhes atribuímos.” (...) 

Conforme a autora do artigo que citamos, “se a ‘inteligência artificial’ amplificar a voz da Xinhua para fora da China, a agência vai ter um impacto global dramático sobre o modo como as notícias são espalhadas”: 

“A agência estatal tem má reputação pelas suas palavras proibidas, pontos sem acesso sobre questões de direitos humanos, acusações de espionagem e, mais recentemente, por ter feito a lista das contas Twitter de The New York Times que adquiriam falsos seguidores.” 

“Em 2016, depois de ter publicado o que se crê ser uma confissão forçada de um editor aparentemente raptado, Guo Minhai, os Repórteres sem Fronteiras pediram sanções da União Europeia contra a Xinhua, denunciando-a como uma ‘arma de propaganda de massas’ que tinha de facto ‘deixado de ser uma agência noticiosa’.” (...) 

“Além de bloquear palavras ou excluir conteúdos do noticiário, o governo controla cuidadosamente os media requerendo o uso do conteúdo da Xinhua. 

“A primeira prioridade do Partido Comunista Chinês é a de irradiar narrativas positivas sobre a China, contando a ‘boa história chinesa’”  - explica Sarah Cook, analista da Ásia Oriental na Freedom House

“Trata-se de apresentar o governo comunista e o regime autoritário a uma luz positiva, retratando-o como benigno, desvalorizando os problemas dos direitos humanos, sublinhando os sucessos económicos e, ao mesmo tempo, suprimindo as vozes críticas e, se necessário, usando estas vias para vilipendiar os críticos.” (...) 

Sarah Cook define isto como “censura positiva”. Se aparecer cobertura de acontecimentos negativos ou temas politicamente sensíveis, como tensões crescentes no mar do Sul da China ou [referências à] independência de Taiwan, o governo frequentemente requere o uso da versão da Xinhua

“Temos então basicamente a mesma reportagem, em todos os jornais ou websites, exactamente com as mesmas palavras.” (...)

E quando aparecem reportagens que não se ajustam à narrativa preferida pelo Partido Comunista Chinês, a Xinhua tem procurado lançar sementes de dúvida sobre a validade dessas histórias. (...) 

“Do ponto de vista de alguém que tem trabalhado nos media, há uma forte ênfase em ser-se o primeiro, no que respeita à experimentação”  -  afirma Jarrod Dicker, que dirigiu um laboratório de investigação digital  em The Washington Post, sobre a utilização da IA na redacções de todo o mundo. 

“Trata-se de ver se isto funciona antes de mais ninguém.” E não é só a Xinhua que quer ser a primeira; outras empresas de media estão também a integrar a IA no seu funcionamento  - incluindo a Associated Press e a Reuters. (...) 

 

O artigo citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review.  E a notícia de Janeiro, sobre o início desta tecnologia na Xinhua.
Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão