Segunda-feira, 16 de Setembro, 2019
Fórum

Abecedário para combater vulnerabilidade à desinformação

A facilidade com que se propaga a desinformação nas redes sociais tem vindo a ser objecto de estudo, para identificar as suas causas e propor um antídoto eficaz. O simples facto de os conteúdos de fraca qualidade se espalharem tão depressa sugere que, tanto as pessoas como os algoritmos na estrutura das plataformas, são vulneráveis à manipulação. Dois investigadores na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, procuraram identificar três tipos dominantes de preconceito, ou tendenciosismo, e os seus espaços de actuação, para desenvolverem depois as ferramentas tecnológicas indicadas para tornar as pessoas conscientes desses perigos e agirem em conformidade. 

Segundo o seu estudo, a “parcialidade” que nos torna vulneráveis ao engano pode revelar-se desde logo no cérebro, viciando o processo cognitivo; ou na sociedade, por efeito de imitação e “câmara de eco”; ou nos aparelhos que usamos, computadores ou telemóveis, por desvio do objectivo inicial dos algoritmos instalados. 

O nosso primeiro problema é que o cérebro está preparado para lidar com uma quantidade finita de informação, e o excesso de estímulos pode causar um efeito de sobrecarga. A “competição intensa pela atenção limitada dos utentes implica que determinadas ideias se tornam ‘virais’ apesar da sua fraca qualidade, e mesmo que as pessoas prefiram partilhar conteúdos de alta qualidade”. 

O acto de decidirmos se fazemos ou não o reenvio de uma história acabada de chegar deixa-nos mais vulneráveis, por exemplo, às conotações emocionais de um título  - que pode não ser o melhor critério sobre a sua autenticidade. “É mais importante saber quem o escreveu.” 

Em termos de relações sociais, tendemos a identificar-nos, no nosso tráfego online, cada vez mais com um grupo determinado. A investigação citada pelos dois autores revela que “é possível determinar a inclinação política de um utente do Twitter olhando simplesmente para as preferências partidárias dos seus amigos”. 

A estrutura destes grupos torna-os muito eficazes na partilha de informação  - verdadeira ou não  - “quando são muito coesos e desligados de outras partes da sociedade”. Isto explica de que modo tantas conversas online descambam em confrontos de “nós contra eles”. 

O terceiro tipo de tendenciosismo vem directamente dos algoritmos usados tanto pelas plataformas das redes sociais como pelos motores de busca. Estas “tecnologias de personalização” reforçam as preferências detectadas, tornando os utentes cada vez mais vulneráveis à manipulação. 

“Por exemplo, as ferramentas de publicidade inseridas em muitas plataformas de redes sociais permitem aos autores de campanhas de desinformação explorar as tendências de confirmação, fornecendo mensagens ajustadas a pessoas já inclinadas a acreditarem nelas.” (...) 

Para qualquer destes três territórios principais, os investigadores do estudo citado, no Observatory of Social Media da Universidade de Indiana, desenvolveram ferramentas específicas: 

Para o primeiro, apresentam Fakey, um jogo de literacia mediática destinado a dispositivos móveis, no qual se ganham pontos quando se faz o reenvio de notícias de fontes sérias ou se assinalam conteúdos suspeitos para fact-checking

Para o tendenciosismo de origem colectiva, propõem Hoaxy, um sistema que identifica de forma visual a disseminação de conteúdos de baixa credibilidade e o modo como estas disputam espaço aos esforços de fact-checking

Para o último, desenvolveram o Botometer, à letra um uma ferramenta para detectar robots sociais. “Não é perfeito, mas revelou que pelo menos 15% das contas do Twitter mostram sinais de que se trata de robots.” (...) 

“Ferramentas como estas oferecem aos utentes da Internet mais informação sobre a desinformação e, portanto, algum grau de protecção contra os seus malefícios. As soluções não serão exclusivamente tecnológicas, embora tenham provavelmente alguns aspectos técnicos. Mas devem ter em conta os aspectos cognitivos e sociais do problema.” 

O artigo citado, na íntegra, no NiemanLab, com um vídeo de apresentação destas ferramentas

Connosco
Portugal entre os que menos pagam por jornalismo na Internet Ver galeria

“Em Portugal, o número de consumidores de notícias que pagam por jornalismo online baixou 2% em relação ao ano passado. Hoje são apenas 7% o total de leitores pagantes. Se considerarmos apenas os que têm uma assinatura recorrente, o número desce para 5%”, refere João Pedro Pereira, num artigo do jornal Público, intitulado “Quem Paga o Poder”.

O colunista lembra que após a massificação da Internet, ocorrida na década de 90, do século passado, começaram as quebras nas vendas de jornais e revistas. Os números do Instituto Nacional de Estatística, revelam que o número total de exemplares vendidos caiu 40% entre 2011 e 2017.

A grande quebra nas vendas de jornais foi acompanhada da redução, também drástica do segmento da publicidade, que, segundo o mesmo Instituto, caiu 41% entre 2008 e 2017.
O dilema dos conteúdos pagos como resposta à quebra de receitas Ver galeria

 

Num contexto de crise, o conteúdo pago ganha maior relevo, sendo considerado um mal necessário por muitos órgãos de comunicação social.  Mas será que é possível haver qualidade nos textos patrocinados? Esta é a questão levantada por Lívia Souza Vieira, num artigo reproduzido no site do Observatório de Imprensa do Brasil, com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

A professora de jornalismo, cita The  New York Times e a revista The Atlantic, como exemplos de duas publicações de referência, onde esse passo para a qualidade parece ter sido dado.

O primeiro, quando publicou uma peça paga pela Netflix, sobre as particularidades do sistema prisional feminino, integrado numa campanha da série televisiva, “Orange is the new black”, que teve a vantagem de abordar um tema normalmente esquecido pelas agendas.

No segundo caso, salienta-se o facto de a publicação ter revisto e actualizado as regras e procedimentos para publicação de conteúdos pagos.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
16
Set
16
Set
Ferramentas Google para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Set
Local Media Fal(l) School
09:00 @ Covilhã
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul