Sábado, 17 de Novembro, 2018
Colectânea

Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

E a autora prossegue advertindo que os jornalistas têm de continuar a lembrar-se de que, por muito que estejam em parcerias com as plataformas, “estas empresas são muito maiores do que as notícias  - [porque] estão envolvidas em todos os aspectos da vida cívica”: 

“Se vocês forem uma redacção local apoiada por dinheiro da Google, como é que vão sentir-se numa investigação sobre os contratos que a Google está a assinar com as vossas escolas locais, ou a vossa autarquia, o vosso hospital, ou qualquer outra área onde a empresa está a distribuir sofware?” (...) 

Emily Bell apresenta um relatório acabado de publicar pelo Tow Center, intitulado  -  “Friend and Foe: The Platform Press at the Heart of Journalism”, elaborado a partir de entrevistas em 44 redacções e seis destas plataformas, dois anos de análise de conteúdos e dados e uma sondagem recente feita junto de 1100 jornalistas no activo. 

“Os jornalistas têm uma relação de conflito com as plataformas das redes sociais: enquanto a maioria reconhece que adaptou as práticas na redacção em resposta às plataformas, uma esmagadora maioria (86%) sente que as redes sociais contribuíram para o declínio de confiança no jornalismo. Mas continuam a usar vigorosamente as mesmas plataformas, e parecem ter respondido positivamente aos esforços de contacto feitos particularmente pela Google.” 

A abrir uma síntese dos principais pontos do relatório, a autora adianta: 

“A aparente natureza tóxica da retórica contra as empresas tecnológicas, de modo geral, e especialmente contra o Facebook, não parece ter diminuído a quantidade de material [noticioso] que os editores enviam pelas plataformas sociais. Verifica-se, no entanto, um ajustamento nítido, da parte destes, para não criarem material que viva exclusivamente em plataformas de terceiros.” 

“À medida que os editores exercem esse ‘desacoplamento consciente’ da influência das redes sociais, as empresas das plataformas intensificam os seus próprios esforços de permanecerem envolvidas na formação do futuro do jornalismo. Se isto é uma estratégia a longo prazo, ou uma iniciativa de relações públicas, veremos.” (...) 

Dos doze websites (os grandes jornais de referência, a CNN e os mais conhecidos órgãos digitais) que foram seguidos durante mais de um ano e meio, nesta investigação, verificou-se que os maiores, e dotados de mais recursos, “consistentemente colocaram mais conteúdos numa gama mais larga de plataformas”. Os mais pequenos “concentraram-se quase inteiramente na Apple News, no Facebook e no Twitter”. Isto foi particularmente claro nos casos de três jornais metropolitanos, o Chicago Tribune, Los Angeles Times e New York Daily News

“As plataformas continuam a moldar tanto o estilo como a substância dos conteúdos editoriais, directa ou indirectamente” [a autora fornece exemplos concretos]. (...) Não há sinais de que isto vá mudar. (...) Um editor contou-nos que as plataformas procuram mais contratos ‘tipo Netflix’ e tratam os publishers como empresas de produção.” (...) 

“As actuais estratégias das plataformas quanto à publicação de notícias estão a ser menos moldadas pelas forças do mercado e mais por uma mistura de dever cívico e receio da regulação. Isto leva à adoptão de práticas ‘editoriais’ muito mais explícitas por parte das plataformas, incluindo a contratação de mais jornalistas no activo, moderadores humanos e empenhamento em estratégias para promover um notíciário de ‘melhor qualidade’. Isto vai inevitavelmente conduzir a um ponto em que as empresas tecnológicas estarão a exercer uma grande influência na decisão de quais publishers vão beneficiar das suas envolventes, e que notícias vão os consumidores ver nos seus portais ou resultados de pesquisa.” (...) 

Emily Bell conclui citando uma intervenção recente de Mark Thompson, director-executivo da The New York Times Company, num debate co-promovido pelo Tow Center sobre os efeitos de um poder monopolista sobre o jornalismo. 

Segundo conta, “enfrentamos agora uma ameaça imediata [à independência editorial], proveniente do facto de que a lista de passos errados, com os dados pessoais e com conteúdos extremistas e de ódio, cometidos pelo Facebook, vai levar a uma tentativa ingénua de ele se assumir como uma espécie de editor-chefe do digital em todo o mundo, dando prioridade e presumivelmente despromovendo ou rejeitando conteúdos por um critério de avaliação assente em sondagens e dados, para decidir se o fonecedor desses conteúdos é ‘geralmente confiável’ ou não”. 

“Thompson acrescentou que uma pluralidade de pontos de vista em espaços abertos é o modo como o jornalismo funciona melhor, e que re-alimentar o processo de decisão editorial com pontos de vista sobre confiança, vindos de maiorias transitórias, ‘é profundamente perigoso’.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review,  e o relatório apresentado por Emily Bell

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto