Sábado, 17 de Novembro, 2018
Estudo

Redes sociais perdem terreno como fontes noticiosas

A utilização das redes sociais como fonte de notícias está a abrandar, ou mesmo a cair em vários países, depois de anos de crescimento contínuo. Este desenvolvimento é coerente com o facto de muitas empresas de media estarem a investir na melhoria da qualidade dos seus conteúdos e no acesso por assinaturas pagas. As grandes questões que preocupam os leitores continuam a ser as da verdade ou desinformação a que são expostos. Esta preocupação é maior em países como o Brasil (85%), a Espanha (69%) e os EUA (64%), “onde situações políticas polarizadas se combinam com elevado uso das redes sociais”. O nivel médio de confiança nas notícias mantém-se estável nos 44%, considerados todos os países. São estas as tendências destacadas na apresentação do Digital News Report 2018, elaborado pelo Instituto Reuters e agora disponível.

O Relatório deste ano é baseado num inquérito online junto de 74 mil pessoas, de 37 países, em cinco continentes. Há sinais de esperança para a actividade das empresas noticiosas, segundo a apresentação assinada por Nic Newman. Mesmo “as noções de confiança e qualidade estão a ser incorporadas nos algoritmos de algumas plataformas tecnológicas, que procuram assim responder às exigências políticas e dos consumidores no sentido de garantirem nos seus sistemas a fiabilidade da informação”.

“Muitos dos inquiridos acham que os publishers (75%) e as plataformas (71%) têm a maior responsabilidade na solução do problema das fake news ou notícias menos credíveis. E é assim porque muitas das notícias de que se queixam têm a ver com informação tendenciosa ou menos rigorosa proveniente dos órgãos de comunicação tradicionais [mainstream media, no original], mais do que de notícias totalmente inventadas ou distribuídas por potências estrangeiras.” 

“Há algum desejo público de intervenção governamental no combate às fake news, principalmente na Europa (60%) e na Ásia (63%). Por contraste, só quatro em cada dez americanos (41%) acham que o governo devia fazer mais.” (...) 

“O número médio de pessoas que pagam pelo noticiário online tem subido em muitos países, com um aumento significativo na Noruega (+4 pontos percentuais), na Suécia (+6) e na Finlândia (+4). Estes países têm um número pequeno de empresas editoras, na sua maioria procurando constantemente uma variedade de estratégias de paywall. Mas em mercados mais complexos e fragmentados há ainda muitos publishers que fornecem noticiário online de graça.” 

“O aumento significativo, registado no ano anterior, das assinaturas nos EUA (o chamado Trump Bump), mantém-se, enquanto contribuições [pontuais] e ‘membrasia’ assente em contribuições estão a emergir como alternativas estratégicas significativas na Espanha e no Reino Unido, como também nos Estados Unidos. Estas formas de pagamento estão intimamente relacionadas com convicções políticas e são desproporcionalmente provenientes de jovens.” (...) 

Na classificação por países, Portugal aparece junto dos países mais bem classificados em termos de confiança no jornalismo, mas “o baixo nível de confiança nas redes sociais e suspeitas a respeito da legitimidade dos conteúdos noticiosos online suscitam preocupação sobre durante quanto tempo pode durar esta situação”. 

O capítulo sobre o nosso País, assinado por Ana Pinto Martinho, Gustavo Cardoso e Miguel Paisana, do ISCTE, afirma que o jornalismo online, em Portugal, “é quase tão popular como a televisão, em termos de alcance semanal, embora a ‘monetização’ desse tráfego continue a ser um problema”. 

“Sobre este ponto, uma das mais significativas iniciativas digitais do ano passado foi o aparecimento de uma nova plataforma chamada Nónio, apoiada por seis das maiores marcas de media em Portugal. A plataforma proporciona aos seus utentes o acesso a centenas de websites noticiosos, streams de televisão e serviços de rádio on demand, tudo a partir de uma mesma entrada [login].” (...) “A plataforma Nónio foi financiada por uma dotação de 900 mil euros da Google Digital News Initiative, como parte do seu esforço para apoiar a ‘monetização’ dos publishers.” (...) 

“A confiança no jornalismo, em Portugal, tem sido consistentemente elevada. Mas o Relatório deste ano coloca o País num primeiro lugar repartido com os 62% da amostra que afirmam confiar nele de modo geral. Embora isto seja consistente com estudos prévios, os dados deste ano revelam uma situação com algumas nuances  -  48% afirmam confiança nas notícias que encontram pelos motores de busca, mas apenas 29% dizem acreditar nas que recebem das redes sociais.” 

“Os consumidores portugueses de notícias revelam alto nível de preocupação  por questões como a manipulação, as fake news e jornalismo de má qualidade. Quase metade dizem que encontraram exemplos de mau jornalismo na última semana, e 38% que viram conteúdos que tinham sido manipulados para se conformarem a uma agenda específica.” 

“A análise dos dados, combinando opiniões sobre a manipulação das notícias, as fake news, cobertura de má qualidade, mau jornalismo e confiança em [determinadas] marcas noticiosas, parece mostrar que os portugueses descrêem do ambiente noticioso, mas tendem a confiar em certas marcas específicas de media. O que podia ser considerado uma relação bastante ambígua entre o jornalismo e os consumidores pode ser explicado pela tradicional contradição entre a opinião e a prática dos cidadãos: eles exprimem preocupação a respeito da qualidade do jornalismo, mas mantêm-se fiéis aos seus jornalistas e títulos preferidos, em termos de confiança.” (...)

 

A apresentação e principais conclusões do Relatório (com o link para o texto na íntegra, em PDF), e o destaque sobre Portugal

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto