Quarta-feira, 17 de Julho, 2019
Estudo

Redes sociais perdem terreno como fontes noticiosas

A utilização das redes sociais como fonte de notícias está a abrandar, ou mesmo a cair em vários países, depois de anos de crescimento contínuo. Este desenvolvimento é coerente com o facto de muitas empresas de media estarem a investir na melhoria da qualidade dos seus conteúdos e no acesso por assinaturas pagas. As grandes questões que preocupam os leitores continuam a ser as da verdade ou desinformação a que são expostos. Esta preocupação é maior em países como o Brasil (85%), a Espanha (69%) e os EUA (64%), “onde situações políticas polarizadas se combinam com elevado uso das redes sociais”. O nivel médio de confiança nas notícias mantém-se estável nos 44%, considerados todos os países. São estas as tendências destacadas na apresentação do Digital News Report 2018, elaborado pelo Instituto Reuters e agora disponível.

O Relatório deste ano é baseado num inquérito online junto de 74 mil pessoas, de 37 países, em cinco continentes. Há sinais de esperança para a actividade das empresas noticiosas, segundo a apresentação assinada por Nic Newman. Mesmo “as noções de confiança e qualidade estão a ser incorporadas nos algoritmos de algumas plataformas tecnológicas, que procuram assim responder às exigências políticas e dos consumidores no sentido de garantirem nos seus sistemas a fiabilidade da informação”.

“Muitos dos inquiridos acham que os publishers (75%) e as plataformas (71%) têm a maior responsabilidade na solução do problema das fake news ou notícias menos credíveis. E é assim porque muitas das notícias de que se queixam têm a ver com informação tendenciosa ou menos rigorosa proveniente dos órgãos de comunicação tradicionais [mainstream media, no original], mais do que de notícias totalmente inventadas ou distribuídas por potências estrangeiras.” 

“Há algum desejo público de intervenção governamental no combate às fake news, principalmente na Europa (60%) e na Ásia (63%). Por contraste, só quatro em cada dez americanos (41%) acham que o governo devia fazer mais.” (...) 

“O número médio de pessoas que pagam pelo noticiário online tem subido em muitos países, com um aumento significativo na Noruega (+4 pontos percentuais), na Suécia (+6) e na Finlândia (+4). Estes países têm um número pequeno de empresas editoras, na sua maioria procurando constantemente uma variedade de estratégias de paywall. Mas em mercados mais complexos e fragmentados há ainda muitos publishers que fornecem noticiário online de graça.” 

“O aumento significativo, registado no ano anterior, das assinaturas nos EUA (o chamado Trump Bump), mantém-se, enquanto contribuições [pontuais] e ‘membrasia’ assente em contribuições estão a emergir como alternativas estratégicas significativas na Espanha e no Reino Unido, como também nos Estados Unidos. Estas formas de pagamento estão intimamente relacionadas com convicções políticas e são desproporcionalmente provenientes de jovens.” (...) 

Na classificação por países, Portugal aparece junto dos países mais bem classificados em termos de confiança no jornalismo, mas “o baixo nível de confiança nas redes sociais e suspeitas a respeito da legitimidade dos conteúdos noticiosos online suscitam preocupação sobre durante quanto tempo pode durar esta situação”. 

O capítulo sobre o nosso País, assinado por Ana Pinto Martinho, Gustavo Cardoso e Miguel Paisana, do ISCTE, afirma que o jornalismo online, em Portugal, “é quase tão popular como a televisão, em termos de alcance semanal, embora a ‘monetização’ desse tráfego continue a ser um problema”. 

“Sobre este ponto, uma das mais significativas iniciativas digitais do ano passado foi o aparecimento de uma nova plataforma chamada Nónio, apoiada por seis das maiores marcas de media em Portugal. A plataforma proporciona aos seus utentes o acesso a centenas de websites noticiosos, streams de televisão e serviços de rádio on demand, tudo a partir de uma mesma entrada [login].” (...) “A plataforma Nónio foi financiada por uma dotação de 900 mil euros da Google Digital News Initiative, como parte do seu esforço para apoiar a ‘monetização’ dos publishers.” (...) 

“A confiança no jornalismo, em Portugal, tem sido consistentemente elevada. Mas o Relatório deste ano coloca o País num primeiro lugar repartido com os 62% da amostra que afirmam confiar nele de modo geral. Embora isto seja consistente com estudos prévios, os dados deste ano revelam uma situação com algumas nuances  -  48% afirmam confiança nas notícias que encontram pelos motores de busca, mas apenas 29% dizem acreditar nas que recebem das redes sociais.” 

“Os consumidores portugueses de notícias revelam alto nível de preocupação  por questões como a manipulação, as fake news e jornalismo de má qualidade. Quase metade dizem que encontraram exemplos de mau jornalismo na última semana, e 38% que viram conteúdos que tinham sido manipulados para se conformarem a uma agenda específica.” 

“A análise dos dados, combinando opiniões sobre a manipulação das notícias, as fake news, cobertura de má qualidade, mau jornalismo e confiança em [determinadas] marcas noticiosas, parece mostrar que os portugueses descrêem do ambiente noticioso, mas tendem a confiar em certas marcas específicas de media. O que podia ser considerado uma relação bastante ambígua entre o jornalismo e os consumidores pode ser explicado pela tradicional contradição entre a opinião e a prática dos cidadãos: eles exprimem preocupação a respeito da qualidade do jornalismo, mas mantêm-se fiéis aos seus jornalistas e títulos preferidos, em termos de confiança.” (...)

 

A apresentação e principais conclusões do Relatório (com o link para o texto na íntegra, em PDF), e o destaque sobre Portugal

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set