Segunda-feira, 16 de Julho, 2018
Estudo

Jornalistas e leitores divergem sobre conceitos de jornalismo

O modo como os jornalistas imaginam o seu público pode ser bastante diferente do modo como este entende o jornalismo. Tudo depende das questões concretas que são postas. Um estudo muito recente, baseado num inquérito a mais de 2000 leitores e a cerca de 1000 jornalistas, nos Estados Unidos, revela que, quanto à importância do rigor e de uma atitude de clareza sobre as fontes de informação, o acordo é muito elevado. Mas a maioria dos jornalistas atribuía aos seus leitores mais ignorância sobre determinadas diferenças do que realmente ficou provado. Tom Rosenstiel, director executivo do American Press Institute (a instituição promotora deste inquérito) declarou, sobre os resultados, que, “mesmo que os leitores não entendam exactamente muitos dos conceitos do jornalismo, são consumidores mais atentos e activos do que os jornalistas pensam”.

Um exemplo é a compreensão, pelo público, das diferenças entre analista e comentador, entre repórter e colunista, entre editorial e notícia, ou entre notícia e press-release. Menos de um terço do público declarou sentir menos familiaridade com qualquer destas distinções. Mas os jornalistas calcularam que seriam 60%, ou mais, em cada caso. 

Como disse Rosenstiel, os jornalistas podem recolher mais confiança “por meio de iniciativas para aumentar a transparência, eliminar o jargão profissional e abrir as notícias à participação do público”. 

Os que responderam ao inquérito desejam que as notícias tenham algum enquadramento e análise (63%). “Mas muitos acham que encontram frequentemente comentário e opinião, que consideram muito menos útil (42%). Em consequência disto, muitos evitam ler ou escutar os conteúdos mais opiniosos que encontram.” (...) 

Segundo o texto que citamos, de Rick Edmonds, analista do Poynter Institute, “as fake news não eram o tema principal deste estudo, mas os jornalistas podem ficar surpreendidos pelas implicações do que ficou revelado”: 

“O público atribui múltiplos significados a esta expressão. Na sua maioria (71%), adoptou [a definição] ‘histórias inventadas provenientes de sites noticiosos que não existem’ como uma forma de fake news. Mas um número substancial também pensa que são ‘jornalistas de meios de comunicação reais a inventarem coisas’ (62%), podendo ainda incluir-se ‘histórias incorrectas ou toscas’ (43%).” 

“Isto sugere que o Presidente Trump e os seus apoiantes tiveram um êxito considerável ao expropriarem o termo do seu sentido original. (E as diferenças entre apoiantes e opositores de Trump, na definição do que são as fake news, não são muito grandes).” 

Rick Edmonds chama a atenção para outras duas conclusões: 

“Mais de metade dos inquiridos revelaram saber o que são fontes anónimas. Mas apenas 35% disseram que mesmo os seus websites favoritos procedem correctamente explicando o uso destas fontes.” 

“E embora muitos achem que o jornalismo, de modo geral, vai por mau caminho, 32% dizem que mantêm a confiança nos seus órgãos de comunicação favoritos mais do que há um ano atrás.” (...) 

O estudo foi realizado pelo Media Insight Project  -  uma iniciativa do American Press Institute, com o Associated Press – NORC Center for Public Affairs Research

 

O estudo citado, no Poynter.org e no American Press Institute - a que pertence a imagem incluída - e mais referências em Media-tics

Connosco
Vantagens dos Conselhos de Imprensa na autoregulação e deontologia profissional Ver galeria
Ao longo do séc. XX e início do XXI, muitos países instituíram os seus Conselhos de Imprensa, como órgãos profissionais de autoregulação da Comunicação Social. Há cerca de uma centena, dos quais 30 em países europeus. Mas é o Conselho de Imprensa do Québec, no Canadá  - agora com 45 anos -  que vem descrito como aquele com “a reputação mais forte”, sendo o que inspirou muitos dos que vieram a seguir. Não se trata, no texto que citamos, de o apresentar como modelo, porque “cada país tem, nesta matéria, uma história e uma abordagem próprias”, mas para aprender com a sua experiência e avaliar os limites do empreendimento.
Portugal teve, a seguir ao 25 de Abril, um Conselho de Imprensa, que foi extinto em 1990 em favor de uma Alta Autoridade para a Comunicação Social, e tem agora, desde 2005, uma Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Público: uma tradição manchada
Francisco Sarsfield Cabral
No início do corrente mês de julho os leitores do diário “Público” foram surpreendidos pela notícia de que o seu diretor, o prestigiado jornalista David Dinis, se havia demitido. Por aquilo que veio a saber-se através da comunicação social e de afirmações da administradora do jornal Cristina Soares – que é a única informação que possuo – a demissão de D. Dinis ficou a...
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
Boa ideia, Pedro
Manuel Falcão
Trabalhei um pouco mais de dois anos literalmente lado a lado com o Pedro Rolo Duarte no Se7e, dividíamos a direcção. Partilhávamos uma sala onde todos os dias fabricávamos ideias para fazer ressuscitar o jornal e agitar as águas, que era uma coisa que nos entretinha bastante. Foram dois anos de intensas e produtivas discussões, de muita criatividade e de várias crises - e sempre nos apoiámos mutuamente dos ataques que...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
22
Ago
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão