Quarta-feira, 20 de Fevereiro, 2019
Evocação

Alberto Dines: o jornalismo como "um eterno estado de prontidão"

No tempo que atravessamos, “como imperativo de sobrevivência, ao jornalismo resta reciclar-se”. Mas as questões de fundo desta sua relação com o tempo são mais complexas. À partida, exercemos um ofício “que começa e se esgota a cada novo dia”, que é “um nunca acabar, ou eterno renascer”. Este ritmo do jornal diário foi atropelado pela instantaneidade da Internet, que lhe acrescentou problemas de outra natureza. Mas, se há alguma síntese possível, Alberto Dines resumiu-a numa frase: “O jornalismo é um eterno estado de prontidão.” E é nesse estado que temos de o praticar  - e de o criticar enquando o fazemos. Esta reflexão é de Luiz Egypto, num longo trabalho de evocação e memória do percurso de Alberto Dines como fundador da crítica dos media no Brasil  - no Observatório da Imprensa, com o qual o CPI mantém um acordo de parceria.

O autor que citamos delimita como foco da sua atenção, neste caso, “o Alberto Dines observador da Imprensa, o mestre de ofício dedicado ao exercício perene de observação activa e transformadora do objecto de seu trabalho quotidiano. O profissional crítico convencido de que o simples acto de observar, medir e interpretar um fenómeno, concorre para a modificação desse mesmo fenómeno. A observação dos media, por decorrência, é também uma forma de intervenção no comportamento e nos procedimentos adoptados pelos meios de informação jornalística”. (...)

O despertar de Alberto Dines para esta disciplina necessária deu-se quando esteve em The New York Times, em 1965, e aí encontrou uma publicação interna chamada Winners and Sinners, em que os próprios profissionais da casa faziam uma auto-crítica do material que o jornal produzia. 

De regresso ao Brasil, escreveu “A crise do papel e o papel dos jornais”, onde “apontava a necessidade de a Imprensa se aprimorar diante do avanço avassalador da televisão, defendendo que os jornais só podiam contar com a qualidade do jornalismo que produziam para fazer frente ao poderoso concorrente eletrónico; a convocação era singela: diante de um mercado adverso, a melhor alternativa é investir em um jornalismo melhor, um jornalismo de ponta.” (...) 

Voltou aos EUA, como professor visitante na Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Agosto de 1974, quando Richard Nixon renunciava à Presidência para escapar a um processo de impeachment. De novo no Brasil, aproveitou o período de “distensão” anunciado pelo General Ernesto Geisel para tentar lançar a crítica dos media, abrindo a nova secção “Jornal dos Jornais”, na Folha de S. Paulo, com um artigo fundador, intitulado precisamente “A distensão é para todos”. Citamos aqui algumas frases memoráveis: 

“O direito à informação não funciona apenas num sentido, mas tem múltiplas direções: serve aos [meios] para informar ao público e serve ao público para se informar sobre os [meios]. Democracia vale para todos, caso contrário não é democracia.” (...) 

“Espontaneamente a Imprensa se submete à mesma devassa que ela própria provocou na sociedade americana. Porque a Imprensa integra a sociedade, é reflexo dela, não pode esconder-se em santuários que ela própria nega aos poderes políticos e económicos.” (...) 

“A função da crítica responsável é estimular, elevar os padrões. Onde a crítica está vigilante, seja no campo das artes como no das ideias, a qualidade se eleva. Quando a crítica abranda, abre-se o caminho para a estagnação.” 

“Cabe à Imprensa provar em sua própria carne que abrir-se à crítica não é prova de vulnerabilidade, mas de amadurecimento. O que prejudica é o silêncio. É hora, pois, de mostrar que a distensão vai servir a todos e que a liberdade não é propriedade de alguns poucos.” 

Esta disponibilidade, esta “prontidão” da melhor Imprensa para a sua própria crítica, não foi respeitada pela ditadura militar. Em Outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog, director de Jornalismo da TV Cultura de São Paulo, foi morto sob tortura no DOI-Codi  -  Departamento de Operações de Informações  - Centro de Operações de Defesa Interna. 

No domingo seguinte, como conta Luiz Egypto, “Dines dedicou todo o seu espaço a analisar a cobertura jornalística oferecida pela Imprensa brasileira sobre os factos ocorridos naquela semana trágica. ‘Vamos nos ocupar aqui dos aspectos puramente jornalísticos deste episódio que abala o país já há uma semana. Em outras páginas e em outros dias nos ocupamos da morte do jornalista nos seus aspectos morais, legais e políticos’, escreveu Dines, na abertura da coluna”. 

“E o que se segue é um exemplo acabado de media criticism, em que o equilíbrio da análise se sobrepõe à emoção e à raiva. Por essas e outras tantas razões o Jornal dos Jornais marcou época, sobretudo por aplicar à crítica dos media os fundamentos do ofício jornalístico.” (...) 

A longa história do Observatório da Imprensa é contada neste artigo cuja leitura, na íntegra, está acessível, e nenhuma síntese, como esta, pode substituir. Uma última citação, a concluir: 

“Dines defende o jornalismo socialmente necessário, crítico e a serviço do público, exercido sem negligenciar dos fundamentos construídos ainda na era pré-digital, como a isenção, a clareza, a exactidão, a objectividade possível, a fidedignidade, o compromisso com a verdade factual e com o interesse público.” 

“Um [meio] reconhecido pelo rigor com que trata a matéria-prima jornalística e pela probidade em sua relação com as audiências gozará, certamente, de uma inestimável vantagem competitiva no novo mercado nascido sob a égide da revolução digital. Dines e o Observatório sempre estiveram atentos a isso.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa

Connosco
Jorge Soares em Fevereiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

Prossegue a 27  Fevereiro o ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?”, promovido pelo CPI, em parceria com o CNC e o Grémio Literário, tendo como orador convidado o Prof. Jorge Soares, que preside ao Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, desde 2016, preenchendo o lugar deixado vago por morte de João Lobo Antunes.  

Director do Programa Gulbenkian Inovar em Saúde, da Fundação Calouste Gulbenkian, Jorge Soares já fazia parte daquele Conselho, antes de ser eleito para a sua presidência .

O seu currículo é vasto. Presidiu também à  Comissão Externa para Avaliação da Qualidade do Ensino, e, mais tarde,  assumiu a vice-presidência da Comissão de Ética da Fundação Champalimaud, e, a partir de 2016, foi presidente da Comissão Nacional dos Centros de Referência. É Perito Nacional na União Europeia do 3rd Programme “EuropeAgainst Cancer” .

Como evitar que o jornalismo arda em "lume brando"... Ver galeria

“Precisamos de tempo para reinventar o jornalismo, porque haverá muitas novas formas de cumprir a nossa missão.”

“O resultado final pode ser uma empresa de menor dimensão do que era habitual, isenta de requisitos ridículos para manter altos níveis de receita e de escala.”  E, à semelhança de outros sectores na economia da era digital, será mais uma empresa de serviços do que uma fábrica de produtos.

A reflexão, aqui citada de Media-tics, é do jornalista norte-americano Jeff Jarvis, docente e director do Tow-Knight Center de Jornalismo, expressa num longo artigo publicado no site Medium.com.

O seu propósito é tão só o de explicar o que faria para tentar salvar um jornal, se tivesse tal responsabilidade. Mas o caminho que faz leva-o a corrigir-se a si próprio, admitindo que não subscreve hoje algumas coisas que disse no seu livro Geeks bearing gifts, de 2015.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia