Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Memória

Alberto Dines: o jornalismo como "um eterno estado de prontidão"

No tempo que atravessamos, “como imperativo de sobrevivência, ao jornalismo resta reciclar-se”. Mas as questões de fundo desta sua relação com o tempo são mais complexas. À partida, exercemos um ofício “que começa e se esgota a cada novo dia”, que é “um nunca acabar, ou eterno renascer”. Este ritmo do jornal diário foi atropelado pela instantaneidade da Internet, que lhe acrescentou problemas de outra natureza. Mas, se há alguma síntese possível, Alberto Dines resumiu-a numa frase: “O jornalismo é um eterno estado de prontidão.” E é nesse estado que temos de o praticar  - e de o criticar enquando o fazemos. Esta reflexão é de Luiz Egypto, num longo trabalho de evocação e memória do percurso de Alberto Dines como fundador da crítica dos media no Brasil  - no Observatório da Imprensa, com o qual o CPI mantém um acordo de parceria.

O autor que citamos delimita como foco da sua atenção, neste caso, “o Alberto Dines observador da Imprensa, o mestre de ofício dedicado ao exercício perene de observação activa e transformadora do objecto de seu trabalho quotidiano. O profissional crítico convencido de que o simples acto de observar, medir e interpretar um fenómeno, concorre para a modificação desse mesmo fenómeno. A observação dos media, por decorrência, é também uma forma de intervenção no comportamento e nos procedimentos adoptados pelos meios de informação jornalística”. (...)

O despertar de Alberto Dines para esta disciplina necessária deu-se quando esteve em The New York Times, em 1965, e aí encontrou uma publicação interna chamada Winners and Sinners, em que os próprios profissionais da casa faziam uma auto-crítica do material que o jornal produzia. 

De regresso ao Brasil, escreveu “A crise do papel e o papel dos jornais”, onde “apontava a necessidade de a Imprensa se aprimorar diante do avanço avassalador da televisão, defendendo que os jornais só podiam contar com a qualidade do jornalismo que produziam para fazer frente ao poderoso concorrente eletrónico; a convocação era singela: diante de um mercado adverso, a melhor alternativa é investir em um jornalismo melhor, um jornalismo de ponta.” (...) 

Voltou aos EUA, como professor visitante na Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Agosto de 1974, quando Richard Nixon renunciava à Presidência para escapar a um processo de impeachment. De novo no Brasil, aproveitou o período de “distensão” anunciado pelo General Ernesto Geisel para tentar lançar a crítica dos media, abrindo a nova secção “Jornal dos Jornais”, na Folha de S. Paulo, com um artigo fundador, intitulado precisamente “A distensão é para todos”. Citamos aqui algumas frases memoráveis: 

“O direito à informação não funciona apenas num sentido, mas tem múltiplas direções: serve aos [meios] para informar ao público e serve ao público para se informar sobre os [meios]. Democracia vale para todos, caso contrário não é democracia.” (...) 

“Espontaneamente a Imprensa se submete à mesma devassa que ela própria provocou na sociedade americana. Porque a Imprensa integra a sociedade, é reflexo dela, não pode esconder-se em santuários que ela própria nega aos poderes políticos e económicos.” (...) 

“A função da crítica responsável é estimular, elevar os padrões. Onde a crítica está vigilante, seja no campo das artes como no das ideias, a qualidade se eleva. Quando a crítica abranda, abre-se o caminho para a estagnação.” 

“Cabe à Imprensa provar em sua própria carne que abrir-se à crítica não é prova de vulnerabilidade, mas de amadurecimento. O que prejudica é o silêncio. É hora, pois, de mostrar que a distensão vai servir a todos e que a liberdade não é propriedade de alguns poucos.” 

Esta disponibilidade, esta “prontidão” da melhor Imprensa para a sua própria crítica, não foi respeitada pela ditadura militar. Em Outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog, director de Jornalismo da TV Cultura de São Paulo, foi morto sob tortura no DOI-Codi  -  Departamento de Operações de Informações  - Centro de Operações de Defesa Interna. 

No domingo seguinte, como conta Luiz Egypto, “Dines dedicou todo o seu espaço a analisar a cobertura jornalística oferecida pela Imprensa brasileira sobre os factos ocorridos naquela semana trágica. ‘Vamos nos ocupar aqui dos aspectos puramente jornalísticos deste episódio que abala o país já há uma semana. Em outras páginas e em outros dias nos ocupamos da morte do jornalista nos seus aspectos morais, legais e políticos’, escreveu Dines, na abertura da coluna”. 

“E o que se segue é um exemplo acabado de media criticism, em que o equilíbrio da análise se sobrepõe à emoção e à raiva. Por essas e outras tantas razões o Jornal dos Jornais marcou época, sobretudo por aplicar à crítica dos media os fundamentos do ofício jornalístico.” (...) 

A longa história do Observatório da Imprensa é contada neste artigo cuja leitura, na íntegra, está acessível, e nenhuma síntese, como esta, pode substituir. Uma última citação, a concluir: 

“Dines defende o jornalismo socialmente necessário, crítico e a serviço do público, exercido sem negligenciar dos fundamentos construídos ainda na era pré-digital, como a isenção, a clareza, a exactidão, a objectividade possível, a fidedignidade, o compromisso com a verdade factual e com o interesse público.” 

“Um [meio] reconhecido pelo rigor com que trata a matéria-prima jornalística e pela probidade em sua relação com as audiências gozará, certamente, de uma inestimável vantagem competitiva no novo mercado nascido sob a égide da revolução digital. Dines e o Observatório sempre estiveram atentos a isso.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...