Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Evocação

Alberto Dines: o jornalismo como "um eterno estado de prontidão"

No tempo que atravessamos, “como imperativo de sobrevivência, ao jornalismo resta reciclar-se”. Mas as questões de fundo desta sua relação com o tempo são mais complexas. À partida, exercemos um ofício “que começa e se esgota a cada novo dia”, que é “um nunca acabar, ou eterno renascer”. Este ritmo do jornal diário foi atropelado pela instantaneidade da Internet, que lhe acrescentou problemas de outra natureza. Mas, se há alguma síntese possível, Alberto Dines resumiu-a numa frase: “O jornalismo é um eterno estado de prontidão.” E é nesse estado que temos de o praticar  - e de o criticar enquando o fazemos. Esta reflexão é de Luiz Egypto, num longo trabalho de evocação e memória do percurso de Alberto Dines como fundador da crítica dos media no Brasil  - no Observatório da Imprensa, com o qual o CPI mantém um acordo de parceria.

O autor que citamos delimita como foco da sua atenção, neste caso, “o Alberto Dines observador da Imprensa, o mestre de ofício dedicado ao exercício perene de observação activa e transformadora do objecto de seu trabalho quotidiano. O profissional crítico convencido de que o simples acto de observar, medir e interpretar um fenómeno, concorre para a modificação desse mesmo fenómeno. A observação dos media, por decorrência, é também uma forma de intervenção no comportamento e nos procedimentos adoptados pelos meios de informação jornalística”. (...)

O despertar de Alberto Dines para esta disciplina necessária deu-se quando esteve em The New York Times, em 1965, e aí encontrou uma publicação interna chamada Winners and Sinners, em que os próprios profissionais da casa faziam uma auto-crítica do material que o jornal produzia. 

De regresso ao Brasil, escreveu “A crise do papel e o papel dos jornais”, onde “apontava a necessidade de a Imprensa se aprimorar diante do avanço avassalador da televisão, defendendo que os jornais só podiam contar com a qualidade do jornalismo que produziam para fazer frente ao poderoso concorrente eletrónico; a convocação era singela: diante de um mercado adverso, a melhor alternativa é investir em um jornalismo melhor, um jornalismo de ponta.” (...) 

Voltou aos EUA, como professor visitante na Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Agosto de 1974, quando Richard Nixon renunciava à Presidência para escapar a um processo de impeachment. De novo no Brasil, aproveitou o período de “distensão” anunciado pelo General Ernesto Geisel para tentar lançar a crítica dos media, abrindo a nova secção “Jornal dos Jornais”, na Folha de S. Paulo, com um artigo fundador, intitulado precisamente “A distensão é para todos”. Citamos aqui algumas frases memoráveis: 

“O direito à informação não funciona apenas num sentido, mas tem múltiplas direções: serve aos [meios] para informar ao público e serve ao público para se informar sobre os [meios]. Democracia vale para todos, caso contrário não é democracia.” (...) 

“Espontaneamente a Imprensa se submete à mesma devassa que ela própria provocou na sociedade americana. Porque a Imprensa integra a sociedade, é reflexo dela, não pode esconder-se em santuários que ela própria nega aos poderes políticos e económicos.” (...) 

“A função da crítica responsável é estimular, elevar os padrões. Onde a crítica está vigilante, seja no campo das artes como no das ideias, a qualidade se eleva. Quando a crítica abranda, abre-se o caminho para a estagnação.” 

“Cabe à Imprensa provar em sua própria carne que abrir-se à crítica não é prova de vulnerabilidade, mas de amadurecimento. O que prejudica é o silêncio. É hora, pois, de mostrar que a distensão vai servir a todos e que a liberdade não é propriedade de alguns poucos.” 

Esta disponibilidade, esta “prontidão” da melhor Imprensa para a sua própria crítica, não foi respeitada pela ditadura militar. Em Outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog, director de Jornalismo da TV Cultura de São Paulo, foi morto sob tortura no DOI-Codi  -  Departamento de Operações de Informações  - Centro de Operações de Defesa Interna. 

No domingo seguinte, como conta Luiz Egypto, “Dines dedicou todo o seu espaço a analisar a cobertura jornalística oferecida pela Imprensa brasileira sobre os factos ocorridos naquela semana trágica. ‘Vamos nos ocupar aqui dos aspectos puramente jornalísticos deste episódio que abala o país já há uma semana. Em outras páginas e em outros dias nos ocupamos da morte do jornalista nos seus aspectos morais, legais e políticos’, escreveu Dines, na abertura da coluna”. 

“E o que se segue é um exemplo acabado de media criticism, em que o equilíbrio da análise se sobrepõe à emoção e à raiva. Por essas e outras tantas razões o Jornal dos Jornais marcou época, sobretudo por aplicar à crítica dos media os fundamentos do ofício jornalístico.” (...) 

A longa história do Observatório da Imprensa é contada neste artigo cuja leitura, na íntegra, está acessível, e nenhuma síntese, como esta, pode substituir. Uma última citação, a concluir: 

“Dines defende o jornalismo socialmente necessário, crítico e a serviço do público, exercido sem negligenciar dos fundamentos construídos ainda na era pré-digital, como a isenção, a clareza, a exactidão, a objectividade possível, a fidedignidade, o compromisso com a verdade factual e com o interesse público.” 

“Um [meio] reconhecido pelo rigor com que trata a matéria-prima jornalística e pela probidade em sua relação com as audiências gozará, certamente, de uma inestimável vantagem competitiva no novo mercado nascido sob a égide da revolução digital. Dines e o Observatório sempre estiveram atentos a isso.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa