Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Jantares-debate

Mário Centeno: “Há sempre alternativas”, mas “os riscos estão sempre presentes”

O exercício de cargos de governo “é uma missão de serviço público” e, portanto, de “representação de escolhas colectivas”, as quais devem ser feitas entre opções bem clarificadas perante a sociedade. Porque “há sempre alternativas”. Mas é também verdade que a alternativa pode significar opções de “regresso a algo por que Portugal já passou”, sabendo que “os riscos estão sempre presentes”. Foi esta a linha de discurso de Mário Centeno, Ministro das Finanças, orador convidado no jantar-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema que tem presidido a esta série - “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”.

Tendo iniciado a sua palestra com uma evocação de António Arnaut como exemplo elevado desse espírito de serviço público, Mário Centeno sublinhou que “devemos sempre clarificar as diferentes opções e guiar a escolha pela que melhor traduz o debate que a sociedade faz em seu torno; uma sociedade sem debate destas opções é uma sociedade menor”.

 

E prosseguiu afirmando que “as escolhas que foram feitas têm vindo a permitir o desenvolvimento gradual, mas seguro, do País”: 

 

“Hoje temos, felizmente, mais portugueses com emprego, diria mesmo com melhores empregos e melhores salários; nós quebrámos o maior ciclo, desde a década de 60 do século passado, de emigração em Portugal  - de uma emigração qualificada, que reduzia a dimensão do nosso mercado de trabalho, daqueles que mais poderiam fazer pelo futuro do País. (...) E hoje Portugal enfrenta o futuro, nesta perspectiva, de uma forma muito mais positiva.” (...)

 

Sobre esta matéria, recordou o seguinte:

 

“Muitas vezes, falando com estrangeiros, e em particular do centro da Europa, refiro uma sondagem que passou muito desapercebida em Portugal, em Junho de 2017, em que se perguntou, sobre três eventos, qual o que mais aumentou a auto-estima dos portugueses. Esses três eventos eram: termos ganho o Campeonato da Europa de Futebol, em 2016, termos ganho o concurso da Eurovisão em Maio de 2017, e termos saído do procedimento por défices excessivos, em Abril de 2017.”

 

“E a verdade é que, com quase metade dos votos, o que ganhou foi a saída do procedimento por défices excessivos. (...) Até na ‘sub-amostra’ dos homens a saída do PDE ganhou ao futebol, e isto reflecte a consciência, a importância que a sociedade portuguesa dá hoje às questões de sustentabilidade, do trajecto que tivémos de fazer, das dificuldades que tivémos de enfrentar, e só com critérios de sustentabilidade conseguimos projectar o futuro.” (...)

 

Mário Centeno lembrou ainda que “passámos por um período em que a existência de alternativas era colocada em dúvida, mas não devemos  - e muito menos, seguramente, no âmbito de uma conversa como a que vamos estabelecer aqui -  pôr em causa a existência de alternativas. Há sempre alternativas”.

 

“Mas a alternativa pode significar opções que representem aquilo que eu também referi como sendo o regresso a algo por que Portugal já passou. (...)

“E na verdade, se alguma coisa esta última década e meia mostrou às nossas sociedades  - à sociedade europeia, que está em construção, e bem -  é que os riscos estão sempre presentes. E às vezes são maiores do que aquilo que parecem, principalmente quando (numa atitude porventura normal no comportamento dos homens, que a economia estuda) com alguma complacência nos possamos afastar da definição desses riscos.” (...)

 

É por esse motivo  - prosseguiu -  que “queremos colocar Portugal numa posição de equilíbrio orçamental, que é uma condição essencial para que o Estado, as famílias e as empresas possam enfrentar o futuro com mais confiança”. (...)

 

“É para isso que o Estado é chamado. E o desígnio de governar, de gerir, deve ser exercido com este sentido de equilíbrio  -  porque o Estado deve desempenhar as funções de soberania, que todos sabemos listar, mas também as funções sociais, que elegemos como prioritárias e que são absolutamente essenciais à coesão da sociedade portuguesa nas suas diferentes dimensões.” (...)

 

Tendo sido citada, na apresentação do orador, a sua participação na feitura, em 2015, do programa que acabou por ser a base do Programa do Governo actual, Mário Centeno recordou que esse texto apresentava “de forma muito clara, à sociedade portuguesa, um conjunto de opções e as consequências económicas e financeiras dessas opções”.

 

“Passados três anos, podemos olhar para essas propostas, para essas alternativas, e avaliar se o cenário que então desenhámos está ou não a ser seguido. E a verdade é que temos hoje os indicadores macro-económicos com uma proximidade muito significativa àqueles que na altura propusémos.” (...)

 

“O modelo que propusémos, e as propostas que fizémos, eram de uma economia em que o rendimento crescesse, e que fosse distribuído, quer por empresas, quer por famílias, que permitisse o aumento do investimento, em que o Estado tinha o seu papel nos serviços públicos  -  e, três anos depois, podemos avaliar essa trajectória.” (...)

 

“O carácter pioneiro deste exercício deixa-me, se me é permitido, de certa forma orgulhoso, mas nós sabemos que é necessário fazer opções, continuar a fazê-las de forma responsável, porque é o único caminho que é possível ter para construir um País melhor.”

 

A concluir, Mário Centeno exprimiu o desejo de que este caminho “possa ter continuidade”, sendo sempre debatidas “abertamente todas as opções”:

 

“Foi isso que tentámos fazer, para o bem da democracia em Portugal, é verdade que também a solução governativa foi inovadora, do ponto de vista do seu espectro partidário, e são esses os momentos que robustecem as sociedades e eu gostaria de partilhar convosco a importância que isso tem para o futuro de Portugal.”
Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa