Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Colectânea

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

“Devem realmente as empresas jornalísticas envolver-se na reabilitação da imagem de duas das mais ricas empresas na Terra, em especial quando são basicamente concorrentes? Mas, dado o estado financeiro do jornalismo, não seria irresponsável, pelo seu lado, recusar estes fundos?” 

A reflexão é de Mathew Ingram, redactor principal na área do digital, na Columbia Journalism Review, que reune uma série de depoimentos de responsáveis dos referidos programas e de especialistas na questão, proporcionando uma boa imagem do que está em causa neste momento. 

“A realidade é que, mesmo que este dinheiro traga coisas boas, e mesmo que não venha com efeitos colaterais [no strings attached, no original]  - o que ambas as empresas garantem -  aceitar a ‘generosidade’ do Facebook e da Google coloca os media, inevitavelmente, cada vez mais na sua órbita. Pode não ter um efeito directo sobre aquilo que se escreve, ou de que modo se trata um assunto, mas vai, sem dúvida, ter um efeito a longo prazo sobre os media e o jornalismo. As contrapartidas valem a pena?” 

“Mesmo algumas das pessoas que beneficiam deste dinheiro dizem sentir-se divididas entre o desejo de um financiamento de que precisam desesperadamente, e que pode ser usado em propósitos positivos, e o sentimento de se estarem a afundar, a deixar-se arrastar cada vez mais para uma relação com uma empresa tecnológica que tem um poder enorme e que pode, em última instância, utilizá-lo de modos que serão contrários ao jornalismo. Por outras palavras, receiam tornar-se peões num jogo de relações publicas.” (...) 

Siva Vaidhyanathan, professor de estudos sobre os media na Universidade da Virginia, diz que tanto o Facebook como a Google podem estar interessadas no jornalismo e desejar que ele seja saudável, “mas querem que isso aconteça nos seus próprios termos, dentro de um ecossistema dominado pelas duas empresas. O Império Britânico também queria que os comboios funcionassem bem, no Quénia como na Índia.” (...) 

“Estas duas empresas concorrem directamente com as grandes publicações pelas receitas da publicidade. Assim, estamos basicamente a entrar em parceria com um concorrente  - e um concorrente que tem uma enorme vantagem competitiva, em termos dos preços, da escala e da capacidade tecnológica. Será uma boa decisão negocial? As empresas jornalísticas estão, cada vez mais, a alimentar os monstros que as fazem passar fome.” (...) 

Ao longo deste extenso trabalho, que aqui temos citado, Mathew Ingram inclui os depoimentos de pessoas como Alexios Mantzarlis, por exemplo, que dirige a International Fact-Checking Network no Poynter Institute (em parte financiada por uma doação da Google) e reconhece que, “com cada doação, parece que temos de nos justificar no sentido de que não ficamos contrangidos [ou devedores – beholden, no original] ao doador, de um modo que não sucede com outras transacções”. (...) 

Ouviu também Josh Benton, que dirige o Nieman Journalism Lab (que tem um projecto patrocinado pela Google) e acha que, mesmo havendo nestas empresas “uma quantidade de pessoas bem intencionadas que sinceramente acreditam na importância do jornalismo e desejam ajudar o melhor que puderem”, torna-se difícil observar todos estes esforços “por outras lentes que não sejam as de uma operação de imagem”. Mathew Ingram acrescenta que ambas as coisas podem ser verdadeiras. 

O seu trabalho descreve também várias situações recentes em que os media e as grandes plataformas estiveram claramente em conflito, e os dirigentes destas tiveram de expor as suas motivações e propostas. Como escreve adiante: 

“Estas questões são difíceis, em parte porque a relação entre as plataformas e a indústria jornalística ficou tão complicada, como um casal à beira de um divórcio litigioso. Ambos os lados podem ser culpados de terem falhado no cumprimento das suas promessas, de terem dado saltos antes de olharem, e de terem perdido oportunidades óbvias, ou por medo ou por ignorância. Devem as plataformas e os media ser parceiros ou concorrentes, ou ambas as coisas?” 

“Quando são pressionados, os que estão por dentro das empresas tecnológicas parecem achar que a maioria dos responsáveis dos meios de comunicação são uns ‘queixinhas’ que não conseguiram estar à altura dos avanços tecnológicos e agora reclamam porque alguém fez isso primeiro e conseguiu servir os seus clientes  - anunciantes e/ou consumidores -  melhor do que eles.” (...) 

Perto de terminar, Mathew Ingram cita um ensaio de Emily Bell, publicado em Fevereiro precisamente na Columbia Journalism Review, no qual a famosa jornalista britânica, que dirige o Tow Center for Digital Journalism na Universidade de Columbia, defende que Facebook e Google deviam criar um fundo de vários milhares de milhões de dólares como uma espécie de apoio público ao jornalismo. 

Emily Bell mantém a proposta, mas Mathew Ingram acrescenta: 

“Por muitos altruistas que possam parecer, a verdade é que todos estes financiamentos são apenas outro modo pelo qual Facebook e Google se integram cada vez mais no tecido dos media e do jornalismo, não só nos Estados Unidos mas por todo o mundo. E quanto mais financeiramente constrangida se torna esta indústria, tanto mais fica sedenta de um apoio que só a Google e o Facebook lhe podem proporcionar. E isso conduz ainda a mais integração.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia