Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Colectânea

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

“Devem realmente as empresas jornalísticas envolver-se na reabilitação da imagem de duas das mais ricas empresas na Terra, em especial quando são basicamente concorrentes? Mas, dado o estado financeiro do jornalismo, não seria irresponsável, pelo seu lado, recusar estes fundos?” 

A reflexão é de Mathew Ingram, redactor principal na área do digital, na Columbia Journalism Review, que reune uma série de depoimentos de responsáveis dos referidos programas e de especialistas na questão, proporcionando uma boa imagem do que está em causa neste momento. 

“A realidade é que, mesmo que este dinheiro traga coisas boas, e mesmo que não venha com efeitos colaterais [no strings attached, no original]  - o que ambas as empresas garantem -  aceitar a ‘generosidade’ do Facebook e da Google coloca os media, inevitavelmente, cada vez mais na sua órbita. Pode não ter um efeito directo sobre aquilo que se escreve, ou de que modo se trata um assunto, mas vai, sem dúvida, ter um efeito a longo prazo sobre os media e o jornalismo. As contrapartidas valem a pena?” 

“Mesmo algumas das pessoas que beneficiam deste dinheiro dizem sentir-se divididas entre o desejo de um financiamento de que precisam desesperadamente, e que pode ser usado em propósitos positivos, e o sentimento de se estarem a afundar, a deixar-se arrastar cada vez mais para uma relação com uma empresa tecnológica que tem um poder enorme e que pode, em última instância, utilizá-lo de modos que serão contrários ao jornalismo. Por outras palavras, receiam tornar-se peões num jogo de relações publicas.” (...) 

Siva Vaidhyanathan, professor de estudos sobre os media na Universidade da Virginia, diz que tanto o Facebook como a Google podem estar interessadas no jornalismo e desejar que ele seja saudável, “mas querem que isso aconteça nos seus próprios termos, dentro de um ecossistema dominado pelas duas empresas. O Império Britânico também queria que os comboios funcionassem bem, no Quénia como na Índia.” (...) 

“Estas duas empresas concorrem directamente com as grandes publicações pelas receitas da publicidade. Assim, estamos basicamente a entrar em parceria com um concorrente  - e um concorrente que tem uma enorme vantagem competitiva, em termos dos preços, da escala e da capacidade tecnológica. Será uma boa decisão negocial? As empresas jornalísticas estão, cada vez mais, a alimentar os monstros que as fazem passar fome.” (...) 

Ao longo deste extenso trabalho, que aqui temos citado, Mathew Ingram inclui os depoimentos de pessoas como Alexios Mantzarlis, por exemplo, que dirige a International Fact-Checking Network no Poynter Institute (em parte financiada por uma doação da Google) e reconhece que, “com cada doação, parece que temos de nos justificar no sentido de que não ficamos contrangidos [ou devedores – beholden, no original] ao doador, de um modo que não sucede com outras transacções”. (...) 

Ouviu também Josh Benton, que dirige o Nieman Journalism Lab (que tem um projecto patrocinado pela Google) e acha que, mesmo havendo nestas empresas “uma quantidade de pessoas bem intencionadas que sinceramente acreditam na importância do jornalismo e desejam ajudar o melhor que puderem”, torna-se difícil observar todos estes esforços “por outras lentes que não sejam as de uma operação de imagem”. Mathew Ingram acrescenta que ambas as coisas podem ser verdadeiras. 

O seu trabalho descreve também várias situações recentes em que os media e as grandes plataformas estiveram claramente em conflito, e os dirigentes destas tiveram de expor as suas motivações e propostas. Como escreve adiante: 

“Estas questões são difíceis, em parte porque a relação entre as plataformas e a indústria jornalística ficou tão complicada, como um casal à beira de um divórcio litigioso. Ambos os lados podem ser culpados de terem falhado no cumprimento das suas promessas, de terem dado saltos antes de olharem, e de terem perdido oportunidades óbvias, ou por medo ou por ignorância. Devem as plataformas e os media ser parceiros ou concorrentes, ou ambas as coisas?” 

“Quando são pressionados, os que estão por dentro das empresas tecnológicas parecem achar que a maioria dos responsáveis dos meios de comunicação são uns ‘queixinhas’ que não conseguiram estar à altura dos avanços tecnológicos e agora reclamam porque alguém fez isso primeiro e conseguiu servir os seus clientes  - anunciantes e/ou consumidores -  melhor do que eles.” (...) 

Perto de terminar, Mathew Ingram cita um ensaio de Emily Bell, publicado em Fevereiro precisamente na Columbia Journalism Review, no qual a famosa jornalista britânica, que dirige o Tow Center for Digital Journalism na Universidade de Columbia, defende que Facebook e Google deviam criar um fundo de vários milhares de milhões de dólares como uma espécie de apoio público ao jornalismo. 

Emily Bell mantém a proposta, mas Mathew Ingram acrescenta: 

“Por muitos altruistas que possam parecer, a verdade é que todos estes financiamentos são apenas outro modo pelo qual Facebook e Google se integram cada vez mais no tecido dos media e do jornalismo, não só nos Estados Unidos mas por todo o mundo. E quanto mais financeiramente constrangida se torna esta indústria, tanto mais fica sedenta de um apoio que só a Google e o Facebook lhe podem proporcionar. E isso conduz ainda a mais integração.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa