Quarta-feira, 17 de Julho, 2019
Colectânea

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

“Devem realmente as empresas jornalísticas envolver-se na reabilitação da imagem de duas das mais ricas empresas na Terra, em especial quando são basicamente concorrentes? Mas, dado o estado financeiro do jornalismo, não seria irresponsável, pelo seu lado, recusar estes fundos?” 

A reflexão é de Mathew Ingram, redactor principal na área do digital, na Columbia Journalism Review, que reune uma série de depoimentos de responsáveis dos referidos programas e de especialistas na questão, proporcionando uma boa imagem do que está em causa neste momento. 

“A realidade é que, mesmo que este dinheiro traga coisas boas, e mesmo que não venha com efeitos colaterais [no strings attached, no original]  - o que ambas as empresas garantem -  aceitar a ‘generosidade’ do Facebook e da Google coloca os media, inevitavelmente, cada vez mais na sua órbita. Pode não ter um efeito directo sobre aquilo que se escreve, ou de que modo se trata um assunto, mas vai, sem dúvida, ter um efeito a longo prazo sobre os media e o jornalismo. As contrapartidas valem a pena?” 

“Mesmo algumas das pessoas que beneficiam deste dinheiro dizem sentir-se divididas entre o desejo de um financiamento de que precisam desesperadamente, e que pode ser usado em propósitos positivos, e o sentimento de se estarem a afundar, a deixar-se arrastar cada vez mais para uma relação com uma empresa tecnológica que tem um poder enorme e que pode, em última instância, utilizá-lo de modos que serão contrários ao jornalismo. Por outras palavras, receiam tornar-se peões num jogo de relações publicas.” (...) 

Siva Vaidhyanathan, professor de estudos sobre os media na Universidade da Virginia, diz que tanto o Facebook como a Google podem estar interessadas no jornalismo e desejar que ele seja saudável, “mas querem que isso aconteça nos seus próprios termos, dentro de um ecossistema dominado pelas duas empresas. O Império Britânico também queria que os comboios funcionassem bem, no Quénia como na Índia.” (...) 

“Estas duas empresas concorrem directamente com as grandes publicações pelas receitas da publicidade. Assim, estamos basicamente a entrar em parceria com um concorrente  - e um concorrente que tem uma enorme vantagem competitiva, em termos dos preços, da escala e da capacidade tecnológica. Será uma boa decisão negocial? As empresas jornalísticas estão, cada vez mais, a alimentar os monstros que as fazem passar fome.” (...) 

Ao longo deste extenso trabalho, que aqui temos citado, Mathew Ingram inclui os depoimentos de pessoas como Alexios Mantzarlis, por exemplo, que dirige a International Fact-Checking Network no Poynter Institute (em parte financiada por uma doação da Google) e reconhece que, “com cada doação, parece que temos de nos justificar no sentido de que não ficamos contrangidos [ou devedores – beholden, no original] ao doador, de um modo que não sucede com outras transacções”. (...) 

Ouviu também Josh Benton, que dirige o Nieman Journalism Lab (que tem um projecto patrocinado pela Google) e acha que, mesmo havendo nestas empresas “uma quantidade de pessoas bem intencionadas que sinceramente acreditam na importância do jornalismo e desejam ajudar o melhor que puderem”, torna-se difícil observar todos estes esforços “por outras lentes que não sejam as de uma operação de imagem”. Mathew Ingram acrescenta que ambas as coisas podem ser verdadeiras. 

O seu trabalho descreve também várias situações recentes em que os media e as grandes plataformas estiveram claramente em conflito, e os dirigentes destas tiveram de expor as suas motivações e propostas. Como escreve adiante: 

“Estas questões são difíceis, em parte porque a relação entre as plataformas e a indústria jornalística ficou tão complicada, como um casal à beira de um divórcio litigioso. Ambos os lados podem ser culpados de terem falhado no cumprimento das suas promessas, de terem dado saltos antes de olharem, e de terem perdido oportunidades óbvias, ou por medo ou por ignorância. Devem as plataformas e os media ser parceiros ou concorrentes, ou ambas as coisas?” 

“Quando são pressionados, os que estão por dentro das empresas tecnológicas parecem achar que a maioria dos responsáveis dos meios de comunicação são uns ‘queixinhas’ que não conseguiram estar à altura dos avanços tecnológicos e agora reclamam porque alguém fez isso primeiro e conseguiu servir os seus clientes  - anunciantes e/ou consumidores -  melhor do que eles.” (...) 

Perto de terminar, Mathew Ingram cita um ensaio de Emily Bell, publicado em Fevereiro precisamente na Columbia Journalism Review, no qual a famosa jornalista britânica, que dirige o Tow Center for Digital Journalism na Universidade de Columbia, defende que Facebook e Google deviam criar um fundo de vários milhares de milhões de dólares como uma espécie de apoio público ao jornalismo. 

Emily Bell mantém a proposta, mas Mathew Ingram acrescenta: 

“Por muitos altruistas que possam parecer, a verdade é que todos estes financiamentos são apenas outro modo pelo qual Facebook e Google se integram cada vez mais no tecido dos media e do jornalismo, não só nos Estados Unidos mas por todo o mundo. E quanto mais financeiramente constrangida se torna esta indústria, tanto mais fica sedenta de um apoio que só a Google e o Facebook lhe podem proporcionar. E isso conduz ainda a mais integração.” (...)

 

O artigo citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
Prémio Europeu Helena Vaz da Silva atribuído à Directora do CERN Ver galeria

A cientista italiana Fabiola Gianotti, especializada em física de partículas e, desde 2016, Directora-Geral do CERN (acrónimo da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear), foi distinguida com o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2019.

“O conhecimento é como uma arte”  - afirmou Fabiola Gianotti ao agradecer a nomeação. “Ambos são as mais altas expressões da mente humana e o CERN é o lugar perfeito para as alcançar.”

“O conhecimento científico pertence a todos”  - disse ainda. “Como cientistas, devemos fazer os maiores esforços para compartilhar com a sociedade em geral as nossas descobertas e promover uma ciência aberta, acessível a todos. Ao longo das décadas, o CERN tem defendido os valores da excelência científica, ciência aberta e colaboração entre os países europeus e do resto do mundo.”

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural foi instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura, em cooperação com a Europa Nostra, que representa em Portugal, e também com o Clube Português de Imprensa.

O Júri do Prémio deste ano atribuíu Menções Especiais a duas outras personalidades: o Director do Royal Danish Theatre,  Kasper Holten, pelo seu esforço em prol da compreensão do património cultural, e o italiano Angelo Castiglioni, que dedicou a sua vida a explorações arqueológicas e etnográficas.

A cerimónia de entrega do Prémio terá lugar no dia 25 de Novembro na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set