Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Colectânea

Romantismo e mitos sobre a “idade de ouro” do jornalismo

A ideia de que houve uma “idade de ouro” do jornalismo, tanto na qualidade do produto como na prosperidade das empresas, pode ser uma leitura da história vista por óculos cor-de-rosa. Mesmo a ética de um jornalismo não tendencioso, baseado nos factos, a que chamamos “objectividade”, pode ter tido outras motivações, tais como a de ser “uma boa decisão de negócio dos proprietários”, porque “uma reportagem equilibrada traz mais leitores e mais anunciantes que desejam atingir esses leitores, ao mesmo tempo que informa melhor o público”. Esta reflexão é de dois académicos, uma historiadora hoje docente no Canadá e um jornalista dos EUA, num texto que se propõe colocar em perspectiva histórica mais alargada as nossas inquietações sobre a presente crise do jornalismo.

O que ambos os autores, Heidi Tworek e John Maxwell Hamilton, dizem desde logo no título do artigo que citamos, é que essa “idade de ouro” foi a excepção e não a regra: 

“Há dois problemas com a narrativa cor-de-rosa. Primeiro, ela descreve implicitamente o período de quatro décadas, de 1940 a 1980, como a apoteose de uma ‘idade de ouro’ para o jornalismo. Em segundo lugar, ela toma esse período como a linha de base do modo como o jornalismo sempre funcionou. Na verdade, este período foi uma anomalia numa história mais longa de quatro séculos de jornalismo.” (...) 

Como explicam a seguir, o jornalismo americano era dispendioso, mas os proprietários de jornais podiam pagá-lo:

“Na segunda metade do séc. XX, os seus cofres transbordavam. Durante esse tempo, como observa Robert Picard, a Imprensa tornou-se um dos negócios mais lucrativos no mundo desenvolvido.” (...) 

“O jornalismo tradicional nos EUA prosperou graças a um complexo sistema de subvenções interligadas. Os anunciantes subsidiavam os jornais americanos para atingirem o mercado de massas dos consumidores. Em meados do séc. XX, os anúncios traziam cerca de 80% das receitas dos jornais. Os leitores pagavam os restantes 20%, o que era sensivalmente o custo da entrega.” 

“Os leitores também se subsidiavam uns aos outros. O jornal dava qualquer coisa a toda a gente. O leitor que não se interessava pelo notíciário principal pagava o jornal para encontrar os resultados desportivos, os programas de televisão e anúncios de emprego. As notícias caras, como as do jornalismo de investigação, eram pagas por pessoas que frequentemente não as liam.” (...) 

Mesmo quando chegou a concorrência, “a rádio e a televisão  - que foram no seu tempo os ‘novos’ media -  davam inicialmente uma quantidade limitada de notícias, e nos grandes eventos coexistiam com os jornais, que acabaram por compreender que atraíam leitores incluindo a programação da rádio e televisão nas suas páginas.” 

“Mas a vaga seguinte dos novos media foi diferente. A concorrência subiu muito com a Internet, porque a barreira de entrada se tornou muito baixa. Além disto, a Internet desagregou as notícias. Os utentes que queriam resultados desportivos podiam tê-los online, de graça, todo o dia. Esses consumidores já não subsidiavam, na mesma medida, outros leitores com interesses diferentes. Todos sabemos o que aconteceu a seguir: quebra das receitas de publicidade, declínio acelerado na circulação dos jornais, despedimentos de jornalistas.” (...) 

“Todos estes desenvolvimentos são menos surpreendentes quando avaliamos a longa história do jornalismo. Os jornais esforçaram-se principalmente por ganhar dinheiro ou serem o distribuidor de notícias dominante. Para conseguirem cativar audiência, o seu conteúdo tornou-se sensacionalista, opinativo, irresponsável e mesquinho.” 

Os autores do artigo que citamos, no NiemanLab, vão à História desde o séc. XVI, quando terão começado, até ao final do séc. XIX, quando se tornam de facto o meio principal para ter notícias. Citam, de passagem, a “árvore de Cracóvia”, em Paris de antes da Revolução, a cuja sombra as pessoas se sentavam bisbilhotando sobre as élites do país. 

“As plataformas das redes sociais, como o Twitter, são as novas ‘árvores de Cracóvia’: são o lugar perfeito para espanhar boatos, anedotas e bisbilhotice. (...) O blog, outra modernizada ‘árvore de Cracóvia’, e o ‘cidadão-jornalista’ amador, coexistem lado a lado com o repórter com formação académica numa grande redacção.” (...) 

“Os anos de 1940 a 1980 foram uma ‘idade de ouro’ para os proprietários de jornais fazerem dinheiro e para os jornalistas fazerem notícias. Mas só foram uma ‘idade de ouro’ para um determinado grupo de pessoas. Muitos cidadãos  - as mulheres e os afro-americanos, só para dar dois exemplos -  não se reconheciam muitas vezes na reportagem e tinham poucas oportunidades de a influenciar.” (...) 

“É imperativo preservar um jornalismo fiável, de alta qualidade, neste tempo em que qualquer facto inconveniente é classificado de fake news. Hoje é o próprio conceito de verdade que está a ser atacado, e as instituições da Imprensa postas em perigo pelas instituições políticas. Vai ser necessário um novo conjunto de contribuições [subsidies, no original] para garantir que uma reportagem responsável continua.” (...)

 

O texto original, na íntegra, no NiemanLab 
Ler também, na nossa coluna de Opinião, ao lado, o artigo de J. Botelho Tomé sobre este mesmo assunto

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia