Sexta-feira, 18 de Janeiro, 2019
Tecnologias

Quando o jornalismo se adapta à imersão em Realidade Virtual

A aplicação ao jornalismo das novas tecnologias de Realidade Virtual é uma história ainda muito em princípio. Segundo o texto que aqui citamos, algumas redacções já fizeram “breves experiências, mas estão longe de ter comprado a ideia”. Um dos problemas é a necessidade de dispositivos caros, além de salas especiais com sensores. A transmissão de experiências em Realidade Virtual faz-se principalmente em eventos especializados, ou festivais, mas “nessas feiras de tecnologia, os filmes de ficção e as experiências com games são muito mais numerosas do que as de não-ficção”.

E esse é o segundo problema. Num dos projectos mais criativos a usar a RV em jornalismo, pela empresa Emblematic, o aspecto negativo é que “o encantamento pela tecnologia e pelas novas sensações é tão forte que é fácil se esquecer da mensagem, do que está sendo dito; essa nova fronteira  - o balanço perfeito entre sensação e informação -  é algo que precisa de ser aperfeiçoado pelos produtores de não-ficção imersiva”. A reflexão é de Eduardo Acquarone, criador de projectos digitais jornalísticos na TV Globo, no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A sua proposta é uma espécie de “visita guiada” a cinco grandes experiências (mais duas de bónus) em Realidade Virtual que conhece, e das quais fornece os links de acesso.  

A primeira, acima citada, é a da Emblematic, cujos primeiros projectos, “bastante experimentais”, foram suficientemente fortes para consciencializarem o Fórum Económico Mundial sobre a questão síria ou porem questões sobre o que fazer quando alguém se começa a sentir mal numa fila de distribuição de comida em Lons Angeles. “As perguntas são difíceis e as respostas também.” 

Em 2017, a Emblematic iniciou “uma parceria com o premiado programa Dateline, da PBS americana, que já resultou em dois projectos: After Solitary e Greenland Melting”. 

“O projecto da Gronelândia é uma compilação de novas tecnologias, onde o termo ‘imersivo’ começa realmente a ser algo real e não apenas uma jogada de marketing. Tirando o frio, é possível a uma pessoa imaginar-se no local. Mas para isso, o ideal é ver o vídeo numa sala [preparada] com sensores de movimento.” (...) 

A segunda é que torna a RV uma “máquina de empatia”, de nos colocar na situação e “na pele” do outro, por exemplo um imigrante que procura asilo, a vida numa prisão ou outras experiências extremas. 

A terceira é apresentada no Newseum, em Washington, que já exibia um pedaço real do Muro de Berlim e, desde 2017, tem também uma experiência em RV onde é possível vivenciar a divisão entre as Alemanhas. “Com um quê de aventura, é possível andar numa rua deserta do lado Oriental, esconder-se dos guardas que impedem a passagem para o outro lado e, usando os controlos do Vive, quebrar um pedaço do muro para atingir a liberdade”. (...) 

A quarta é mais um projecto de Realidade Mista, que mistura duas tecnologias. “Mas a principal ferramenta usada nos vídeos criados pela Left Field, uma divisão da NBC, é o Tilt Brush. (...) Através de uma interessante mistura de gráficos preparados anteriormente com textos e desenhos feitos ao vivo, a equipa do Left Field conseguiu realmente inovar no velho mundo da TV, ao criar gráficos em 3D que tem a cara de algo novo, desafiador?  -  com o bónus de ter coragem de colocar a repórter usando um visor de RV enquanto fala com o público”. (...) 

“Em quinto lugar na lista, um vídeo histórico, que já tem mais de dois anos: uma entrevista de Michelle Obama para a Verge, captada com câmaras de 360 graus. (...) É possível ver, num curto espaço de tempo, como a tecnologia e narrativa já evoluíram. Mas, ao mesmo tempo, impossível deixar de notar que os recursos usados pela Verge, há longínquos 24 meses atrás, ainda são um sonho para qualquer redacção brasileira.” (...) 

O autor do artigo que citamos menciona depois dois projectos de ficção, My Brother’s Keeper e Ghosbusters, talvez mais úteis ao cinema de efeitos especiais do que ao jornalismo, mas que ajudam a pensar como as fronteiras da Realidade Virtual se estão a expandir. 

Aduardo Acquarone apresenta depois mais cinco narrativas em Realidade Aumentada, já experimentadas por jornais como The New York Times e The Washington Post. Expõe também a experiência de “imersão” criada pelo correspondente de guerra belga-tunisino Karim Ben Khelifa, para “contar uma história mostrando os vários lados do conflito e ainda fazer com que o público se coloque na posição dos combatentes”. 

“O projecto The Enemy é uma instalação artística e também uma poderosa narrativa jornalística para que o público entenda a guerra. É interessante como Khelifa, entrevistando os soldados, percebeu que eles têm muito em comum, independentemente do lado por que lutam, e isso é possível perceber ao usar o aplicativo de RA. De repente, estamos no meio de uma sala, entre dois soldados adversários, que vão contar um pouco da sua vida e história, e de como chegaram até lá.” (...) 

 

O texto citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
António Martins da Cruz em Janeiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

O próximo orador-convidado do novo ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?” é o embaixador António Martins da Cruz, um observador atento, persistente e ouvido da realidade portuguesa, que aceitou estar connosco.

A conferência está marcada para o próximo dia 24 de Janeiro na Sala da Biblioteca do Grémio Literário, dando continuidade à iniciativa lançada há cinco anos pelo CPI -  Clube Português de Imprensa, em parceria com o CNC – Centro Nacional de Cultura e o próprio Grémio.

Político e diplomata, António Manuel de Mendonça Martins da Cruz nasceu a 28 de Dezembro de 1946, em Lisboa. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, fez ainda estudos de pós-graduação na Universidade de Genebra, na Suíça.

Edição especial de "Charlie Hebdo" no aniversário do atentado Ver galeria

A revista satírica francesa Charlie Hebdo recordou o atentado de 7 de Janeiro de 2015, contra a sua redacção, publicando uma edição especial com a capa acima reproduzida, mostrando a imagem de um cardeal católico e um imã muçulmano soprando a chama de uma vela. Partindo desta imagem, o jornalista Rui Martins sugere que “ambos desejam a mesma coisa, em nome de Jesus ou Maomé: o advento do obscurantismo, para se apagar, enfim, o Iluminismo e mergulharmos novamente num novo período de trevas”.

Segundo afirma, “esse número especial não quer apenas relembrar a chacina, Charlie Hebdo vai mais longe”:
“Esse novo milénio, profetizado pelo francês André Malraux como religioso, será mais que isso. Será fundamentalista, fanático, intolerante e irá pouco a pouco asfixiar os livres pensadores até acabar por completo com o exercício da livre expressão.”

No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
O panorama dos media
Manuel Falcão
Se olharmos para o top dos programas mais vistos na televisão generalista em 2018 vemos um claro domínio das transmissões desportivas, seguidas a grande distância pelos reality shows e, ainda mais para trás, pelas telenovelas. No entanto as transmissões televisivas produzem apenas picos de audiência e contribuem relativamente pouco para as médias e para planos continuados. O dilema das televisões generalistas está na...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...