Segunda-feira, 16 de Setembro, 2019
Tecnologias

Quando o jornalismo se adapta à imersão em Realidade Virtual

A aplicação ao jornalismo das novas tecnologias de Realidade Virtual é uma história ainda muito em princípio. Segundo o texto que aqui citamos, algumas redacções já fizeram “breves experiências, mas estão longe de ter comprado a ideia”. Um dos problemas é a necessidade de dispositivos caros, além de salas especiais com sensores. A transmissão de experiências em Realidade Virtual faz-se principalmente em eventos especializados, ou festivais, mas “nessas feiras de tecnologia, os filmes de ficção e as experiências com games são muito mais numerosas do que as de não-ficção”.

E esse é o segundo problema. Num dos projectos mais criativos a usar a RV em jornalismo, pela empresa Emblematic, o aspecto negativo é que “o encantamento pela tecnologia e pelas novas sensações é tão forte que é fácil se esquecer da mensagem, do que está sendo dito; essa nova fronteira  - o balanço perfeito entre sensação e informação -  é algo que precisa de ser aperfeiçoado pelos produtores de não-ficção imersiva”. A reflexão é de Eduardo Acquarone, criador de projectos digitais jornalísticos na TV Globo, no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A sua proposta é uma espécie de “visita guiada” a cinco grandes experiências (mais duas de bónus) em Realidade Virtual que conhece, e das quais fornece os links de acesso.  

A primeira, acima citada, é a da Emblematic, cujos primeiros projectos, “bastante experimentais”, foram suficientemente fortes para consciencializarem o Fórum Económico Mundial sobre a questão síria ou porem questões sobre o que fazer quando alguém se começa a sentir mal numa fila de distribuição de comida em Lons Angeles. “As perguntas são difíceis e as respostas também.” 

Em 2017, a Emblematic iniciou “uma parceria com o premiado programa Dateline, da PBS americana, que já resultou em dois projectos: After Solitary e Greenland Melting”. 

“O projecto da Gronelândia é uma compilação de novas tecnologias, onde o termo ‘imersivo’ começa realmente a ser algo real e não apenas uma jogada de marketing. Tirando o frio, é possível a uma pessoa imaginar-se no local. Mas para isso, o ideal é ver o vídeo numa sala [preparada] com sensores de movimento.” (...) 

A segunda é que torna a RV uma “máquina de empatia”, de nos colocar na situação e “na pele” do outro, por exemplo um imigrante que procura asilo, a vida numa prisão ou outras experiências extremas. 

A terceira é apresentada no Newseum, em Washington, que já exibia um pedaço real do Muro de Berlim e, desde 2017, tem também uma experiência em RV onde é possível vivenciar a divisão entre as Alemanhas. “Com um quê de aventura, é possível andar numa rua deserta do lado Oriental, esconder-se dos guardas que impedem a passagem para o outro lado e, usando os controlos do Vive, quebrar um pedaço do muro para atingir a liberdade”. (...) 

A quarta é mais um projecto de Realidade Mista, que mistura duas tecnologias. “Mas a principal ferramenta usada nos vídeos criados pela Left Field, uma divisão da NBC, é o Tilt Brush. (...) Através de uma interessante mistura de gráficos preparados anteriormente com textos e desenhos feitos ao vivo, a equipa do Left Field conseguiu realmente inovar no velho mundo da TV, ao criar gráficos em 3D que tem a cara de algo novo, desafiador?  -  com o bónus de ter coragem de colocar a repórter usando um visor de RV enquanto fala com o público”. (...) 

“Em quinto lugar na lista, um vídeo histórico, que já tem mais de dois anos: uma entrevista de Michelle Obama para a Verge, captada com câmaras de 360 graus. (...) É possível ver, num curto espaço de tempo, como a tecnologia e narrativa já evoluíram. Mas, ao mesmo tempo, impossível deixar de notar que os recursos usados pela Verge, há longínquos 24 meses atrás, ainda são um sonho para qualquer redacção brasileira.” (...) 

O autor do artigo que citamos menciona depois dois projectos de ficção, My Brother’s Keeper e Ghosbusters, talvez mais úteis ao cinema de efeitos especiais do que ao jornalismo, mas que ajudam a pensar como as fronteiras da Realidade Virtual se estão a expandir. 

Aduardo Acquarone apresenta depois mais cinco narrativas em Realidade Aumentada, já experimentadas por jornais como The New York Times e The Washington Post. Expõe também a experiência de “imersão” criada pelo correspondente de guerra belga-tunisino Karim Ben Khelifa, para “contar uma história mostrando os vários lados do conflito e ainda fazer com que o público se coloque na posição dos combatentes”. 

“O projecto The Enemy é uma instalação artística e também uma poderosa narrativa jornalística para que o público entenda a guerra. É interessante como Khelifa, entrevistando os soldados, percebeu que eles têm muito em comum, independentemente do lado por que lutam, e isso é possível perceber ao usar o aplicativo de RA. De repente, estamos no meio de uma sala, entre dois soldados adversários, que vão contar um pouco da sua vida e história, e de como chegaram até lá.” (...) 

 

O texto citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
Portugal entre os que menos pagam por jornalismo na Internet Ver galeria

“Em Portugal, o número de consumidores de notícias que pagam por jornalismo online baixou 2% em relação ao ano passado. Hoje são apenas 7% o total de leitores pagantes. Se considerarmos apenas os que têm uma assinatura recorrente, o número desce para 5%”, refere João Pedro Pereira, num artigo do jornal Público, intitulado “Quem Paga o Poder”.

O colunista lembra que após a massificação da Internet, ocorrida na década de 90, do século passado, começaram as quebras nas vendas de jornais e revistas. Os números do Instituto Nacional de Estatística, revelam que o número total de exemplares vendidos caiu 40% entre 2011 e 2017.

A grande quebra nas vendas de jornais foi acompanhada da redução, também drástica do segmento da publicidade, que, segundo o mesmo Instituto, caiu 41% entre 2008 e 2017.
O dilema dos conteúdos pagos como resposta à quebra de receitas Ver galeria

 

Num contexto de crise, o conteúdo pago ganha maior relevo, sendo considerado um mal necessário por muitos órgãos de comunicação social.  Mas será que é possível haver qualidade nos textos patrocinados? Esta é a questão levantada por Lívia Souza Vieira, num artigo reproduzido no site do Observatório de Imprensa do Brasil, com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

A professora de jornalismo, cita The  New York Times e a revista The Atlantic, como exemplos de duas publicações de referência, onde esse passo para a qualidade parece ter sido dado.

O primeiro, quando publicou uma peça paga pela Netflix, sobre as particularidades do sistema prisional feminino, integrado numa campanha da série televisiva, “Orange is the new black”, que teve a vantagem de abordar um tema normalmente esquecido pelas agendas.

No segundo caso, salienta-se o facto de a publicação ter revisto e actualizado as regras e procedimentos para publicação de conteúdos pagos.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
16
Set
16
Set
Ferramentas Google para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Set
Local Media Fal(l) School
09:00 @ Covilhã
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul