Quarta-feira, 17 de Julho, 2019
Tecnologias

Quando o jornalismo se adapta à imersão em Realidade Virtual

A aplicação ao jornalismo das novas tecnologias de Realidade Virtual é uma história ainda muito em princípio. Segundo o texto que aqui citamos, algumas redacções já fizeram “breves experiências, mas estão longe de ter comprado a ideia”. Um dos problemas é a necessidade de dispositivos caros, além de salas especiais com sensores. A transmissão de experiências em Realidade Virtual faz-se principalmente em eventos especializados, ou festivais, mas “nessas feiras de tecnologia, os filmes de ficção e as experiências com games são muito mais numerosas do que as de não-ficção”.

E esse é o segundo problema. Num dos projectos mais criativos a usar a RV em jornalismo, pela empresa Emblematic, o aspecto negativo é que “o encantamento pela tecnologia e pelas novas sensações é tão forte que é fácil se esquecer da mensagem, do que está sendo dito; essa nova fronteira  - o balanço perfeito entre sensação e informação -  é algo que precisa de ser aperfeiçoado pelos produtores de não-ficção imersiva”. A reflexão é de Eduardo Acquarone, criador de projectos digitais jornalísticos na TV Globo, no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A sua proposta é uma espécie de “visita guiada” a cinco grandes experiências (mais duas de bónus) em Realidade Virtual que conhece, e das quais fornece os links de acesso.  

A primeira, acima citada, é a da Emblematic, cujos primeiros projectos, “bastante experimentais”, foram suficientemente fortes para consciencializarem o Fórum Económico Mundial sobre a questão síria ou porem questões sobre o que fazer quando alguém se começa a sentir mal numa fila de distribuição de comida em Lons Angeles. “As perguntas são difíceis e as respostas também.” 

Em 2017, a Emblematic iniciou “uma parceria com o premiado programa Dateline, da PBS americana, que já resultou em dois projectos: After Solitary e Greenland Melting”. 

“O projecto da Gronelândia é uma compilação de novas tecnologias, onde o termo ‘imersivo’ começa realmente a ser algo real e não apenas uma jogada de marketing. Tirando o frio, é possível a uma pessoa imaginar-se no local. Mas para isso, o ideal é ver o vídeo numa sala [preparada] com sensores de movimento.” (...) 

A segunda é que torna a RV uma “máquina de empatia”, de nos colocar na situação e “na pele” do outro, por exemplo um imigrante que procura asilo, a vida numa prisão ou outras experiências extremas. 

A terceira é apresentada no Newseum, em Washington, que já exibia um pedaço real do Muro de Berlim e, desde 2017, tem também uma experiência em RV onde é possível vivenciar a divisão entre as Alemanhas. “Com um quê de aventura, é possível andar numa rua deserta do lado Oriental, esconder-se dos guardas que impedem a passagem para o outro lado e, usando os controlos do Vive, quebrar um pedaço do muro para atingir a liberdade”. (...) 

A quarta é mais um projecto de Realidade Mista, que mistura duas tecnologias. “Mas a principal ferramenta usada nos vídeos criados pela Left Field, uma divisão da NBC, é o Tilt Brush. (...) Através de uma interessante mistura de gráficos preparados anteriormente com textos e desenhos feitos ao vivo, a equipa do Left Field conseguiu realmente inovar no velho mundo da TV, ao criar gráficos em 3D que tem a cara de algo novo, desafiador?  -  com o bónus de ter coragem de colocar a repórter usando um visor de RV enquanto fala com o público”. (...) 

“Em quinto lugar na lista, um vídeo histórico, que já tem mais de dois anos: uma entrevista de Michelle Obama para a Verge, captada com câmaras de 360 graus. (...) É possível ver, num curto espaço de tempo, como a tecnologia e narrativa já evoluíram. Mas, ao mesmo tempo, impossível deixar de notar que os recursos usados pela Verge, há longínquos 24 meses atrás, ainda são um sonho para qualquer redacção brasileira.” (...) 

O autor do artigo que citamos menciona depois dois projectos de ficção, My Brother’s Keeper e Ghosbusters, talvez mais úteis ao cinema de efeitos especiais do que ao jornalismo, mas que ajudam a pensar como as fronteiras da Realidade Virtual se estão a expandir. 

Aduardo Acquarone apresenta depois mais cinco narrativas em Realidade Aumentada, já experimentadas por jornais como The New York Times e The Washington Post. Expõe também a experiência de “imersão” criada pelo correspondente de guerra belga-tunisino Karim Ben Khelifa, para “contar uma história mostrando os vários lados do conflito e ainda fazer com que o público se coloque na posição dos combatentes”. 

“O projecto The Enemy é uma instalação artística e também uma poderosa narrativa jornalística para que o público entenda a guerra. É interessante como Khelifa, entrevistando os soldados, percebeu que eles têm muito em comum, independentemente do lado por que lutam, e isso é possível perceber ao usar o aplicativo de RA. De repente, estamos no meio de uma sala, entre dois soldados adversários, que vão contar um pouco da sua vida e história, e de como chegaram até lá.” (...) 

 

O texto citado, na íntegra, no Observatório da Imprensa do Brasil

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
E lá se foi mais um daqueles Artistas geniais que tornam a existência humana mais suportável… Guillermo Mordillo era um daqueles raríssimos autores que não precisam de palavras para nos revelarem os aspectos mais evidentes, e também os mais escondidos, das nossas vidas – os alegres, os menos alegres, os cómicos, os ridículos, até os trágicos -- com um traço redondo, que dava aos seus bonecos uma vivacidade...
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set