Segunda-feira, 10 de Dezembro, 2018
Colectânea

Onde se fala do Facebook fora do alcance da regulação

Ao longo de sete horas e mais de 600 perguntas, repartidas por dois dias de audição por várias comissões do Congresso dos EUA, Mark Zuckerberg prestou contas perante a indignação ou a curiosidade dos políticos. Se estas sessões provaram alguma coisa, foi que “as actividades em que as empresas tecnológicas estão agora envolvidas colocam-nas fora do alcance do entendimento legislativo e da acção imediata”.

“A natureza encoberta da persuasão, na rede social, significa que o marketing eficaz já não é uma coisa que possamos ver, ou mesmo apercebermo-nos dela, mas antes algo que, por meio de mil ‘pontos de toque’, pode subtilmente alterar o nosso comportamento sem darmos conta disso.” É esta a reflexão inicial de Emily Bell, jornalista e docente na Columbia University, no diário The Guardian, de que foi editora durante vários anos.

Como afirmou no seu texto, os políticos que interrogavam Zuckerberg estavam numa “posição invulgar”:

“Nunca antes o Congresso tivera de chamar à responsabilidade uma actividade [a business, no original] da qual dependem tantas das suas próprias estratégias de comunicação e campanha.” (...) 

“Lindsay Graham, o senador Republicano da Carolina do Sul que pôs a Zuckerberg as questões mais duras sobre comportamento monopolístico, foi muito claro em dizer que os dias da auto-regulação acabaram para o Facebook.” (...) 

Um dos pontos mais vivos de debate ocorreu com o congressista Democrata John Sarbanes, que discutiu a natureza da publicidade “inserida” pelo Facebook nas campanhas políticas, sugerindo que o “apoio de vendas”, mencionado em resposta por Zuckerberg, podia significar, na verdade, uma doação involuntária a campanhas. 

“A campanha de Donald Trump teve 5,9 milhões de anúncios aprovados, enquanto a de Hillary Clinton teve 66 mil, sublinhou Sarbanes, sugerindo que ‘milhões de americanos estão a acordar para o facto de que o Facebook se está a tornar uma super estrutura de discurso político auto-regulada’  - antes de ser interrompido por quem presidia [à sessão].” 

Emily Bell inclui o link para a página de Facebook de Sarbane, onde se encontra o vídeo desta discussão. E acrescenta: 

“A publicidade adquirida no, ou por meio do Facebook, é frequentemente protegida por cláusulas contratuais com os anunciantes, deixando o público na posição bizarra de não ser capaz de ver, de facto, qual é a publicidade que lhe é dirigida. (...) Uma táctica desenvolvida por grupos partidários envolve a colocação de uma aparentemente inócua ou independente ‘propriedade de media’  - por outras palavras, uma página de Facebook que publica notícias -  antecipando campanhas ou temas eleitorais, que vão reunindo likes ou partilhas da parte dos eleitores, que seguidamente expõem o seu interesse ou opinião sobre certos assuntos.” 

“É este tipo de negócios noticiosos que toma o lugar do jornalismo local, que está a desaparecer rapidamente na América rural e urbana. Para estas tácticas serem eficazes, nem é necessário que os dados do Facebook sejam incorrectamente usados, mas o público está, mesmo assim, a ser enganado.” (...) 

A conclusão de Emily Bell é que, se a regulação que começa, “muito gentilmente”, a ser proposta pelo Congresso, quer chegar a algum lado, “tem de ser mais do que apenas a protecção dos dados dos utentes norte-americanos  - sendo embora esta importante -  e tem de ir além do conceito da persuasão política e da publicidade para as áreas mais vastas da influência, do poder e do dinheiro”: 

“Isto implicará talvez tanto exame de si mesmo como o que fez interrogando Zuckerberg. E para que isso aconteça podemos ter de esperar ainda algum tempo.”

 

O artigo citado, na íntegra, em The Guardian. Uma recente entrevista com Emily Bell, sobre as questões da viabilidade de um jornalismo responsável e do combate à manipulação.

Connosco
O fascínio pelas imagens de motins como nova cultura dos Media Ver galeria

Um pequeno video das manifestações em Paris, feito na manhã de 2 de Dezembro e colocado no Twitter, mostra umas dezenas de indivíduos de capuz, a correr na rua, com um fogo em segundo plano. Uma legenda diz que os desordeiros [casseurs, no original] põem a polícia em fuga. Três horas depois de ser publicada, a sequência já teve 45 mil visualizações. À tarde, o contador regista 145 mil e no dia seguinte o dobro, sem contar com a sua reprodução nos media. No YouTube, no Reddit e outros meios semelhantes, estes vídeos chegam facilmente aos milhões.

“Este fascínio pelas imagens de motins  - ou de revolta, segundo o ponto de vista -  é agora chamado riot porn  - designando o prazer (um pouco culpado) de ver ou partilhar um certo tipo de imagens, como o food porn, de pratos de comida, ou o sky porn para imagens do céu e de cenas de pôr-de-sol.”

A reflexão é de Emilie Tôn, em L’Express, num trabalho que aborda o voyeurisme da violência nas ruas, em que todos podemos ser protagonistas, mesmo que involuntários, espectadores ou realizadores de documentário, com um telemóvel na mão.

A “missão impossível” dos repórteres árabes de investigação Ver galeria

A auto-confiança com que actuaram os executores de Jamal Khashoggi tem várias razões, e uma delas tem a ver connosco, jornalistas. Quando chegou, finalmente, a admissão do crime, jornalistas por todo o mundo árabe vieram em defesa de Riade. “Eles não sabiam nada  - mas escreveram o que lhes foi dito que escrevessem. E de cada vez que mudava a versão oficial, eles mudavam a sua para se ajustar, sem embaraço ou hesitação.”

“E não estavam sozinhos. Os sauditas tinham uma segunda linha de defesa: um grupo menor, mas não menos influente, de jornalistas do Ocidente, que tinham passado mais de um ano a contar a história de uma Arábia Saudita reformista, acabada de retocar, de ventos de mudança soprando no deserto, com as suas visões e ambições comoventes louvadas por todo o mundo.”

A reflexão é da jornalista jordana Rana Sabbagh, que está à frente da Rede de Jornalismo de Investigação Árabe (membro da Global Investigative Journalism Network) e foi a primeira mulher árabe a dirigir um jornal político no Médio Oriente, o Jordan Times.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O Presidente Marcelo é um dos poucos políticos portugueses com legitimidade para colocar a questão dos apoios do estado à produção jornalística porque ele é produtor e produto do sistema mediático.A sua biografia confunde-se com a liberdade de imprensa e a pergunta que Marcelo faz é, para ele, uma questão de consciência presidencial.Dito isto, pergunto:O que diríamos nós se fosse Donald Trump a...
Perante a bem conhecida e infelizmente bem real crise da comunicação social o Presidente da República questionou, há dias, se o Estado não tem a obrigação de intervir. Para Marcelo Rebelo de Sousa há uma "situação de emergência", que já constitui um problema democrático e de regime. A crise está longe de ser apenas portuguesa: é mundial. E tem sobretudo a ver com o facto de cada vez mais...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...