Segunda-feira, 21 de Maio, 2018
Fórum

Onde se fala do Facebook fora do alcance da regulação

Ao longo de sete horas e mais de 600 perguntas, repartidas por dois dias de audição por várias comissões do Congresso dos EUA, Mark Zuckerberg prestou contas perante a indignação ou a curiosidade dos políticos. Se estas sessões provaram alguma coisa, foi que “as actividades em que as empresas tecnológicas estão agora envolvidas colocam-nas fora do alcance do entendimento legislativo e da acção imediata”.

“A natureza encoberta da persuasão, na rede social, significa que o marketing eficaz já não é uma coisa que possamos ver, ou mesmo apercebermo-nos dela, mas antes algo que, por meio de mil ‘pontos de toque’, pode subtilmente alterar o nosso comportamento sem darmos conta disso.” É esta a reflexão inicial de Emily Bell, jornalista e docente na Columbia University, no diário The Guardian, de que foi editora durante vários anos.

Como afirma no seu texto, os políticos que interrogavam Zuckerberg estavam numa “posição invulgar”:

“Nunca antes o Congresso tivera de chamar à responsabilidade uma actividade [a business, no original] da qual dependem tantas das suas próprias estratégias de comunicação e campanha.” (...) 

“Lindsay Graham, o senador Republicano da Carolina do Sul que pôs a Zuckerberg as questões mais duras sobre comportamento monopolístico, foi muito claro em dizer que os dias da auto-regulação acabaram para o Facebook.” (...) 

Um dos pontos mais vivos de debate ocorreu com o congressista Democrata John Sarbanes, que discutiu a natureza da publicidade “inserida” pelo Facebook nas campanhas políticas, sugerindo que o “apoio de vendas”, mencionado em resposta por Zuckerberg, podia significar, na verdade, uma doação involuntária a campanhas. 

“A campanha de Donald Trump teve 5,9 milhões de anúncios aprovados, enquanto a de Hillary Clinton teve 66 mil, sublinhou Sarbanes, sugerindo que ‘milhões de americanos estão a acordar para o facto de que o Facebook se está a tornar uma super estrutura de discurso político auto-regulada’  - antes de ser interrompido por quem presidia [à sessão].” 

Emily Bell inclui o link para a página de Facebook de Sarbane, onde se encontra o vídeo desta discussão. E acrescenta: 

“A publicidade adquirida no, ou por meio do Facebook, é frequentemente protegida por cláusulas contratuais com os anunciantes, deixando o público na posição bizarra de não ser capaz de ver, de facto, qual é a publicidade que lhe é dirigida. (...) Uma táctica desenvolvida por grupos partidários envolve a colocação de uma aparentemente inócua ou independente ‘propriedade de media’  - por outras palavras, uma página de Facebook que publica notícias -  antecipando campanhas ou temas eleitorais, que vão reunindo likes ou partilhas da parte dos eleitores, que seguidamente expõem o seu interesse ou opinião sobre certos assuntos.” 

“É este tipo de negócios noticiosos que toma o lugar do jornalismo local, que está a desaparecer rapidamente na América rural e urbana. Para estas tácticas serem eficazes, nem é necessário que os dados do Facebook sejam incorrectamente usados, mas o público está, mesmo assim, a ser enganado.” (...) 

A conclusão de Emily Bell é que, se a regulação que começa, “muito gentilmente”, a ser proposta pelo Congresso, quer chegar a algum lado, “tem de ser mais do que apenas a protecção dos dados dos utentes norte-americanos  - sendo embora esta importante -  e tem de ir além do conceito da persuasão política e da publicidade para as áreas mais vastas da influência, do poder e do dinheiro”: 

“Isto implicará talvez tanto exame de si mesmo como o que fez interrogando Zuckerberg. E para que isso aconteça podemos ter de esperar ainda algum tempo.”

 

O artigo citado, na íntegra, em The Guardian. Uma recente entrevista com Emily Bell, sobre as questões da viabilidade de um jornalismo responsável e do combate à manipulação.

Connosco
Conferência a 22 de Maio com ministro Mário Centeno Ver galeria

Mário Centeno, Ministro das Finanças e Presidente do Eurogrupo, é o nosso orador convidado para o jantar-debate do próximo dia 22 de Maio, promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema que tem presidido a esta série  - “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”.

Mário José Gomes de Freitas Centeno nasceu em Olhão, em Dezembro de 1966, e fez o seu percurso académico em Lisboa, para onde veio morar, com os pais e irmãos, quando tinha 15 anos. Obteve no ISEG  - Instituto Superior de Economia e Gestão a sua licenciatura em Economia, em 1990, seguida de um mestrado em Matemática Aplicada na mesma escola superior.


Livro de memórias de Pedro Rolo Duarte sem ser autobiografia Ver galeria

Pedro Rolo Duarte, que nos deixou em Novembro de 2017, deixou também um conjunto de textos agora reunidos e publicados em livro. O título, “Não Respire”, vai direito a um tema incontornável, que o autor assume e é continuado logo abaixo, na mesma capa: “Tudo começou cedo demais (e quando dei por isso era tarde)”.
O Observador, que publica excertos de momentos marcantes da sua vida, explica que “a autobiografia póstuma do jornalista, que a editora Manuscrito acabou de publicar, fala naturalmente da doença, mas não só”. O primeiro desses excertos é “o vício do tabaco”. Mas as 296 páginas “estão repletas de histórias de uma vida cheia. Nelas, Rolo Duarte recordou os melhores tempos de uma carreira com mais de 30 anos (a fundação d’O Independente, do DNA), os amigos, as paixões e os vícios. Sempre com grande saudade mas sem uma ponta de pessimismo.”

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Um conselho inútil
Manuel Falcão
Pouca gente terá reparado que o Governo andou a fazer uma luta surda com a RTP até conseguir o que queria - ter uma palavra a dizer na composição do conselho de administração da empresa concessionária do serviço público de Rádio e Televisão. O caso deu-se graças a uma das maiores asneiras do ministro Poiares Maduro, no anterior governo, que foi a criação do Conselho Geral Independente...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
Agenda
24
Mai
24
Mai
Conferência Internacional Literacia de Media e Informação
09:00 @ Faculdade de Letras - Universidade de Coimbra
30
Mai
The GEN Summit 2018
19:00 @ Pátio da Galé, Lisboa
01
Jun
MEDIAMIXX 2018
09:00 @ Thessaloniki, Grécia
04
Jun
Fotojornalismo e Direitos de Autor
09:00 @ Cenjor, Lisboa