Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Fórum

Agência Pública como espaço de inovação para o jornalismo brasileiro

A Casa Pública, no Rio de Janeiro, e a Agência Pública, em São Paulo, são duas expressões de um mesmo projecto, que procura reflectir sobre o jornalismo brasileiro no sentido dos três is: ser inovador, inspirador e independente. Acrescente-se o que lhe está ligado desde a fundação: ser investigativo. Criada há cinco anos, a Agência Pública é membro da Global Investigative Journalism Network  - de cujo site citamos a reportagem que conta esta história. E a sua mais importante contribuição, num ambiente político “ultra-polarizado”, é a de expandir o projecto de fact-checking chamado Truco, para verificar diariamente, em pelo menos oito Estados brasileiros, as afirmações dos candidatos que se apresentem às próximas eleições de Outubro.

Esta operação já tinha sido posta à prova durante as eleições municipais de 2016, em cinco capitais. Para as que vêm neste ano, a equipa da Agência, em São Paulo, vai dar formação a jornalistas independentes, de todo o país, na sua metodologia de fact-checking

“Considero o fact-checking um género do jornalismo de investigação”  -  afirma Natália Viana, uma das co-fundadoras da Agência, que começou a sua carreira sempre com esta marca. Em 2006, quando fazia o mestrado em jornalismo radiofónico, em Londres, adquiriu essa formação pelo Center for Investigative Journalism (CIJ). 

Quanto à Casa Pública, nasceu como um centro cultural, de debate e celebração do jornalismo, e ao mesmo tempo um porto de abrigo para jornalistas brasileiros ou estrangeiros de passagem. Foi lá que foi lançada a ideia do Festival dos 3 is, o primeiro deles realizado em Novembro de 2017. 

A escolha desta cidade decorre de dois grandes acontecimentos ali ocorridos: a Taça do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas de Verão em 2016. Logo neste meso ano, na sequência do impeachment de Dilma Roussef, foi organizado no local um debate com o ponto de vista dos jornalistas estrangeiros sobre o sucedido. Como conta Natália Viana, houve uma fila de 400 pessoas a quererem entrar numa sala que só é confortável para umas 70. 

“Assim, por um lado, as pessoas precisavam de um lugar para falar, Pelo outro, os estudantes e mais pessoas interessadas no jornalismo tinham falta de um espaço para discutirem o ‘novo jornalismo’, um debate que não é a respeito da ‘crise do jornalismo’, ou do ‘fim do jornalismo’, ou dos fracos salários”  -  disse ainda. 

“Este é um espaço para experimentarmos, revigorarmos e celebrarmos o novo jornalismo”  - que define em vários pontos: empresas nativas-digitais, dirigidas por jornalistas cujo primeiro projecto é o de fazerem jornalismo, e que o fazem com o objectivo de alcançarem estabilidade e sustentabilidade de longo prazo. 

A própria Agência Pública tem o seu problema de sustentabilidade, que é descrito nesta reportagem pela outra co-fundadora, Marina Amaral. No lançamento da Casa Pública, no Rio, procuraram algum mecenato, e houve fundações, como a Ford, Porticus, Oak Foundation e a Open Society Foundation, que fizeram doações temporárias. Três delas mantiveram este apoio por mais um ano. Estes e outros doadores são citados na página Transparency, no site da Agência. 

Esta assume-se mais como “uma agência e não uma publicadora”. Na prática, os media podem republicar as reportagens da Pública sob uma licença Creative Commons. Em resultado disto, 700 websites republicaram trabalhos da Pública em 2017, segundo Natália Viana, incluindo The Guardian, El País, a Folha de S.Paulo, o Valor Económico e o blog Santarém do Pará

“Nada do que fazemos resulta de uma ideia louca que nasce da noite para o dia. Marina e eu temos uma regra: se não nos parece seguro, não o divulgamos ao mundo. Vamos pensar nisso mais um pouco. Fazemos tudo com calma e muito cuidado.” (…)

 

 
O texto aqui citado, na Global Investigative Journalism Network, de cujo projecto de fact-checking incluímos a imagem

Connosco
Expressiva manifestação em Bratislava evocando jornalista assassinado Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia