Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

Sem um jornalismo de qualidade não há antídoto contra a manipulação

A capacidade dos media para assegurarem o futuro da democracia foi posta à prova por grandes rupturas no seu modo de sustento e de funcionamento. É mais fácil fazermos o diagnóstico do que o prognóstico  -  e mais difícil ainda pormo-nos de acordo sobre a terapêutica. A jornalista britânica Emily Bell, docente na Universidade de Columbia, EUA, é aqui entrevistada pelo norueguês Anders Hofseth, editor da NRKbeta, sobre a viabilidade económica dos media e o serviço que prestam. Há um ponto em que Emily Bell declara que não mudou o seu pensamento, desde o tempo em que tinha responsabilidades editoriais em The Guardian: é que “temos de fazer um jornalismo de elevada qualidade acessível a toda a gente”.

A introdução da entrevista, por Anders Hofseth, recorda os caminhos que foram tentados depois de a publicidade que sustentava os media tradicionais ter sido capturada pelas grandes plataformas tecnológicas: 

“O crescimento dos modelos por assinatura e paywall começou a trazer dinheiro fresco a algumas empresas de media, mas os que não se tornam assinantes de meios jornalísticos podem ficar pior. Já não se trata de escolher o exemplar de um jornal num quiosque; uma indústria de jornalismo baseada na paywall limita a informação àqueles que podem fazer um compromisso financeiro a longo termo, que habitualmente implica a revelação de dados pessoais. E esses dados tornaram-se uma mercadoria, que pode ser usada para atingir qualquer coisa, desde a publicidade até à manipulação política.” (...) 

Emily Bell preocupa-se com o facto de “estarmos a entrar num período em que as mensagens que recebemos são ajustadas individualmente, e já não temos acesso à mesma informação”. De certo modo, é o que vimos no ciclo eleitoral de 2016: 

“Determinadas pessoas recebendo determinadas mensagens, e outras recebendo diferentes, e sem sabermos de onde vêm, quem as produz, e sem qualquer transparência.” 

“Somos levados a sentir de determinado modo pelos media que consumimos, e não é um fenómeno orgânico, cultural, mas um fenómeno político altamente manipulado. Se não tivermos um jornalismo de alta qualidade, livre [ou: grátis – free, no original], não temos antídoto; realmente não temos antídoto.” (...) 

“O ponto em que me enganei completamente é que eu pensava que a publicidade ia ser muito mais durável. Acho que ninguém previu realmente a escala, ou o ritmo a que o mercado da publicidade ia mudar sob o Facebook.” (...) 

“Estive em vários países no ano passado, incluindo a Noruega, a Suíça e a Coreia do Sul. Cada mercado parece estar a sofrer exactamente o mesmo trauma, que é: ‘Vocês não têm dimensão suficiente na Web, simplesmente não têm dimensão suficiente.’ A escala destruiu o modelo de negócio e isso não vai voltar.” 

“O jornalismo é duro [news is hard, no original], não é barato de produzir, e precisa de ser consistente. São necessárias certas coisas para [fazer] reportagens de grande horizonte, equipas de pessoas  - talvez mesmo gerações de pessoas -  para as compreenderem e continuarem a segui-las. Essa sustentabilidade veio sempre de uma mistura do público e do privado.” 

“Quando pensamos nas instituições que contêm isto, talvez seja perfeitamente sensato que as pessoas digam que o jornalismo lucrativo, no pós-guerra, foi um pequeno ponto. Não fazia dinheiro antes, e não fez dinheiro durante vários anos. Talvez tenhamos visto 50 anos em que ele deu dinheiro. Agora isso está a chegar ao fim, e não podemos esperar que essas funções sejam realmente lucrativas.” (...) 

Interrogada sobre o papel do serviço público nesta matéria, Emily Bell responde: 

“Qualquer pessoa no jornalismo de serviço público vai trabalhar todos os dias com a missão de informar os cidadãos do seu país, e tentar chegar a todos. Mesmo às pessoas que não podem pagar, mesmo às pessoas que não acham necessariamente que precisam de notícias, ou pessoas que ficaram fora do processo de decisão porque não encaixam no perfil sócio-demográfico que significa que seriam normalmente incluídas.” 

“Para mim, neste preciso momento, não há quase nada mais importante do que termos media robustos, de serviço público, acessíveis aos cidadãos.” 

“Eu penso que as emissoras de serviço público podem fazer qualquer coisa porque têm longevidade e segurança de financiamento. Mas nem sempre são tão imaginativas como precisávamos que fossem, neste tempo particular.” (...) 

Respondendo à pergunta sobre se há um modelo financeiro viável, a longo prazo, para meios de comunicação comerciais, afirma Emily Bell: 

“Penso que há um modelo financeiro muito viável, a longo prazo, para meios de comunicação comerciais. Mas não penso necessariamente que isso se aplique de modo directo ao jornalismo.” (...) 

“Penso que vemos agora algumas empresas de jornalismo generalista tornando-se mais sustentáveis por meio de receitas vindas dos leitores, e isso é claramente um modelo para várias delas.” 

“Não sabemos ainda muito sobre os mecanismos de pagamento, como vão desenvolver-se e o que é que as pessoas irão pagar. Assim, não penso que haja um modelo viável, sustentado pela publicidade, para um jornalismo de graça [free journalism, no original]  -  simplesmente não há. E não vai acontecer.” 

“E se ainda vier a acontecer, não vai ser nos próximos anos. Muitos dos sites nativos-digitais que vivem no ecossistema social têm passado por tempos terríveis. Muito piores do que quase todos os outros, incluindo os media tradicionais.” (...) 

“Neste momento, penso que os media de serviço público têm o papel mais importante a desempenhar do que tiveram em qualquer momento desde o fim da II Guerra Mundial.” 

“Na América, não estamos tão atentos aos factos das grandes guerras na Europa. Foi a I Guerra Mundial que realmente causou a formação da BBC. Estávamos num período incrivelmente inseguro da política global, que era ameaçador, perigoso e assustador para a maioria das pessoas.” (...) 

“Agora, isto não quer dizer que a BBC não deva nunca ser reformada. Mas devia ser reformada de um modo que seja eficiente para a população, e não de um modo que vá beneficiar os meios comerciais à frente dos meios de serviço público.” (...)

 

A entrevista citada, na íntegra, no NiemanLab, cuja imagem  - obtida pelo entrevistador, Anders Hofseth -  aqui incluímos

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...