Quarta-feira, 26 de Junho, 2019
Media

Os equívocos e o risco dos Media se tornarem Twitter-dependentes

Os órgãos de comunicação, nos Estados Unidos, tornaram-se Twitter – dependentes. Passaram a incluir tweets no texto da reportagem, com o objectivo de ilustrar o tema tratado com as opiniões das “pessoas vulgares”. O problema é que, com a comunicação digital no ponto a que chegou, podem não ser “vulgares” nem sequer “pessoas”, mas sim produtos saídos das “fábricas de trolls” já referenciadas.

No fundo, trata-se da versão digital de uma coisa que se faz há muito tempo no jornalismo  - e de que a televisão abusa -  procurando pessoas ao acaso na rua, sempre na esperança de apanhar boas frases que transportem a autoridade da vox populi. Pode correr mal, e não ser verdadeiramente representativo da opinião pública, como explica a investigadora canadiana Heidi Tworek, docente na Universidade de British Columbia.

A autora começa por assinalar que um estudo realizado por investigadores da Universidade de Madison-Wisconsin revelou que 32, em 33 grandes empresas de comunicação, tinham inserido tweets criados pela Internet Research Agency, uma organização com sede em S. Petersburgo, apoiada por cidadãos russos com ligações a Vladimir Putin. Os meios [que o fizeram] incluem títulos como os da NPR – National Public Radio e o jornal The Washington Post, até aos “nativos” digitais BuzzFeed e Salon

A vox populi, como agora a inclusão dos tweets, foi sempre vista como “uma prática problemática”: 

“Mesmo no melhor dos casos, a vox populi fornece versões ditorcidas da realidade, dando destaque a umas poucas vozes em detrimento de outras e promovendo uma falsa equivalência. Mas os media desenvolveram, nos anos 70, algumas regras informais sobre quem entrevistar na rua, e como. As redacções de hoje podiam aprender  - e melhorar -  a partir destas normas anteriores.” (...) 

Heidi Tworek recorda que mesmo a UNESCO incluíu práticas deste tipo de vox populi nos seus manuais de jornalismo para países em desenvolvimento, em meados dos anos 80: 

“Era suposto que os jornalistas que as usavam encontravam opiniões opostas sobre um assunto e incluíam um vasto leque de idades e géneros  -  mas nunca foi entendido que isso constituía uma amostra representativa. A vox populi era o oposto de um questionário científico procurando respostas estruturadas e comparáveis. Em vez disso, os repórteres procuravam soundbites expressivos vindos de cenários do quotidiano como as ruas, centros comerciais ou parques públicos. Como prevenia a UNESCO, dirigindo-se a candidatos a jornalistas: ‘O que vocês querem são boas citações, e as perguntas devem ser formuladas de modo aberto, para as encorajar’.” 

As normas da BBC sobre este método, publicadas em 2014, sublinhavam que “a vox populi é uma ferramenta de ilustração, NÃO é uma ferramenta de pesquisa”. (...) 

O seu abuso, especialmente em transmissões de rádio e televisão, torna-se “um modo de preencher tempo numa emissão”. 

“E pelo facto de incluir, geralmente, visões opostas sobre qualquer assunto, este género é frequentemente acusado de propor uma falsa equivalência, como na cobertura feita pelos media durante as eleições presidenciais de 2016 [nos EUA]. Pode também promover uma reportagem preguiçosa, quando os jornalistas utilizam pessoas na rua em vez de fontes bem informadas.” (...) 

A inserção de tweets serve frequentemente o mesmo propósito nas reportagens online. A autora do artigo que citamos adverte que a identidade dos tweeters pode ser facilmente “fabricada” e que a transcrição de um tweet com muitos reenvios e respostas dá a ideia de um grande número de concordâncias, que pode ser manipulado por robots informáticos. 

“Se os sites noticiosos querem preservar o aspecto dos tweets, mais valia incluírem capturas de ecrã removendo a parte das respostas, partilhas e favoritos. O Financial Times começou a mostrar os tweets deste modo, só com o texto.” 

“A vox populi tinha os seus problemas. Mas pelo menos apresentava pessoas reais. Já é tempo de os media trazerem os humanos de volta  - e aplicarem regras sobre o modo de garantirem que são reais.” 

 

O texto original na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
"Metástases" da desinformação espalham-se pelo mundo Ver galeria

O alastrar da desinformação, potenciado pelas capacidades de contágio “viral” da revolução tecnológica, teve um impacto transformador sobre o jornalismo. Nos Estados Unidos, um dos primeiros factos surpreendentes com que os jornalistas tiveram de lidar, logo após a eleição de Donald Trump, foi a noção de que hackers russos, em “fábricas” de conteúdos, podiam semear desordem no eleitorado americano e desacreditar o jornalismo autêntico.

“Por vezes, os leitores encontravam notícias verdadeiras que Trump procurava desacreditar porque não gostava do modo como o faziam parecer;  outras vezes encontravam a deformação intencional da informação para distorcer a verdade;  em muitas ocasiões, o que encontravam era apenas completo absurdo.”  
E deixou de ser um problema local. As “metástases” da desinformação espalham-se pelo mundo e o jornalismo é arrastado para o caos:

“Vimos isso na Birmânia e no Brasil, no Sri Lanka e na Nova Zelândia, por vezes em campanhas orquestradas que trazem a dedada de agentes estatais, por vezes em manifestos individuais de mentes perturbadas. O resultado é sempre o mesmo: relatos falsos envenenam as plataformas que abrigam o verdadeiro jornalismo. Ninguém na Imprensa está a salvo de ver o seu trabalho, sério e diligente, exposto na enxurrada.”
A reflexão é de Kyle Pope, director da Columbia Journalism Review, em “Todo o jornalismo é global”.

O pesadelo dos jornalistas filipinos perseguidos pelo regime Ver galeria

A luta pela liberdade de Imprensa pode ser uma guerra de resistência entre os carcereiros e os candidatos a presos  - que são todos os jornalistas que tenham a coragem de o ser. Num dos mais recentes episódios em que foi detida, em Fevereiro de 2019, a jornalista filipina Maria Ressa, fundadora do site Rappler, comentou ironicamente à saída do tribunal:

“Esta é a sexta vez que pago fiança, e vou pagar mais do que criminosos condenados. Vou pagar mais do que Imelda Marcos.”

Como conta no artigo “Alvos de Duterte”, que aqui citamos, o Presidente das Filipinas, que “foi o primeiro político do meu país a usar as redes sociais para ganhar umas eleições, conduz uma campanha incansável de desinformação (trolling patriótico) para reduzir os críticos ao silêncio”:

“O seu governo vomita mentiras a tal velocidade que o público já não consegue saber o que é realidade. Mesmo os seus próprios membros ficam confusos.”

“Desde Junho de 2016, quando Rodrigo Duterte se tornou Presidente, houve cerca de 27 mil assassínios decorrentes da sua ‘guerra contra a droga’. Este número vem das Nações Unidas, mas não foi muito divulgado. A polícia mantém a sua própria contagem menor, pressionando os órgãos de informação a publicá-la.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
Ao longo do último ano os jornais britânicos The Times e The Sunday Times têm desenvolvido esforços consideráveis para conseguir manter os assinantes digitais que foram angariando ao longo do tempo. A renovação das assinaturas digitais é uma das crónicas dores de cabeça que os editores de publicações enfrentam, tanto mais que estudos recentes comprovam que uma sólida base de assinantes e leitores...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
02
Jul
The Children’s Media Conference
16:00 @ Sheffield,Reino Unido
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigeria