Segunda-feira, 18 de Fevereiro, 2019
Fórum

A “personalização” das notícias pode tornar-se um "pau de dois bicos"...

Foram as empresas tecnológicas, como Google e Facebook  - e não os media tradicionais -  que tornaram possível o noticiário “personalizado”. Mas agora são estes que apostam cada vez mais em conteúdos escolhidos deste modo, para trazer mais audiência aos seus sites e conservá-la. O problema é que isto acaba por criar uma “câmara de ressonância”: no fundo, “consumimos notícias preparadas de modo a serem saborosas”. Esta reflexão é o ponto de partida de um texto de Adrienne Lafrance, directora da revista The Atlantic  -  que aqui citamos da sua tradução para os Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo foi originalmente publicado, em Outubro de 2017, na Nieman Reports, da Nieman Foundation for Journalism, da Universidade de Harvard, nos EUA. Está datado, mas não desactualizado, porque tudo o que tem acontecido com as redes sociais, nas últimas semanas, já vinha de trás e é nele bem documentado. 

A autora chama a atenção para um dos mais recentes desenvolvimentos na interacção entre as redes sociais baseadas nas grandes plataformas tecnológicas e os dispositivos domésticos de reconhecimento da voz humana

“Enquanto os sistemas de consulta de dados se tornam mais sofisticados, os softwares de reconhecimento de voz avançam e as empresas tecnológicas aproveitam a personalização para obter lucro, este fenómeno será cada vez mais intenso. Isto é potencialmente alarmante, dado o crescimento dos websites  - os que estão focados na informação e os outros -  que habitam nos extremos políticos e que, no Facebook, podem facilmente ser confundidos com fontes válidas de notícias. Quando os utentes podem personalizar as suas notícias, e fazê-lo a partir destes extremos políticos e sociais, o discurso cívico pode ressentir-se.” (...) 

“Os algoritmos que filtram a informação, sejam das grandes empresas tecnológicas ou dos meios de comunicação, são a base dos intentos da personalização, embora os jornalistas e as tecnológicas abordem este terreno de modos muito diferentes.”

“Os media distribuem informação que é verdadeira e, com sorte, interessante. As empresas tecnológicas, como Google e Facebook, permitem distribuir informação que é interessante e, com sorte, verdadeira. As tecnológicas emergentes só vão agravar os problemas que já existem com a informação-lixo que aparece por meio dos algoritmos.” 

Sobre este ponto, a autora cita Tamar Charney, chefe de redacção da NPR One, a aplicação para dispositivos móveis da National Public Radio, quando disse que o algoritmo “é, na realidade, uma moderna ferramenta editorial”. (...) 

“Assim, enquanto a NPR One permite que os ouvintes escolham as histórias ‘não essenciais’ que mais se ajustam aos interesses de cada um  - como, por exemplo, críticas musicais, ou notícias de desporto, ou entrevistas com artistas -  e decide segundo o nível de escutas que fazem sobre determinados temas, aumentando ou diminuindo as actualizações, os editores humanos decidem, em última instância, o que precisamos de ouvir.”  (...) 

E esta questão pode ser motivo de reacções dos próprios utentes, como verificou The New York Times com a sua introdução de “características personalizáveis” na página de entrada. 

“A última Provedora do Leitor, Liz Spayd, comentou as alterações num artigo publicado em Março, explicando que havia muitos leitores descontentes com os esforços do jornal por oferecer experiências mais individuais de leitura e por documentar e partilhar a actividade dos seus assinantes com eles. ‘Eu pago uma assinatura por uma razão: o critério e a experiência dos editores e jornalistas que tornam grande este jornal. Não tentem ser o Facebook... Sejam The New York Times e façam-no bem’  - comentou um dos leitores.” 

“‘Não tentem ser o Facebook’  - foi um comentário repetido entre os que se queixaram. A rede social já teve a sua boa dose de problemas na gestão de notícias no intento de ser ‘o jornal mais personalizado do mundo’, como o seu máximo responsável, Mark Zuckerberg, a definiu em 2013. Por não falar das notícias falsas que proliferam entre os seus utentes, a secção Trending topics passou uns meses muito duros em 2016.” (...) 

“Na Google e no Facebook, o algoritmo que determina o que vemos é invisível. ‘Estamos a ser treinados para manter uma relação com a inteligência artificial’, afirma Amy Webb, fundadora do Instituto Future Today e professora associada da Escola de Negócios Stern, da Universidade de Nova Iorque." 

“Isto é muito mais catastrófico para os meios de comunicação do que foi a chegada da Internet. Ao menos, com a Internet havia opções. O ecossistema de voz não é construído desta forma. Está a ser construído para ter a informação de que preciso de uma forma agradável.” 

“Amy Webb afirma que a voz é a próxima grande ameaça do jornalismo, mas oferece aos media a oportunidade de desempenharem um papel muito maior no dia a dia das pessoas.” 

A sugestão deixada aos utentes é que forcem o diálogo com o aparelho, exigindo escolhas concretas: “Talvez queira ter uma conversa com The Atlantic, mas não com USA Today, porque não estou disposta a pagar por isso”, diz Amy Webb.

“Isto tem muito a ver com a tecnologia, mas também com a gestão, porque de repente há vinte diferentes tipos de postos de trabalho que são necessários, e não estão lá.” (...) 

“O uso dos interfaces de voz por parte dos media coloca uma quantidade de questões éticas relacionadas com a recolha dos dados, a privacidade e a segurança. Não sabemos exactamente que dados recolhem estes aparelhos de cada pessoa  - muito poucas lêem as políticas de privacidade das empresas -  mas, se os smartphones nos ensinaram alguma coisa, a resposta dura é: tudo quanto puderem.” (...)

 

O artigo citado, na edição nº 35 de Cuadernos de Periodistas

Connosco
Os "clicks" são um sismógrafo de pouca confiança... Ver galeria

Num ambiente mediático saturado de notícias, os leitores valorizam mais as que lhes são pessoalmente pertinentes  - e isto não pode ser definido, numa redacção, medindo os clicks.

“As pessoas abrem frequentemente artigos que são divertidos, ou triviais, ou estranhos, sem sentido cívico evidente. Mas mantêm uma noção clara da diferença entre o que é trivial e o que é importante. De modo geral, querem estar informadas sobre o que se passa à sua volta, a nível local, nacional e internacional.”

A reflexão é de Kim Christian Schroder, um investigador dinamarquês que passou metade do ano de 2018 em Oxford, fazendo para o Reuters Institute um estudo sobre a relevância das notícias para os leitores  - e o que isso aconselha às redacções.

“Na medida em que queiram dar prioridade às notícias com valor cívico, os jornalistas fazem melhor em confiar no seu instinto do que nesse sismógrafo de pouca confiança que são as listas dos textos ‘mais lidos’.”

Jorge Soares em Fevereiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

Prossegue a 27  Fevereiro o ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?”, promovido pelo CPI, em parceria com o CNC e o Grémio Literário, tendo como orador convidado o Prof. Jorge Soares, que preside ao Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, desde 2016, preenchendo o lugar deixado vago por morte de João Lobo Antunes.  

Director do Programa Gulbenkian Inovar em Saúde, da Fundação Calouste Gulbenkian, Jorge Soares já fazia parte daquele Conselho, antes de ser eleito para a sua presidência .

O seu currículo é vasto. Presidiu também à  Comissão Externa para Avaliação da Qualidade do Ensino, e, mais tarde,  assumiu a vice-presidência da Comissão de Ética da Fundação Champalimaud, e, a partir de 2016, foi presidente da Comissão Nacional dos Centros de Referência. É Perito Nacional na União Europeia do 3rd Programme “EuropeAgainst Cancer” .

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
O problema do umbigo
Manuel Falcão
O fim da Quadratura do Círculo é o fim de uma época e o sinal de uma mudança. A SIC Notícias já não é líder no cabo, os intervenientes do programa acomodaram-se, deixou de haver valor acrescentado. Em termos de audiência, foram caindo - passar dos 50 mil espectadores já era raro e a média do último trimestre de 2018 foi 43.500, o share de audiência do programa esteve abaixo do share médio...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
20
Fev
Social Media Week: Austin
09:00 @ Austin, Texas , EUA
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia