Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

A “personalização” das notícias pode tornar-se um "pau de dois bicos"...

Foram as empresas tecnológicas, como Google e Facebook  - e não os media tradicionais -  que tornaram possível o noticiário “personalizado”. Mas agora são estes que apostam cada vez mais em conteúdos escolhidos deste modo, para trazer mais audiência aos seus sites e conservá-la. O problema é que isto acaba por criar uma “câmara de ressonância”: no fundo, “consumimos notícias preparadas de modo a serem saborosas”. Esta reflexão é o ponto de partida de um texto de Adrienne Lafrance, directora da revista The Atlantic  -  que aqui citamos da sua tradução para os Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo foi originalmente publicado, em Outubro de 2017, na Nieman Reports, da Nieman Foundation for Journalism, da Universidade de Harvard, nos EUA. Está datado, mas não desactualizado, porque tudo o que tem acontecido com as redes sociais, nas últimas semanas, já vinha de trás e é nele bem documentado. 

A autora chama a atenção para um dos mais recentes desenvolvimentos na interacção entre as redes sociais baseadas nas grandes plataformas tecnológicas e os dispositivos domésticos de reconhecimento da voz humana

“Enquanto os sistemas de consulta de dados se tornam mais sofisticados, os softwares de reconhecimento de voz avançam e as empresas tecnológicas aproveitam a personalização para obter lucro, este fenómeno será cada vez mais intenso. Isto é potencialmente alarmante, dado o crescimento dos websites  - os que estão focados na informação e os outros -  que habitam nos extremos políticos e que, no Facebook, podem facilmente ser confundidos com fontes válidas de notícias. Quando os utentes podem personalizar as suas notícias, e fazê-lo a partir destes extremos políticos e sociais, o discurso cívico pode ressentir-se.” (...) 

“Os algoritmos que filtram a informação, sejam das grandes empresas tecnológicas ou dos meios de comunicação, são a base dos intentos da personalização, embora os jornalistas e as tecnológicas abordem este terreno de modos muito diferentes.”

“Os media distribuem informação que é verdadeira e, com sorte, interessante. As empresas tecnológicas, como Google e Facebook, permitem distribuir informação que é interessante e, com sorte, verdadeira. As tecnológicas emergentes só vão agravar os problemas que já existem com a informação-lixo que aparece por meio dos algoritmos.” 

Sobre este ponto, a autora cita Tamar Charney, chefe de redacção da NPR One, a aplicação para dispositivos móveis da National Public Radio, quando disse que o algoritmo “é, na realidade, uma moderna ferramenta editorial”. (...) 

“Assim, enquanto a NPR One permite que os ouvintes escolham as histórias ‘não essenciais’ que mais se ajustam aos interesses de cada um  - como, por exemplo, críticas musicais, ou notícias de desporto, ou entrevistas com artistas -  e decide segundo o nível de escutas que fazem sobre determinados temas, aumentando ou diminuindo as actualizações, os editores humanos decidem, em última instância, o que precisamos de ouvir.”  (...) 

E esta questão pode ser motivo de reacções dos próprios utentes, como verificou The New York Times com a sua introdução de “características personalizáveis” na página de entrada. 

“A última Provedora do Leitor, Liz Spayd, comentou as alterações num artigo publicado em Março, explicando que havia muitos leitores descontentes com os esforços do jornal por oferecer experiências mais individuais de leitura e por documentar e partilhar a actividade dos seus assinantes com eles. ‘Eu pago uma assinatura por uma razão: o critério e a experiência dos editores e jornalistas que tornam grande este jornal. Não tentem ser o Facebook... Sejam The New York Times e façam-no bem’  - comentou um dos leitores.” 

“‘Não tentem ser o Facebook’  - foi um comentário repetido entre os que se queixaram. A rede social já teve a sua boa dose de problemas na gestão de notícias no intento de ser ‘o jornal mais personalizado do mundo’, como o seu máximo responsável, Mark Zuckerberg, a definiu em 2013. Por não falar das notícias falsas que proliferam entre os seus utentes, a secção Trending topics passou uns meses muito duros em 2016.” (...) 

“Na Google e no Facebook, o algoritmo que determina o que vemos é invisível. ‘Estamos a ser treinados para manter uma relação com a inteligência artificial’, afirma Amy Webb, fundadora do Instituto Future Today e professora associada da Escola de Negócios Stern, da Universidade de Nova Iorque." 

“Isto é muito mais catastrófico para os meios de comunicação do que foi a chegada da Internet. Ao menos, com a Internet havia opções. O ecossistema de voz não é construído desta forma. Está a ser construído para ter a informação de que preciso de uma forma agradável.” 

“Amy Webb afirma que a voz é a próxima grande ameaça do jornalismo, mas oferece aos media a oportunidade de desempenharem um papel muito maior no dia a dia das pessoas.” 

A sugestão deixada aos utentes é que forcem o diálogo com o aparelho, exigindo escolhas concretas: “Talvez queira ter uma conversa com The Atlantic, mas não com USA Today, porque não estou disposta a pagar por isso”, diz Amy Webb.

“Isto tem muito a ver com a tecnologia, mas também com a gestão, porque de repente há vinte diferentes tipos de postos de trabalho que são necessários, e não estão lá.” (...) 

“O uso dos interfaces de voz por parte dos media coloca uma quantidade de questões éticas relacionadas com a recolha dos dados, a privacidade e a segurança. Não sabemos exactamente que dados recolhem estes aparelhos de cada pessoa  - muito poucas lêem as políticas de privacidade das empresas -  mas, se os smartphones nos ensinaram alguma coisa, a resposta dura é: tudo quanto puderem.” (...)

 

O artigo citado, na edição nº 35 de Cuadernos de Periodistas

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...