Quinta-feira, 19 de Abril, 2018
Fórum

A “personalização” das notícias pode tornar-se um "pau de dois bicos"...

Foram as empresas tecnológicas, como Google e Facebook  - e não os media tradicionais -  que tornaram possível o noticiário “personalizado”. Mas agora são estes que apostam cada vez mais em conteúdos escolhidos deste modo, para trazer mais audiência aos seus sites e conservá-la. O problema é que isto acaba por criar uma “câmara de ressonância”: no fundo, “consumimos notícias preparadas de modo a serem saborosas”. Esta reflexão é o ponto de partida de um texto de Adrienne Lafrance, directora da revista The Atlantic  -  que aqui citamos da sua tradução para os Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo foi originalmente publicado, em Outubro de 2017, na Nieman Reports, da Nieman Foundation for Journalism, da Universidade de Harvard, nos EUA. Está datado, mas não desactualizado, porque tudo o que tem acontecido com as redes sociais, nas últimas semanas, já vinha de trás e é nele bem documentado. 

A autora chama a atenção para um dos mais recentes desenvolvimentos na interacção entre as redes sociais baseadas nas grandes plataformas tecnológicas e os dispositivos domésticos de reconhecimento da voz humana

“Enquanto os sistemas de consulta de dados se tornam mais sofisticados, os softwares de reconhecimento de voz avançam e as empresas tecnológicas aproveitam a personalização para obter lucro, este fenómeno será cada vez mais intenso. Isto é potencialmente alarmante, dado o crescimento dos websites  - os que estão focados na informação e os outros -  que habitam nos extremos políticos e que, no Facebook, podem facilmente ser confundidos com fontes válidas de notícias. Quando os utentes podem personalizar as suas notícias, e fazê-lo a partir destes extremos políticos e sociais, o discurso cívico pode ressentir-se.” (...) 

“Os algoritmos que filtram a informação, sejam das grandes empresas tecnológicas ou dos meios de comunicação, são a base dos intentos da personalização, embora os jornalistas e as tecnológicas abordem este terreno de modos muito diferentes.”

“Os media distribuem informação que é verdadeira e, com sorte, interessante. As empresas tecnológicas, como Google e Facebook, permitem distribuir informação que é interessante e, com sorte, verdadeira. As tecnológicas emergentes só vão agravar os problemas que já existem com a informação-lixo que aparece por meio dos algoritmos.” 

Sobre este ponto, a autora cita Tamar Charney, chefe de redacção da NPR One, a aplicação para dispositivos móveis da National Public Radio, quando disse que o algoritmo “é, na realidade, uma moderna ferramenta editorial”. (...) 

“Assim, enquanto a NPR One permite que os ouvintes escolham as histórias ‘não essenciais’ que mais se ajustam aos interesses de cada um  - como, por exemplo, críticas musicais, ou notícias de desporto, ou entrevistas com artistas -  e decide segundo o nível de escutas que fazem sobre determinados temas, aumentando ou diminuindo as actualizações, os editores humanos decidem, em última instância, o que precisamos de ouvir.”  (...) 

E esta questão pode ser motivo de reacções dos próprios utentes, como verificou The New York Times com a sua introdução de “características personalizáveis” na página de entrada. 

“A última Provedora do Leitor, Liz Spayd, comentou as alterações num artigo publicado em Março, explicando que havia muitos leitores descontentes com os esforços do jornal por oferecer experiências mais individuais de leitura e por documentar e partilhar a actividade dos seus assinantes com eles. ‘Eu pago uma assinatura por uma razão: o critério e a experiência dos editores e jornalistas que tornam grande este jornal. Não tentem ser o Facebook... Sejam The New York Times e façam-no bem’  - comentou um dos leitores.” 

“‘Não tentem ser o Facebook’  - foi um comentário repetido entre os que se queixaram. A rede social já teve a sua boa dose de problemas na gestão de notícias no intento de ser ‘o jornal mais personalizado do mundo’, como o seu máximo responsável, Mark Zuckerberg, a definiu em 2013. Por não falar das notícias falsas que proliferam entre os seus utentes, a secção Trending topics passou uns meses muito duros em 2016.” (...) 

“Na Google e no Facebook, o algoritmo que determina o que vemos é invisível. ‘Estamos a ser treinados para manter uma relação com a inteligência artificial’, afirma Amy Webb, fundadora do Instituto Future Today e professora associada da Escola de Negócios Stern, da Universidade de Nova Iorque." 

“Isto é muito mais catastrófico para os meios de comunicação do que foi a chegada da Internet. Ao menos, com a Internet havia opções. O ecossistema de voz não é construído desta forma. Está a ser construído para ter a informação de que preciso de uma forma agradável.” 

“Amy Webb afirma que a voz é a próxima grande ameaça do jornalismo, mas oferece aos media a oportunidade de desempenharem um papel muito maior no dia a dia das pessoas.” 

A sugestão deixada aos utentes é que forcem o diálogo com o aparelho, exigindo escolhas concretas: “Talvez queira ter uma conversa com The Atlantic, mas não com USA Today, porque não estou disposta a pagar por isso”, diz Amy Webb.

“Isto tem muito a ver com a tecnologia, mas também com a gestão, porque de repente há vinte diferentes tipos de postos de trabalho que são necessários, e não estão lá.” (...) 

“O uso dos interfaces de voz por parte dos media coloca uma quantidade de questões éticas relacionadas com a recolha dos dados, a privacidade e a segurança. Não sabemos exactamente que dados recolhem estes aparelhos de cada pessoa  - muito poucas lêem as políticas de privacidade das empresas -  mas, se os smartphones nos ensinaram alguma coisa, a resposta dura é: tudo quanto puderem.” (...)

 

O artigo citado, na edição nº 35 de Cuadernos de Periodistas

Connosco
As “Histórias Proibidas” dos jornalistas assassinados voltam a ser lidas Ver galeria

Em Outubro de 2017, a jornalista Daphne Caruana Galizia, que investigava as ligações políticas perigosas da corrupção na ilha de Malta, foi morta num atentado à bomba. Hoje, uma equipa de 45 jornalistas, de 18 órgãos de comunicação de todo o mundo, está a trabalhar no Projecto Daphne, uma série de artigos que possam completar a sua investigação. Este projecto inscreve-se na missão de Forbidden Stories, cujo fundador, o realizador francês Laurent Richard, reafirmou em artigo recente em The Guardian: “Vocês mataram o mesageiro, mas não conseguirão matar a mensagem.”

Jornalismo de investigação é a melhor arma contra a propaganda Ver galeria

O combate à desinformação online tornou-se o tema incontornável de todos os encontros de jornalistas. Mas um dos painéis realizados na mais recente edição do Festival Internacional de Jornalismo, em Perugia, Itália, escutou intervenções que sugerem uma atitude menos confrontacional. A ideia é que resulta melhor investir num jornalismo de investigação no terreno, mesmo que tome mais tempo, do que tentar a batalha sempre perdida de aguentar o ritmo de produção das grandes máquinas de propaganda. Falaram neste sentido vozes experimentadas, de jornalistas como Galina Timchenko, russa, fundadora e directora do website Meduza, e Natalia Anteleva, georgiana, co-fundadora e editora de Coda Story.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Se sigo a actualidade e as notícias no digital, prefiro olhar para a reflexão e a descoberta no papel. E é aí que entra a nova geração de revistas que se vai publicando e que mostra as capacidades da imprensa, que estão longe de estar esgotadas. Com criatividade, imaginação editorial e gráfica, arrojo, e alguma capacidade para encontrar nichos de público têm surgido numerosas novas...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
A compra do The Los Angeles Times pelo cirurgião bilionário sino-americano Patrick Soon-Shiong – dono da maior fortuna da 2ª maior cidade americana - anunciada oficialmente em 7 de Fevereiro, marca o regresso da propriedade do jornal a um residente local, depois de 18 anos de controlo por grupos de media sediados fora da Califórnia. É o mais recente capítulo dos 137 anos de história do LA Times, propriedade da família Chandler durante...
Enquanto os dados mais recentes da APCT – Associação Portuguesa de controlo de Tiragem , confirmam a agonia de alguns titulos da Imprensa diária generalista e o recuo de semanários e de news magazines, do outro lado do Atlântico acredita-se que a credibilidade será a nova “moeda de troca” do jornalismo em 2018,  conforme se prevê num texto editado pelo Centro de Periodismo Digital de Guadalajara, que pode ser consultado...
Agenda
24
Abr
Social Media Week New York 2018
09:00 @ Sheraton Times Square, Nova Iorque
24
Abr
Social Media Strategies Summit Chicago 2018
22:00 @ Union League Club, Chicago
25
Abr
8º Congresso Nacional de "Periodismo Autónomo y Freelance: ‘La revolución audiovisual’"
09:00 @ Sala de Conferências da Faculdade de Ciências de Informação, Universidade de Madrid
28
Abr
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa