Quinta-feira, 19 de Abril, 2018
Fórum

Os jornalistas como "marcas" e a tentação de concorrerem com os Media

As alterações que foram impostas ao jornalismo pela chegada da Internet seguiram o caminho de uma escalada. Primeiro tratava-se apenas de um meio mais abrangente, que podia incorporar conteúdos de todos os que já existiam. Uma vez instaladas as redes sociais, o jornalismo viu-se na necessidade de lá ir à procura das audiências perdidas e passou a escrever “mais para os algoritmos do que para os leitores”. A questão de fundo passou a ser a da visibilidade.
“Não adianta fazer o melhor jornalismo do mundo se ninguém o lê, e agora isso só acontece se pagarmos para sermos vistos. É o paradoxo actual: são precisas ‘visitas’ para que a publicidade seja rentável, e é preciso pagar publicidade para poder ser visto.” É esta a reflexão inicial de um longo texto sobre os jornalistas (também vistos como "marcas") e as redes sociais, publicado em Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O autor, o jornalista Borja Ventura, docente em duas Universidades de Madrid, conta que o choque inicial, na adaptação dos media à nova tecnologia, foi o da concorrência. Primeiro, concorrentes eram os outros jornais ou estações de rádio e TV, mas logo a seguir era a própria audiência, que começava a “transformar-se em emissora, além de receptora”. 

Foram poucos os autores de blogs que conseguiram alcançar alguma rentabilidade económica à custa dos grandes meios, mas fixaram “novas dependências”: a audiência dos meios digitais já não dependia só dos leitores, mas também dos que os comentavam. 

“Houve casos em que o conteúdo jornalístico original passava para segundo plano, porque uma parte da audiência estava mais interessada pelo debate gerado na área de comentários do que pelos argumentos trocados no corpo do artigo”. 

Com o tempo, muitos media “absorveram ou adquiriram aquelas páginas independentes que traziam conteúdo interessante, como secções ou colunas”. Mas no fundo não ganharam a batalha, tiveram é que “adoptar muitas práticas que lhes eram alheias”. 

“Aquilo que os blogs tinham tentado, acabaram por consegui-lo as redes sociais: dotar a audiência de espaços próprios em que pode partilhar, comentar e contactar. (...) Os utentes deixaram de ir aos media ler, escutar ou ver conteúdo, e começaram a levar o conteúdo para os seus próprios espaços para o ver, partilhar e comentar.” 

Depois, foram os media que se aproximaram das redes sociais, em parte como “caçadores de tendências”, procurando ver de que temas falavam as pessoas, para os pôr na sua agenda “com a esperança de trazer de volta essa audiência perdida”. 

“Assim, por critérios exclusivos de audiência, os chamados [temas] ‘virais’ e os conteúdos surgidos nessas redes  - trending topics, vídeos de YouTube e comentários no Instagram -  começaram a ocupar um espaço que nunca antes tinham conseguido.” (...) 

As redes sociais tornaram-se então os intermediários entre os media e as suas audiências. Quando vieram a Google e o Facebook, “os media tinham entregado [tudo], desde os procedimentos aos conteúdos, a troco de alcançarem a audiência que tinham perdido”. (...) A realidade, agora, é que “a maioria [dos utentes] chega aos media através das redes sociais”. 

A segunda parte do trabalho de Borja Ventura trata depois, em pormenor, um problema grave que afecta as redacções e está a ser debatido, pelos efeitos perversos, mesmo que involuntários, que traz consigo: o de muitos jornalistas se assumirem, eles mesmos, como “marcas” dentro da “marca” maior que é o seu próprio jornal ou estação emissora, tornando-se concorrentes internos. 

“O problema inerente às redes sociais é que não existe dissociação possível entre os conceitos de pessoa  - com as suas opiniões e ideias -  e de profissional (ou, pelo menos, não é o mais frequente).” 

Mas alguns jornais, “especialmente no mundo anglo-saxónico, colocaram em vigor estritas directrizes e normas de cumprimento obrigatório para os seus funcionários. Assim, o perfil social dos membros de um meio de comunicação não pertence ao profissional, mas sim ao meio. Há casos em que que o nome do perfil não é sequer o do profissional, mas sim do profissional com alguma referência ao meio ou ao programa em que trabalha”. (...) 

Um dos exemplos mais recentes é o do código publicado por The New York Times a 13 de Outubro de 2017, onde se estabelece que, se os seus jornalistas “são entendidos como parciais, ou se editorializam nas redes sociais, isso pode prejudicar a credibilidade da redacção inteira”. Este tema foi na altura referido no nosso site

“Por isso ficam proibidos de mostrar expressamente o seu apoio a candidatos ou ideologias, bem como de emitir opiniões políticas.” (...) 

Borja Ventura reflecte longamente sobre os vários lados desta questão, abordando também os casos e os modos como ela se coloca na Espanha. Compara depois as diferenças entre Twitter e Facebook, como meios de comunicação instantânea, e os diferentes problemas que colocam ao jornalismo profissional. 

E conclui com uma síntese que remata numa pergunta: 

“Os jornalistas são, apesar dessa busca de singularidade em mostrarem-se como pessoas, mais uma peça da engrenagem que vincula a criação de opinião com o tratamento da actualidade. A presença e participação subjectiva de jornalistas nas redes amplifica, portanto, essa lógica, embora não a crie.” 

“Talvez por isso, antes de culpar os indivíduos por mostrarem as suas ideias, haveria que pensar em como contribuem os colectivos  - as empresas de media -  para a construção dessa subjectividade. Se aceitamos e defendemos os editoriais, as colunas de opinião e os espaços de debate, por que não as opiniões pessoais de um jornalista em particular?” 

O texto na íntegra, na edição nº 35 de Cuadernos de Periodistas

 

Connosco
As “Histórias Proibidas” dos jornalistas assassinados voltam a ser lidas Ver galeria

Em Outubro de 2017, a jornalista Daphne Caruana Galizia, que investigava as ligações políticas perigosas da corrupção na ilha de Malta, foi morta num atentado à bomba. Hoje, uma equipa de 45 jornalistas, de 18 órgãos de comunicação de todo o mundo, está a trabalhar no Projecto Daphne, uma série de artigos que possam completar a sua investigação. Este projecto inscreve-se na missão de Forbidden Stories, cujo fundador, o realizador francês Laurent Richard, reafirmou em artigo recente em The Guardian: “Vocês mataram o mesageiro, mas não conseguirão matar a mensagem.”

Jornalismo de investigação é a melhor arma contra a propaganda Ver galeria

O combate à desinformação online tornou-se o tema incontornável de todos os encontros de jornalistas. Mas um dos painéis realizados na mais recente edição do Festival Internacional de Jornalismo, em Perugia, Itália, escutou intervenções que sugerem uma atitude menos confrontacional. A ideia é que resulta melhor investir num jornalismo de investigação no terreno, mesmo que tome mais tempo, do que tentar a batalha sempre perdida de aguentar o ritmo de produção das grandes máquinas de propaganda. Falaram neste sentido vozes experimentadas, de jornalistas como Galina Timchenko, russa, fundadora e directora do website Meduza, e Natalia Anteleva, georgiana, co-fundadora e editora de Coda Story.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Se sigo a actualidade e as notícias no digital, prefiro olhar para a reflexão e a descoberta no papel. E é aí que entra a nova geração de revistas que se vai publicando e que mostra as capacidades da imprensa, que estão longe de estar esgotadas. Com criatividade, imaginação editorial e gráfica, arrojo, e alguma capacidade para encontrar nichos de público têm surgido numerosas novas...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
A compra do The Los Angeles Times pelo cirurgião bilionário sino-americano Patrick Soon-Shiong – dono da maior fortuna da 2ª maior cidade americana - anunciada oficialmente em 7 de Fevereiro, marca o regresso da propriedade do jornal a um residente local, depois de 18 anos de controlo por grupos de media sediados fora da Califórnia. É o mais recente capítulo dos 137 anos de história do LA Times, propriedade da família Chandler durante...
Enquanto os dados mais recentes da APCT – Associação Portuguesa de controlo de Tiragem , confirmam a agonia de alguns titulos da Imprensa diária generalista e o recuo de semanários e de news magazines, do outro lado do Atlântico acredita-se que a credibilidade será a nova “moeda de troca” do jornalismo em 2018,  conforme se prevê num texto editado pelo Centro de Periodismo Digital de Guadalajara, que pode ser consultado...
Agenda
24
Abr
Social Media Week New York 2018
09:00 @ Sheraton Times Square, Nova Iorque
24
Abr
Social Media Strategies Summit Chicago 2018
22:00 @ Union League Club, Chicago
25
Abr
8º Congresso Nacional de "Periodismo Autónomo y Freelance: ‘La revolución audiovisual’"
09:00 @ Sala de Conferências da Faculdade de Ciências de Informação, Universidade de Madrid
28
Abr
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa