Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Mundo

Investigação do "Channel 4" revela utilização abusiva do Facebook

O Governo britânico manifestou a sua grande preocupação pela revelação do acesso, por parte da empresa de marketing e análise Cambridge Analytica, aos dados pessoais de 50 milhões de perfis de utentes do Facebook, que terão sido depois utilizados pela campanha de Donald Trump. O Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, declarou que a instituição vai proceder a uma investigação completa deste caso, que foi revelado pela cadeia de televisão Channel 4 conjuntamente com o semanário The Observer (a edição dominical de The Guardian), a partir de revelações de um ex-funcionário da Cambridge Analytica. Executivos da mesma empresa foram filmados por um jornalista do Channel 4 a admitir "terem tramado políticos com subornos e recorrendo a mulheres ucranianas".

Segundo o Observador, que aqui citamos, "sem saber que estava a ser filmado, o presidente da Cambridge Analytica, Alexander Nix, diz que a empresa trabalha secretamente em eleições e revela algumas das tácticas ilegais ao repórter, que julga ser um cliente."


Chistopher Wylie, o responsável pela fuga de informação da Cambridge Analytica, já informou, por meio do Twitter, que a sua conta do Facebook foi “desactivada”, assim como a do Instagram (detido pelo Facebook) foi banida por “violar os termos” da empresa. 

Segundo The Guardian, o secretário britânico da Cultura, Matt Hancock, declarou no Parlamento sentir-se “chocado” pela rapidez com que o Facebook procedeu neste caso: 

“O Facebook tem que responder aqui a algumas questões sérias, e contará o seu lado da história. O facto de responderem bloqueando uma conta, quando nós sabemos que não são suficientemente rápidos a bloquear outras contas de comportamento evidentemente ultrajante  -  isso revela que, quando lhes convém, sabem bloquear as coisas de forma incrivelmente rápida, e vão ter de fazer mais disso.” 

“No entanto, Hancock disse não ter visto qualquer evidência de que as actividades tenham tido efeito sobre os resultados de qualquer eleição ou referendo. Stephen Kinnock, do Partido Trabalhista, afirmou que, se for provado que a Cambridge Analytica esteve ‘em violação flagrante das nossas regras eleitorais, isso colocaria um enorme ponto de interrogação sobre o resultado do referendo’.” 

“O deputado [Conservador] Damian Collins, que tem a responsabilidade da comissão do Digital, Cultura, Media e Desportos, disse que vai chamar os dirigentes de ambas as empresas, Mark Zuckerberg e Alexander Nix, para prestarem mais informações.” 

“Precisamos de ouvir pessoas que possam falar do Facebook numa posição de autoridade, que exija delas que contem a verdade”  - disse Collins. “Alguém tem de assumir responsabilidade por isto. Já é tempo de Zuckerberg deixar de se esconder por trás da sua página de Facebook.” (...) 

Segundo o Expresso-Economia, “Semana começou mal nas bolsas. Facebook foi o fósforo, mas riscos mundiais dominam.” O texto que tem este título começa pelo efeito das revelações sobre a cotação da grande plataforma, mas descreve o desenvolvimento posterior e as consequências sobre outras empresas e mercados. 

O Público dedica a este tema a sua reportagem de fundo, com três páginas de texto e o editorial, mais o título de primeira página “Roubo de perfis – O Facebook é um risco para a democracia?” 


Mais informação em The Guardian, o Observador  e Expresso 

Connosco
Sem um jornalismo de qualidade não há antídoto contra a manipulação Ver galeria

A capacidade dos media para assegurarem o futuro da democracia foi posta à prova por grandes rupturas no seu modo de sustento e de funcionamento. É mais fácil fazermos o diagnóstico do que o prognóstico  -  e mais difícil ainda pormo-nos de acordo sobre a terapêutica. A jornalista britânica Emily Bell, docente na Universidade de Columbia, EUA, é aqui entrevistada pelo norueguês Anders Hofseth, editor da NRKbeta, sobre a viabilidade económica dos media e o serviço que prestam. Há um ponto em que Emily Bell declara que não mudou o seu pensamento, desde o tempo em que tinha responsabilidades editoriais em The Guardian: é que “temos de fazer um jornalismo de elevada qualidade acessível a toda a gente”.

A revolução digital chegou antes das regras do jogo Ver galeria

Está disponível, em formato digital, o manual intitulado “Ética Jornalística na Era Digital”, que reune em 32 páginas uma reflexão sobre algumas das questões mais actuais neste terreno, como as da “pós-verdade”, da instantaneidade do noticiário, da verdade numa era de violência, da investigação no jornalismo, da independência editorial, dos modelos de negócio nas empresas de media e do conceito de ética jornalística no presente. São seus autores Luis Manuel Botello, do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ) e Javier Darío Restrepo, da Fundación Gabriel García Marquez.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA