Sábado, 20 de Abril, 2019
Jantares-debate

Joana Marques Vidal defende independência de Tribunais e MP

A independência dos Tribunais é um princípio essencial em qualquer Estado de Direito democrático, e a autonomia do Ministério Público está intimamente ligada à independência dos Tribunais  -  defendeu a Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, que foi a oradora convidada no jantar-debate do ciclo subordinado ao tema “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”, promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o CNC - Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Para a oradora, se tivermos um Ministério Público dependente do poder executivo, pomos em causa a própria independência dos Tribunais, pelo que a sua autonomia externa “é essa completa separação e independência face ao poder político, ao poder parlamentar e a qualquer outro poder”. Essa autonomia é garantida por uma “legitimidade dupla” (conferida pelo facto de o Procurador-Geral ser nomeado, sob proposta do Governo, pelo Presidente da República) e a legitimação do órgão “esgota-se no momento da nomeação”.

Sobre os poderes que tem um Procurador-Geral, Joana Marques Vidal declarou que não está na sua mão “perseguir ou deixar de perseguir criminalmente uma pessoa”, ao contrário do que pode circular por vezes na opinião pública.

 

“O poder de um Procurador-Geral é um poder-dever, ou seja, é o poder que decorre da própria Lei, dos quadros legais que ele tem de cumprir. E, no fundo, o seu poder é o modo como cumpre ou não cumpre, ou consegue ou não consegue cumprir, mas não decorre de nenhum critério de discricionariedade do próprio.” (...)

 

Sobre o seu próprio desempenho, afirmou:

 

“Quando às vezes me perguntam o que eu acho que fiz, enquanto Procuradora-Geral, foi pôr a máquina a funcionar com os recursos que tinha, da melhor maneira que consegui. Isto tirando um bocadinho algum romantismo e alguma relevância com que se fala destas questões.” (...)

 

E mais adiante:

 

“Um Procurador-Geral responde politicamente pela sua acção perante quem o nomeou, mas não responde, não recebe ordens, não tem de dar especificações nem vai pedir opiniões, seja ao Sr. Presidente da República, seja ao Sr. Primeiro-Ministro ou ao Ministro da Justiça. A legitimação do órgão esgota-se no momento da nomeação. E quando digo que responde politicamente, é no momento do termo dos mandatos que eu acho que esse juízo político se pode e se deve fazer, em termos gerais, como é claro  - naquilo que é político, obviamente, não é na partidarização, é no exercício da acção política de todo o próprio Estado.” (...)

 

Sobre a autonomia do Ministério Público, afirmou ainda:

 

“Esta autonomia é importante em todas as áreas, e na área criminal é essencial. E a questão da autonomia do Ministério Público está intimamente ligada ao modelo de Processo Penal que temos em Portugal, que eu devo dizer que defendo na sua essência  - há sempre possibilidades de melhorar, mas defendo no seu quadro geral o modelo de Processo Penal que nós temos, penso que é dos mais equilibrados que conheço, mesmo ao nível europeu. E o modelo de arquitectura constitucional do Ministério Público é também ele mesmo, em ligação com o modelo do Processo Penal que temos, um dos mais equilibrados.” (...)  
_______________

Joana Marques Vidal iniciou a sua palestra com uma reflexão sobre o facto de, quando em Portugal se fala de crise da Justiça, se tratar principalmente do Ministério Público. Considerou esta atitude “redutora”, afirmando que “há muito mais Justiça para além do Ministério Público”, e acrescentou:

 

“Mas talvez esta centralidade do Ministério Público no espaço mediático-social tenha a ver com a essência das funções que o Ministério Público tem, e o modo como as vem ou não desenvolvendo. E as funções que tem em Portugal também vão muito para além da sua acção na área penal, sendo certo que, como todos nós sabemos, aquilo que aparece efectivamente nos jornais, aquilo que é objecto da atenção da população, é a acção penal, a investigação criminal.”

    

“E nessa medida, talvez porque a investigação criminal contém em si todos os elementos essenciais da temática do drama e do teatro (há todo um cenário de hipótese que dará muitos bons filmes), ou seja, uma matéria que naturalmente as pessoas gostam de ouvir, sentem-se atraídas e são espaços onde podem tomar parte duma maneira também emotiva… Não mais do que no futebol, já agora, mas às vezes quase tanto como no futebol.” (...)

 

A Procuradora-Geral da República descreveu então as outras áreas, para além da área penal, em que o Ministério Público tem uma acção menos visível: as que tratam das competências em relação à Família e às Crianças;  a da representação dos trabalhadores, em matérias de Tribunal do Trabalho;  funções na área do Tribunal Constitucional, podendo requerer a fiscalização de constitucionalidade em diversas matérias;  e outras no âmbito da acção pública nos Tribunais Administrativos, que requerem a aquisição de perícias e de conhecimentos muito complexos e especializados  - por exemplo, na área do urbanismo.

 

Sobre este ponto concreto, comentou com ironia:

 

“É uma área onde, realmente, nós precisaríamos de trabalhar muito, mais e melhor. Estou a dizer isto e a sorrir, porque penso que, se fazendo o que nós fazemos, já há muita gente que quer limitar-nos os poderes, se nós realmente começássemos a exercer os poderes que temos na área do Administrativo, não sei bem o que é que iriam reclamar relativamente ao Ministério Público. Mas, falando agora a sério, essa é uma parte importante.” (...)

 

Voltando à intervenção do Ministério Público na área criminal, Joana Marques Vidal explicou que “nós temos um modelo de investigação criminal que atribui ao Ministério Público a competência exclusiva para a direcção da investigação criminal e para a introdução do facto em juízo, como nós dizemos, levar as acusações a julgamento”.

 

“Há uma característica do Ministério Público, que é uma magistratura de iniciativa. Quem julga são os Juízes, são os Tribunais, em todas estas competências, nas diversas áreas, mas, se pensarmos um pouco, o Ministério Público é sempre uma magistratura de iniciativa. O Ministério Público propõe, apresenta, requer, em nome de representação ou promoção de direitos, ou de interesses que são legalmente protegidos.”

 

“Na investigação criminal, temos essa função. Há países onde a investigação criminal e a iniciativa da investigação é também da competência de outras entidades, designadamente de órgãos de polícia criminal, onde a própria polícia pode iniciar essa investigação e só depois comunica ao Ministério Público.” (...)

 

Como explicou Joana Marques Vidal, “há muitos países onde [vigora] o princípio da oportunidade  - ou seja, nem todos os casos e participações relativas a crimes são obrigatoriamente investigadas e levadas ou não a tribunal”. Citou o caso da França, onde “há um conjunto de critérios que são seguidos, mas que podem ser alterados, ou o Parquet pode decidir  – estes casos nem sequer os investigam, são todos imediatamente arquivados, se acham que têm pouca importância, estes vamos investigar, aquele não vamos”:

Mas em Portugal  - como disse -  “não é assim”, porque “o princípio é o da legalidade”:

 

“A essência do modelo é de legalidade, todas as queixas e todas as participações-crime têm que ser investigadas  - o que nos leva, às vezes, a reflectir um pouco sobre como é que se estabelecem prioridades, quando é necessário estabelecê-las, ou quando os recursos não são suficientemente amplos e profundos para podermos responder a tudo ao mesmo tempo, da mesma maneira.” (...)

 

Sobre a natureza do modelo seguido em Portugal, a Procuradora-Geral da República afirmou ainda:

 

“Este modelo de Processo Penal foi construído muito na perspectiva dos pesos e contra-pesos, porque tem uma investigação inicial dirigida por uma magistratura, que depois, no final dessa investigação, ou acusa e leva a julgamento, ou arquiva por não haver provas, ou por se considerar que não existe crime; havendo uma fase seguinte, a instrução, que é só uma primeira comprovação, mas depois uma fase de julgamento por um magistrado, num tribunal completamente independente e no qual, obviamente, o Ministério Público tem uma posição de ir sustentar a acusação que fez. Esta defesa clara é uma garantia do essencial para o funcionamento do Estado de Direito.”

 

“E eu gostaria aqui de fazer notar que este modelo de Processo Penal está intimamente ligado à aquitectura constitucional do Ministério Público enquanto magistratura autónoma. E quando se fala da autonomia do Ministério Público, também convém reflectir sobre o que isto significa. E quem defende outros modelos também deve reflectir sobre qual é a consequência dos modelos que se defendem.” (...)    

 

A concluir, a Procuradora-Geral da República referiu-se à alteração do Estatuto do Ministério Público, como um projecto que “está numa fase ainda inicial”, de “recolha de pareceres”, devendo depois voltar ao Ministério da Justiça, seguir para Conselho de Ministros e chegar mais tarde à Assembleia da República.

 

Falou, por fim, dos desafios que se põem ao Ministério Público, sublinhando as questões da globalização  - porque “os fenómenos criminais são cada vez menos localizados e mais globalizados” -, o que “implica uma forte capacidade na área da cooperação judiciária internacional, e na área da aplicação do Direito internacional”.

Connosco
Agravam-se as restrições à liberdade de Imprensa - segundo os RSF Ver galeria

A situação da liberdade de Imprensa continua a degradar-se em muitos países, por todo o mundo. O ódio aos jornalistas degenerou em violência, o que leva a um aumento do medo na profissão.
É esta a síntese inicial da edição de 2019 do Ranking Mundial da Liberdade da Imprensa, dos Repórteres sem Fronteiras, agora divulgada.

“Se o debate político desliza, de forma discreta ou evidente, para uma atmosfera de guerra civil, onde os jornalistas se tornam bodes expiatórios, os modelos democráticos passam a estar em grande perigo”  - afirma Christophe Deloire, secretário-geral da referida ONG.

“O número de países onde os jornalistas podem exercer com total segurança a actividade profissional continua a diminuir, enquanto os regimes autoritários reforçam o controlo sobre os meios de comunicação.” De acordo com este relatório, apenas 24% dos 180 países e territórios analisados apresentam uma situação considerada “boa” ou “relativamente boa”.

A Noruega mantém, pelo terceiro ano consecutivo, o primeiro lugar no ranking, com a Finlândia na segunda posição e a Suécia na terceira. Portugal subiu para o 12º lugar, ficando imediatamente acima da Alemanha, da Islândia e da Irlanda.
José Ribeiro e Castro: "Sofremos de uma periferia mental" Ver galeria

Portugal precisa de fazer três reformas atrasadas, e a primeira é a reforma eleitoral, para “devolver a democracia à cidadania, resgatar e salvar a democracia do declínio em que está e que nós sentimos, eleição após eleição”  -  afirmou José Ribeiro e Castro no ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema “Portugal: Que País vai a votos?”.

As outras duas são a do território, num País que é “um deserto administrativo”, e a do Estado, para o tornar “mais barato e eficiente” e realmente “dimensionado às capacidades do País”.

Segundo o nosso convidado, Portugal precisa ainda de dois propósitos, o mais urgente do combate à pobreza, o mais ambicioso de “atingir a média europeia em vinte anos”.

Finalmente, precisamos de realizar estes projectos assumindo a nossa condição europeia, em relação à qual continuamos a sofrer de uma “periferia mental”, que "é pior do que a geográfica, porque aqui não há auto-estrada que valha".
O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Assange e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O caso Assange dura há quase sete anos. Agora, com a sua expulsão da embaixada do Equador em Londres e consequente prisão pela polícia britânica, o caso entrou numa nova fase. É possível que Assange venha a ser extraditado para os Estados Unidos (o que ele não quer) ou para a Suécia (o que ele agora prefere, embora tenha recusado essa possibilidade há sete anos).  Também se fala muito da mudança do poder...
Muitos responsáveis pela comunicação e marketing de várias marcas defrontam-se quotidianamente com um dilema: será que ainda vale a pena fazer publicidade em televisão? O investimento ainda compensa? A dúvida é legítima – mas antes de mais nada é preciso definir bem o objectivo e o alvo da campanha. Uma coisa é anunciar para jovens urbanos até aos 25 anos, outra é para responsáveis de compras...
A realidade choca. Um trabalho de investigação jornalística, publicado no Expresso,  apurou que Portugal tem 95 políticos a comentar nos media. É algo absolutamente inédito em qualquer parte do mundo, da Europa aos EUA. Nalguma coisa teríamos de ser inovadores, infelizmente, da pior maneira. É um “assalto”, que condiciona a opinião pública e constitui um simulacro de pluralismo, já que  o elenco...
Augusto Cid, uma obra quase monumental
António Gomes de Almeida
Com o falecimento de Augusto Cid, desaparece um dos mais conhecidos desenhadores de Humor portugueses, com uma obra que pode considerar-se quase monumental. Desenhou milhares de cartoons, fez livros, e até teve a suprema honra de ver parte da sua obra apreendida – depois do 25 de Abril (!) – e tornou-se conhecido, entre outras, por estas duas razões: pelas piadas sibilinas lançadas contra o general Ramalho Eanes, e por fazer parte do combativo grupo das...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Agenda
25
Abr
Social Media Camp
09:00 @ Victoria, Canada
27
Abr
30
Abr
Social Media Week: New York
09:00 @ Nova Iorque, EUA
02
Mai
SEO para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
03
Mai
V Congresso Literacia, Media e Cidadania
09:00 @ Aveiro, Portugal