Quarta-feira, 26 de Junho, 2019
Jantares-debate

Joana Marques Vidal defende independência de Tribunais e MP

A independência dos Tribunais é um princípio essencial em qualquer Estado de Direito democrático, e a autonomia do Ministério Público está intimamente ligada à independência dos Tribunais  -  defendeu a Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, que foi a oradora convidada no jantar-debate do ciclo subordinado ao tema “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”, promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o CNC - Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Para a oradora, se tivermos um Ministério Público dependente do poder executivo, pomos em causa a própria independência dos Tribunais, pelo que a sua autonomia externa “é essa completa separação e independência face ao poder político, ao poder parlamentar e a qualquer outro poder”. Essa autonomia é garantida por uma “legitimidade dupla” (conferida pelo facto de o Procurador-Geral ser nomeado, sob proposta do Governo, pelo Presidente da República) e a legitimação do órgão “esgota-se no momento da nomeação”.

Sobre os poderes que tem um Procurador-Geral, Joana Marques Vidal declarou que não está na sua mão “perseguir ou deixar de perseguir criminalmente uma pessoa”, ao contrário do que pode circular por vezes na opinião pública.

 

“O poder de um Procurador-Geral é um poder-dever, ou seja, é o poder que decorre da própria Lei, dos quadros legais que ele tem de cumprir. E, no fundo, o seu poder é o modo como cumpre ou não cumpre, ou consegue ou não consegue cumprir, mas não decorre de nenhum critério de discricionariedade do próprio.” (...)

 

Sobre o seu próprio desempenho, afirmou:

 

“Quando às vezes me perguntam o que eu acho que fiz, enquanto Procuradora-Geral, foi pôr a máquina a funcionar com os recursos que tinha, da melhor maneira que consegui. Isto tirando um bocadinho algum romantismo e alguma relevância com que se fala destas questões.” (...)

 

E mais adiante:

 

“Um Procurador-Geral responde politicamente pela sua acção perante quem o nomeou, mas não responde, não recebe ordens, não tem de dar especificações nem vai pedir opiniões, seja ao Sr. Presidente da República, seja ao Sr. Primeiro-Ministro ou ao Ministro da Justiça. A legitimação do órgão esgota-se no momento da nomeação. E quando digo que responde politicamente, é no momento do termo dos mandatos que eu acho que esse juízo político se pode e se deve fazer, em termos gerais, como é claro  - naquilo que é político, obviamente, não é na partidarização, é no exercício da acção política de todo o próprio Estado.” (...)

 

Sobre a autonomia do Ministério Público, afirmou ainda:

 

“Esta autonomia é importante em todas as áreas, e na área criminal é essencial. E a questão da autonomia do Ministério Público está intimamente ligada ao modelo de Processo Penal que temos em Portugal, que eu devo dizer que defendo na sua essência  - há sempre possibilidades de melhorar, mas defendo no seu quadro geral o modelo de Processo Penal que nós temos, penso que é dos mais equilibrados que conheço, mesmo ao nível europeu. E o modelo de arquitectura constitucional do Ministério Público é também ele mesmo, em ligação com o modelo do Processo Penal que temos, um dos mais equilibrados.” (...)  
_______________

Joana Marques Vidal iniciou a sua palestra com uma reflexão sobre o facto de, quando em Portugal se fala de crise da Justiça, se tratar principalmente do Ministério Público. Considerou esta atitude “redutora”, afirmando que “há muito mais Justiça para além do Ministério Público”, e acrescentou:

 

“Mas talvez esta centralidade do Ministério Público no espaço mediático-social tenha a ver com a essência das funções que o Ministério Público tem, e o modo como as vem ou não desenvolvendo. E as funções que tem em Portugal também vão muito para além da sua acção na área penal, sendo certo que, como todos nós sabemos, aquilo que aparece efectivamente nos jornais, aquilo que é objecto da atenção da população, é a acção penal, a investigação criminal.”

    

“E nessa medida, talvez porque a investigação criminal contém em si todos os elementos essenciais da temática do drama e do teatro (há todo um cenário de hipótese que dará muitos bons filmes), ou seja, uma matéria que naturalmente as pessoas gostam de ouvir, sentem-se atraídas e são espaços onde podem tomar parte duma maneira também emotiva… Não mais do que no futebol, já agora, mas às vezes quase tanto como no futebol.” (...)

 

A Procuradora-Geral da República descreveu então as outras áreas, para além da área penal, em que o Ministério Público tem uma acção menos visível: as que tratam das competências em relação à Família e às Crianças;  a da representação dos trabalhadores, em matérias de Tribunal do Trabalho;  funções na área do Tribunal Constitucional, podendo requerer a fiscalização de constitucionalidade em diversas matérias;  e outras no âmbito da acção pública nos Tribunais Administrativos, que requerem a aquisição de perícias e de conhecimentos muito complexos e especializados  - por exemplo, na área do urbanismo.

 

Sobre este ponto concreto, comentou com ironia:

 

“É uma área onde, realmente, nós precisaríamos de trabalhar muito, mais e melhor. Estou a dizer isto e a sorrir, porque penso que, se fazendo o que nós fazemos, já há muita gente que quer limitar-nos os poderes, se nós realmente começássemos a exercer os poderes que temos na área do Administrativo, não sei bem o que é que iriam reclamar relativamente ao Ministério Público. Mas, falando agora a sério, essa é uma parte importante.” (...)

 

Voltando à intervenção do Ministério Público na área criminal, Joana Marques Vidal explicou que “nós temos um modelo de investigação criminal que atribui ao Ministério Público a competência exclusiva para a direcção da investigação criminal e para a introdução do facto em juízo, como nós dizemos, levar as acusações a julgamento”.

 

“Há uma característica do Ministério Público, que é uma magistratura de iniciativa. Quem julga são os Juízes, são os Tribunais, em todas estas competências, nas diversas áreas, mas, se pensarmos um pouco, o Ministério Público é sempre uma magistratura de iniciativa. O Ministério Público propõe, apresenta, requer, em nome de representação ou promoção de direitos, ou de interesses que são legalmente protegidos.”

 

“Na investigação criminal, temos essa função. Há países onde a investigação criminal e a iniciativa da investigação é também da competência de outras entidades, designadamente de órgãos de polícia criminal, onde a própria polícia pode iniciar essa investigação e só depois comunica ao Ministério Público.” (...)

 

Como explicou Joana Marques Vidal, “há muitos países onde [vigora] o princípio da oportunidade  - ou seja, nem todos os casos e participações relativas a crimes são obrigatoriamente investigadas e levadas ou não a tribunal”. Citou o caso da França, onde “há um conjunto de critérios que são seguidos, mas que podem ser alterados, ou o Parquet pode decidir  – estes casos nem sequer os investigam, são todos imediatamente arquivados, se acham que têm pouca importância, estes vamos investigar, aquele não vamos”:

Mas em Portugal  - como disse -  “não é assim”, porque “o princípio é o da legalidade”:

 

“A essência do modelo é de legalidade, todas as queixas e todas as participações-crime têm que ser investigadas  - o que nos leva, às vezes, a reflectir um pouco sobre como é que se estabelecem prioridades, quando é necessário estabelecê-las, ou quando os recursos não são suficientemente amplos e profundos para podermos responder a tudo ao mesmo tempo, da mesma maneira.” (...)

 

Sobre a natureza do modelo seguido em Portugal, a Procuradora-Geral da República afirmou ainda:

 

“Este modelo de Processo Penal foi construído muito na perspectiva dos pesos e contra-pesos, porque tem uma investigação inicial dirigida por uma magistratura, que depois, no final dessa investigação, ou acusa e leva a julgamento, ou arquiva por não haver provas, ou por se considerar que não existe crime; havendo uma fase seguinte, a instrução, que é só uma primeira comprovação, mas depois uma fase de julgamento por um magistrado, num tribunal completamente independente e no qual, obviamente, o Ministério Público tem uma posição de ir sustentar a acusação que fez. Esta defesa clara é uma garantia do essencial para o funcionamento do Estado de Direito.”

 

“E eu gostaria aqui de fazer notar que este modelo de Processo Penal está intimamente ligado à aquitectura constitucional do Ministério Público enquanto magistratura autónoma. E quando se fala da autonomia do Ministério Público, também convém reflectir sobre o que isto significa. E quem defende outros modelos também deve reflectir sobre qual é a consequência dos modelos que se defendem.” (...)    

 

A concluir, a Procuradora-Geral da República referiu-se à alteração do Estatuto do Ministério Público, como um projecto que “está numa fase ainda inicial”, de “recolha de pareceres”, devendo depois voltar ao Ministério da Justiça, seguir para Conselho de Ministros e chegar mais tarde à Assembleia da República.

 

Falou, por fim, dos desafios que se põem ao Ministério Público, sublinhando as questões da globalização  - porque “os fenómenos criminais são cada vez menos localizados e mais globalizados” -, o que “implica uma forte capacidade na área da cooperação judiciária internacional, e na área da aplicação do Direito internacional”.

Connosco
"Metástases" da desinformação espalham-se pelo mundo Ver galeria

O alastrar da desinformação, potenciado pelas capacidades de contágio “viral” da revolução tecnológica, teve um impacto transformador sobre o jornalismo. Nos Estados Unidos, um dos primeiros factos surpreendentes com que os jornalistas tiveram de lidar, logo após a eleição de Donald Trump, foi a noção de que hackers russos, em “fábricas” de conteúdos, podiam semear desordem no eleitorado americano e desacreditar o jornalismo autêntico.

“Por vezes, os leitores encontravam notícias verdadeiras que Trump procurava desacreditar porque não gostava do modo como o faziam parecer;  outras vezes encontravam a deformação intencional da informação para distorcer a verdade;  em muitas ocasiões, o que encontravam era apenas completo absurdo.”  
E deixou de ser um problema local. As “metástases” da desinformação espalham-se pelo mundo e o jornalismo é arrastado para o caos:

“Vimos isso na Birmânia e no Brasil, no Sri Lanka e na Nova Zelândia, por vezes em campanhas orquestradas que trazem a dedada de agentes estatais, por vezes em manifestos individuais de mentes perturbadas. O resultado é sempre o mesmo: relatos falsos envenenam as plataformas que abrigam o verdadeiro jornalismo. Ninguém na Imprensa está a salvo de ver o seu trabalho, sério e diligente, exposto na enxurrada.”
A reflexão é de Kyle Pope, director da Columbia Journalism Review, em “Todo o jornalismo é global”.

O pesadelo dos jornalistas filipinos perseguidos pelo regime Ver galeria

A luta pela liberdade de Imprensa pode ser uma guerra de resistência entre os carcereiros e os candidatos a presos  - que são todos os jornalistas que tenham a coragem de o ser. Num dos mais recentes episódios em que foi detida, em Fevereiro de 2019, a jornalista filipina Maria Ressa, fundadora do site Rappler, comentou ironicamente à saída do tribunal:

“Esta é a sexta vez que pago fiança, e vou pagar mais do que criminosos condenados. Vou pagar mais do que Imelda Marcos.”

Como conta no artigo “Alvos de Duterte”, que aqui citamos, o Presidente das Filipinas, que “foi o primeiro político do meu país a usar as redes sociais para ganhar umas eleições, conduz uma campanha incansável de desinformação (trolling patriótico) para reduzir os críticos ao silêncio”:

“O seu governo vomita mentiras a tal velocidade que o público já não consegue saber o que é realidade. Mesmo os seus próprios membros ficam confusos.”

“Desde Junho de 2016, quando Rodrigo Duterte se tornou Presidente, houve cerca de 27 mil assassínios decorrentes da sua ‘guerra contra a droga’. Este número vem das Nações Unidas, mas não foi muito divulgado. A polícia mantém a sua própria contagem menor, pressionando os órgãos de informação a publicá-la.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
Ao longo do último ano os jornais britânicos The Times e The Sunday Times têm desenvolvido esforços consideráveis para conseguir manter os assinantes digitais que foram angariando ao longo do tempo. A renovação das assinaturas digitais é uma das crónicas dores de cabeça que os editores de publicações enfrentam, tanto mais que estudos recentes comprovam que uma sólida base de assinantes e leitores...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
Agenda
02
Jul
The Children’s Media Conference
16:00 @ Sheffield,Reino Unido
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigeria