Quinta-feira, 21 de Junho, 2018
Cartoon

Banda desenhada turca mostra sociedade resignada e com medo

O livro de banda desenhada “Contes ordinaires d’une société résignée”, do caricaturista turco Ersin Karabulut, foi publicado em França a 21 de Fevereiro  - e apenas cinco dias depois eram condenados a prisão perpétua, na Turquia, o escritor Ahmet Altan, o seu irmão Mehmet Altan e outros jornalistas da oposição.

A ilustração da capa, imagem impressionante de uma cidade em que toda a gente se atira dos telhados, sugere “as patologias e os fantasmas que assombram a sociedade turca, traumatizada pela violência e a insegurança, resignada perante um poder político cada vez mais intrusivo e autoritário”.

Reconhecido como um dos grandes autores da banda desenhada turca, Ersin Karabulut é também o chefe de redacção da revista satírica Uykusuz, que continua a sair, mas tendo os seus colaboradores uma atenção extrema às sensibilidades presentes na sociedade da Turquia  - que pode chegar à autocensura. 

Segundo Le Monde, que aqui citamos, os “Contos ordinários de uma sociedade resignada” têm um grafismo realista e “as histórias são fantásticas, um pouco à maneira de Edgar Allan Poe; Ersin Karabulut descreve nelas o medo e a resignação”. 

Num dos quinze contos, intitulado “Monochrome”, a população é incitada, em nome do êxito social, a vestir-se e a colorir a pele de cinzento. “Única cor politicamente correcta, o cinzento ocupa o terreno a tal ponto que os ‘dissidentes’, vestidos de roupas coloridas, são chamados à ordem nos transportes colectivos.” 

“Os ‘incolores’, agora chamados ‘libertados’, são cada vez mais, e toda a gente quer ser como eles. O partido do cinzento toma conta do meio ambiente. As árvores são pintadas de cinzento, o mar é tingido de cinzento. Só o céu mantém a sua cor de origem, basta levantar a cabeça para se dar conta disso.” (...) 

Numa entrevista dada em Fevereiro à revista L’Obs, Ersin Karabulut mantém a esperança: 

“Eu gosto da sociedade turca, das nossas ruas, da nossa população. Mas penso que a Turquia está desorientada. Porque não há ódio entre os religiosos e os seculares, nem entre Turcos e Curdos. Não creio nisso. Nós não somos hostis uns contra os outros. Mas as pessoas não estão felizes nem optimistas quanto à sua vida. (...) Mas eu quero permanecer optimista e continuar a pensar que as coisas vão evoluir.” (...) 

Sobre os cuidados que é levada a ter a Imprensa satírica, o autor descreve o mecanismo de autocensura instalado: 

“Por exemplo, se nós desenharmos o Presidente na capa da revista, os proprietários dos postos de venda, ou dos quiosques, já não colocam o jornal em exposição. Os compradores não o vêem, logo não o compram. Não porque possa acontecer que venha um agente da autoridade discutir com o vendedor, mas por autocensura. Eles próprios criam este medo.” 

“Por outro lado, nós somos prudentes. Podemos continuar a desenhar caricaturas, mas prestamos atenção, não queremos insultar ninguém. Procuramos ser sensíveis aos valores da sociedade turca.” 

“Pessoalmente, eu penso que tudo pode ser desenhado e escrito. É o meu ideal. Devemos poder exprimir o conjunto das nossas opiniões. Mas compreendo também que há diferenças culturais na Turquia. A sociedade é complicada e eu procuro manter-me sensível a este contexto. Às vezes é difícil, mas sinto orgulho porque continuamos a publicar a Uykusuz, procurando defender as nossas ideias.” (...)

 

Mais informação em Le Monde  e em L’Obs

Connosco
Historiadora Bettany Hughes distinguida com Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2018 Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, também editora e apresentadora de programas de televisão e rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, segundo foi anunciado pelo respectivo júri. A escolha “tem por objectivo homenagear a personalidade excepcional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, tendo ainda em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração agora divulgada. A cerimónia de entrega do Prémio realiza-se no dia 15 de Novembro deste ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Abecedário para combater vulnerabilidade à desinformação Ver galeria

A facilidade com que se propaga a desinformação nas redes sociais tem vindo a ser objecto de estudo, para identificar as suas causas e propor um antídoto eficaz. O simples facto de os conteúdos de fraca qualidade se espalharem tão depressa sugere que, tanto as pessoas como os algoritmos na estrutura das plataformas, são vulneráveis à manipulação. Dois investigadores na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, procuraram identificar três tipos dominantes de preconceito, ou tendenciosismo, e os seus espaços de actuação, para desenvolverem depois as ferramentas tecnológicas indicadas para tornar as pessoas conscientes desses perigos e agirem em conformidade. 

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
Agenda
25
Jun
Oficina de Reportagem
09:00 @ Cenjor,Lisboa
25
Jun
Women in Industry Forum
09:00 @ San Diego,EUA
26
Jun
VI Congresso Internacional da AE-IC “Comunicação e Conhecimento”.
09:00 @ Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha
26
Jun
BroadcastAsia
09:00 @ Suntec,Singapura
02
Jul