Quinta-feira, 21 de Junho, 2018
Fórum

Carta aberta de fundador da Web contra a degradação e controlo da Rede

O cientista britânico que criou a World Wide Web, Sir Timothy Berners-Lee, aproveitou o 29º aniversário da sua fundação para divulgar uma carta aberta em que manifesta preocupação pelo facto de “um punhado de empresas controlar o modo como as ideias e opiniões são partilhadas” e reafirma os valores a que permanece fiel  - de garantir que a Web seja “um espaço livre, aberto e criativo para todas as pessoas”. Para conseguir este objectivo fundador, e contrariar a tendência para ser usada como arma, admite que seja necessária uma entidade reguladora.

O seu texto começa por sublinhar outra efeméride associada à primeira: 2018 é o ano em que, pela primeira vez, mais de metade do mundo já tem ligação online. Mas deixa duas perguntas:

  1. – Como vamos tornar conectada a outra metade do mundo?
  2. – E temos a certeza de que o resto do mundo se quer conectar à Web que temos hoje?

A questão, como explica a seguir, é que as pessoas têm maior probabilidade de ficar offline “se forem mulheres, ou pobres, ou viverem numa área rural ou num país de baixo nível de vida, ou em qualquer combinação das condicionantes citadas”. E recorda que as Nações Unidas declararam, em 2016, “o acesso à Internet como um direito humano, ao nível do acesso à água potável, à electricidade, à habitação e ao alimento”. 

“Estar hoje offline significa ser excluído de oportunidades de aprender e ganhar [dinheiro], de ter acesso a serviços valiosos e de participar no debate democrático. Se não investirmos seriamente na extinção desta fronteira, os últimos mil milhões não estarão conectados antes de 2042. É toda uma geração deixada para trás.” (...) 

Tim Berners-Lee menciona também “dois mitos que limitam a nossa imaginação colectiva: o mito de que a publicidade é o único modelo de negócios possível para as empresas online e o mito de que é tarde demais para mudar o modo como funcionam as plataformas [digitais]. Em ambos os pontos  - afirma -  precisamos de ser um pouco mais criativos.” 

Sobre a concentração de poder nessas plataformas dominantes, adverte que elas têm a capacidade de se fecharem na sua posição criando barreiras aos concorrentes. “Elas adquirem as start-ups que as defrontam, compram as inovações e empregam os talentos de topo da indústria. Acrescente-se a isto a vantagem competitiva que lhes conferem os dados dos seus utentes e podemos esperar que os próximos vinte anos vão ser muito menos inovadores do que os últimos.” (...) 

A concluir, afirma: 

“Hoje quero desafiar-nos a todos para que tenhamos maiores ambições para a Web. Quero que a Web seja um reflexo das nossas esperanças e possa cumprir os nossos sonhos, em vez de aumentar os nossos medos e cavar as nossas divisões.” (...)

“Vamos reunir as mentes mais brilhantes das empresas, da tecnologia, do governo, da sociedade civil, das artes e das universidades, para lidarem com as ameaças ao futuro da Web. Na Web Foundation, estamos prontos para cumprir a nossa parte nesta missão e construir a Web que todos desejamos. Trabalhemos juntos para a tornar possível.”

 

Mais informação em The Guardian, que inclui o texto da carta aberta

Connosco
Historiadora Bettany Hughes distinguida com Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2018 Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, também editora e apresentadora de programas de televisão e rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, segundo foi anunciado pelo respectivo júri. A escolha “tem por objectivo homenagear a personalidade excepcional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, tendo ainda em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração agora divulgada. A cerimónia de entrega do Prémio realiza-se no dia 15 de Novembro deste ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Abecedário para combater vulnerabilidade à desinformação Ver galeria

A facilidade com que se propaga a desinformação nas redes sociais tem vindo a ser objecto de estudo, para identificar as suas causas e propor um antídoto eficaz. O simples facto de os conteúdos de fraca qualidade se espalharem tão depressa sugere que, tanto as pessoas como os algoritmos na estrutura das plataformas, são vulneráveis à manipulação. Dois investigadores na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, procuraram identificar três tipos dominantes de preconceito, ou tendenciosismo, e os seus espaços de actuação, para desenvolverem depois as ferramentas tecnológicas indicadas para tornar as pessoas conscientes desses perigos e agirem em conformidade. 

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
Agenda
25
Jun
Oficina de Reportagem
09:00 @ Cenjor,Lisboa
25
Jun
Women in Industry Forum
09:00 @ San Diego,EUA
26
Jun
VI Congresso Internacional da AE-IC “Comunicação e Conhecimento”.
09:00 @ Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha
26
Jun
BroadcastAsia
09:00 @ Suntec,Singapura
02
Jul