Quarta-feira, 16 de Janeiro, 2019
Media

A “Monocle” continua a gostar do papel e de contar boas histórias...

A revista britânica Monocle, com pouco mais de uma década no mercado, permanece fiel à sua edição em papel, desmentindo  - ou contrariando -  a tendência dominante. E explica porquê. Não será, talvez, um exemplo “exportável” em todas as direcções, nem um modelo de “salvação” para os media que “ficaram presos numa relação complicada com o digital e não estão a contar boas histórias”. Também não pretende sê-lo, mas dá que pensar. O seu editor, Andrew Tuck, um dos fundadores da Monocle, esteve em Lisboa e foi entrevistado para o suplemento P2 do Público.

O trabalho que aqui citamos explica a originalidade desta revista mensal “pelo seu design e pelo casamento harmonioso dos temas da actualidade e lifestyle  – sempre com uma abordagem global e um foco local”. 

“Por ano, chegam às bancas dez edições, além das revistas especiais, a The Forecast e a The Escapist. Com sede em Londres e correspondentes em várias partes do mundo, os produtos do universo Monocle são criados por pouco mais de uma centena de pessoas. Para além dos títulos em papel, tem no ar a Monocle Radio, com podcasts diários e semanais para todos os gostos. (...) 

“Com uma base de leitores fiéis à marca e uma circulação crescente  – actualmente de 82,5 mil exemplares mensais, 5% acima do ano anterior –, a Monocle continua a ser uma publicação de nicho, que fala para um público com uma ‘identidade internacional’. Os temas vão do empreendedorismo ao urbanismo, passando pela cultura e design.” 

“Agora que se aproxima da adolescência, a empresa começa a testar novas ideias dentro do seu formato de eleição, o papel. No Verão do ano passado, lançou pela primeira vez um semanário de quatro edições, aproveitando a altura em que a revista está em bancas durante dois meses (Julho-Agosto) e apostando nos seus temas tradicionais, mas com mais actualidade. A aposta correu bem. Repetiu-se no Inverno e agora está em cima da mesa a possibilidade de surgirem edições deste tipo várias vezes por ano.” (...) 

O próprio Andrew Tuck define a sua revista deste modo: 

“Queremos que a Monocle seja um relatório global: casar bons textos com o melhor em fotografia e ilustração; ter uma perspectiva verdadeiramente global. Queremos ser uma das marcas mais credíveis na língua inglesa. Os media mais antigos ficaram presos numa relação complicada com o digital e não estão a contar boas histórias. Demasiadas marcas grandes estão dependentes de copiar notícias das agências.” (...) 

“A Monocle é pequena, mas nunca encontrarão uma história que venha de agência. Toda a fotografia é feita por nós. [Noutros meios] já não é assim. [Na Monocle] fazemos menos histórias, mas tentamos fazer de uma maneira que é original.” (...) 

Concretamente sobre o seu modelo de negócio, e sobre a possibilidade de apostarem num modelo de assinatura digital, responde: 

“Temos sido cautelosos, porque ainda ganhamos a maior parte do nosso dinheiro por publicidade em papel tradicional. Não acreditamos que marcas do nosso tamanho consigam atrair receitas suficientes online ou em plataformas digitais para construir um negócio. Já perdemos esta batalha: 60% a 70% [da receita dos meios de comunicação britânicos] vai para o Facebook e a Google. Eles têm essa indústria. Por isso, temos de encontrar outras formas de fazer dinheiro: fazer com que as pessoas doem, comprem bilhetes para eventos... (…) 

“Tomamos conta das pessoas que entram no nosso mundo, oferecemos-lhes uma experiência mais interessante. Todos os meses 82 mil pessoas compram a revista, pagam, não a damos de graça. São pessoas apaixonadas pelo que fazemos: é um público mais valioso do que aquele que está de passagem (…) como quando acontece com um artigo com muitas visualizações.” (…) 

Andrew Tuck interessa-se pela divulgação ao nível dos quiosques de rua, pelo modo como os jornais em papel são expostos ou escondidos atrás de outras coisas, e admite a hipótese de abordar os próprios distribuidores com sugestões de parceria: 

“É [importante] garantir que as pessoas compreendam o valor que estamos a oferecer. Acho que o papel é moderno e adaptável. E outra coisa: acho que a conversa sobre novos media e velhos media é mesmo, mesmo uma seca. Agora só há media. Muitas marcas antigas de media são bem mais modernas do que as startups.” (...) 

Interrogado sobre a possibilidade de abrir um escritório em Portugal, admite: 

“Lisboa é muito interessante para nós. Já considerámos no passado, por várias razões: tem boas ligações, via TAP; um grande número de pessoas fala inglês e a qualidade de vida é atractiva. Portugal tem sido nos últimos anos uma das nações top 10 para nós [em termos de número de leitores]. Tivemos discussões e, se aparecesse alguma coisa interessante, no lado de retalho ou de escritório, seria com certeza considerado.” 

E sobre a forma como fazem a cobertura de Lisboa: 

“Quando chegámos há cinco anos, havia uma conversa incrível a nível nacional sobre o que Portugal precisava de fazer. Apesar de muitos países se terem livrado do que significa ser uma nação de manufactura, Portugal ainda tinha isso, desde empresas de calçado à indústria de cortiça, passado pelo mundo das startups. Todo esse ADN estava aqui pronto a ser activado. A cidade e o país parecem estar com outro ritmo. Provavelmente poderíamos encher uma boa percentagem da revista [com temas de Lisboa] todos os meses.” 

 

A entrevista com Andrew Tuck, pela jornalista Catarina Moura, no Público

Connosco
Como os tablóides britânicos condicionaram debate sobre o Brexit Ver galeria

A Imprensa tablóide britânica tem uma longa tradição eurocéptica e eurofóbica, incluindo a promoção de várias “cruzadas” sobre “Euro-mitos” e o uso de títulos muitas vezes grosseiros. Jornais como The Daily Mail, o Sun ou The Daily Express, “foram muito activos a retratar o Reino Unido como vítima da conspiração ‘cosmopolítica’ de Bruxelas que, segundo alguns títulos, iria obrigar o Parlamento a banir as tradicionais cafeteiras ou lâmpadas eléctricas, ou obrigar as senhoras britânicas a devolverem antigos brinquedos sexuais, para se ajustarem às regras da UE”.

O modo como usaram e abusaram do termo “povo” desempenhou um papel crucial no modo como conseguiram “condicionar o debate sobre o referendo do Brexit em torno de dinâmicas tipicamente populistas”. A reflexão é de Franco Zappettini, docente de Comunicação e Media na Universidade de Liverpool, recentemente publicada no Observatório Europeu de Jornalismo.

Será o jornalismo o primeiro ou o segundo "rascunho da História"? Ver galeria

Segundo a citação tornada famosa, o jornalismo é apenas “o primeiro rascunho tosco da História”. Hoje, ultrapassado em velocidade e abundância de material por toda a desinformação que nos chega pela Internet, já nem isso consegue: o “primeiro rascunho”, agora, vem nas redes sociais, cheias de boatos e teorias de conspiração. E os nossos meios de fact-checking não conseguem ganhar a corrida.

“Fazer fact-checking a Donald Trump, por exemplo, é como ligar um detector de mentiras a um artista de stand-up comedy.”
E combater a desinformação pela Internet “é como disparar uma metralhadora contra um bando desordenado de pássaros.”

As imagens citadas são de James Harkin, director do Centre for Investigative Journalism, e a sua sugestão resume-se numa pergunta:

"Por que não tentarmos restaurar a nossa autoridade fazendo menos, mas com mais profundidade e contexto? O resultado seria um tipo mais lento de jornalismo, que assenta na acumulação de detalhes e aponta para as verdades escondidas por baixo. Esta nova abordagem ao jornalismo já está no ar e podemos chamar-lhe segundo rascunho."
O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
O panorama dos media
Manuel Falcão
Se olharmos para o top dos programas mais vistos na televisão generalista em 2018 vemos um claro domínio das transmissões desportivas, seguidas a grande distância pelos reality shows e, ainda mais para trás, pelas telenovelas. No entanto as transmissões televisivas produzem apenas picos de audiência e contribuem relativamente pouco para as médias e para planos continuados. O dilema das televisões generalistas está na...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...