Segunda-feira, 21 de Maio, 2018
Media

A “Monocle” continua a gostar do papel e de contar boas histórias...

A revista britânica Monocle, com pouco mais de uma década no mercado, permanece fiel à sua edição em papel, desmentindo  - ou contrariando -  a tendência dominante. E explica porquê. Não será, talvez, um exemplo “exportável” em todas as direcções, nem um modelo de “salvação” para os media que “ficaram presos numa relação complicada com o digital e não estão a contar boas histórias”. Também não pretende sê-lo, mas dá que pensar. O seu editor, Andrew Tuck, um dos fundadores da Monocle, esteve em Lisboa e foi entrevistado para o suplemento P2 do Público.

O trabalho que aqui citamos explica a originalidade desta revista mensal “pelo seu design e pelo casamento harmonioso dos temas da actualidade e lifestyle  – sempre com uma abordagem global e um foco local”. 

“Por ano, chegam às bancas dez edições, além das revistas especiais, a The Forecast e a The Escapist. Com sede em Londres e correspondentes em várias partes do mundo, os produtos do universo Monocle são criados por pouco mais de uma centena de pessoas. Para além dos títulos em papel, tem no ar a Monocle Radio, com podcasts diários e semanais para todos os gostos. (...) 

“Com uma base de leitores fiéis à marca e uma circulação crescente  – actualmente de 82,5 mil exemplares mensais, 5% acima do ano anterior –, a Monocle continua a ser uma publicação de nicho, que fala para um público com uma ‘identidade internacional’. Os temas vão do empreendedorismo ao urbanismo, passando pela cultura e design.” 

“Agora que se aproxima da adolescência, a empresa começa a testar novas ideias dentro do seu formato de eleição, o papel. No Verão do ano passado, lançou pela primeira vez um semanário de quatro edições, aproveitando a altura em que a revista está em bancas durante dois meses (Julho-Agosto) e apostando nos seus temas tradicionais, mas com mais actualidade. A aposta correu bem. Repetiu-se no Inverno e agora está em cima da mesa a possibilidade de surgirem edições deste tipo várias vezes por ano.” (...) 

O próprio Andrew Tuck define a sua revista deste modo: 

“Queremos que a Monocle seja um relatório global: casar bons textos com o melhor em fotografia e ilustração; ter uma perspectiva verdadeiramente global. Queremos ser uma das marcas mais credíveis na língua inglesa. Os media mais antigos ficaram presos numa relação complicada com o digital e não estão a contar boas histórias. Demasiadas marcas grandes estão dependentes de copiar notícias das agências.” (...) 

“A Monocle é pequena, mas nunca encontrarão uma história que venha de agência. Toda a fotografia é feita por nós. [Noutros meios] já não é assim. [Na Monocle] fazemos menos histórias, mas tentamos fazer de uma maneira que é original.” (...) 

Concretamente sobre o seu modelo de negócio, e sobre a possibilidade de apostarem num modelo de assinatura digital, responde: 

“Temos sido cautelosos, porque ainda ganhamos a maior parte do nosso dinheiro por publicidade em papel tradicional. Não acreditamos que marcas do nosso tamanho consigam atrair receitas suficientes online ou em plataformas digitais para construir um negócio. Já perdemos esta batalha: 60% a 70% [da receita dos meios de comunicação britânicos] vai para o Facebook e a Google. Eles têm essa indústria. Por isso, temos de encontrar outras formas de fazer dinheiro: fazer com que as pessoas doem, comprem bilhetes para eventos... (…) 

“Tomamos conta das pessoas que entram no nosso mundo, oferecemos-lhes uma experiência mais interessante. Todos os meses 82 mil pessoas compram a revista, pagam, não a damos de graça. São pessoas apaixonadas pelo que fazemos: é um público mais valioso do que aquele que está de passagem (…) como quando acontece com um artigo com muitas visualizações.” (…) 

Andrew Tuck interessa-se pela divulgação ao nível dos quiosques de rua, pelo modo como os jornais em papel são expostos ou escondidos atrás de outras coisas, e admite a hipótese de abordar os próprios distribuidores com sugestões de parceria: 

“É [importante] garantir que as pessoas compreendam o valor que estamos a oferecer. Acho que o papel é moderno e adaptável. E outra coisa: acho que a conversa sobre novos media e velhos media é mesmo, mesmo uma seca. Agora só há media. Muitas marcas antigas de media são bem mais modernas do que as startups.” (...) 

Interrogado sobre a possibilidade de abrir um escritório em Portugal, admite: 

“Lisboa é muito interessante para nós. Já considerámos no passado, por várias razões: tem boas ligações, via TAP; um grande número de pessoas fala inglês e a qualidade de vida é atractiva. Portugal tem sido nos últimos anos uma das nações top 10 para nós [em termos de número de leitores]. Tivemos discussões e, se aparecesse alguma coisa interessante, no lado de retalho ou de escritório, seria com certeza considerado.” 

E sobre a forma como fazem a cobertura de Lisboa: 

“Quando chegámos há cinco anos, havia uma conversa incrível a nível nacional sobre o que Portugal precisava de fazer. Apesar de muitos países se terem livrado do que significa ser uma nação de manufactura, Portugal ainda tinha isso, desde empresas de calçado à indústria de cortiça, passado pelo mundo das startups. Todo esse ADN estava aqui pronto a ser activado. A cidade e o país parecem estar com outro ritmo. Provavelmente poderíamos encher uma boa percentagem da revista [com temas de Lisboa] todos os meses.” 

 

A entrevista com Andrew Tuck, pela jornalista Catarina Moura, no Público

Connosco
Conferência a 22 de Maio com ministro Mário Centeno Ver galeria

Mário Centeno, Ministro das Finanças e Presidente do Eurogrupo, é o nosso orador convidado para o jantar-debate do próximo dia 22 de Maio, promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema que tem presidido a esta série  - “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”.

Mário José Gomes de Freitas Centeno nasceu em Olhão, em Dezembro de 1966, e fez o seu percurso académico em Lisboa, para onde veio morar, com os pais e irmãos, quando tinha 15 anos. Obteve no ISEG  - Instituto Superior de Economia e Gestão a sua licenciatura em Economia, em 1990, seguida de um mestrado em Matemática Aplicada na mesma escola superior.


Livro de memórias de Pedro Rolo Duarte sem ser autobiografia Ver galeria

Pedro Rolo Duarte, que nos deixou em Novembro de 2017, deixou também um conjunto de textos agora reunidos e publicados em livro. O título, “Não Respire”, vai direito a um tema incontornável, que o autor assume e é continuado logo abaixo, na mesma capa: “Tudo começou cedo demais (e quando dei por isso era tarde)”.
O Observador, que publica excertos de momentos marcantes da sua vida, explica que “a autobiografia póstuma do jornalista, que a editora Manuscrito acabou de publicar, fala naturalmente da doença, mas não só”. O primeiro desses excertos é “o vício do tabaco”. Mas as 296 páginas “estão repletas de histórias de uma vida cheia. Nelas, Rolo Duarte recordou os melhores tempos de uma carreira com mais de 30 anos (a fundação d’O Independente, do DNA), os amigos, as paixões e os vícios. Sempre com grande saudade mas sem uma ponta de pessimismo.”

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Um conselho inútil
Manuel Falcão
Pouca gente terá reparado que o Governo andou a fazer uma luta surda com a RTP até conseguir o que queria - ter uma palavra a dizer na composição do conselho de administração da empresa concessionária do serviço público de Rádio e Televisão. O caso deu-se graças a uma das maiores asneiras do ministro Poiares Maduro, no anterior governo, que foi a criação do Conselho Geral Independente...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
Agenda
24
Mai
24
Mai
Conferência Internacional Literacia de Media e Informação
09:00 @ Faculdade de Letras - Universidade de Coimbra
30
Mai
The GEN Summit 2018
19:00 @ Pátio da Galé, Lisboa
01
Jun
MEDIAMIXX 2018
09:00 @ Thessaloniki, Grécia
04
Jun
Fotojornalismo e Direitos de Autor
09:00 @ Cenjor, Lisboa