null, 19 de Maio, 2019
Opinião

A credibilidade do jornalismo como “moeda de troca”

por Dinis de Abreu

Enquanto os dados mais recentes da APCT – Associação Portuguesa de controlo de Tiragem , confirmam a agonia de alguns titulos da Imprensa diária generalista e o recuo de semanários e de news magazines, do outro lado do Atlântico acredita-se que a credibilidade será a nova “moeda de troca” do jornalismo em 2018,  conforme se prevê num texto editado pelo Centro de Periodismo Digital de Guadalajara, que pode ser consultado noutro espaço deste site.

A credibilidade é um bem difícil  de adquirir nos media , mas que se perde num instante,  se não houver o rigor e o amor à verdade, que deveriam ser, em permanência, a cartilha profissional de  qualquer jornalista.

Infelizmente, a realidade é outra,  com prejuízo da qualidade  do jornalismo que tem vindo a ser praticado.

A cedência do papel ao digital não é um fenómeno novo nem exclusivamente português. Sobejam os exemplos em outros países, da Europa aos Estados Unidos, de jornais consagrados com história, que estão a definhar, contabilizando perdas face à  diminuição das vendas  e à quebra no investimento publicitário.

Mas o que se observa, também,  é que não faltam os casos de diários que estão a contornar a crise, através de soluções ágeis, combinando as edições em papel e online com um jornalismo mais informado e explicativo, indo ao encontro de um público mais exigente.

A Imprensa, como acontece tantas vezes em Portugal, não pode limitar-se a ser um eco  daquilo que as televisões já trataram exaustivamente na véspera ou de que há abundante informação na Internet.

Falta ao  jornalismo, não raramente,  um genuíno espírito de  serviço público, sem perder de vista que a independência convive mal com os défices  de exploração e ainda menos com o umbigo de quem assina.

Depois, o jornalismo não poderá fica cativo das redes sociais, nem os jornalistas  agarrados obsessivamente à Internet, embora seja nesta que , a par de muito lixo, estão a despontar novos projectos, alguns deles com apreciável  qualidade.

São media independentes, exteriores às empresas editoriais clássicas, e que apostam na proximidade com os leitores  e no valor económico que representa a verdade.

É possível que o jornal em suporte de papel adquira, ainda  neste século, um estatuto de “produto gourmet”, reservado a nichos de mercado, que não se contentam com a “espuma dos dias”, precisando de quem os saiba motivar para a reflexão prospectiva.

O distanciamento assumido perante os poderes estabelecidos  contribuirá também para reforçar a autoridade e influência junto dos consumidores. E estes saberão recompensar essa aposta na liberdade descomprometida.

A imprensa portuguesa  em declínio, seja de âmbito nacional ou regional,não é apenas vítima da evolução tecnológica.Também é vítima do seu autismo e isolamento diante da realidade.

Houve tempo em que o leitor esperava pelo jornal. Esse tempo esgotou-se . Se o jornal não recuperar a confiança do leitor estará condenado. Tenha pergaminhos centenários. Ou seja um recém-chegado. A credibilidade do jornalismo é a chave que faz falta. E a verdadeira “moeda de troca”.

Connosco
Francisco George no ciclo "Portugal: que País vai a votos?" Ver galeria
O próximo orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", a 21 de Maio, será Francisco George, um prestigiado médico, especialista em Saúde Pública, actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, empossado em finais de 2017, após ter desempenhado as funções de director-geral da Saúde, a partir de 2005 e durante mais de uma década.
O ciclo é promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de cultura e o Grémio Literário.
Francisco Henrique Moura George, nascido em Lisboa a 21 de Outubro de 2947, frequentou, de acordo com a sua biografia oficial, o Colégio Valsassina.
Licenciado em Medicina, com Distinção, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em 1973, foi interno de Medicina Interna dos Hospitais Civis de Lisboa no Hospital de Santa Marta e completou, em 1977, o Curso de Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública de Lisboa, tornando-se especialista em Saúde Pública.
Meio século depois da alunagem o valor do jornalismo científico Ver galeria

Vai fazer 50 anos, no dia 20 de Julho, a primeira descida de uma nave com tripulação humana sobre a superfície da Lua. Seis horas depois da alunagem, já a 21, o comandante Neil Armstrong foi o primiro homem a pisar o solo do nosso satélite. O sucesso da missão Apollo 11, e das outras cinco missões lunares que a seguiram, teve um enorme impacto sobre a Humanidade.

“Do ponto de vista mediático, o colossal interesse público que o voo da Apollo 11 suscitou  — estima-se que um em cada seis habitantes do planeta assistiu pela TV ao momento em que Neil Armstrong desceu lentamente pela escada do módulo lunar até pousar os pés na superfície do satélite —  consolidou um público ávido por acompanhar a exploração do espaço.”

Cinquenta anos depois, as perspectivas de colonização do Sistema Solar continuam distantes, e a cobertura de astronomia e exploração espacial teve de mudar muito. “Mas, para quem tem o coração nas estrelas, continua sendo uma actividade apaixonante.”

A reflexão é de Pablo Nogueira, jornalista e editor da Scientific American Brasil, membro da Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadores de Ciência. No Observatório da Imprensa, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Agenda
22
Mai
22
Mai
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun