Quarta-feira, 18 de Julho, 2018
Opinião

A credibilidade do jornalismo como “moeda de troca”

por Dinis de Abreu

Enquanto os dados mais recentes da APCT – Associação Portuguesa de controlo de Tiragem , confirmam a agonia de alguns titulos da Imprensa diária generalista e o recuo de semanários e de news magazines, do outro lado do Atlântico acredita-se que a credibilidade será a nova “moeda de troca” do jornalismo em 2018,  conforme se prevê num texto editado pelo Centro de Periodismo Digital de Guadalajara, que pode ser consultado noutro espaço deste site.

A credibilidade é um bem difícil  de adquirir nos media , mas que se perde num instante,  se não houver o rigor e o amor à verdade, que deveriam ser, em permanência, a cartilha profissional de  qualquer jornalista.

Infelizmente, a realidade é outra,  com prejuízo da qualidade  do jornalismo que tem vindo a ser praticado.

A cedência do papel ao digital não é um fenómeno novo nem exclusivamente português. Sobejam os exemplos em outros países, da Europa aos Estados Unidos, de jornais consagrados com história, que estão a definhar, contabilizando perdas face à  diminuição das vendas  e à quebra no investimento publicitário.

Mas o que se observa, também,  é que não faltam os casos de diários que estão a contornar a crise, através de soluções ágeis, combinando as edições em papel e online com um jornalismo mais informado e explicativo, indo ao encontro de um público mais exigente.

A Imprensa, como acontece tantas vezes em Portugal, não pode limitar-se a ser um eco  daquilo que as televisões já trataram exaustivamente na véspera ou de que há abundante informação na Internet.

Falta ao  jornalismo, não raramente,  um genuíno espírito de  serviço público, sem perder de vista que a independência convive mal com os défices  de exploração e ainda menos com o umbigo de quem assina.

Depois, o jornalismo não poderá fica cativo das redes sociais, nem os jornalistas  agarrados obsessivamente à Internet, embora seja nesta que , a par de muito lixo, estão a despontar novos projectos, alguns deles com apreciável  qualidade.

São media independentes, exteriores às empresas editoriais clássicas, e que apostam na proximidade com os leitores  e no valor económico que representa a verdade.

É possível que o jornal em suporte de papel adquira, ainda  neste século, um estatuto de “produto gourmet”, reservado a nichos de mercado, que não se contentam com a “espuma dos dias”, precisando de quem os saiba motivar para a reflexão prospectiva.

O distanciamento assumido perante os poderes estabelecidos  contribuirá também para reforçar a autoridade e influência junto dos consumidores. E estes saberão recompensar essa aposta na liberdade descomprometida.

A imprensa portuguesa  em declínio, seja de âmbito nacional ou regional,não é apenas vítima da evolução tecnológica.Também é vítima do seu autismo e isolamento diante da realidade.

Houve tempo em que o leitor esperava pelo jornal. Esse tempo esgotou-se . Se o jornal não recuperar a confiança do leitor estará condenado. Tenha pergaminhos centenários. Ou seja um recém-chegado. A credibilidade do jornalismo é a chave que faz falta. E a verdadeira “moeda de troca”.

Connosco
CPI e "Tribuna de Macau" instituem Prémios de Ensaio e de Jornalismo da Lusofonia Ver galeria

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias, reparte-se, nesta sua segunda edição, por dois: um aberto a textos originais, que passa a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia, e outro que mantém o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.

Mantém-se o espírito original de distinguir trabalhos “no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Jornalismo "ao vivo" em festival de Verão de "Le Monde" Ver galeria

Um festival de Verão sem estrondo de altifalantes, sem música de “fogo-de-artifício”, todo baseado na palavra, na conversa em grupo ou no diálogo directo com os jornalistas presentes. Durante o fim-de-semana de 13 a 15 de Julho, cerca de 4500 inscritos animaram a terceira edição do Festival Internacional de Jornalismo organizado pelo grupo Le Monde na localidade de Couthures, em França, à beira do rio Garonne. A aldeia não chega aos 400 habitantes, mas mais de 100 voluntários ajudaram a fazer funcionar, durante três dias, um encontro de muitos debates. Como disse Gilles van Kote, jornalista de Le Monde, a intenção era precisamente a de que tudo pudesse ser posto em questão, “sem tabus”.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Agenda
23
Jul
30
Jul
22
Ago
Edinburgh International Television Festival
09:00 @ Edimburgo, Escócia
28
Ago
Summer CEmp
09:00 @ Marvão
01
Set
dmexco
09:00 @ Colónia, Alemanha