Segunda-feira, 19 de Agosto, 2019
Fórum

Quando as redes sociais se convertem em fontes de jornalistas

A rede Twitter está a mudar os hábitos de trabalho de muitos jornalistas, que passaram a utilizá-la como fonte de notícias. Se uma história se converte em trending topic, parece inevitável que os jornalistas façam eco dela. Segundo The New York Times, “tornou-se um espaço onde muitos jornalistas constroem inconscientemente uma cosmovisão, onde vão buscar um sentido sobre aquilo que é importante e merece cobertura, e aquilo que não é”. Mas um único utente pode criar muitas contas e há programas que multiplicam exponencialmente os tweets. Se o perigo do Facebook é a divulgação de histórias falsas, o do Twitter é o de ser “uma fábrica de pessoas falsas”. Estas questões são abordadas num estudo de Félix Bahón, jornalista e investigador, na 35ª edição de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo do NYT, que aqui citamos, adverte que “o interesse concentrado sobre o Facebook fez com que esta outra rede social passasse despercebida”. A maior atenção que se lhe dá agora provém, naturalmente, do facto de ser a preferida de Donald Trump e de muitos outros dirigentes políticos e pessoas famosas em todo o mundo. 

“O sistema permite construir a ilusão de popularidade para um candidato ou para uma ideia determinada. A plataforma também encoraja o fervor pelas métricas, porque cada tweet vem com um número que contabiliza os likes e as partilhas conseguidas. Os jornalistas interiorizaram estas métricas como se fossem reflexo do mundo real.” (...) 

Segundo Félix Bahón, na Espanha as pessoas ainda se lembram de como, em 2014, “a conta de Twitter de Mariano Rajoy teve um incremento suspeito de admiradores fantasmas; não eram outra coisa senão perfis controlados por máquinas. Cerca de 60 mil seguidores do presidente do Governo espanhol eram árabes”. 

“No ano passado, Albert Rivera, dirigente do Ciudadanos, gerou 269 mil interacções no Facebook. A notícia mais replicada foi que o seu partido ia recuperar o serviço militar para os jovens ni-nis (os que não estudam nem têm trabalho). Na mesma plataforma, centenas de milhares de utentes partilharam que o Partido Popular não queria operários na Universidade, ou que o Podemos pretendia proibir as procissões para não ofender os muçulmanos.” (...) 

O segundo tema tratado pelo longo estudo de Félix Bahón passa do Twitter para outra forma de engano a que o jornalismo também está exposto: a mais recente tecnologia desenvolvida no terreno da inteligência artificial “permite criar vídeos falsos extremamente convincentes”. Citando Ian Goodfellow, investigador científico da Google Brain, “isto fará com que a sociedade acabe por se habituar a consumir imagens falsas, tal como já o fez com o uso indevido do Photoshop”. 

Félix Bahón acrescenta: 

“O séc. XX foi o da imagem, do ‘ver para crer’. O começo do séc. XXI apresenta-se como o da era do cepticismo. Não só as notícias e as imagens podem ser falsas, como também os vídeos. Goodfellow acredita que num futuro próximo haverá investigadores ou agentes de qualquer outro país manipulando imagens e áudios de políticos.” 

Um exemplo conhecido, de uma declaração do ex-Presidente Barack Obama, pode ser visto em futureoffakenews.com

Intitulada “Um futuro cheio de mentiras”, a terceira secção do estudo que citamos refere-se às defesas possíveis contra estas ameaças e ao recente relatório do Conselho Europeu  - Information Disorder, que apela a todos os governos no sentido de actuarem contra a difusão de boatos, advertindo que o auge do WhatsApp e outros sistemas privados de mensagens facilita a proliferação de notícias e vídeos falsos. 

“Os jornalistas, como profissionais da comunicação, também devem preparar-se. É preciso ter em conta que, ao contrário deles, os utentes não desejam histórias verdadeiras. Desde que encaixem na sua visão do mundo, é suficiente. Uma mensagem escrita com sentido de humor por alguém que inspira confiança, sobretudo se toca no universo emocional, é susceptível de se tornar ‘viral’. A razão não intervém.” (...) 

Outros temas incluídos neste estudo tratam dos comentários supostamente verdadeiros, mas na realidade fabricados para gerar “correntes de opinião favoráveis a uma marca, um partido ou uma ideia”;  do Reddit, utilizado por The Washington Post como fórum para interagir com os leitores;  do manual interno criado por The New York Times para que os seus redactores saibam como proceder nas redes sociais;  e do modo como os media de informação financeira procuram também adaptar-se a este novo tipo de globalização informativa. 

Os sete artigos encontram-se acessíveis, pela ordem aqui descrita, num único documento que pode ser recolhido em PDF, na edição referida de Cuadernos de Periodistas.

Connosco
História de um editor espanhol de sucesso em tempo de crise Ver galeria

No decorrer de uma década, e em plena crise económica e do jornalismo,  a Spainmedia ocupou o seu lugar de editora de revistas internacionais na área designada por  lifestyle  - trazendo para o mercado espanhol a versão local de marcas como a Esquire e a Forbes, entre outras.  A história do seu êxito neste espaço é também a de um jornalista, Andrés Rodríguez, que se torna um director editorial bem sucedido  -  e é essa, naturalmente, a primeira pergunta da entrevista que lhe é feita por Media-tics.

A sua resposta é que foi na base de “paixão, entusiasmo e inconsciência”, e muito por tentativa e erro. Logo acrescenta:

“Aprendi, também, a dirigir recursos humanos  - e que, se não formos rentáveis, fechamos mais tarde ou mais cedo. Os media podem sobreviver algum tempo sem rentabilidade mas, por fim, impõe-se a conta dos resultados.”

Reconhece que aprendeu muito na Prisa, mas ficou frustrado com a fronteira marcada entre o sector jornalístico e o financeiro e publicitário. Como explica,  “pensava que para fazer a minha revista eu tinha que poder vender, ter alianças, mas na Prisa isso não podia ser feito por um jornalista”:

“Se alguma coisa corria bem, resultava do êxito do jornalista e do gestor; se corria mal, era resultado do jornalista. Eu queria ser responsável pelo que fizesse mal.”

"Jornalismo de soluções" como mito ou alternativa Ver galeria

Muitos chegam ao jornalismo com o sonho de fazer reportagem que comunique “impacto, conhecimento e inspiração”. Mas quando encontram o espaço ocupado principalmente por notícias negativas, sem caminho de saída, desanimam e chegam a desistir da profissão.

A jornalista argentina Liza Gross conta que passou por isto, tendo deixado o jornalismo “porque estava esgotada a todos os níveis, não só pelo modelo económico como também pelo modo como nós, jornalistas, estávamos a fazer o nosso trabalho”.

O rumo que seguiu levou-a à rede Solutions Journalism Network [Red de Periodismo de Soluciones  nos países de língua espanhola], cujos métodos promove, no sentido de alterar a imagem clássica do jornalista, que deixa de ser apenas o watchdog (“cão de guarda”) que vigia os poderes e denuncia o que está mal, para se tornar o “cão-piloto” capaz de de fazer “a cobertura rigorosa e baseada na evidência de respostas a problemas sociais”.

A reflexão é desenvolvida em dois textos que aqui citamos, da FNPI – Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, que trabalha em parceria com a Red de Periodismo de Soluciones  para dar formação nesta nova disciplina.

O Clube

É tempo de férias. E este site do Clube Português de Imprensa (CPI) não foge à regra e volta a respeitar Agosto,  como o mês mais procurado pelos seus visitantes para uma pausa nos afazeres. Suspendemos, por isso,  a  actualização diária,  a partir do  fim de semana. 

Quando retomarmos a actualização  das nossas páginas, no inicio de Setembro, contamos com a renovação do interesse dos Associados do Clube e dos milhares de outros frequentadores regulares,  que nos acompanham  em número crescente e que  se revêem neste espaço, formatado no rigor e na independência em que todos nos reconhecemos,  como  valor matricial do Clube, desde a sua fundação,  há quase meio século.   


ver mais >
Opinião
Os jornalistas e os incêndios
Francisco Sarsfield Cabral
Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar. As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à...
O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de...
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
Agenda
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
04
Set
Infocomm China
09:00 @ Chengdu, Sichuan Province, China
09
Set
Facebook Ads Summit 2019
09:00 @ Online