Terça-feira, 21 de Janeiro, 2020
Fórum

Quando as redes sociais se convertem em fontes de jornalistas

A rede Twitter está a mudar os hábitos de trabalho de muitos jornalistas, que passaram a utilizá-la como fonte de notícias. Se uma história se converte em trending topic, parece inevitável que os jornalistas façam eco dela. Segundo The New York Times, “tornou-se um espaço onde muitos jornalistas constroem inconscientemente uma cosmovisão, onde vão buscar um sentido sobre aquilo que é importante e merece cobertura, e aquilo que não é”. Mas um único utente pode criar muitas contas e há programas que multiplicam exponencialmente os tweets. Se o perigo do Facebook é a divulgação de histórias falsas, o do Twitter é o de ser “uma fábrica de pessoas falsas”. Estas questões são abordadas num estudo de Félix Bahón, jornalista e investigador, na 35ª edição de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo do NYT, que aqui citamos, adverte que “o interesse concentrado sobre o Facebook fez com que esta outra rede social passasse despercebida”. A maior atenção que se lhe dá agora provém, naturalmente, do facto de ser a preferida de Donald Trump e de muitos outros dirigentes políticos e pessoas famosas em todo o mundo. 

“O sistema permite construir a ilusão de popularidade para um candidato ou para uma ideia determinada. A plataforma também encoraja o fervor pelas métricas, porque cada tweet vem com um número que contabiliza os likes e as partilhas conseguidas. Os jornalistas interiorizaram estas métricas como se fossem reflexo do mundo real.” (...) 

Segundo Félix Bahón, na Espanha as pessoas ainda se lembram de como, em 2014, “a conta de Twitter de Mariano Rajoy teve um incremento suspeito de admiradores fantasmas; não eram outra coisa senão perfis controlados por máquinas. Cerca de 60 mil seguidores do presidente do Governo espanhol eram árabes”. 

“No ano passado, Albert Rivera, dirigente do Ciudadanos, gerou 269 mil interacções no Facebook. A notícia mais replicada foi que o seu partido ia recuperar o serviço militar para os jovens ni-nis (os que não estudam nem têm trabalho). Na mesma plataforma, centenas de milhares de utentes partilharam que o Partido Popular não queria operários na Universidade, ou que o Podemos pretendia proibir as procissões para não ofender os muçulmanos.” (...) 

O segundo tema tratado pelo longo estudo de Félix Bahón passa do Twitter para outra forma de engano a que o jornalismo também está exposto: a mais recente tecnologia desenvolvida no terreno da inteligência artificial “permite criar vídeos falsos extremamente convincentes”. Citando Ian Goodfellow, investigador científico da Google Brain, “isto fará com que a sociedade acabe por se habituar a consumir imagens falsas, tal como já o fez com o uso indevido do Photoshop”. 

Félix Bahón acrescenta: 

“O séc. XX foi o da imagem, do ‘ver para crer’. O começo do séc. XXI apresenta-se como o da era do cepticismo. Não só as notícias e as imagens podem ser falsas, como também os vídeos. Goodfellow acredita que num futuro próximo haverá investigadores ou agentes de qualquer outro país manipulando imagens e áudios de políticos.” 

Um exemplo conhecido, de uma declaração do ex-Presidente Barack Obama, pode ser visto em futureoffakenews.com

Intitulada “Um futuro cheio de mentiras”, a terceira secção do estudo que citamos refere-se às defesas possíveis contra estas ameaças e ao recente relatório do Conselho Europeu  - Information Disorder, que apela a todos os governos no sentido de actuarem contra a difusão de boatos, advertindo que o auge do WhatsApp e outros sistemas privados de mensagens facilita a proliferação de notícias e vídeos falsos. 

“Os jornalistas, como profissionais da comunicação, também devem preparar-se. É preciso ter em conta que, ao contrário deles, os utentes não desejam histórias verdadeiras. Desde que encaixem na sua visão do mundo, é suficiente. Uma mensagem escrita com sentido de humor por alguém que inspira confiança, sobretudo se toca no universo emocional, é susceptível de se tornar ‘viral’. A razão não intervém.” (...) 

Outros temas incluídos neste estudo tratam dos comentários supostamente verdadeiros, mas na realidade fabricados para gerar “correntes de opinião favoráveis a uma marca, um partido ou uma ideia”;  do Reddit, utilizado por The Washington Post como fórum para interagir com os leitores;  do manual interno criado por The New York Times para que os seus redactores saibam como proceder nas redes sociais;  e do modo como os media de informação financeira procuram também adaptar-se a este novo tipo de globalização informativa. 

Os sete artigos encontram-se acessíveis, pela ordem aqui descrita, num único documento que pode ser recolhido em PDF, na edição referida de Cuadernos de Periodistas.

Connosco
Novas ferramentas para gerir os "media online" Ver galeria

O Instituto Internacional de Imprensa (IPI) divulgou uma nova ferramenta para moderadores online dos media lidarem com situações de abuso que ocorrem nas redes sociais. 

As ferramentas e estratégias para gerir os debates no Facebook e no Twitter fazem parte da plataforma do IPI Newsrooms Ontheline, que reúne várias sugestões sobre como combater o assédio online contra jornalistas.

O objectivo é explicar de que forma os moderadores podem gerir as redes sociais e como devem aplicar essas ferramentas, bem como as opções disponíveis pelas próprias plataformas das redes, de forma a conseguirem dar resposta ao abuso online e às ameaças contra os media e jornalistas individuais.
As medidas definidas são o resultado de várias entrevistas com peritos em audiências dos principais media da Europa. Devido à constante evolução, estas estratégias estão sujeitas a revisão e actualização constantes.

A maioria dos peritos, consultados pela IPI, salienta que existem várias ferramentas que podem ser utilizadas para a moderação de mensagens abusivas no Twitter, entre as quais o muting e o bloqueio. 

Em relação ao Facebook, os moderadores podem apagar os comentários, esconder comentários com conteúdo abusivo, banir um utilizador das páginas do medium, remover o utilizador de uma página, desactivar os comentários, bloquear determinadas palavras ou, ainda, reportar uma página ou um post.

Crise gera em Espanha modelos jornalísticos inovadores Ver galeria

A indústria do jornalismo em Espanha está em crise há mais de uma década. O colapso do crescimento económico afectou todas as áreas. Os fabricantes reduziram orçamentos de publicidade, o desemprego reduziu o poder de compra das famílias, que, por sua vez,  diminuíram as suas despesas, incluindo as dos meios de comunicação social.
O autor analisa os novos modelos de projetos que procuram responder aos desafios informativos actuais,  com apostas diferentes dos convencionais, baseados na verificação informativa, no uso dos mecanismos de transparência, na contextualização informativa, no jornalismo de dados ou na visualização.

Os meios de comunicação social também reduziram as suas despesas, entre 2005 e 2008, pelo menos 12 200 empregos foram suprimidos, segundo dados do Relatório da Profissão Jornalística de 2015. E em 2018, o investimento em publicidade ainda era 30% inferior ao de 2008.

O Clube

Ao retomar a regularidade de actualização deste site, no inicio de outra década, achámos oportuno proceder ao  balanço do vasto material arquivado, designadamente, em textos de reflexão sobre a forma como está a ser exercido o jornalismo,  no contexto de um período extremamente exigente  para os novos e velhos  “media”.

O resultado dessa pesquisa retrospectiva foi muito estimulante, a ponto de termos sentido  ser um imperativo partilhá-la, no essencial,  com quem nos acompanha mais de perto, sendo, no entanto,  recém-chegados. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...