Quarta-feira, 23 de Outubro, 2019
Fórum

Quando as redes sociais se convertem em fontes de jornalistas

A rede Twitter está a mudar os hábitos de trabalho de muitos jornalistas, que passaram a utilizá-la como fonte de notícias. Se uma história se converte em trending topic, parece inevitável que os jornalistas façam eco dela. Segundo The New York Times, “tornou-se um espaço onde muitos jornalistas constroem inconscientemente uma cosmovisão, onde vão buscar um sentido sobre aquilo que é importante e merece cobertura, e aquilo que não é”. Mas um único utente pode criar muitas contas e há programas que multiplicam exponencialmente os tweets. Se o perigo do Facebook é a divulgação de histórias falsas, o do Twitter é o de ser “uma fábrica de pessoas falsas”. Estas questões são abordadas num estudo de Félix Bahón, jornalista e investigador, na 35ª edição de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria.

O artigo do NYT, que aqui citamos, adverte que “o interesse concentrado sobre o Facebook fez com que esta outra rede social passasse despercebida”. A maior atenção que se lhe dá agora provém, naturalmente, do facto de ser a preferida de Donald Trump e de muitos outros dirigentes políticos e pessoas famosas em todo o mundo. 

“O sistema permite construir a ilusão de popularidade para um candidato ou para uma ideia determinada. A plataforma também encoraja o fervor pelas métricas, porque cada tweet vem com um número que contabiliza os likes e as partilhas conseguidas. Os jornalistas interiorizaram estas métricas como se fossem reflexo do mundo real.” (...) 

Segundo Félix Bahón, na Espanha as pessoas ainda se lembram de como, em 2014, “a conta de Twitter de Mariano Rajoy teve um incremento suspeito de admiradores fantasmas; não eram outra coisa senão perfis controlados por máquinas. Cerca de 60 mil seguidores do presidente do Governo espanhol eram árabes”. 

“No ano passado, Albert Rivera, dirigente do Ciudadanos, gerou 269 mil interacções no Facebook. A notícia mais replicada foi que o seu partido ia recuperar o serviço militar para os jovens ni-nis (os que não estudam nem têm trabalho). Na mesma plataforma, centenas de milhares de utentes partilharam que o Partido Popular não queria operários na Universidade, ou que o Podemos pretendia proibir as procissões para não ofender os muçulmanos.” (...) 

O segundo tema tratado pelo longo estudo de Félix Bahón passa do Twitter para outra forma de engano a que o jornalismo também está exposto: a mais recente tecnologia desenvolvida no terreno da inteligência artificial “permite criar vídeos falsos extremamente convincentes”. Citando Ian Goodfellow, investigador científico da Google Brain, “isto fará com que a sociedade acabe por se habituar a consumir imagens falsas, tal como já o fez com o uso indevido do Photoshop”. 

Félix Bahón acrescenta: 

“O séc. XX foi o da imagem, do ‘ver para crer’. O começo do séc. XXI apresenta-se como o da era do cepticismo. Não só as notícias e as imagens podem ser falsas, como também os vídeos. Goodfellow acredita que num futuro próximo haverá investigadores ou agentes de qualquer outro país manipulando imagens e áudios de políticos.” 

Um exemplo conhecido, de uma declaração do ex-Presidente Barack Obama, pode ser visto em futureoffakenews.com

Intitulada “Um futuro cheio de mentiras”, a terceira secção do estudo que citamos refere-se às defesas possíveis contra estas ameaças e ao recente relatório do Conselho Europeu  - Information Disorder, que apela a todos os governos no sentido de actuarem contra a difusão de boatos, advertindo que o auge do WhatsApp e outros sistemas privados de mensagens facilita a proliferação de notícias e vídeos falsos. 

“Os jornalistas, como profissionais da comunicação, também devem preparar-se. É preciso ter em conta que, ao contrário deles, os utentes não desejam histórias verdadeiras. Desde que encaixem na sua visão do mundo, é suficiente. Uma mensagem escrita com sentido de humor por alguém que inspira confiança, sobretudo se toca no universo emocional, é susceptível de se tornar ‘viral’. A razão não intervém.” (...) 

Outros temas incluídos neste estudo tratam dos comentários supostamente verdadeiros, mas na realidade fabricados para gerar “correntes de opinião favoráveis a uma marca, um partido ou uma ideia”;  do Reddit, utilizado por The Washington Post como fórum para interagir com os leitores;  do manual interno criado por The New York Times para que os seus redactores saibam como proceder nas redes sociais;  e do modo como os media de informação financeira procuram também adaptar-se a este novo tipo de globalização informativa. 

Os sete artigos encontram-se acessíveis, pela ordem aqui descrita, num único documento que pode ser recolhido em PDF, na edição referida de Cuadernos de Periodistas.

Connosco
Jornalistas deverão estar prevenidos para identificar e corrigir notícias falsas... Ver galeria

Existem várias lacunas na pesquisa de desinformação política e os debates contínuos sobre o que constitui as fake news e a sua classificação acabam por ser uma distracção, desviando as atenções das “questões críticas” relacionadas com o problema.

É importante reconhecer que as fake news existem, que estamos expostos a essas falsas informações, mas, se quisermos combatê-las, é indispensável procurar a sua origem, a sua forma de disseminação e analisar as consequências sociais e políticas.

É, ainda, imprescindível que os jornalistas estejam preparados e informados para não colaborarem na propagação deste tipo de informação.

Por vezes, o objectivo que se esconde em algumas fake news é que os media acabem por disseminá-las, acelerando a sua difusão. Por esse motivo, foi identificado o chamado “ponto de inflexão”, que representa o momento em que a história deixa de ser partilhada exclusivamente em “nichos” e acaba por atingir uma dimensão maior, alcançando várias comunidades. 

A jornalista Laura Hazard Owen abordou o tema num texto publicado no NiemanLab, no qual também faz referências à melhor forma de reconhecer os de conteúdos manipulados.

Suspensão de acordo do “Brexit” dividiu a imprensa britânica Ver galeria

Suspensa a aprovação do acordo no Parlamento britânico até que haja a regulamentação apropriada, a imprensa londrina apresentou-se dividida em relação ao Brexit.

Por um lado, a esperança de evitar um “não acordo” e uma saída abrupta, por outro a exaltação em relação à votação. 

Os media ingleses evidenciaram posições antagónicas em relação aos últimos acontecimentos e isso foi claro pela forma como abordaram a situação. 

Enquanto que o Sunday Express assumiu uma postura pró-Brexit e foi mais hostil com os deputados, acusando-os de atrasarem o processo, o Independent preferiu focar-se nas ruas, onde perto de um milhão de cidadãos se manifestaram para exigir que lhes seja dada a palavra final. Por sua vez, o Observer realçou a derrota do primeiro ministro, que se viu forçado a suspender a aprovação do acordo.

Le Monde publicou, entretanto, um texto no qual é feita uma análise dos media britânicos neste contexto.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Agenda
28
Out
Fotojornalismo e Direitos de Autor
09:00 @ Cenjor, Lisboa
01
Nov
1º Congresso Internacional de Rádios Lusófonas
14:30 @ Angra do Heroísmo, Açores
19
Nov
Connections Europe
09:00 @ Marriott Hotel, Amsterdão
21
Nov