Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Colectânea

Quando as "fake news" se tornam uma indústria organizada

Quando se fala em fake news, pensamos primeiro em hackers individuais e na sua instrumentalização por políticos tornados trolls da Internet, conflituosos e interessados em impor de modo agressivo os seus “factos alternativos”. Mas há situações em que a produção se torna uma autêntica indústria organizada, com “arquitectos” permanentes  - que podem ser, fora dessa actividade, profissionais integrados em trabalhos respeitáveis. Dois investigadores curiosos, de uma universidade britânica e de outra nos EUA, foram ver o que se passa por detrás das campanhas de desinformação nas Filipinas e ficaram surpreendidos com o que encontraram. O seu estudo, Architects of Networked Disinformation, está disponível.

“Nenhuma tecnologia foi transformada em arma a uma escala tão global e nunca vista como a das redes sociais. Várias abordagens de investigação procuram agora entender como é que os computadores portáteis e os smartphones em todo o mundo são usados para manipular o debate público, sequestrar a agenda dos media de referência e influenciar resultados políticos”  -  afirma-se na introdução deste trabalho.

Jonathan Ong, da University of Massachussetts Amherst, nos Estados Unidos, e Jason Cabañes, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, levaram a cabo uma investigação que durou um ano inteiro, entrevistando estes “arquitectos da desinformação” e fazendo a observação online das contas falsas operadas por eles.

Descobriram que se trata de “uma hierarquia profissionalizada de operadores políticos que mantêm os seus empregos normais como executivos de publicidade e relações públicas, programadores de computador e funcionários administrativos de [instâncias] políticas”.

“Nós tínhamos, no início, a curiosidade de conhecer o tipo de pessoas que se tornam ‘trolls remunerados’ e de saber de que modo conseguem viver com esse estigma”  - diz Jonathan Ong. “Ao conhecermos as pessoas por detrás de contas falsas no Facebook, descobrimos que há de facto uma hierarquia profissionalizada, com estrategos de publicidade e relações públicas no topo.”

O sumário deste estudo identifica sete conclusões principais:

1.    – Está disseminado [nas Filipinas] o uso de contas falsas e influencers remunerados por operações políticas, no Facebook e no Twitter. Vários partidos políticos, tanto a nível nacional como local, fazem uso destes “exércitos dos clicks”. (…)

2.    – Os políticos empregam frequentemente estrategos de campanha provenientes das agências locais de publicidade e relações públicas, como ‘arquitectos’ dirigentes para as campanhas de desinformação pela Internet. (…)

3.    – Estes estrategos de publicidade e relações públicas delegam a responsabilidade do marketing político, recorrendo maciçamente ao trabalho dos influencers digitais (que têm desde 50 mil até dois milhões de seguidores no Facebook e Twitter) e de operadores de contas falsas a nível comunitário (que operam manualmente perfis falsos para se infiltrarem em grupos e páginas noticiosas)  - e muito residualmente a robots automatizados. Há diversos níveis de pagamento para cada um destes grupos de pessoas. (…)

4.    – Os trabalhadores da desinformação são motivados de modos diferentes, tanto a nível financeiro, como político, social ou psicológico. “A infraestrutura da desinformação pela Internet está construída sobre uma relação de colegialidades competitivas. As pessoas que entrevistámos são em primeiro lugar levadas por motivações financeiras, mas na maioria estão de facto politicamente alinhadas com o seu cliente”. (…)

5.    – O trabalho de operar contas falsas para políticos implica modos semelhantes de ‘sempre online’, ou flexível, e modelos de (auto)-exploração, como outro trabalho freelance online. No entanto, é acompanhado pelo esforço emocional de stress, para o justificar, tanto perante os outros como perante si mesmo. (…)

6.    – Estas campanhas de desinformação operam com duas dinâmicas opostas: por um lado, “participação e cooperação colectiva entre trabalhadores da desinformação que são informados por um script comum”; por outro, “a ‘viralidade’ volátil que assenta na intuição e criatividade individual dos trabalhadores, na forma de traduzirem um script para posts nas redes sociais, que atingem uma divulgação máxima, mesmo que não controlada”. (…)

7.    – Embora ninguém realmente admita que é um troll, toda a gente na hierarquia da desinformação parece envolver-se em vários graus de trolling. (…)

Mais informação no Poynter.org, que contém os links para a síntese e o relatório na íntegra, em PDF

Connosco
Expressiva manifestação em Bratislava evocando jornalista morto Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia