Sexta-feira, 23 de Fevereiro, 2018
Fórum

A polémica Lei Macron para os Media tem projecto quase pronto

Está “mesmo quase pronta” a famosa lei contra as “notícias falsas”, anunciada pelo Presidente Emmanuel Macron nos primeiros dias de Janeiro e que foi objecto, desde o início, de polémica pública  - antes do mais nos próprios meios de comunicação. O texto será apresentado nos próximos dias, na forma de uma proposta de lei, devendo actuar sobre as redes sociais e os sites de partilha de vídeos, bem como sobre “os media sob influência de um Estado estrangeiro”. Em última instância, é sobre um juiz que recairá a responsabilidade de decidir se determinada notícia é falsa.

Foi a ministra da Cultura, Françoise Nyssen, quem divulgou o contorno geral da que é intitulada a “Lei de fiabilidade e de confiança na informação”. Segundo o jornal Libération, é o seu gabinete, encarregado deste dossier, que tem estado a trabalhar sobre ele desde Setembro do ano findo.

 

O texto proposto não se limita a um acrescento ou alteração da Lei de Julho de 1881, que enquadra o Direito da Imprensa e que já incluía a figura jurídica do delito de “notícia falsa”. Trata-se de uma legislação nova, para actuar rapidamente em situações sensíveis, de período eleitoral.

 

O Ministério da Cultura declara ter estudado as disposições legais já existentes na Alemanha e no Reino Unido, bem como os casos concretos de fake news registados durante as últimas eleições nos EUA, na campanha do Brexit e na do referendo sobre a independência da Catalunha.

 

A proposta de lei francesa destina-se aos períodos de campanha eleitoral nacional, no máximo de cinco semanas antes do escrutínio.

 

Terá três grandes disposições:

 

A primeira, no campo do áudiovisual, permitirá ao regulador, o Conselho Superior do Áudiovisual, “suspender” ou mesmo “revogar” a licença de um meio de comunicação “sob influência de um Estado Estrangeiro”, uma vez demonstrado que propaga notícias falsas.

 

A segunda visa as plataformas digitais, que deverão tornar públicos, nos referidos períodos de campanha eleitoral, por quem e por que montantes de financiamento são “patrocinados” os conteúdos de informação. “O facto de ser publicado o montante de uma transacção pode ser útil aos media que fazem fact-checking. Perante um conteúdo patrocinado por um milhão de euros, vão interessar-se mais do que por um patrocinado por 50 euros”  - é o fundamento utilizado.

 

A terceira disposição visa dotar o Direito de uma ferramenta legislativa que permita agir depressa contra a desinformação. O gabinete da Ministra da Cultura explica que a nova Lei permitirá aos cidadãos recorrerem a um juge des référés [juiz para medidas provisórias], “para deter a difusão maciça e artificial de uma notícia falsa”.

 

Segundo Le Monde, este projecto de lei “é menos severo do que a legislação alemã, cujas suspensões de publicação são consideradas demasiado automáticas pelo Ministério francês da Cultura, mas mais impositivo do que na Grã-Bretanha, onde não existe qualquer dever de cooperação das plataformas”.

“Pelo lado das plataformas digitais, o ‘dever de cooperação’, que existe já para os conteúdos de pornografia infantil ou de apologia do terrorismo, será alargado às notícias falsas, ficando essas plataformas com a obrigação de se dotarem de meios de vigilância acrescida em período eleitoral.”

 

 

Mais informação no LibérationL’Obs  e Le Monde

Connosco
Joana Marques Vidal em Março no novo ciclo de jantares-debate Ver galeria

Magistrada do Ministério Público de carreira desde 1979, Joana Marques Vidal é a próxima oradora-convidada, a 14 de Março,   no ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”, promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o CNC - Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Nomeada Procuradora- Geral da República, em Outubro de 2012  pelo então Presidente Aníbal Cavaco Silva, Joana Marques Vidal foi a primeira mulher a ocupar o cargo em Portugal em 180 anos de magistratura do Ministério Público. O seu mandato, que ficará certamente na história, termina em Outubro, sendo ainda uma incógnita se será ou não reconduzida.   

Com uma personalidade reservada, e intervenções públicas muito espaçadas,  a sua presença neste ciclo representará decerto um importante contributo para o debate em curso sobre a Justiça.

  

 

 

Utilização de "drones" por jornalistas com "regime específico" Ver galeria

A Comissão Nacional de Protecção de Dados divulgou o parecer que lhe fora pedido pelo secretário de Estado das Infraestruturas sobre o novo regime jurídico para a utilização de aeronaves de controlo remoto (drones), recomendando uma reformulação do projecto de decreto-lei já elaborado. No âmbito da sua competência específica, esta Comissão adverte que o novo regime não pode limitar-se a acautelar a segurança e a responsabilidade civil, “deixando de fora” a tutela da privacidade. É também recomendada a criação de um “regime específico” para a captação por jornalistas.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em 2021, quando terminar o mandato do próximo Conselho de Administração da RTP, como vai ser a televisão? Tudo indica que os canais generalistas continuarão a perder espectadores e que o tempo consagrado por cada pessoa a ver estações de televisão tradicionais continuará a diminuir. Em contrapartida, o visionamento em streaming, da Netflix, Amazon ou de outras plataformas que surjam entretanto continuará a crescer. Há...
O essencial da palestra que o conhecido jurista e comentador político António Lobo Xavier veio proferir, no passado dia 24 de janeiro, no  Grémio Literário pode resumir-se a uma frase que ele disse na parte final da sua intervenção: "não há distribuição sem crescimento". Aconteceu isto na terceira conferência do ciclo "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opcões", uma iniciativa do Clube de Imprensa em...
O novo livro do jornalista americano Howard Kurtz, “Media Madness: Donald Trump, the Press, and the War Over the Truth”, lançado pela editora Regnery em 29 de Janeiro - por coincidência intencional ou não, na véspera do primeiro discurso “State of the Union” de  Trump perante o Congresso, marcado para o dia seguinte - é um marco oportuno e de leitura imprescindível para quem acompanhe, por interesse profissional ou...
“The Post”, o filme de Spielberg sobre a divulgação, em 1971, de documentos confidenciais do Pentágono sobre a guerra do Vietname levou-me a recordar que, nessa altura, como jovem jornalista do “Diário Popular”, sugeri que o jornal publicasse parte dessas revelações. A sugestão foi aceite e, por isso, traduzi e talvez tenha resumido (não me lembro bem) alguns dos artigos que o “Washington Post”...
Os últimos dados auditados pela APCT, no ano findo, estão longe de serem tranquilizadores sobre a boa saúde da Imprensa escrita.  De um modo geral,  os generalistas  continuam  a perder vendas em banca e os raros que escapam a essa erosão fatal não exibem subidas convincentes. Um dos recuos mais evidentes é o do centenário “Diário de  Noticias”,  que já deslizou para uma fasquia...