Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

A polémica Lei Macron para os Media tem projecto quase pronto

Está “mesmo quase pronta” a famosa lei contra as “notícias falsas”, anunciada pelo Presidente Emmanuel Macron nos primeiros dias de Janeiro e que foi objecto, desde o início, de polémica pública  - antes do mais nos próprios meios de comunicação. O texto será apresentado nos próximos dias, na forma de uma proposta de lei, devendo actuar sobre as redes sociais e os sites de partilha de vídeos, bem como sobre “os media sob influência de um Estado estrangeiro”. Em última instância, é sobre um juiz que recairá a responsabilidade de decidir se determinada notícia é falsa.

Foi a ministra da Cultura, Françoise Nyssen, quem divulgou o contorno geral da que é intitulada a “Lei de fiabilidade e de confiança na informação”. Segundo o jornal Libération, é o seu gabinete, encarregado deste dossier, que tem estado a trabalhar sobre ele desde Setembro do ano findo.

 

O texto proposto não se limita a um acrescento ou alteração da Lei de Julho de 1881, que enquadra o Direito da Imprensa e que já incluía a figura jurídica do delito de “notícia falsa”. Trata-se de uma legislação nova, para actuar rapidamente em situações sensíveis, de período eleitoral.

 

O Ministério da Cultura declara ter estudado as disposições legais já existentes na Alemanha e no Reino Unido, bem como os casos concretos de fake news registados durante as últimas eleições nos EUA, na campanha do Brexit e na do referendo sobre a independência da Catalunha.

 

A proposta de lei francesa destina-se aos períodos de campanha eleitoral nacional, no máximo de cinco semanas antes do escrutínio.

 

Terá três grandes disposições:

 

A primeira, no campo do áudiovisual, permitirá ao regulador, o Conselho Superior do Áudiovisual, “suspender” ou mesmo “revogar” a licença de um meio de comunicação “sob influência de um Estado Estrangeiro”, uma vez demonstrado que propaga notícias falsas.

 

A segunda visa as plataformas digitais, que deverão tornar públicos, nos referidos períodos de campanha eleitoral, por quem e por que montantes de financiamento são “patrocinados” os conteúdos de informação. “O facto de ser publicado o montante de uma transacção pode ser útil aos media que fazem fact-checking. Perante um conteúdo patrocinado por um milhão de euros, vão interessar-se mais do que por um patrocinado por 50 euros”  - é o fundamento utilizado.

 

A terceira disposição visa dotar o Direito de uma ferramenta legislativa que permita agir depressa contra a desinformação. O gabinete da Ministra da Cultura explica que a nova Lei permitirá aos cidadãos recorrerem a um juge des référés [juiz para medidas provisórias], “para deter a difusão maciça e artificial de uma notícia falsa”.

 

Segundo Le Monde, este projecto de lei “é menos severo do que a legislação alemã, cujas suspensões de publicação são consideradas demasiado automáticas pelo Ministério francês da Cultura, mas mais impositivo do que na Grã-Bretanha, onde não existe qualquer dever de cooperação das plataformas”.

“Pelo lado das plataformas digitais, o ‘dever de cooperação’, que existe já para os conteúdos de pornografia infantil ou de apologia do terrorismo, será alargado às notícias falsas, ficando essas plataformas com a obrigação de se dotarem de meios de vigilância acrescida em período eleitoral.”

 

 

Mais informação no LibérationL’Obs  e Le Monde

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...