Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Media

A sorte ou a desgraça de um jornal ser comprado por um milionário

Um multi-milionário que compra um jornal em dificuldades pode ser uma bênção ou uma maldição. Pode ser um visionário ou um iludido, convencido de que sabe tudo mesmo fora do seu elemento. Pode levar ao desastre. Há exemplos recentes, nos Estados Unidos, e um jornalista e docente na Northeastern University, Dan Kennedy, escreveu um livro comparando várias destas situações. Quando Patrick Soon-Chiong adquiriu o Los Angeles Times, alguns dos jornalistas da casa contaram-lhe como tinham ficado tristes, em 2013, quando Jeff Bezos comprou The Washington Post em vez do jornal deles. Pode um multi-milionário “consertar” o negócio de uma empresa noticiosa, nestes tempos difíceis?

Dan Kennedy explica que “Bezos tem sido um sucesso animador por motivos que não são facilmente repetíveis. Outros proprietários ricos, mesmo com a melhor das intenções, têm descoberto que a sorte em declínio do negócio dos jornais pode ser gerida, não revertida. Não se trata de dizer que não há passos que se possam dar no sentido de repor os jornais num caminho financeiro mais sólido. Mas não há curas milagrosas.” 

“Bezos tem uma grande auto-estima, mas tem revelado uma autêntica humildade na condução do Post  - especialmente na parte jornalística, onde deixou que seja o director executivo, Marty Baron, a fazer o seu trabalho sem interferência. Com mais jornalistas e mais recursos, Baron tem conseguido reinventar o Post, devolvendo-o aos tempos gloriosos dos anos 70 e 80, quando ele competia de frente com The New York Times.” (...) 

“O que Bezos tem feito é trazer desenvolvimento tecnológico e experiência dos consumidores, duas lições que ele aprendeu à frente da Amazon. Teria sido um desastre se Bezos ordenasse ao Baron que fizesse esta reportagem em vez daquela. (...) The Washington Post, hoje, não é só uma grande empresa noticiosa. É também uma locomotiva tecnológica.” (...) 

Infelizmente, segundo Dan Kennedy, nem todos os donos ricos de outros jornais têm conseguido imitar Bezos. “’Dar a volta’” a um grande jornal regional como o Boston Globe, por exemplo, é quase impossível. Nos seus primeiros anos ao leme, John Henry desenvolveu vários projectos digitais e expandiu secções impressas, mas acabou por voltar atrás e despedir pessoal. Agora está a ter algum êxito com as assinaturas digitais pagas, mas as novas instalações de impressão, projectadas para custarem menos e servirem a outros jornais, têm sido afectadas por problemas.” (...) 

O seu comentário a respeito de Los Angeles Times é que, mesmo em anos em que foi detido por propritários de má qualidade, o jornal conseguiu continuar a fazer um trabalho excelente, pelo que “não será necessário um esforço hercúleo para o pôr no bom caminho”. 

“Se Patrick Soo-Siong estiver disposto a subsidiar os prejuízos enquanto dá aos seus executivos o tempo e os recursos de que precisam para encontrar um novo modelo de negócio, deixando trabalhar a redacção com a independência de que precisa, estará a prestar um enorme serviço, tal como fizeram Jeff Bezos e John Henry. Todos esperamos que seja exactamente isto o que ele tem em mente.” 

 

Mais informação no Poynter.org, onde se encontra outro texto recente sobre esta mesma matéria

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa