Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Actualidade

"L'Express" e "El Sol de México" reforçam no digital

Um semanário impresso que aposta em cheio no digital, começando por acabar com a separação que existe, nas redacções tradicionais, entre os que trabalham para o papel e os da Internet, e apontando para que todos produzam de modo prioritário para esta última, “em detrimento do semanário”. E um grande jornal diário que vai reduzir a edição impressa ao formato tablóide, com mais fotografia e infografia, tendo já a equipa especializada no digital instalada no centro da redacção. O primeiro é o nosso bem conhecido L’Express, na França, e o segundo El Sol de México. Ambos têm em curso mudanças estratégicas para se adaptarem à nova realidade.

“A impressão em papel é uma máquina de perder dinheiro”. É com esta frase que começa o texto de avaliação comparada dos dois exemplos acima citados, em Media-tics

Recorde-se que L’Express é, desde Janeiro de 2015, detido pelo grupo Altice, de Patrick Drahi  - para cuja sede, onde já se encontrava o Libération, se mudou. Este processo implicou duas vagas de despedimento de mais de uma centena de trabalhadores cada, a primeira logo na altura da aquisição, a segunda em Setembro do mesmo ano. 

Guillaume Dubois, actual director-geral do grupo Express e chefe de redacção do semanário, diz que se trata de “uma nova oferta editorial radical”. O conteúdo e a linha editorial em concreto não são ainda conhecidos, mas há alguns nomes novos a bordo, incluindo Laurent Léger, sobrevivente do ataque ao Charlie Hebdo, que vai chefiar uma equipa de jornalismo de investigação com seis profissionais. Jean-Pierre Montaney, vindo da TF1, vai alimentar o site com vídeos. 

Ao diário El Sol de México, agora com pouco mais de 50 anos, e integrado na Organización Editorial Mexicana, é destinado o papel de base para a transformação dos outros títulos do grupo, que inclui seis dezenas de jornais (entre eles 43 diários generalistas) e 23 estações de rádio. 

Segundo Martha Ramos, directora-geral editorial do grupo, El Sol será o centro de operações da rede de jornais, fornecendo pelo menos 25% da informação neles publicada e, se os títulos locais assim o pedirem, até 60% dos respectivos conteúdos.

Os portais da Internet estão a fazer a sua “evolução paralela” e já subiram do milhão de utentes únicos por mês, dos finais de 2016, para os actuais 16 milhões de utentes por ano. 

No seu total, os jornais em papel do grupo vendem cerca de um milhão de exemplares diários, um número que está a crescer devagar. “Mas, no estado em que se encontram hoje os jornais, não descerem já é um êxito”  - admite a editora.

 

O artigo citado, em Media-tics

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...