Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Media

Provedor do Leitor em vias de extinção faz falta aos Media

A palavra é sueca, mas o primeiro Ombudsman da Imprensa foi instituído há pouco mais de 50 anos nos Estados Unidos, quando a editora de dois jornais de Louisville, no Kentucky, criou o cargo de um representante dos leitores, como forma de prestação de contas independente ao seu próprio público. A Folha de S. Paulo, no Brasil, fez o mesmo em 1989, “motivada pelos sucessos das experiências do Washington Post e do El País”. The New York Times só passou a ter esta figura em 2003, mas acabou com ela em 2017, sob o argumento de que os seguidores nas redes sociais e leitores online constituem uma fiscalização “mais vigilante e poderosa do que uma pessoa sozinha jamais poderia ser”.

Mas a presente titular do cargo na Folha S. Paulo, Paula Cesarino Costa (Ombudswoman?) critica o argumento do NYT e do Washington Post (que fizera o mesmo em 2013), defendendo que, precisamente na era da “pós-verdade” e da crise dos media tradicionais, a figura do Ombudsman é útil à credibilidade dos meios e “não faz parte do problema da sua sobrevivência, mas sim da solução”. 

O primeiro problema é este, o de justificar a sua própria existência. Paula Cesarino Costa afirma que escreve para reafirmar a sua convicção de que a função do Ombudsman é necessária, “na medida em que lhe cabe criticar o jornal sob a perspectiva do leitor”. Mas o último a exercer o cargo no Washington Post, Patrick Pexton, conta que os editores perguntavam: “por que ter um Ombudsman pago para criticar o jornal, quando temos milhões de leitores fazendo isso de graça por meio das redes sociais?”

 

Hoje sabemos de sobra que não é a mesma coisa. Como explica adiante, “num jornal como a Folha, o Ombudsman da Ombudsman são os leitores aplicados, detalhistas e inquietos que a alimentam. Se um representante dos leitores não mantiver alto nível de exigência em questões sobre ética, transparência, equidade e precisão, de facto não estará à altura da função”.

 

“Como alertou um de meus antecessores, é a mais solitária das funções e, por vezes, frustrante. Exige dedicação e tempo e, de facto, é em geral vista com antipatia pelos profissionais do jornalismo.” (...)

 

Noutro ponto da sua reflexão, afirma:

 

“Os desafios imediatos da função que exerço podem ser resumidos em três pontos predominantes:

1) o mundo mudou na velocidade da informação, na administração do tempo e na forma de consumo de notícias; e os jornais ainda estão tacteando os caminhos jornalísticos, financeiros e administrativos para se adequarem a essas mudanças;

2) em geral, os jornais estão superficiais, sendo construídos por pautas pouco criativas e pouco surpreendentes, agarradas a narrativas ultrapassadas no estilo e no formato;

3) em tempos de radicalização, o exercício do jornalismo com equilíbrio, resguardando a diferença entre opinião, análise e informação, tornou-se valor raro e de difícil qualificação.” (...)

 

Trazendo esta reflexão para o caso português, podemos confirmar que também entre nós estão a desaparecer os Provedores do Leitor, como nos casos citados de dois dos maiores jornais de referência nos Estados Unidos  - o país onde começaram.

 

Paula Cesarino Costa recorda o título do artigo inaugural do primeiro Ombudsman no Brasil, Caio Túlio Costa: “Quando alguém é pago para defender o leitor”.

 

O seu texto, na íntegra, na edição brasileira da Columbia Journalism Review, citado no Observatório da Imprensa  -  com o qual mantemos um acordo de parceria

 

Connosco
Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo Ver galeria

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome... Ver galeria

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA