Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Media

Eleição de Trump fortaleceu relação da Imprensa com sociedade

Sobre o presente e o futuro do jornalismo, em tempo de crise do seu modelo económico, de notícias falsas e polarização política globalizada, Steve Coll, director da Escola de Jornalismo da Columbia University, em Nova Iorque, tem diversas notícias a comunicar-nos. A parte boa é que a capacidade de processamento de um grande volume de dados levou à colaboração entre dezenas de jornais, “todos guardando os mesmos segredos e publicando ao mesmo tempo”  - como aconteceu com os Panama Papers. A parte má é que é muito difícil manter a qualidade no meio desta exigência de “mais volume e velocidade de notícias”. E a parte pior é que o fabrico de notícias falsas vai agravar-se ainda mais, segundo os próprios profissionais de Silicon Valley. Mas o jornalismo profissional “ainda cumpre um papel poderoso”, e vai sobreviver.

A entrevista que citamos decorreu em São Paulo, durante o 1º Seminário Internacional de Jornalismo ESPM/Columbia Journalism School, em Outubro de 2017, e vem transcrita no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria. 

Sobre o que mudou na forma de fazer jornalismo, Steve Coll sublinha “o poder que as redes sociais assumiram na distribuição dos media em vários países”:

“Isso fez com que jornais, revistas, rádios e emissoras de TV perdessem muito do controlo na distribuição do seu conteúdo. Os jornais costumavam controlar seu relacionamento com os leitores a ponto de saírem para comprar os jornais em bancas! Agora, eles dependem de plataformas como Facebook, Snap ou YouTube para falar com o seu público.” (...) 

Quanto ao impacto da revolução digital, o entrevistado afirma:

“Na era do Big Data, é difícil para o jornalista levar adiante sua função democrática e constitucional de informar se não souber examinar da maneira correcta os dados e algoritmos que estão sendo utilizados e seus impactos na sociedade. É preciso literalmente olhar por baixo dos códigos e ver como eles são feitos. Os tribunais americanos estão usando softwares de algoritmo para determinar sentenças baseadas em indicações de como alguns criminosos irão reagir, se podem ou não retornar ao crime. Isso mostra que os processos de engenharia utilizados nos códigos das chamadas fake news podem influenciar a opinião pública.” (...) 

Sobre o ritmo imposto agora aos profissionais, a situação é delicada:

“Se você olhar de uma maneira mais ampla para a indústria de jornais e revistas, o desafio óbvio é manter a qualidade dentro de uma demanda por mais volume e velocidade de notícias. Cada um desenvolveu uma estratégia para fazer frente a esses novos canais investindo mais do que de facto gostariam em mecanismos de controlo de qualidade. Exemplos de erros catastróficos no jornalismo nos mostram que, muitas vezes, eles ocorrem não por questão de recursos, mas de atenção e de priorizar a qualidade.” (...) 

A Escola de Jornalismo da Columbia University , como conta, dobrou a carga horária de ensino de jornalismo de investigação. À pergunta sobre se isso implica que “os jornalistas mais antigos terão que voltar à escola”, Steve Coll responde: 

“No meu entendimento, teremos cada vez mais equipas colaborativas com perfis que se complementam. Existe muito espaço para os jornalistas investigativos à moda antiga exercerem o seu trabalho de apurar, identificar fontes e lidar com situações de risco. A demanda pelas qualidades dos jornalistas experientes não desapareceu. Mas haverá mais colaboração com jornalistas com capacidade de trabalhar com dados e novas tecnologias.” (...) 

“Quando comecei, tive a sorte de trabalhar em uma redacção estável, que dava oportunidade aos jornalistas mais jovens para se desenvolver e aprender o ofício, sabendo que muitos desses profissionais ficariam ali por mais 20 ou 30 anos. Então, a empresa tirava proveito da experiência que esse profissional adquiria ao longo do tempo. Hoje, você pode ter experiências excitantes, mas não encontrará esse tipo de estabilidade. Jovens profissionais terão que aprender a se virar sozinhos sem uma rede de proteção.” (...) 

Finalmente, e sobre a situação presente nos Estados Unidos, a sua expectativa é de preocupação:

“A situação piorou, porque este Presidente continua tratando os jornalistas como desonestos, inimigos do povo e antipatriotas. O nível de excitação de extremistas contra o jornalismo abre caminho para uma escalada de violência. Eu não me surpreenderia se víssemos algum incidente, um assassinato ou outro tipo de violência contra jornalistas. Inimaginável que o próprio Presidente trate um grupo de pessoas e seu papel na sociedade de modo tão irresponsável sem consequências.” (...)

Sobre se a liberdade de Imprensa está “sob ataque no mundo”:

“Com certeza está sob ataque nos Estados Unidos. À eleição de Trump se seguiu a ascensão de políticos autoritários em diversas sociedades, aumentando o risco à liberdade de expressão. Nos Estados Unidos, isso fez crescer o tom de ameaça ao jornalismo, mas, por outro lado, fortaleceu a relação da Imprensa com a sociedade civil e os leitores dos meios mais sérios. Estamos em um momento de conflito: é a primeira vez que um governo se opõe directamente ao trabalho do jornalismo.” (...)

 

A entrevista na íntegra, no Observatório da Imprensa

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa