Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Media

Os gigantes da Internet promovem um modelo comercial tóxico

Os gigantes tecnológicos (sobretudo Google, Facebook e Amazon) exercem uma hegemonia esmagadora sobre a comunicação na nova era digital. Um relatório do Edelman Trust Barometer revela, na base de uma investigação sobre 28 países, que 65% da população recebe as notícias das plataformas da Internet e outros meios “agregadores”. Em 2017, passaram pela Google 89% de todas as buscas na Internet, nos EUA. No mesmo país, Facebook e Google controlam dois terços das receitas da publicidade digital. A Amazon vendeu 75% de todos os livros electrónicos. “São visíveis as dificuldades em regular estas actividades quase monopolistas. Os mecanismos tradicionais do capitalismo não parecem servir nesta nova era tecnológica. Temos um problema.” A reflexão é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics.

O autor recorda que mesmo os Estados Unidos interditaram, em 1911, o monopólio da Standard Oil, que tinha chegado aos 85% de todas as vendas de gasolina no país. E em 1913 a AT&T foi obrigada a fragmentar-se em várias empresas de menor dimensão. Mas “agora temos situações ainda mais preocupantes do que as que deram lugar ao desmantelamento daqueles conglomerados semi-monopolísticos”. 

“Tudo isto coincide num momento em que é cada vez mais evidente a degradação da qualidade informativa e o aumento esmagador das notícias falsas e manipulações da Informação. Não é de estranhar que comece a enraizar-se na opinião pública que estas grandes empresas são demasiado grandes, anti-competitivas, orgulhosas e destrutivas para a democracia.” (...)

Miguel Ormaetxea lembra que a Comissão Europeia acusou a Google de usar a enorme hegemonia do Android, o seu sistema operativo móvel, para dar vantagem às suas próprias aplicações. O Senado dos EUA está a aumentar o seu escrutínio dos gigantes tecnológicos e há activistas, políticos e até executivos de empresas tecnológicas que pedem uma investigação sobre os efeitos viciantes dos smartphones e das redes sociais. 

“Google e Facebook desenvolveram um modelo comercial tóxico, dando primazia à quantidade sobre a qualidade informativa. (...) Em última instância, uma parte significativa da população vive numa ‘bolha’ de falsidades. A consequência é um público crescentemente desinformado, propenso a decisões muito perigosas.” 

A concluir, diz ainda o mesmo autor:

“O problema é que não é nada fácil regular estes titãs da tecnologia. Consegue-se regular a Amazon, que oferece preços mais baixos e entregas sem concorrência? Se a castigarmos pelo êxito, estamos a enviar uma mensagem contra a inovação a empresários e investidores. Pode dividir-se a Amazon em várias empresas? Pode regular-se a actividade dos que fazem buscas na Google como se fosse um serviço público?” 

“Talvez o problema de fundo seja que o capitalismo clássico ainda não tem boas respostas para uma era de mudanças e progresso exponencial. Amazon não é a Standard Oil nem a Google é a AT&T.”

____________

Por seu lado, e em resposta às recentes alterações introduzidas pelo Facebook no seu portal de fluxo de notícias, propondo-se reduzir o volume de conteúdos noticiosos e dar destaque a meios “de confiança”, Rupert Murdoch afirma que “se o Facebook quer reconhecer editores de confiança, então deveria pagar a esses publishers uma taxa de distribuição semelhante à do modelo adoptado pelas operadoras de cabo”. 

“Os publishers estão obviamente a melhorar o valor e integridade do Facebook através das suas notícias e conteúdo, mas não estão a ser adequadamente recompensados por esses serviços”, considera o chairman da News Corp, sublinhando que “os pagamentos de distribuição teriam um impacto reduzido nos lucros do Facebook mas um enorme impacto para futuro dos publishers e jornalistas”. (...) 

 

Mais informação em Media-tics e na M&P

Connosco
Jorge Soares em Fevereiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

Prossegue a 27  Fevereiro o ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?”, promovido pelo CPI, em parceria com o CNC e o Grémio Literário, tendo como orador convidado o Prof. Jorge Soares, que preside ao Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, desde 2016, preenchendo o lugar deixado vago por morte de João Lobo Antunes.  

Director do Programa Gulbenkian Inovar em Saúde, da Fundação Calouste Gulbenkian, Jorge Soares já fazia parte daquele Conselho, antes de ser eleito para a sua presidência .

O seu currículo é vasto. Presidiu também à  Comissão Externa para Avaliação da Qualidade do Ensino, e, mais tarde,  assumiu a vice-presidência da Comissão de Ética da Fundação Champalimaud, e, a partir de 2016, foi presidente da Comissão Nacional dos Centros de Referência. É Perito Nacional na União Europeia do 3rd Programme “EuropeAgainst Cancer” .

Expressiva manifestação em Bratislava evocando jornalista morto Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia