Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Fórum

A notícia que todos leram mas não foi escrita por ninguém...

Antes da Internet, quem quisesse informar-se tinha de fazer um esforço de busca  -  ir a um quiosque comprar o jornal, ligar o rádio ou a televisão. “Agora é a informação que nos procura, mesmo que não queiramos.” Por meio de avisos e notificações, “os conteúdos lutam por captar a nossa atenção” em todo o lado. Ainda podemos desligar os aparelhos mas, “no futuro, nem sequer haverá essa escapatória”. Estaremos sempre rodeados de ecrãs, que “virão ao nosso encontro a cada passo”. Todos os aparelhos estarão interligados. É nestes termos que está a ser imaginada a “Internet das coisas” e o seu efeito sobre a informação e o jornalismo. A reflexão é de Ramón Salaverría, docente na Universidade de Navarra.

O texto deste autor, publicado em Cuadernos de Periodistas nº 35, da Asociación de la Prensa de Madrid  - com a qual mantemos um acordo de parceria -  começa por um exemplo significativo, o da “primeira notícia que, tendo sido escrita por um robot, conseguiu situar-se como informação principal do site de um grande jornal, o Los Angeles Times”. 

Em 14 de Março de 2014, a rede de sismógrafos da Califórnia registou um tremor que, pela sua intensidade, teve magnitude suficiente para desencadear um aviso automático, que foi recebido por muitos órgãos de informação. Mas, “às seis da manhã, com as redacções praticamente vazias, eram poucos os meios capazes de fazerem eco da notícia”. 

À excepção do Times, que já tinha um sistema de redacção automática de notícias mediante uma aplicação algorítmica  - aquilo a que chamamos um robot... “Como os robots não se importam de acordar cedo, o do Times recebeu o aviso e compôs uma nota curta, de 102 palavras”, que começava assim: 

“Um terramoto de magnitude 4,7 foi registado hoje, segunda de manhã, a cinco milhas de Westwood, Califórnia, segundo o Serviço Geológico dos EUA. O abalo ocorreu às 6h.25, a uma profundidade de cinco milhas.” (...) 

Esta informação apareceu de imediato na Net e, naturalmente, os primeiros interessados em saber mais eram os residentes do distrito de Westwood, que começaram a teclar em todas as direcções. Como a nota de Los Angeles Times era a única àquela hora, recebeu tantas visitas e partilhas que teve efeito de bola de neve: o sistema de gestão de conteúdos do jornal, programado para dar mais destaque às notícias com mais visitas, puxou-a para o primeiro lugar. Como conta Ramón Salaverría: 

“Tinha acontecido o inédito  -  uma informação que não tinha sido noticiada por ‘ninguém’, nem escrita por ‘ninguém’, nem publicada por ‘ninguém’, era a notícia que estava a ser lida por ‘toda a gente’.” (...) 

E este efeito de sermos “encontrados” pela notícia automática passa-se cada vez mais nos dispositivos móveis. Segundo o mais recente relatório Digital News Report – España 2017, coordenado pela Universidade de Navarra, “em conjunto, os telemóveis e tablets (com 47%) ultrapassaram pela primeira vez, em 2017, o computador (com 46%) como dispositivo principal no acesso às notícias.” 

E, como explica a seguir, esta “não é a estação de chegada” porque, a seguir aos dispositivos móveis, vem aí a Internet das Coisas, em que quase todos os aparelhos estarão interligados e terão, além da sua função original, a possibilidade de serem “receptores e fontes de informação”  -  além de a registarem de modo continuo. “Estaremos permanentemente monitorizados.” (...) 

“Num simpósio organizado no Rio de Janeiro pela Universidade de Harvard, em Novembro de 2017, peritos dos cinco continentes estiveram de acordo em assinalar o sector dos media e do jornalismo como um dos que, com a educação, a saúde e os negócios, será mais transformado por estas tecnologias nos próximos anos.” (...) 

O que se segue, no trabalho que citamos, é um desenvolvimento de previsão de coisas possíveis, nem todas boas, nem todas más  -  quase todas já em começo de realização.

 

O texto na íntegra, em Cuadernos de Periodistas

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...