Terça-feira, 23 de Outubro, 2018
Estudo

Americanos divididos sobre a credibilidade da cobertura noticiosa

Uma maioria de 58% dos cidadãos dos EUA afirma que é mais difícil, hoje, estar bem informado, precisamente devido à grande abundância de fontes noticiosas disponíveis (apenas 38% dizem que é mais fácil). Uma vasta maioria (84%) reconhece que os media têm um papel importante a desempenhar na democracia mas, sobre se estão a fazê-lo correctamente, é outra história: só 33% têm uma opinião favorável a seu respeito; e dividem-se claramente por linhas partidárias (54% de Democratas e 15% de Republicanos). Também uma maioria muito elevada (73%) de cidadãos norte-americanos considera que a divulgação de informação inexacta pela Internet é um grave problema para a cobertura noticiosa actual. São estes alguns dos números do relatório American Views: Trust, Media and Democracy, realizado pela Gallup e a Knight Foundation, agora divulgado.

O relatório decorre de uma sondagem realizada em 2017 junto de mais de 19 mil cidadãos dos EUA, adultos maiores de 18 anos. 

Segundo o texto de apresentação da Knight Foundation, o progresso tecnológico tornou mais fácil aos americanos comunicarem entre si na busca de informação, mas esse progresso apresenta tanto desafios como oportunidades: 

“Não só há mais informação disponível, como também há mais desinformação, e muitos utentes podem não ser capazes de distinguir facilmente a diferença entre as duas.” 

Também está em declínio a confiança nos media; 45% dos inquiridos concordam que há “uma grande dose” de tendenciosismo político na cobertura noticiosa, o que representa “um aumento significativo em relação a 1989, quando apenas 25% diziam o mesmo”. De modo semelhante, menos de metade dos cidadãos consultados declarou ser capaz de identificar uma fonte de notícias objectiva. 

“Hoje, 66% dos americanos dizem que a maior parte dos media não faz correctamente a separação entre facto e opinião; em 1989, diziam isto 42%.” 

Em relação às redes sociais, há uma visão negativa quanto ao papel que Facebook e Twitter têm assumido no meio ambiente da comunicação: 

“Só 42% disseram que as plataformas das redes sociais tiveram um efeito positivo no ambiente dos media nestes últimos dez anos. Os americanos estão especialmente preocupados com o problema das ‘bolhas de filtro’: 57% dos americanos disseram que a selecção de artigos por um algoritmo representa ‘um problema sério’ para a democracia nos Estados Unidos.” 

Estão, no entanto, divididos em partes quase iguais quanto à solução desse problema: “49% acham que devia haver regras, ou regulamentos que governem os métodos usados pelas plataformas para fornecerem o conteúdo noticioso aos utentes, enquanto 47% acham que não”. (...) 

No que se refere à capacidade de distinguir a verdade da mentira, apenas 27% dos inquiridos se consideram, pessoalmente, “muito confiantes” na sua própria percepção de quando uma fonte noticiosa está a fazer uma reportagem factual, em vez de comentário ou opinião. 

“Na base do seu declarado conhecimento pessoal dos acontecimentos actuais, e da sua percepção sobre a facilidade em distinguir a verdade da desinformação no relato noticioiso, a maioria dos americanos cabe numa destas duas categorias  -  ou dos Optimistas Conhecedores (41%), que estão informados e acreditam que é possível encontrar a verdade, ou dos Cépticos Desatentos (35%), que estão menos informados e pessimistas sobre a possibilidade de identificar a verdade. A tendência partidária e a educação influenciam estas atitudes.” (...) 

Mas acrescentam-se a estas mais duas categorias, por ordem decrescente: a dos Cépticos Conhecedores (17%), que acham que sabem distinguir entre facto e opinião, mas o tendenciosismo dos media dificulta muito este esforço, e a dos Optimistas Desatentos (7%), que estão menos informados e também acham que o demasiado tendenciosismo não deixa encontrar a verdade. 

 

Mais informação no NiemanLab e no texto de apresentação do relatório, que contém o link para o mesmo, em PDF

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.
O semanário Plataforma Macau é publicado em Macau, em português e chinês. 

Na categoria Ensaio, o Júri deliberou, também por unanimidade, atribuir o Prémio ao trabalho de António Aresta, considerando tratar-se de “uma narrativa consequente sobre a visita histórica do grande poeta a Macau, com passagem por Cantão e Hong Kong”.

Universidades apoiam e investem no jornalismo de investigação Ver galeria

A sociedade necessita de um jornalismo de investigação que fica caro, e esta necessidade “chega num momento de grande tensão financeira para uma indústria maciçamente perturbada pelas novas tecnologias e alterações económicas”.

“Acreditamos que este tipo de jornalismo, em defesa do povo americano, é mais importante do que nunca na presente cacofonia de informação confusa, contraditória e enganadora, já para não falar de cepticismo  - ou por vezes rejeição absoluta -  dos factos.”

Esta reflexão é assinada por Christopher Callahan e Leonard Downie Jr., docentes na Universidade Estatal do Arizona, sobre a criação de dois centros de ensino de jornalismo de investigação, um na Universidade referida, outro na de Maryland. Tendo em conta a “proliferação de centros de reportagem de investigação independentes, sem objectivo de lucro, em grande parte financiados por [mecenato] filantrópico”, as universidades “estão prontas a assumir funções de liderança neste novo ecossistema de jornalismo de investigação”  - afirmam no seu texto.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Como está o papel?
Manuel Falcão
Durante muitos anos a imprensa – jornais e revistas – captava a segunda maior fatia do investimento publicitário, logo a seguir à televisão, que sensivelmente fica com metade do total do bolo publicitário. Mas desde o princípio desta década a queda do investimento em imprensa foi sempre aumentando e, agora, desceu para a quinta posição, atrás, por esta ordem, da TV, digital, outdoor e rádio. Ao ritmo a que...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa