Sexta-feira, 23 de Fevereiro, 2018
Media

As notícias falsas são um problema da sociedade que as aceita

As notícias são inventadas, difundidas e defendidas e, quando se demonstra que são falsas, descartam-se com um encolher de ombros. Não há notícias falsas, o que há são utentes indiferentes ou, pior do que isso, cúmplices. O problema não é que as notícias não sejam autênticas, mas sim que os seus receptores não se importem nada com isso, desde que confirmem o seu ponto de vista ou sirvam para atacar os adversários. E os leitores dos sites de fake news não são estúpidos, nem consumidores de mercadoria avariada. Eles escolhem e decidem, aceitam ou rejeitam conforme crêem ou não. O problema é que esse critério de aceitação é diferente do que pensamos que devia ser. É deste modo que José Cervera, jornalista e docente da Universidade Rey Juan Carlos, nos introduz ao actual debate sobre as fake news.

O autor recorda que nós humanos, procedemos de uma estirpe zoológica que aperfeiçoou o tratamento de “dados”  - informação proveniente do seu meio ambiente: 

“Não é a única razão pela qual nos vemos a nós próprios como racionais, equânimes e analíticos; as paixões e os sentimentos têm má fama quando se trata de tomar decisões. Distinguimos entre ‘saber’ e ‘sentir’, considerando que é melhor quando o que se percebe está apoiado por dados e não apenas pela sensação íntima.” (...) 

Jose Cervera descreve como, na história da evolução, os nossos mais próximos “parentes” desenvolveram “sistemas de vocalização para manter a coesão do grupo”. Já não se tratava de “comunicar informação sobre o meio ambiente”, mas sim confirmar constantemente a cada membro do grupo que estava rodeado de iguais “e, portanto, relativamente seguro”. (...) 

O que se passa mais recentemente, segundo o autor, é que se exacerbaram as tendências que desvalorizam a importância da verdade: 

“Os políticos sempre mentiram, enaltecendo os seus triunfos e escondendo as derrotas; mas agora fazem-no mais e de modo mais flagrante. Os advogados sempre procuraram ‘esticar’ os limites da lei, incluindo as palavras, mas agora é mais evidente. Os comerciantessempre exageraram a qualidade dos seus produtos e esconderam os seus defeitos, mas agora é mais fácil detectar o engano. Os media e a Imprensa sempre foram parciais [han barrido cada uno para su casa, no original], mas ultimamente de modo mais visível. Tudo isto foi retirando poder à ideia de veracidade e até de um pensamento baseado em dados...” (...) 

“Se a dimensão puramente funcional da comunicação tem cada vez menos valor, a da coesão do grupo é cada vez mais importante. Numa sociedade em fragmentação, onde está em discussão a própria ideia da verdade, a pertença a um grupo é cada vez mais imperiosa. (...) Já não importa que as notícias sejam verdade ou mentira, o que importa é que o seu uso sirva para reforçar o grupo interno e atacar o exterior.” (...) 

“O problema, portanto, não é que as notícias sejam falsas; sempre as houve. O problema é que preferimos acreditar nelas mesmo que o sejam, porque o facto da sua falsidade é irrelevante para o seu verdadeiro valor. Empenharmo-nos em denunciar as fontes contaminadas não servirá de nada enquanto milhões queiram beber voluntariamente dessas águas.” (...) 

“É muito mais complicado: para resolver as notícias falsas, é preciso voltar a tornar importante a verdade. Tem que importar que algo seja real ou não seja; o acto de mentir deve ter consequências, e deve ser inaceitável ofuscar, confundir, encerar e enlamear. Toda a sociedade deve voltar a considerar que a razão, os factos e a verdade importam, desde os jornalistas nos seus meios de comunicação até aos publicitários nos seus anúncios, desde os políticos nos seus discursos até aos médicos nas suas receitas, desde os empresários até aos sindicalistas nas suas lutas.” 

“Mais meios não vão resolver isto, como não vai resolver mais fact-checking ou (ainda menos) qualquer lei. Porque as notícias falsas e as bolhas mentais das pessoas que preferem acreditar nelas não são problemas do jornalismo, mas sim da sociedade. E tais problemas nunca tiveram soluções fáceis.” 

 

O texto na íntegra, na edição nº 35 de Cuadernos de Periodistas, da Asociación de la Prensa de Madrid, com a qual mantemos um acordo de parceria

Connosco
Joana Marques Vidal em Março no novo ciclo de jantares-debate Ver galeria

Magistrada do Ministério Público de carreira desde 1979, Joana Marques Vidal é a próxima oradora-convidada, a 14 de Março,   no ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”, promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o CNC - Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Nomeada Procuradora- Geral da República, em Outubro de 2012  pelo então Presidente Aníbal Cavaco Silva, Joana Marques Vidal foi a primeira mulher a ocupar o cargo em Portugal em 180 anos de magistratura do Ministério Público. O seu mandato, que ficará certamente na história, termina em Outubro, sendo ainda uma incógnita se será ou não reconduzida.   

Com uma personalidade reservada, e intervenções públicas muito espaçadas,  a sua presença neste ciclo representará decerto um importante contributo para o debate em curso sobre a Justiça.

  

 

 

Utilização de "drones" por jornalistas com "regime específico" Ver galeria

A Comissão Nacional de Protecção de Dados divulgou o parecer que lhe fora pedido pelo secretário de Estado das Infraestruturas sobre o novo regime jurídico para a utilização de aeronaves de controlo remoto (drones), recomendando uma reformulação do projecto de decreto-lei já elaborado. No âmbito da sua competência específica, esta Comissão adverte que o novo regime não pode limitar-se a acautelar a segurança e a responsabilidade civil, “deixando de fora” a tutela da privacidade. É também recomendada a criação de um “regime específico” para a captação por jornalistas.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em 2021, quando terminar o mandato do próximo Conselho de Administração da RTP, como vai ser a televisão? Tudo indica que os canais generalistas continuarão a perder espectadores e que o tempo consagrado por cada pessoa a ver estações de televisão tradicionais continuará a diminuir. Em contrapartida, o visionamento em streaming, da Netflix, Amazon ou de outras plataformas que surjam entretanto continuará a crescer. Há...
O essencial da palestra que o conhecido jurista e comentador político António Lobo Xavier veio proferir, no passado dia 24 de janeiro, no  Grémio Literário pode resumir-se a uma frase que ele disse na parte final da sua intervenção: "não há distribuição sem crescimento". Aconteceu isto na terceira conferência do ciclo "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opcões", uma iniciativa do Clube de Imprensa em...
O novo livro do jornalista americano Howard Kurtz, “Media Madness: Donald Trump, the Press, and the War Over the Truth”, lançado pela editora Regnery em 29 de Janeiro - por coincidência intencional ou não, na véspera do primeiro discurso “State of the Union” de  Trump perante o Congresso, marcado para o dia seguinte - é um marco oportuno e de leitura imprescindível para quem acompanhe, por interesse profissional ou...
“The Post”, o filme de Spielberg sobre a divulgação, em 1971, de documentos confidenciais do Pentágono sobre a guerra do Vietname levou-me a recordar que, nessa altura, como jovem jornalista do “Diário Popular”, sugeri que o jornal publicasse parte dessas revelações. A sugestão foi aceite e, por isso, traduzi e talvez tenha resumido (não me lembro bem) alguns dos artigos que o “Washington Post”...
Os últimos dados auditados pela APCT, no ano findo, estão longe de serem tranquilizadores sobre a boa saúde da Imprensa escrita.  De um modo geral,  os generalistas  continuam  a perder vendas em banca e os raros que escapam a essa erosão fatal não exibem subidas convincentes. Um dos recuos mais evidentes é o do centenário “Diário de  Noticias”,  que já deslizou para uma fasquia...