Terça-feira, 21 de Agosto, 2018
Media

Decálogo com os desafios da comunicação na era digital

A era digital trouxe toda uma série de grandes desafios aos media tradicionais, e não só isso: trouxe também uma quantidade de novos actores intervenientes. Empresas, instituições, grupos, famílias ou indivíduos, todos passam a ser media por si mesmos; tornam-se também “fontes” para os media já existentes e, em muitos casos, emitem opinião crítica sobre a cobertura feita por eles ou apresentam a sua própria cobertura alternativa. Finalmente, é o utente que se torna o eixo do processo de comunicação, é o conteúdo que se torna a identidade do meio, a nova linguagem é multimédia, a periodicidade dá lugar ao “tempo real”, o hipertexto é a nova “gramática” e o conhecimento o novo nome da Informação. É nestes termos que Jose Luis Orihuela, investigador e docente de comunicação, apresenta, em Media.com, os “Dez Novos Paradigmas” que nos confrontam na era digital.

Cada um destes paradigmas é definido por uma substituição, ou pelo movimento de um protagonista principal, na situação anterior, para o que passa a ocupar-lhe o lugar. 

Segue-se uma síntese desses dez paradigmas, que podem ser lidos na íntegra na versão em espanhol, ou em inglês, do trabalho deste autor. 

  1. Da audiência ao utente. A evolução das novas tecnologias foi feita no sentido de uma espécie de “afunilamento” do destinatário da comunicação: do broadcasting para o narrowcasting e, finalmente, até ao pointcasting. O objectivo final é satisfazer os interesses do consumidor individual.
  2. Dos media ao conteúdo. A partir de agora, é a autoridade do conteúdo distribuído que define a natureza do distribuidor. A National Geographic ou a CNN, por exemplo, são marcas que representam uma autoridade reconhecida sobre determinado tipo de conteúdo (a vida natural) ou competência na cobertura dos acontecimentos (jornalismo). A função dos media passa a ser a de venderem os conteúdos, não o suporte.
  3. Do suporte único à multimédia. Agora, e pela primeira vez na história, texto, áudio, vídeo, gráficos, fotos e animação podem coexistir e interagir no mesmo meio de comunicação. Os media digitais tornaram-se multimédia, e esta é uma nova linguagem. As distinções entre os media, definidas pelo uso de uma só linguagem, tendem a esbater-se.
  4. Da periodicidade ao “tempo real”. A frequência regular de publicação era o paradigma dos media convencionais: diários, semanários, mensais, ou com horários fixos de emissão na rádio e TV. Agora, a actualização tem de ser feita constantemente. Mas o que se ganhou em dinamismo e inter-comunicação perdeu-se em capacidade de reflexão.
  5. Da escassez à abundância. O espaço, para os media impressos, e o tempo, para os emissores, deixaram de ser limite ao conteúdo. Agora é o tempo do utente que se tornou escasso. Uma das consequências deste processo de “leitores tornarem-se escritores” é a proliferação de uma informação online sem uma clara atribuição de fontes autorizadas, com grande heterogeneidade da qualidade dos conteúdos. Navegamos no “caos da abundância”.
  6. Da mediação editorial à não-mediação. O paradigma do “porteiro” era usado para explicar a função dos editores e a teoria da agenda na definição dos temas do dia. A natureza descentralizada da Net aboliu a agenda tradicional. A publicação nas redes sociais é feita sem editores, mas sujeita a um processo constante de revisão e comentários pelos seus próprios pares. Há uma grande variedade de novas “fontes”, e muitas delas não são meios de comunicação convencionais.
  7. Da distribuição ao acesso. O paradigma da emissão unilateral de um para muitos foi substituído por ambos: o acesso de muitos a um, e a comunicação de muitos para muitos. Este paradigma do acesso é complementar ao da centralidade do utente e ambos explicam a forte inter-actividade do novo meio ambiente.
  8. Da direcção única à inter-actividade. Como os produtores e os utentes de conteúdos usam o mesmo canal para comunicar, estes podem estabelecer uma relação bilateral com os media e também uma relação multilateral com outros utentes. Por último, podem tornar-se também produtores de conteúdos. Lidar com esta inter-actividade, no contexto dos media com uma longa tradição de distribuição de conteúdo em direcção única, é um dos mais importantes desafios que os media convencionais têm de enfrentar.
  9. Do linear ao hiper-texto. A narrativa analógica tem uma construção linear, em que é o narrador que controla a estrutura e o ritmo. No digital, o narrador pode fragmentar o conteúdo em pequenas unidades com caminhos de acesso entre si (links). Finalmente, o controlo da narrativa passa do narrador para o leitor. O hiper-texto é a nova “gramática” do mundo digital.
  10. Da informação ao conhecimento. A enorme quantidade de dados disponíveis na era digital traz de volta o papel estratégico dos media como gestores sociais do conhecimento, mas partilhado com um número crescente de novos actores. Hoje, a missão estratégica dos media é a informação sobre a informação: compreensão, interpretação, filtragem e pesquisa, combinadas com o desafio de novas narrativas multimédia, fornecidas por uma quantidade de canais. Este cenário não deve ser entendido como apocalíptico, mas como oportunidade de redefinir os perfis, os desafios profissionais e a formação académica dos comunicadores  - bem como de repensar a natureza em mutação dos media e dos mediadores.

 

Connosco
O perigo instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

Quando o jornalista tem de mudar de "chip" para fundar um meio digital Ver galeria

No novo ambiente criado pela revolução digital, encontrar um modelo de negócio sustentável para o jornalismo continua a ser uma questão em aberto  - que foi discutida, uma vez mais, numa vídeo-conferência promovida pela International Journalists’ Network. A jornalista brasileira Priscila Brito, fundadora do site Negócio de Jornalista, esteve presente e conta que, em dado momento, uma das participantes mencionou que “uma etapa importante para se obter sucesso nessa tarefa é mudar o chip”:

“Ou seja, é preciso parar de pensar exclusivamente como jornalista e incorporar a lógica dos negócios.”

"É um processo que pode gerar resistência enorme a quem vem programado com o chip de jornalista  -  afinal, aprendemos que editorial e comercial devem (ou deveriam) estar tão separados como devem (ou deveriam estar) Igreja e Estado."
O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...