Quinta-feira, 19 de Abril, 2018
Estudo

O que vai mudar no jornalismo em função das redes sociais

2018 vai ser “um ano crítico para a relação entre os publishers e as plataformas, à medida que empresas como a Google e o Facebook enfrentam uma maré crescente de críticas a respeito do seu impacto sobre a sociedade  - e sobre o jornalismo”. Por outro lado, o modelo de negócio dos meios de comunicação “está a mudar da publicidade para a assinatura e outras formas de pagamento pelos leitores”. Em 2018 vai haver muito mais atenção aos dados, porque as empresas dos media vão mudar os seus utentes da condição de “anónimos” para a de “conhecidos”, com o objectivo de “desenvolver relações de maior lealdade e preparar-se para uma era de serviços mais personalizados”. São estas as principais tendências e previsões descritas no relatório do Reuters Institute, agora publicado. 

Na introdução do texto  - que pode ser consultado livremente, em PDF -  são elencadas oito previsões específicas:

  1. – As investigações sobre desinformação e o papel desempenhado pelas plataformas vão intensificar-se, mas conduzir a pouca acção concreta em muitos países, para além de novas regras na publicidade de campanha eleitoral [election-based advertising, no original].
  2. – Facebook ou Google vão ser, este ano, regularmente acusados de censura, sempre que removam conteúdos como medida de protecção, por lhes parecer que ficam expostos a multas.
  3. – As iniciativas de fact-checking, literacia para as notícias e transparência, não conseguirão deter a vaga de desinformação e quebra de confiança.
  4. – Os publishers vão levar os utentes a identificar-se para acesso aos websites e aplicações  - bem como investir pesadamente nos dados -  para ajudar a fornecer conteúdos mais personalizados.
  5. – Entre os media tradicionais, vamos assistir ao crescimento do fosso entre as grandes marcas, bem sucedidas na transição digital, e o resto (que se debatem).
  6. – Mais publishers vão mudar para as assinaturas (ou outras formas de receita vinda dos leitores) à medida que a publicidade digital perde importância.
  7. – Um certo número de publishers vai abandonar o vídeo (… e voltar ao texto).
  8. – Nas redes sociais, vamos assistir a mais mudanças para as plataformas de mensagens e interfaces de conversação.

Concretamente na tecnologia, são apresentadas cinco:

  1. – Os assistentes de voz emergem como o próximo grande elemento de transformação, com a Amazon reforçando a sua presença nas habitações.
  2. – Os telemóveis com funções de Realidade Aumentada vão começar a abrir as possibilidades de narrativa imersiva e em 3D.
  3. – Este ano vamos “teclar” menos nos nossos telemóveis, à medida que cresce a importância da busca visual.
  4. – Os novos utensílios “inteligentes” vão chegar aos “fones” auditivos com capacidade de tradução instantânea e óculos que falam (e ouvem).
  5. – A China e a Índia vão tornar-se grandes focos de crescimento digital, com inovações na área do pagamento, identidade online e inteligência artificial.

Chegado às conclusões, o Relatório anuncia “um futuro incerto”:  

“Não parece que a revolução tecnológica esteja a abrandar. Parece antes que estamos a começar uma nova fase de ruptura. A era da inteligência artificial vai trazer novas oportunidades para a criatividade e para a eficiência  - mas também para maior desinformação e manipulação.”  

“Nos anos que aí vêm, já não estaremos só a perguntar o que é verdade, mas se a informação ainda está a ser gerada por seres humanos. Os bots e outros agentes ‘inteligentes’ vão desempenhar um papel crescente nas nossas vidas. Haverá notícias escritas por máquinas, programas de televisão serão compostos e escolhidos com base nos nossos gostos pessoais, os carros vão conduzir-se a si próprios. Vamos apreciar a comodidade e a escolha, mas vamos também preocupar-nos sobre se podemos manter o controlo. Vamos preocupar-nos cada vez mais a respeito de quem programa os algoritmos.” (…) 

“Com a tecnologia e o seu impacto agora tornados globais, quem vai poder falar pelos cidadãos e fazer os necessários equilíbrios entre conveniência e privacidade, entre o discurso livre e o discurso de ódio?” (…) 

“No próximo ano vamos ver o aumento destas pressões e desconexões, à medida que as poderosas (principalmente americanas) empresas tecnológicas comerciais desempenham um papel cada vez maior nas nossas vidas e os governos procuram exercer alguma forma de controlo. Se as plataformas vão conseguir escapar à regulação, vai depender, em certa medida, dos acontecimentos e de saber se o público vai continuar a sentir-se feliz com os serviços que elas fornecem.” (…) 

 

O Relatório, na íntegra, no Reuters Institute

Connosco
Quando os repórteres são os heróis que nos fazem falta Ver galeria

Parece excessivo declarar que os repórteres são os heróis do nosso tempo, como vem no título do texto que aqui citamos. Quem o diz não é um jornalista, mas um historiador. E explica porquê, e de que repórteres está a falar. Trata-se daqueles que assumem riscos e perdem a vida para investigar a verdade do que sucede à nossa volta  - e esse tipo de reportagem de investigação “é um pedacinho microscópico dessa coisa a que chamamos media”.

Os repórteres que “correm riscos pela verdade” fazem-no por todos nós, incluindo pelos soldados que vamos ou não enviar para a frente de batalha. O único modo de avaliarmos as guerras em que nos envolvemos é tendo repórteres “com a coragem e a capacidade de irem lá fazer reportagem”. Esta reflexão é do historiador norte-americano Timothy Snyder, que citamos da Global Investigative Journalism Network.

O jornalismo com mais “clics” pode não ser o mais lido Ver galeria

Pode acontecer que o melhor jornalismo nem seja o que é mais lido. Não gostamos de ouvir esta notícia, mas foi disto e de outras coisas parecidas que se falou no XXI Laboratorio de Periodismo da APM, o debate periódico sobre temas de actualidade que, na sua edição de Abril de 2017, teve por tema “O que lêem e o que não lêem os leitores”. O encontro decorreu na sede da Asociación de la Prensa de Madrid  - com a qual mantemos um acordo de parceria -  e foi moderado por Nemésio Rodríguez, vice-presidente da APM e actual presidente da FAPE – Federación de las Asociaciones de Periodistas de España.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Se sigo a actualidade e as notícias no digital, prefiro olhar para a reflexão e a descoberta no papel. E é aí que entra a nova geração de revistas que se vai publicando e que mostra as capacidades da imprensa, que estão longe de estar esgotadas. Com criatividade, imaginação editorial e gráfica, arrojo, e alguma capacidade para encontrar nichos de público têm surgido numerosas novas...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
O Poder do Dever
Luís Queirós
No passado dia 14 de março, Maria Joana Raposo Marques Vidal foi falar ao Grémio Literário no ciclo que ali decorre sob o tema: "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. Na sua longa  intervenção  falou  do Ministério Público e de Justiça e ajudou os leigos na matéria - como...
A compra do The Los Angeles Times pelo cirurgião bilionário sino-americano Patrick Soon-Shiong – dono da maior fortuna da 2ª maior cidade americana - anunciada oficialmente em 7 de Fevereiro, marca o regresso da propriedade do jornal a um residente local, depois de 18 anos de controlo por grupos de media sediados fora da Califórnia. É o mais recente capítulo dos 137 anos de história do LA Times, propriedade da família Chandler durante...
Enquanto os dados mais recentes da APCT – Associação Portuguesa de controlo de Tiragem , confirmam a agonia de alguns titulos da Imprensa diária generalista e o recuo de semanários e de news magazines, do outro lado do Atlântico acredita-se que a credibilidade será a nova “moeda de troca” do jornalismo em 2018,  conforme se prevê num texto editado pelo Centro de Periodismo Digital de Guadalajara, que pode ser consultado...
Agenda
24
Abr
Social Media Week New York 2018
09:00 @ Sheraton Times Square, Nova Iorque
24
Abr
Social Media Strategies Summit Chicago 2018
22:00 @ Union League Club, Chicago
25
Abr
8º Congresso Nacional de "Periodismo Autónomo y Freelance: ‘La revolución audiovisual’"
09:00 @ Sala de Conferências da Faculdade de Ciências de Informação, Universidade de Madrid
28
Abr
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa