Quinta-feira, 21 de Junho, 2018
Tecnologias

"Les Echos" na "Google Home" ou o jornal falado personalizado

“Les Echos” tornou-se um dos primeiros jornais franceses a lançar uma aplicação de voz, tendo escolhido a que é respondida pelo dispositivo Google Home. Esta primeira versão disponível fornece um resumo dos títulos de primeira página de temas económicos, que são a prioridade do editor, informações de última hora e outras surpresas que o utente vai descobrindo durante a “conversa”. Mas os assistentes pessoais com reconhecimento de voz e suporte de inteligência artificial estão a assumir cada vez mais tarefas domésticas e a tornar-se indispensáveis uma vez adoptados. Estão a tornar-se “membros da família”. Os aparelhos que nos escutam já estão entre nós; porque os convidámos a entrar.

Segundo informação da própria Alphabet  - a empresa que detém a Google -  desde 19 de Outubro de 2017 tem estado a ser vendido um dispositivo Google Home por segundo, o que chega aos 6,8 milhões de unidades só no último trimestre do ano findo. 

Depois de uma “enchente” nos Estados Unidos, a vaga destes assistentes  - domésticos, pessoais ou inteligentes -  está agora a chegar às casas dos franceses. 

Conforme explica um texto em lesnumeriques.com, qual de nós não desejou ter um assistente virtual “que responde a todas as ordens, acendendo as luzes quando chegamos a casa, pondo a correr a nossa série favorita no televisor à hora de jantar e procurando resposta às perguntas que lhe fazemos, das mais úteis às mais fúteis?” Pois já existem, e estão a ser objecto de uma competição cerrada entre três empresas. 

Para usar uma imagem acessível, as colunas Amazon Echo, Google Home ou Apple HomePod são como os “corpos” que hospedam a inteligência artificial das “almas” correspondentes, que são Alexa, Google Assistant e Siri

“Quando se fala de inteligência artificial, trata-se de um programa que tem a tarefa pesada de compreender o seu utente e responder-lhe. Para este fim, ele utiliza uma tecnologia de interpretação da língua natural. O programa explora o contexto do pedido e analisa os hábitos dos utentes para lhes fornecer respostas e propostas adequadas.” (...) 

Benjamin Gautier, consultor de estratégia e gestão da Wavestone, recorda: 

“No início do smartphone, pensava-se que os assistentes de voz fariam sentido em situações de mobilidade. Mas rapidamente, por meio de estudos que fizémos, apercebemo-nos de que se usava menos um assistente vocal em público do que em privado, mesmo em situação de mobilidade. Se 36% dos casos de utilização do comando vocal se passam no carro, 43% são em casa, quando o utente está ocupado por uma [outra] tarefa. O espaço ocupado pela Amazon e a Google é esse: oferecer um assistente num local privado, onde a pessoa se sente em confiança.” (...) 

Da simples resposta a perguntas sobre o tempo que faz, ou à gestão de serviços como o Spotify, os primeiros assistentes passaram a poder gerir equipamentos conectados, que se tornaram controláveis pela voz. E as perspectivas vão desde acender e apagar as luzes à regulação do tesmostato ou à abertura e fecho dos estores. 

Benjamin Gautier acrescenta: “Do mesmo modo como os smartphones revolucionaram o mundo dos telemóveis, os assistentes domésticos vão abalar o da casa conectada.” (...) 

Este fenómeno avassala os lares americanos, com a Amazon liderando sem contestação, com 88% das unidades vendidas no mundo, muito à frente da Google. E como estes aparelhos se enriquecem [de funções] e se tornam cada vez mais eficazes, rápidos e fiáveis com o tempo, vão ser cada vez mais solicitados.” 

Annette Zimmerman, analista da Gartner, vai mais longe: 

“De agora até 2020, as pessoas vão chegar a ter mais interacção com um bot destes do que com os seus cônjuges. Os interfaces de comando vocal vão multiplicar-se nos próximos anos, porque nós vamos adoptar a pouco e pouco sistemas como o Echo ou o Google Home, mas também outros aparelhos com os quais vamos falar. Vai tornar-se cada vez mais fácil e prático.” 

E artigo de lesnumeriques.com, que aqui citamos: conclui: 

“É uma constatação que assusta um pouco... Apreciamos os assistentes, de acordo, mas talvez não tanto assim.” 

Sob o título revelador de “How smart speakers stole the show from smartphones”, também o diário britânico The Guardian acaba de publicar um relato actualizado sobre a história tão recente, e já tão acelerada, do aparecimento destes aparelhos de comando vocal. O texto descreve a competição entre as várias empresas já possuidoras do seu próprio dispositivo e as que querem entrar no mercado com produtos concorrentes. 

No fundo, o objectivo de todas é “trazerem os utentes para o seu ecossistema e garantirem que é com o seu assistente de voz que eles vão interagir”: 

“A voz é vista como o próximo grande paradigma da computação, o próximo passo depois do smartphone, que por sua vez destronou o computador de secretária.” (...) 

 

Mais informação em Media-tics,  lesnumeriques.com  e em The Guardian

Connosco
Historiadora Bettany Hughes distinguida com Prémio Europeu Helena Vaz da Silva 2018 Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, também editora e apresentadora de programas de televisão e rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018, segundo foi anunciado pelo respectivo júri. A escolha “tem por objectivo homenagear a personalidade excepcional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante”, tendo ainda em conta a necessidade “vital de construir uma visão da nossa identidade multifacetada”, numa era de nacionalismos e populismos, como se lê na declaração agora divulgada. A cerimónia de entrega do Prémio realiza-se no dia 15 de Novembro deste ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Abecedário para combater vulnerabilidade à desinformação Ver galeria

A facilidade com que se propaga a desinformação nas redes sociais tem vindo a ser objecto de estudo, para identificar as suas causas e propor um antídoto eficaz. O simples facto de os conteúdos de fraca qualidade se espalharem tão depressa sugere que, tanto as pessoas como os algoritmos na estrutura das plataformas, são vulneráveis à manipulação. Dois investigadores na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, procuraram identificar três tipos dominantes de preconceito, ou tendenciosismo, e os seus espaços de actuação, para desenvolverem depois as ferramentas tecnológicas indicadas para tornar as pessoas conscientes desses perigos e agirem em conformidade. 

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Ao ler no centenário “Diário de Noticias” a noticia da extinção formal da sua edição em papel, de Segunda–Feira a Sábado , a partir de Julho, fica a saber-se que o seu actual director, o  jornalista Ferreira Fernandes, entrou em “oito cafés(…) a caminho do cinema S. Jorge onde decorreu a apresentação do novo jornal” e só “contou três pessoas a ler o jornal em...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Jornalistas assassinados na UE
Francisco Sarsfield Cabral
A 3 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A ideia de uma organização, patrocinada pela Unesco, para defender a liberdade de informação partiu de um grupo de jornalistas independentes em 1976.O encontro deste ano, no Ghana, dará especial atenção à independência do sistema judicial e à importância de assegurar que serão legalmente investigados e condenados crimes contra jornalistas. Foi,...
Para Joana Marques Vidal, todo o seu mérito se resume a “ter impresso a uma pesada máquina em movimento um novo funcionamento”, mais “eficaz, mais oleado, mais interdependente entre as várias equipas especializadas, e mais responsabilizado e onde deixa transparecer uma grande proximidade entre a hierarquia e as várias instâncias envolvidas. Joana Marques Vidal nunca recebeu telefonemas de Rui Rio, ao contrário do seu antecessor. Mas...
Agenda
25
Jun
Oficina de Reportagem
09:00 @ Cenjor,Lisboa
25
Jun
Women in Industry Forum
09:00 @ San Diego,EUA
26
Jun
VI Congresso Internacional da AE-IC “Comunicação e Conhecimento”.
09:00 @ Universidade de Salamanca, Salamanca, Espanha
26
Jun
BroadcastAsia
09:00 @ Suntec,Singapura
02
Jul