Sábado, 20 de Outubro, 2018
Opinião

Novidades nas “fake news”

por Alison Roberts

Se 2016 foi o ano em que se tornou evidente o impacto do Facebook e da Google nos meios de comunicação social tradicionais em termos de perda de receita publicitária, então 2017 foi quando se tornou impossível ignorar outros impactos.

O ano que agora começa pode acelerar essas tendências ou testemunhar uma intensificação dos esforços recentes para as contrariar.

No Reino Unido, o Parlamento deu ao Facebook e ao Twitter até 18 de Janeiro, sob pena de multas, para fornecerem informações sobre interferência russa - sob a forma de notícias falsas - no referendo de 2016 sobre a saída da União Europeia.

Em Abril, em França, o Facebook disse que havia eliminado 30 mil contas falsas antes das eleições presidenciais. Em Outubro, admitiu ao Congresso dos EUA que 126 milhões de utilizadores tinham lido publicações sobre as eleições presidenciais de 2016 em contas falsas da Rússia.

Em novembro, a UE lançou uma consulta pública sobre o que as empresas de redes sociais fizeram para combater a desinformação: um processo que poderá ver sua promoção tornar-se ilegal.

Entretanto, arrancou uma campanha mais ampla contra o "Duopólio", como ficaram conhecidos o Facebook e a Google, com o argumento de que o seu domínio da publicidade online priva o verdadeiro jornalismo de financiamento.

Nem tudo tem sido um mar de rosas para eles: em Março, várias empresas no Reino Unido descobriram que estavam a financiar jihadistas indiretamente, com o YouTube, uma subsidiária da Google, a colocar os seus anúncios ao lado de vídeos radicais. Centenas de organizações retiraram a sua publicidade, e o boicote espalhou-se para os EUA.

Ainda assim, calcula-se que, em 2017, a Google e o Facebook tenham engolido mais de 80% dos gastos em publicidade em todo o mundo, excluindo a China.

Como estão os jornais, os meios de comunicação social mais tradicionais, a lidar com isto? Mal.

Em Portugal, são vários os que restringem o acesso às edições online aos clientes que pagam, o Público fá-lo em parte, o Expresso mais plenamente, mesmo que o Diário de Notícias não o faça. Alguns sites especializados estão a sair-se bem, mas ninguém tem o segredo para financiar os jornais generalistas.

Além-fronteiras, mesmo as publicações com alcance global tiveram de tentar vários modelos. O Financial Times e o Wall Street Journal estão contentes com os seus acessos pagos, mas têm leitores mais ricos; já não é tão evidente que a dependência das doações de leitores do The Guardian seja sustentável.

O problema para a Imprensa, e para a democracia, é mais amplo. Hoje, em muitos países, os utilizadores mais facilmente se deparam com artigos via motores de busca e redes sociais do que nos sites dos jornais, e os primeiros restringem muitas vezes o conteúdo de uma forma que seria ilegal se feita por uma emissora.

Como o Wall Street Journal afirmou recentemente, "o Duopólio Google-Facebook ameaça a diversidade do pensamento". Ele citou o presidente da Comissão Federal de Comunicações dos EUA quando disse que as redes sociais e os motores de busca "bloqueiam rotineiramente... conteúdo de que não gostam".

Em Dezembro, a Comissão de Normas na Vida Pública do Parlamento do Reino Unido recomendou que as plataformas sejam sujeitas a regulamentos semelhantes aos dos jornais, referindo um "ambiente online intensamente hostil". O Facebook e a Google evitam essa regulamentação "em grande parte" devido a uma directiva da UE que os classifica como "hospedeiros", mas o compromisso do governo de deixar o mercado único europeu pode mudar isso.

O Reino Unido até está a ponderar formas de subsidiar os sites jornalísticos, por exemplo, cobrando impostos ao Duopólio (como a indústria do jogo subsidia as corridas de cavalos).

Nos EUA, também se fala no Congresso de regulamentar as redes da mesma forma que a comunicação social tradicional no que respeita a publicidade política, para que os utilizadores saibam quem pagou por ela.

Os problemas de ordem prática são enormes, dada a quantidade de conteúdos. Mas os membros do Comité de Informação da Câmara dos Representantes pediram aos gigantes da Internet um relatório sobre como a Rússia os usou para promover notícias falsas, para que os legisladores estejam informados antes de fazerem recomendações que possam afectar os seus negócios.

O "Duopólio" ainda merece o rótulo, mas o seu domínio já não é inquestionável.

 

( *Alison Roberts é membro da AIEP – Associação de Imprensa  Estrangeira em Portugal, a cuja direcção já presidiu. O  texto que assina foi publicado originalmente no DN)  

Connosco
Editorial de Khashoggi defende liberdade de expressão no mundo árabe Ver galeria

O mundo árabe “encheu-se de esperança durante a Primavera de 2011; jornalistas, académicos e a população estavam cheios de entusiasmo por uma sociedade árabe livre nos seus países”, mas as expectativas foram frustradas e “estas sociedades voltaram ao antigo status quo, ou tiveram que enfrentar condições ainda mais duras do que tinham antes”.

É esta a reflexão do último editorial de Jamal Khashoggi, o jornalista saudita interrogado e morto no consulado do seu país em Istambul, segundo apontam cada vez mais as informações que vão chegando. A editora de opinião do jornal The Washington Post, do qual era colaborador regular há um ano, conta que recebeu o texto do seu tradutor e ajudante, um dia depois do desaparecimento. Foi decidido adiar a publicação, na esperança de que ele voltasse e a edição final fosse feita por ambos. Segundo Karen Attiah, o texto “capta na perfeição a sua dedicação e paixão pela liberdade no mundo árabe, uma liberdade pela qual, aparentemente, deu a sua vida”.

Como vivem (e bem) da publicidade os “sites” de desinformação Ver galeria

Os sites que usam e abusam da desinformação são sustentados, em última instância, pela mesma publicidade que todos desejam conservar, incluindo os media tradicionais. Postas as coisas nestes termos, a situação parece paradoxal. Mas uma investigação feita pela equipa Décodex, do diário francês Le Monde, revela que, “mesmo sendo apontados a dedo como nocivos ao debate público, os sites de desinformação não têm dificuldades em encontrar parceiros comerciais”.

Em consequência das mutações ocorridas no funcionamento do mercado digital, “em França há centenas de anunciantes que ainda pagam para aparecerem em sites de desinformação”  - sem necessariamente terem consciência disso, como explica Pierre-Albert Ruquier, da empresa Storyzy. Alertadas por Le Monde, pelo menos duas redes publicitárias, Ligatus e Taboola, declararam ter cortado colaboração com um dos mais populares sites desta natureza, o Santeplusmag.com.

Mas há muito trabalho a fazer, porque os actores do mercado têm relutância em intervir a montante do problema  - fazendo-o, sobretudo, quando são apanhados.

O Clube

Terminou o prazo de recepção dos trabalhos concorrentes ao  Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído há um ano por iniciativa do jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, com o patrocínio da Fundação Jorge Álvares e o apoio do JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias.

Nesta segunda edição, o Prémio foi desdobrado em duas modalidades:  uma  aberta a textos originais, que passou a designar-se o Prémio Ensaio da Lusofonia; e outra que manteve  o título de Prémio de Jornalismo da Lusofonia, destinado a textos já publicados, em suporte papel ou digital.


ver mais >
Opinião
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Nov