Quinta-feira, 19 de Abril, 2018
Opinião

Novidades nas “fake news”

por Alison Roberts

Se 2016 foi o ano em que se tornou evidente o impacto do Facebook e da Google nos meios de comunicação social tradicionais em termos de perda de receita publicitária, então 2017 foi quando se tornou impossível ignorar outros impactos.

O ano que agora começa pode acelerar essas tendências ou testemunhar uma intensificação dos esforços recentes para as contrariar.

No Reino Unido, o Parlamento deu ao Facebook e ao Twitter até 18 de Janeiro, sob pena de multas, para fornecerem informações sobre interferência russa - sob a forma de notícias falsas - no referendo de 2016 sobre a saída da União Europeia.

Em Abril, em França, o Facebook disse que havia eliminado 30 mil contas falsas antes das eleições presidenciais. Em Outubro, admitiu ao Congresso dos EUA que 126 milhões de utilizadores tinham lido publicações sobre as eleições presidenciais de 2016 em contas falsas da Rússia.

Em novembro, a UE lançou uma consulta pública sobre o que as empresas de redes sociais fizeram para combater a desinformação: um processo que poderá ver sua promoção tornar-se ilegal.

Entretanto, arrancou uma campanha mais ampla contra o "Duopólio", como ficaram conhecidos o Facebook e a Google, com o argumento de que o seu domínio da publicidade online priva o verdadeiro jornalismo de financiamento.

Nem tudo tem sido um mar de rosas para eles: em Março, várias empresas no Reino Unido descobriram que estavam a financiar jihadistas indiretamente, com o YouTube, uma subsidiária da Google, a colocar os seus anúncios ao lado de vídeos radicais. Centenas de organizações retiraram a sua publicidade, e o boicote espalhou-se para os EUA.

Ainda assim, calcula-se que, em 2017, a Google e o Facebook tenham engolido mais de 80% dos gastos em publicidade em todo o mundo, excluindo a China.

Como estão os jornais, os meios de comunicação social mais tradicionais, a lidar com isto? Mal.

Em Portugal, são vários os que restringem o acesso às edições online aos clientes que pagam, o Público fá-lo em parte, o Expresso mais plenamente, mesmo que o Diário de Notícias não o faça. Alguns sites especializados estão a sair-se bem, mas ninguém tem o segredo para financiar os jornais generalistas.

Além-fronteiras, mesmo as publicações com alcance global tiveram de tentar vários modelos. O Financial Times e o Wall Street Journal estão contentes com os seus acessos pagos, mas têm leitores mais ricos; já não é tão evidente que a dependência das doações de leitores do The Guardian seja sustentável.

O problema para a Imprensa, e para a democracia, é mais amplo. Hoje, em muitos países, os utilizadores mais facilmente se deparam com artigos via motores de busca e redes sociais do que nos sites dos jornais, e os primeiros restringem muitas vezes o conteúdo de uma forma que seria ilegal se feita por uma emissora.

Como o Wall Street Journal afirmou recentemente, "o Duopólio Google-Facebook ameaça a diversidade do pensamento". Ele citou o presidente da Comissão Federal de Comunicações dos EUA quando disse que as redes sociais e os motores de busca "bloqueiam rotineiramente... conteúdo de que não gostam".

Em Dezembro, a Comissão de Normas na Vida Pública do Parlamento do Reino Unido recomendou que as plataformas sejam sujeitas a regulamentos semelhantes aos dos jornais, referindo um "ambiente online intensamente hostil". O Facebook e a Google evitam essa regulamentação "em grande parte" devido a uma directiva da UE que os classifica como "hospedeiros", mas o compromisso do governo de deixar o mercado único europeu pode mudar isso.

O Reino Unido até está a ponderar formas de subsidiar os sites jornalísticos, por exemplo, cobrando impostos ao Duopólio (como a indústria do jogo subsidia as corridas de cavalos).

Nos EUA, também se fala no Congresso de regulamentar as redes da mesma forma que a comunicação social tradicional no que respeita a publicidade política, para que os utilizadores saibam quem pagou por ela.

Os problemas de ordem prática são enormes, dada a quantidade de conteúdos. Mas os membros do Comité de Informação da Câmara dos Representantes pediram aos gigantes da Internet um relatório sobre como a Rússia os usou para promover notícias falsas, para que os legisladores estejam informados antes de fazerem recomendações que possam afectar os seus negócios.

O "Duopólio" ainda merece o rótulo, mas o seu domínio já não é inquestionável.

 

( *Alison Roberts é membro da AIEP – Associação de Imprensa  Estrangeira em Portugal, a cuja direcção já presidiu. O  texto que assina foi publicado originalmente no DN)  

Connosco
As “Histórias Proibidas” dos jornalistas assassinados voltam a ser lidas Ver galeria

Em Outubro de 2017, a jornalista Daphne Caruana Galizia, que investigava as ligações políticas perigosas da corrupção na ilha de Malta, foi morta num atentado à bomba. Hoje, uma equipa de 45 jornalistas, de 18 órgãos de comunicação de todo o mundo, está a trabalhar no Projecto Daphne, uma série de artigos que possam completar a sua investigação. Este projecto inscreve-se na missão de Forbidden Stories, cujo fundador, o realizador francês Laurent Richard, reafirmou em artigo recente em The Guardian: “Vocês mataram o mesageiro, mas não conseguirão matar a mensagem.”

Jornalismo de investigação é a melhor arma contra a propaganda Ver galeria

O combate à desinformação online tornou-se o tema incontornável de todos os encontros de jornalistas. Mas um dos painéis realizados na mais recente edição do Festival Internacional de Jornalismo, em Perugia, Itália, escutou intervenções que sugerem uma atitude menos confrontacional. A ideia é que resulta melhor investir num jornalismo de investigação no terreno, mesmo que tome mais tempo, do que tentar a batalha sempre perdida de aguentar o ritmo de produção das grandes máquinas de propaganda. Falaram neste sentido vozes experimentadas, de jornalistas como Galina Timchenko, russa, fundadora e directora do website Meduza, e Natalia Anteleva, georgiana, co-fundadora e editora de Coda Story.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Agenda
24
Abr
Social Media Week New York 2018
09:00 @ Sheraton Times Square, Nova Iorque
24
Abr
Social Media Strategies Summit Chicago 2018
22:00 @ Union League Club, Chicago
25
Abr
8º Congresso Nacional de "Periodismo Autónomo y Freelance: ‘La revolución audiovisual’"
09:00 @ Sala de Conferências da Faculdade de Ciências de Informação, Universidade de Madrid
28
Abr
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa