Segunda-feira, 22 de Outubro, 2018
Media

Libertar o jornalismo em 2018 da “tirania da gritaria” nas redes sociais

“Aquilo que sobressai no histórico das nossas redes sociais faz o mundo parecer um lugar dividido onde as pessoas se limitam a  gritar com todas as forças  - ou para apontar o mal daqueles com quem não estão de acordo, ou para aplaudir as acções daqueles com quem se identificam.” Mas não tem de ser assim, nem essa imagem corresponde aos factos, segundo Lam Thuy Vo, repórter na BuzzFeed News. Na realidade, uma minoria do público utente das redes sociais intervém ao vivo, com reacções primárias e extremas  - mas são estas que se multiplicam exponencialmente. Os utentes que querem pensar sobre o assunto não escrevem imediatamente  - logo, não são contados. A sua proposta é que 2018 seja, para os jornalistas, o ano em que se libertem e nos libertem a todos da “tirania da gritaria”.

Lam Thuy Vo e a equipa com que trabalha gravaram dois vídeos de uma conferência de Imprensa de Donald Trump, um divulgado na página de Facebook da Fox News, o outro na da Fusion. A montagem dos dois sugere que o mundo é um lugar de apoiantes exclusivos de Trump ou de fervorosos críticos de Trump. 

No entanto, uma verificação dos números de visionamento revela que as reacções que aparecem flutuando nos ecrãs, durante estes live streams, representam apenas uma fracção (entre dois a três por cento) dos que estavam ligados. 

“Portanto, 97% escolheram não reagir. Talvez se tenham sentido em conflito a respeito do conteúdo que viram. Talvez não lhe tenham dado valor suficiente para reagirem. Talvez tenham desejado pensar muito sobre as implicações do anúncio do Presidente, antes de expressarem qualquer sentimento a esse respeito. Não sabemos o que podem ter sentido, porque isso é algo que não podemos medir dentro dos parâmetros estabelecidos por seis simples botões e uma caixa de comentário.” 

“O que está a ser medido é a chacota, a raiva, o aplauso e a tristeza dos que falam alto, dos que sentiram a necessidade urgente de tocar para entrar. A rede social está optimizada para captar o envolvimento sobretudo pelos extremos, naquilo que se pode medir pelos nossos clicks, arrebatamentos e reacções emotivas online. E é esse envolvimento que vai alimentar o algoritmo que decide que tipo de informação vamos ver nas nossas páginas de histórico, não a inacção  - pensativa ou indiferente -  daqueles que não sentiram nesse live stream nada suficientemente forte para levantarem a voz.” 

“Mais do que isso, na Internet, a visibilidade gera mais visibilidade. A popularidade de um artigo não vai crescendo com o tempo, explode exponencialmente. E, num ambiente de informação cada vez mais distribuída, os meios noticiosos são obrigados a competir com os que fazem mais barulho.” (...) 

A autora pergunta de que modo podem os jornalistas re-apresentar o público à nuance, fazer com que factos saudavelmente complexos possam competir com os vêm cobertos de uma “aprazível política de identidade”: 

“Como é que se pode conduzir uma revolta contra esses ruidosos tiranos? 2018 precisa de ser o ano em que os jornalistas descobrem como. (...) Seja qual for o modo correcto, os jornalistas vão precisar de recuperar o acesso à atenção do público sem transformarem os seus conteúdos em clickbaits. Seria bem trazer de volta um discurso calmo e sóbrio aos debates de informação pública.”

 

O texto citado, na íntegra, no NiemanLab

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémio de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.

Editorial de Khashoggi defende liberdade de expressão no mundo árabe Ver galeria

O mundo árabe “encheu-se de esperança durante a Primavera de 2011; jornalistas, académicos e a população estavam cheios de entusiasmo por uma sociedade árabe livre nos seus países”, mas as expectativas foram frustradas e “estas sociedades voltaram ao antigo status quo, ou tiveram que enfrentar condições ainda mais duras do que tinham antes”.

É esta a reflexão do último editorial de Jamal Khashoggi, o jornalista saudita interrogado e morto no consulado do seu país em Istambul, segundo apontam cada vez mais as informações que vão chegando. A editora de opinião do jornal The Washington Post, do qual era colaborador regular há um ano, conta que recebeu o texto do seu tradutor e ajudante, um dia depois do desaparecimento. Foi decidido adiar a publicação, na esperança de que ele voltasse e a edição final fosse feita por ambos. Segundo Karen Attiah, o texto “capta na perfeição a sua dedicação e paixão pela liberdade no mundo árabe, uma liberdade pela qual, aparentemente, deu a sua vida”.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Volta e meia defrontamo-nos com a expressão “cord-cutting”, em referência à alteração de comportamentos nos espectadores de televisão. Que quer isto dizer? Muito simplesmente a expressão indica a decisão de deixar de ter um serviço de televisão paga por cabo, para passar a ver TV somente através de streaming – seja na Netflix, na Amazon ou numa das outras plataformas que começam a...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa