Quarta-feira, 24 de Abril, 2019
Evocação

Como nasceu no Brasil a reflexão crítica sobre o jornalismo

No final de 1964, o jornalista Alberto Dines foi fazer um curso de três meses na Columbia University, em Nova Iorque e, entre outros jornais, esteve no New York Times. Uma das coisas que o marcaram ali foi “um mural enorme feito pela redacção, que se chamava Winners and Sinners. Vencedores e pecadores. O mural apresentava comentários sobre matérias publicadas pelo jornal, erros, críticas...” Quando voltou para o Jornal do Brasil, a direcção incentivou-o a preparar algo de inovador, que “não poderia ser um mural, mas deveria ir na mesma direcção”. Foi assim que nasceram os Cadernos de Jornalismo, para difusão interna entre os próprios jornalistas da casa, “a fim de discutir a profissão”. De acordo com Dines, “deveriam ser uma adaptação do media criticism do jornalismo americano, uma forma de discutir o pensamento jornalístico brasileiro”.

É este o tema do primeiro de um grupo de artigos da mais recente edição da Revista de Jornalismo ESPM  - Edição Brasileira da Columbia Journalism Review, agora publicada no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria. Nesse trabalho, a socióloga e pesquisadora Alzira Alves de Abreu conta a história de uma “publicação que inspirou inúmeros projectos na área, numa espécie de linha sucessória, os Cadernos de Jornalismo e Comunicação do Jornal do Brasil, criados por Alberto Dines na esteira da reforma do JB nos anos 1960”. 

No texto de apresentação da primeira edição, Dines afirmava: “Este não é o jornal do jornal. É apenas um tímido ensaio de um jornal para jornalistas. Será isso possível? Será isso por demais pretensioso? Não conseguimos manusear com tanta habilidade a atenção e o interesse de centenas de milhares de leitores, não conseguiremos manobrar com os meandros da curiosidade dos jornalistas? Jornalista não é leitor? Se não é leitor, como conhece os seus segredos?” (nº 1, maio de 1965, p. 1). 

E, mais adiante: “Como cumprir a função educativa e de difusão cultural se ao próprio jornalista não forem fornecidas oportunidades para o seu aprimoramento? Esta é a motivação número 1 desta publicação, ainda que a meta seja grande demais para um grupo de jornalistas isolados alcançar” (p. 7). “Ainda indicava que, embora o Jornal do Brasil tivesse facilitado recursos para a edição dos Cadernos, estes eram considerados um órgão à parte da empresa, não eram parte da edição diária, nem estavam sob a intervenção do colegiado de editorialistas.” (...) 

“No primeiro trimestre de 1968 foi feito um acordo com uma rede de livrarias, a Entrelivros, para vender os Cadernos de Jornalismo, a fim de atingir um público mais amplo, além dos jornalistas, como educadores, publicitários e sociólogos. Ainda em 1968, os Cadernos passaram a publicar o resumo de um livro que discutisse a comunicação e que poderia ser utilizado pelos estudantes de jornalismo. Ao serem vendidos em livrarias, bancas de jornais ou por assinatura, passaram a ter um espaço dedicado à publicidade, o que produzia lucro.” (...) 

A partir da sexta edição, já com o título completo de Cadernos de Jornalismo e Comunicação, “a publicação ampliou os seus objectivos. Estava voltada agora para um público mais amplo, e os temas não se limitavam a discutir a Imprensa, podiam abranger problemas contemporâneos de várias perspectivas e discutir as práticas profissionais do jornalismo. Artigos sobre educação e comunicação, escritos por especialistas brasileiros e estrangeiros, passaram a ser uma constante nos Cadernos. No número 10, de Maio de 1968, além do artigo de Dines sobre educação e comunicação, encontram-se textos sobre o futuro do ensino, um deles escrito por John I. Goodlad, da Universidade da Califórnia”. 

“Encontram-se, ainda, artigos de sociólogos, como o francês Edgar Morin, que publicou A Entrevista nas Ciências Sociais no Rádio e na Televisão (nº 11, Junho de 1968); um texto da filósofa alemã Hannah Arendt, Entre o Passado e o Futuro (nº 12, Julho de 1968); um artigo do filósofo espanhol José Ortega y Gasset, A Juventude e a Rebelião das Massas (nº 12, Julho de 1968); e de muitos outros especialistas que escreviam sobre diferentes temas. A tiragem chegou a ser um pouco superior a três mil exemplares. Foi a primeira publicação no Brasil que se dedicou a abordar a crítica sobre os media.” (...) 

“Os Cadernos de Jornalismo abriram caminho para outras experiências feitas por Dines, como a coluna Jornal dos Jornais, na Folha de S.Paulo, na qual fazia críticas aos media no período da ditadura militar, e o Observatório da Imprensa, em que passou a discutir o desempenho dos meios de comunicação de massa. O Observatório tem um programa semanal na TV Educativa do Rio de Janeiro e um site na internet, em que jornalistas, críticos dos media, professores e estudantes de comunicação debatem o papel e a responsabilidade dos media.” (...) 

 

O trabalho de Alzira Alves de Abreu, na íntegra, no Observatório da Imprensa

Connosco
Os sete elementos decisivos para os leitores confiarem nos Media Ver galeria

Sete elementos fundamentais foram identificados como decisivos na confiança que os leitores depositam num meio de comunicação  - e os três primeiros, votados a grande distância de todos os outros, são o equilíbrio, a honestidade e a profundidade de tratamento dos temas.

Esta recolha foi elaborada a partir de um inquérito realizado por vários media associados à TrustingNews.org, na forma de 81 entrevistas pessoais com leitores escolhidos como representantes de diversos pontos de vista.

Rob Jones, um estudante na Escola de Jornalismo do Missouri, pesquisou os temas mais presentes em todas as respostas e organizou-os no estudo agora divulgado pelo Instituto Reynolds de Jornalismo. A informação é publicada na Red Ética, da FNPI – Fundación para el Nuevo Periodismo Iberoamericano.
Quando o jornalismo procura o passado para ler o futuro Ver galeria

O futuro que foi imaginado pela literatura do passado nem sempre coincide com o que vemos hoje. Tanto pelo seu lado mais luminoso, como pelo mais sombrio, podemos reencontrar “imagens das histórias utópicas ou distópicas já contadas”.
Mas, “em tempos de esperança reduzida, em que pouco se vê além da poeira levantada pela vida agitada deste momento, as distopias têm voltado a ser mais lembradas”.

É esta a reflexão inicial de Vanessa Pedro, docente de jornalismo e pesquisadora do ObjEthos, num artigo sobre este gosto presente pelos zombies, “as histórias dos mortos-vivos, que nem se vão nos deixando em paz e nem voltam mesmo à vida como um milagre que poderia trazer esperanças de renovação”.

Neste tipo de leitura  - como acrescenta -  “o passado acaba sendo um ideal mais interessante e feliz do que o futuro”:

“E aí vemos diversos agendamentos, inclusive como pauta do Jornalismo e da sociedade de forma geral. O período da ditadura militar brasileira passa a ser idolatrado, defendido e desejado, quase festejado. (...)  Até as décadas que antecedem e sucedem a Segunda Guerra Mundial entraram na disputa, têm sido citadas, defendidas, atacadas, recontadas para serem usadas como narrativas de um mundo ideal, ou ideal para ser repelido.” (...)

No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Assange e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O caso Assange dura há quase sete anos. Agora, com a sua expulsão da embaixada do Equador em Londres e consequente prisão pela polícia britânica, o caso entrou numa nova fase. É possível que Assange venha a ser extraditado para os Estados Unidos (o que ele não quer) ou para a Suécia (o que ele agora prefere, embora tenha recusado essa possibilidade há sete anos).  Também se fala muito da mudança do poder...
Muitos responsáveis pela comunicação e marketing de várias marcas defrontam-se quotidianamente com um dilema: será que ainda vale a pena fazer publicidade em televisão? O investimento ainda compensa? A dúvida é legítima – mas antes de mais nada é preciso definir bem o objectivo e o alvo da campanha. Uma coisa é anunciar para jovens urbanos até aos 25 anos, outra é para responsáveis de compras...
A realidade choca. Um trabalho de investigação jornalística, publicado no Expresso,  apurou que Portugal tem 95 políticos a comentar nos media. É algo absolutamente inédito em qualquer parte do mundo, da Europa aos EUA. Nalguma coisa teríamos de ser inovadores, infelizmente, da pior maneira. É um “assalto”, que condiciona a opinião pública e constitui um simulacro de pluralismo, já que  o elenco...
Augusto Cid, uma obra quase monumental
António Gomes de Almeida
Com o falecimento de Augusto Cid, desaparece um dos mais conhecidos desenhadores de Humor portugueses, com uma obra que pode considerar-se quase monumental. Desenhou milhares de cartoons, fez livros, e até teve a suprema honra de ver parte da sua obra apreendida – depois do 25 de Abril (!) – e tornou-se conhecido, entre outras, por estas duas razões: pelas piadas sibilinas lançadas contra o general Ramalho Eanes, e por fazer parte do combativo grupo das...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Agenda
25
Abr
Social Media Camp
09:00 @ Victoria, Canada
27
Abr
30
Abr
Social Media Week: New York
09:00 @ Nova Iorque, EUA
02
Mai
SEO para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
03
Mai
V Congresso Literacia, Media e Cidadania
09:00 @ Aveiro, Portugal