Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Media

Os Media têm de provar que são credíveis

Mais de metade dos norte-americanos continua a não confiar nos jornalistas, segundo um recente inquérito do Poynter Institute sobre a a credibilidade dos media. E Marty Baron, hoje director de The Washington Post, acrescenta que 25% ainda acreditam que Barack Obama não nasceu em território dos Estados Unidos e é um muçulmano. A sua proposta é que vamos ter de fazer mais pedagogia, explicar ao público como elaboramos o jornalismo que lhe damos a ler  - e que vai levar muito tempo, mas que será compensado a longo prazo. A sua intervenção deu-se durante a primeira Cimeira sobre Ética Jornalística organizada pelo Poynter Institute, com o mais explícito dos títulos possíveis  -  The Press and the President: Trust and Media in a New Era. Parte dela pode ver-se (e ouvir-se) neste vídeo.

A jornalista Indira Lakshmanan, hoje no Boston Globe, e docente responsável pela Ética Jornalística no Poynter Institute, dirigu a entrevista que lhe foi feita durante a Cimeira, e que aqui citamos. 

Marty Baron defendeu que temos de “temos de levantar a cortina sobre o nosso processo de fazer reportagem, verificação de factos e análise de fontes”, como passo indispensável para recuperar “a confiança no papel vital que o jornalismo tem para a democracia”. 

Entre outras coisas que podem fazer as redacções, Baron inclui anotar as reportagens e pôr os links para os documentos originais, incluindo áudio e vídeo; ter a certeza de que fazemos a cobertura de comunidades marginalizadas que podem ficar de fora dos grandes mercados dos media; compor redacções com pessoas de diferentes proveniências, e identificar o que é notícia, opinião e análise, para que os leitores compreendam a diferença. 

“Eu acho que temos de pensar a longo prazo”  - afirmou. “O que importa é que o trabalho seja bom, seja sólido, seja elaborado de modo correcto, honesto e honroso, e assim será válido  - acredito que será validado [reconhecido, confirmado] a longo prazo.” (...) 

A respeito dos ataques partidários contra os media, Marty Baron reconhece que o ambiente nos EUA, neste momento, faz com que, “se não estivermos a cem por cento de um determinado lado, então não estamos de todo, somos considerados contra”. 

Mesmo dentro do Partido Republicano, “se alguém não estiver a cem por cento por Trump, é considerado como anti-Trump, um não verdadeiro conservador, ou não verdadeiro Republicano, seja o que for que estes termos signifiquem actualmente”. (...) 

Defendeu que temos de fazer tudo para conseguir que a população se torne “mais educada a respeito do seu consumo de notícias”:

“Temos que fazer mais programas de literacia do jornalismo, ajudar a desenvolver mais pensamento crítico, mais discernimento entre os consumidores de notícias. É um processo a longo prazo, e vai levar muito tempo.” (...) 

Interrogado sobre se acha que a “verificação de factos” funciona: 

“Não acho que seja inútil... só porque uma parte da população não acredite nela. O nosso trabalho é procurar chegar à verdade, procurar reunir os factos e colocá-los no seu contexto. É isso que fazemos com o Fact Checker, e é o que fazemos com o resto da nossa reportagem. Em último caso, cabe aos membros do público decidirem se vão acreditar nisso ou não. (...) Algumas pessoas só vão acreditar no que querem acreditar.” (...) 

Sobre o sustento económico do jornalismo:

“Acho que as pessoas estão a compreender que, se querem jornalismo de qualidade, precisam de pagar por ele... Isto é verdade ao nível nacional e ainda mais ao nível local e regional, onde passei a maior parte da minha carreira.” 

"[Esses meios] oferecem algo de único, verdadeiramente único, que mais ninguém vai fazer a cobertura das suas comunidades do modo como eles fazem, e eu acho que tem de ser explicado às pessoas, nessas comunidades, que vão ter de pagar por ele. E nem é assim tão caro."

 

A entrevista com Marty Baron, na íntegra, no Poynter.org

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia