Segunda-feira, 22 de Outubro, 2018
Fórum

O público alvo das redes sociais começa agora aos seis anos

As crianças são agora o público alvo das grandes empresas tecnológicas. O Facebook acaba de lançar uma versão, destinada aos menores entre os seis e os doze anos, da sua plataforma de mensagens Messenger. A sua concorrente principal, Google, já tinha chegado primeiro, há dois anos, suscitando várias polémicas. Estes novos serviços chamam-se, respectivamente, Messenger Kids e YouTube Kids, e procuram instalar-se “neste mercado ainda pouco explorado pelos gigantes de Silicon Valley, nomedamente por causa de uma regulação mais restrita”.

De momento. Messenger Kids só está disponível nos Estados Unidos, no sistema iOS da Apple. A aplicação permite debater com os amigos e partilhar fotos e vídeos. A empresa promete que não será possível partilhar “conteúdos violentos ou de carácter sexual”. Assegura também ter seleccionado manualmente a biblioteca de imagens GIF “para evitar animações menos adequadas”. 

Segundo Le Monde, que aqui citamos:

“A aplicação distingue-se também pelo seu processo de inscrição: uma nova conta só pode ser criada por um adulto já inscrito no Facebook. A Messenger Kids ‘confere mais controlo aos pais’, como explica o responsável pelo produto, Loren Cheng. As crianças não podem, por exemplo, acrescentar contactos ou aceitar pedidos externos. Terão de ser os pais a fazê-lo. Mas estes não poderão ler, à distância, as conversas dos seus filhos.” (...) 

“A aplicação suscita polémica desde o lançamento. ‘Por que devem os pais confiar que o Facebook vai agir no interesse dos seus filhos?’  - interroga-se Jim Steyer, director da organização Common Sense Media? ‘Não é possível saber o que eles vão fazer mais tarde com os dados que recolhem’  - acrescenta Kristen Strader, do think tank Public Citizen. No dia 7 de Dezembro, dois senadores democratas enviaram uma mensagem à empresa para lhe darem conta das suas preocupações e pedirem mais pormenores.” 

Quanto à YouTube Kids, da Google, tem sido objecto de queixas apresentadas à Federal Trade Commission, a agência federal responsável pelas questões do consumo: “Há associações que a criticam, nomeadamente por ter difundido vídeos criados pela McDonalds ou a Coca-Cola, sem os apresentar claramento como publicidade.” (...) 

“O potencial é imenso, agora que as audiências das cadeias de televisão especializadas estão em grande recuo. Mais de 40% por jovens dos sete aos doze anos, nos Estados Unidos, vêem vários vídeos todos os dias na plataforma da Google. Em Agosto, ela assinou um contrato com a Mattel, fabricante de brinquedos, por dezenas de milhões de dólares.” (...)

 

Mais informação em Le Monde  e OpenSolutions, que cita a Exame Informática

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémio de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".

Editorial de Khashoggi defende liberdade de expressão no mundo árabe Ver galeria

O mundo árabe “encheu-se de esperança durante a Primavera de 2011; jornalistas, académicos e a população estavam cheios de entusiasmo por uma sociedade árabe livre nos seus países”, mas as expectativas foram frustradas e “estas sociedades voltaram ao antigo status quo, ou tiveram que enfrentar condições ainda mais duras do que tinham antes”.

É esta a reflexão do último editorial de Jamal Khashoggi, o jornalista saudita interrogado e morto no consulado do seu país em Istambul, segundo apontam cada vez mais as informações que vão chegando. A editora de opinião do jornal The Washington Post, do qual era colaborador regular há um ano, conta que recebeu o texto do seu tradutor e ajudante, um dia depois do desaparecimento. Foi decidido adiar a publicação, na esperança de que ele voltasse e a edição final fosse feita por ambos. Segundo Karen Attiah, o texto “capta na perfeição a sua dedicação e paixão pela liberdade no mundo árabe, uma liberdade pela qual, aparentemente, deu a sua vida”.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Volta e meia defrontamo-nos com a expressão “cord-cutting”, em referência à alteração de comportamentos nos espectadores de televisão. Que quer isto dizer? Muito simplesmente a expressão indica a decisão de deixar de ter um serviço de televisão paga por cabo, para passar a ver TV somente através de streaming – seja na Netflix, na Amazon ou numa das outras plataformas que começam a...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa