null, 26 de Maio, 2019
Estudo

Relatório sobre Pluralismo dos Media propõe regulador único em Portugal

Portugal está bem situado em relação aos quatro factores de risco tidos em conta no Relatório sobre Pluralismo dos Media, referente ao ano de 2016, apresentado na Assembleia da República, num Colóquio Internacional promovido pela Comissão Parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto. O nosso País está no nível verde, o de mais baixo risco, tanto na Protecção Básica, como na Pluralidade do Mercado, como na Independência Política; só está no amarelo (risco médio) no que se refere à Inclusão Social. No entanto, entre os vários subtemas incluídos na Pluralidade do Mercado, Portugal aparece no vermelho no que se refere à concentração horizontal da propriedade dos Media.

No Relatório, intitulado Media Pluralism Monitor 2016, participou uma equipa da Universidade Nova de Lisboa – FCSH. Coordenado pelo Prof. Pier Luigi Parcu, do Instituto Europeu de Florença e, em Portugal, pelo Prof. Francisco Rui Cádima, este estudo analisou os 28 estados membros da União Europeia e ainda dois países candidatos à adesão à UE – Montenegro e Turquia. As conclusões apontam para ameaças ao pluralismo dos media em todos estes 30 países. 

Fica claro, desde as primeiras páginas do Media Pluralism Monitor, que, nesse ponto da Pluralidade do Mercado, “dois países, a Bulgária e o Luxemburgo, ficaram na marca de alto risco, e só três, a Alemanha, França e Portugal, na de baixo risco. De modo geral, os indicadores da Pluralidade do Mercado revelam os mais elevados níveis de risco entre todas as quatro áreas definidas pelo Monitor. A concentração horizontal da Pluralidade dos Media é o único indicador do MPM2016 que se mantém sempre na faixa do alto risco, sem qualquer país na faixa do baixo risco a este respeito”. (...) 

Na área da Inclusão Social, Portugal partilha o médio risco com dois terços (21) dos países avaliados, só estando no baixo risco a Bélgica, Dinamarca, França, Holanda, Suécia e Reino Unido. 

Da componente portuguesa do Relatório, redigida por uma equipa da Universidade Nova, coordenada pelo Prof. Francisco Rui Cádima, citamos:

 

“No que se refere aos media, Portugal sempre teve uma das mais baixas taxas de leitura de jornais na Europa. Apenas 26% dos adultos lê jornais diariamente. A televisão continua a ser o media mais popular, mas a maioria dos espectadores acede aos principais canais de televisão através da TV por cabo. A TDT (Televisão Digital Terrestre) tem um sistema de distribuição residual no contexto da radiodifusão apesar da sua taxa de cobertura de 100% (terrestre + satélite). A taxa de penetração da TDT em Portugal (televisores), ao contrário do que acontece nos outros países europeus, é de apenas 23,4% em 2016.” (…)

 

Nas conclusões, sugere-se a opção por um único regulador para os media em Portugal:

 

“Há duas questões principais nesta área: uma forte necessidade de monitorizar uma potencial perda da autonomia dos jornalistas em relação aos grupos de interesse e ao sistema económico; e o crescente impacto dos intermediários digitais sobre o acesso dos cidadãos à informação. É também importante consolidar a TDT em Portugal, melhorando a oferta de canais, actualmente limitada a apenas sete canais. Promover legislação sobre a ‘neutralidade da rede’ deve ser também uma prioridade.” 

“Quanto à Pluralidade do Mercado, a situação de Portugal é globalmente positiva e não suscita grandes preocupações. No entanto, para resolver os potenciais problemas de concentração cruzada dos meios de comunicação (tais como o abuso de posição no mercado), os agentes políticos portugueses devem trabalhar no sentido de aprovarem uma lei consensual neste domínio. Os actuais níveis elevados de concentração horizontal são aceitáveis, considerando os escassos recursos e o pequeno tamanho do mercado de media português. No entanto, para evitar potenciais problemas, as autoridades reguladoras (AC e ERC) devem monitorizar cuidadosamente o comportamento dos operadores do mercado (por exemplo, em termos de transparência da propriedade).” (…) 

“Finalmente, pensamos que é importante introduzir um debate aprofundado com todas as partes interessadas  - meios de comunicação, reguladores, academia, etc., sobre a questão da regulação no sector dos meios de comunicação social. Num mercado pequeno como o português, quer pela questão da Internet, quer por questões relacionadas com a proximidade comercial entre operadores de telecomunicações e meios de comunicação social, a opção por um único regulador para as comunicações e os meios de comunicação social pode ser justificável na nossa opinião.”

 

Da parte do Relatório sobre a Turquia, citamos: 

“Nos últimos anos houve uma séria deterioração da liberdade de Imprensa na Turquia e a repressão dos media piorou depois da falhada tentativa de golpe de Julho de 2016. Cerca de 179 meios de comunicação, na sua maioria Curdos ou pró-Curdos, foram encerrados pelo decreto-lei nº 668. Este decreto autoriza o governo a fechar estações de rádio e TV na base de alegadas relações com organizações terroristas ou ameaças à segurança nacional, sem o mandato de um tribunal. Além disso, a propriedade dos media pode ser confiscada pelo Estado.” 

“Segundo números de Abril de 2017, há 157 jornalistas detidos, e 778 carteiras profissionais e os passaportes de 46 jornalistas foram cancelados pelo governo. Dezenas de milhares de sites foram bloqueados pela autoridade das telecomunicações. A crítica e as actividades jornalísticas podem ser criminalizadas por uma interpretação muito lata do Código Penal e da Lei Anti-Terrorismo. A solidariedade horizontal entre os jornalistas é muito fraca, e a adesão sindical de cerca de 3%. Deste modo, as associações profissionais e sindicais são ineficazes para garantir a independência editorial. A auto-censura é a norma nos media, devido à dependência do governo e aos interesses mútuos entre eles.” (…)

 

O Media Pluralism Monitor foi desenvolvido no Centro para o Pluralismo nos Media e a Liberdade dos Media (CMPF), no European University Institute, sendo um projecto co-fundado pela União Europeia.

 

Mais informação na Associação Portuguesa de Imprensa, que inclui os links para o programa do Colóquio e o acesso ao texto do Relatório MPM 2016. Os gráficos dos resultados nas quatro áreas referidas.

 

Connosco
Prémios Europeus de Jornalismo privilegiam grandes reportagens Ver galeria

Foram designados os vencedores do European Press Prize, que contempla, desde 2013, os melhores trabalhos do jornalismo europeu, como uma espécie de equivalente europeu do famoso Prémio Pulitzer nos EUA. A cerimónia de atribuição, realizada na sede do diário Gazeta Wyborcza, em Varsóvia, nomeou cinco meios de comunicação e a rede de jornalistas  Forbidden Stories, que prossegue e procura concluir as reportagens de investigação de profissionais que deram a vida por elas.

Os jornais onde foram publicados os trabalhos premiados são a Der Spiegel, o El País Semanal e o Süddeutsche Zeitung Magazin, The Guardian e o site de jornalismo de investigação Bellingcat, no Reino Unido. O júri, que examinou centenas de trabalhos vindos de toda a Europa, era constituído po Sir Harold Evans, da Reuters, Sylvie Kauffmann, de Le Monde, Jorgen Ejbol, do Jyllands-Posten, Yevgenia Albats, de The New Times, e Alexandra Föderl-Schmidt, do Süddeutsche Zeitung.

Crise actual do jornalismo é "diferente de todas as que já teve" Ver galeria

O jornalismo “já não é mais o que era antigamente, e as pessoas e as sociedades relacionam-se hoje de forma distinta, muitas vezes abrindo mão do jornalismo para isso”. Em consequência, o jornalismo “está numa crise diferente de todas as que já teve: não é só financeira, mas política, ética, de credibilidade, de governança”.

“Mas é importante ter em mente que não se pode resolver um problema tão complexo assim com uma bala de prata, com uma tacada perfeita. A crise afecta profissionais, públicos e organizações de forma distinta, inclusive porque tem escalas distintas. Um pequeno jornal do interior é afectado pela crise de um modo e não pode responder a ela como um New York Times. A crise é frenética, dinâmica e complexa. Enfrentá-la é urgente.”

Esta reflexão é de Rogério Christofoletti , docente de jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina, que sintetiza o seu pensamento sobre esta matéria num livro acabado de lançar  - “A crise do jornalismo tem solução?” -  e responde a uma entrevista no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
A celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa  constitui o pretexto e o convite para uma reflexão que não nos exclui. Com os jornais em contínua degradação de vendas em banca, obrigando  já a soluções extremas  - como se verificou com o centenário  “Diário de Noticias”, que passou a ser semanário, embora sem inverter o plano inclinado -,  a apatia...
A Google trouxe a Lisboa Mark Howe, um veterano da publicidade no Reino Unido. Actualmente responsável da Google pela relação com as agências de meios na Europa, Mark Howe contou uma história que mostra bem a importância de as marcas comunicarem de forma continuada – mesmo que o objectivo não seja as vendas imediatamente. A situação passou-se no Reino Unido e nos EUA durante a II Grande Guerra. Por iniciativa dos governos foi...
Agenda
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun
14
Jun
21
Jun
Social Media Day: Halifax
09:00 @ Halifax, Nova Escócia, Canadá