Segunda-feira, 22 de Outubro, 2018
Estudo

A morte anunciada da televisão foi manifestamente exagerada...

Já se fizeram muitos “diagnósticos” (e alguns “prognósticos”) à televisão. Um dos mais recentes é que estava moribunda. Mas este seu fim anunciado é ele próprio “um mito gasto”. O êxito actual das novas séries é um bom exemplo: seria paradoxal anunciar a morte da televisão “no preciso momento em que as suas produções conquistam uma legitimidade cultural que ela procurou durante meio século”. Vistas as coisas em perspectiva histórica, o “discurso de denúncia” contra a televisão já foi usado “contra o romance em folhetins, a BD, o cinema e a leitura (que, como nota o historiador Roger Chartier, perde o seu estatuto sedicioso sob a ameaça da televisão, para se tornar no final do séc. XX o refúgio da cultura)”. Uma reflexão que continua, a propósito do próximo lançamento, em Paris, do livro Sociologie de la télévision.

A obra é de dois docentes de ciência política, Brigitte Le Grignou e Erik Neveu, e vai ser apresentada numa próxima “Quinta-feira do Acrimed”, a de 7 de Dezembro. O texto que citamos, do site deste Observatório dos Media em França, recolhe estractos de dois parágrafos que servem para “abrir o apetite” aos estudiosos ou leitores mais interessados por esta temática. 

“Se o tempo passado diante do televisor vai baixando ligeiramente desde a década de 2010, este meio de comunicação, descrito como estando em fase terminal, mobiliza ainda, em média, cerca de quatro horas de atenção por dia, em França  - sem falar da televisão vista noutros ecrãs. Um belo boletim de saúde para uma moribunda!” (...) 

Quando se diz que “toda a gente fala dela”, trata-se em primeiro lugar dos profissionais da televisão, que naturalmente fazem ouvir a sua voz, e cujas contribuições “oferecem uma versão pouco crítica, muitas vezes encantada ou heróica, do seu trabalho”. É o caso do “papel central dos jornalistas políticos em tempo de campanha, onde a eleição ‘se faz’ nos estúdios”. (...)

“Desde a sua aparição nos lares americanos, nos anos de 1950, a televisão foi objecto de uma quantidade de discursos proféticos, promocionais ou de denúncia, sobre os seus supostos benefícios para a harmonia familiar ou os seus perigos para a saúde.” (...) 

Houve, mais tarde, livros inteiros sobre a sua influência nefasta para a democracia e a reflexão, por vezes com regresso a raciocínios pobres, usando analogias vagas, como a do “sistema romano do pão e circo”, ou a “redução a comportamentos reflexos dos nossos aparelhos cerebrais e dos nossos sistemas nervosos esgotados”. (...) 

O texto de apresentação deste livro, que citamos do Acrimed, conclui: 

“Nota-se deste modo que os intelectuais dos media, ocupantes quase permanentes dos estúdios de televisão, são pouco críticos  - a menos que seja para se queixarem de já não serem mais vezes convidados -  de um meio que é a condição da sua existência. Os discursos de denúncia encontram, assim, mais reflexo na Imprensa escrita, nos debates radiofónicos, ou em redes intelectuais ligadas ao mundo da escola, onde se defende uma ‘televisão pedagógica’ contra a da estupidez ou da vulgaridade.” (...) 

 

O texto na íntegra, no site de Acrimed, que publica também uma recensão mais desenvolvida do livro apresentado

Connosco
Jornalista e historiador de Macau vencem Prémio de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia Ver galeria

O Júri dos Prémios de Jornalismo e Ensaio da Lusofonia, instituídos pelo Jornal Tribuna de Macau, em parceria com o Clube Português de Imprensa, escolheu, por unanimidade, na primeira categoria, o trabalho "Ler sem limites", da jornalista Catarina Brites Soares, publicado no semanário Plataforma, em Macau.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o original do historiador António Aresta, de Macau, intitulado "Miguel Torga: um poeta português em Macau".
A Acta do Júri destaca, no primeiro caso, que Catarina Brito Soares  consegue desenhar com o seu texto “uma panorâmica das leituras mais frequentes em Macau, com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora da RAEM”.

Editorial de Khashoggi defende liberdade de expressão no mundo árabe Ver galeria

O mundo árabe “encheu-se de esperança durante a Primavera de 2011; jornalistas, académicos e a população estavam cheios de entusiasmo por uma sociedade árabe livre nos seus países”, mas as expectativas foram frustradas e “estas sociedades voltaram ao antigo status quo, ou tiveram que enfrentar condições ainda mais duras do que tinham antes”.

É esta a reflexão do último editorial de Jamal Khashoggi, o jornalista saudita interrogado e morto no consulado do seu país em Istambul, segundo apontam cada vez mais as informações que vão chegando. A editora de opinião do jornal The Washington Post, do qual era colaborador regular há um ano, conta que recebeu o texto do seu tradutor e ajudante, um dia depois do desaparecimento. Foi decidido adiar a publicação, na esperança de que ele voltasse e a edição final fosse feita por ambos. Segundo Karen Attiah, o texto “capta na perfeição a sua dedicação e paixão pela liberdade no mundo árabe, uma liberdade pela qual, aparentemente, deu a sua vida”.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
Volta e meia defrontamo-nos com a expressão “cord-cutting”, em referência à alteração de comportamentos nos espectadores de televisão. Que quer isto dizer? Muito simplesmente a expressão indica a decisão de deixar de ter um serviço de televisão paga por cabo, para passar a ver TV somente através de streaming – seja na Netflix, na Amazon ou numa das outras plataformas que começam a...

Na edição de 15 de Setembro o Expresso inseria como manchete, ao alto da primeira página, o seguinte titulo: “Acordo à vista para manter a PGR”. Como se viu, o semanário, habitualmente tido por bem informado, falhou redondamente.

Seria de esperar, em tal contexto, que se retratasse na edição seguiste. E fê-lo, ao publicar uma nota editorial a que chamou “O Expresso errou”.

Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
24
Out
Medientage München
09:00 @ Munique, Alemanha
25
Out
Perspetivas do Fotorjonalismo em Portugal
18:00 @ Casa da imprensa, Lisboa
07
Nov
newsrewired
09:00 @ Londres, UK
10
Nov
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa