Quarta-feira, 22 de Agosto, 2018
Estudo

Dinheiro do Facebook cria dependências às empresas jornalísticas

O Facebook ganhou, e as empresas noticiosas francesas tornaram-se “triplamente dependentes: de expandirem a sua audiência de graça, do uso das ferramentas de produção e distribuição daquela rede social, e de ganharem um rendimento adicional”. Mas vem aí a “ressaca”. O Facebook vai cobrar às empresas que ficaram mais “agarradas” aos likes e ao tráfego que gerou para os seus sites. “Todos os dias, as equipas editoriais estão a trabalhar em força para produzirem conteúdos especificamente destinados àquela plataforma.” A reflexão é de Nicolas Becquet, num estudo publicado no European Journalism Observatory.

Como explica o autor, tudo começou de modo inocente, com a procura dos likes, mas o dealer das audiências soube fazer o seu trabalho. Aos poucos, os editores foram firmando com a plataforma um pacto parecido com um casamento de conveniência: “O dote da noiva vinha com dois milhares de milhões de utentes. O noivo pelintra não podia pedir melhor.” (...) 

“Que repercussões terá esta servidão voluntária para o trabalho diário das redacções, grandes ou pequenas? Quais serão as consequências para as equipas que trabalham para encher as fontes noticiosas do Facebook, especialmente com o vídeo, live e a pedido?” 

“E, acima de tudo, como é que a rede social conseguiu convencer tantos sites noticiosos, no limite das capacidades financeiras, a trabalharem para a sua plataforma?” (...) 

Nicolas Becquet conta então  - num artigo cuja extensão e pormenor exigem uma leitura na íntegra, pela importância do processo que é descrito -  que o Facebook, na prática, está a seduzir jornais de todo o mundo com uma oferta que, uma vez contratada, não podem recusar. 

Mark Zuckerberg criou uma “equipa de sonho” de pesos-pesados noticiosos dos EUA, que inclui The New York Times, a CNN, The Huffington Post, Vox, Mashable e até Condé Nast, que recebem determinada soma para produzirem quantidades enormes de conteúdo de alto valor para a plataforma, incluindo vídeo, Facebook Live, 360 e Instant Articles. “São pagos para inundarem as fontes noticiosas com conteúdos originais, que deverão depois convencer todas as outras editoras a seguirem o exemplo.” (...) 

“A estratégia foi eficaz. Os sites contratados são grandes nomes, e isso, combinado com os poderosos algoritmos, ajudou a tornar os novos formatos a norma em todo o mundo, em menos de um ano.” 

Em França, segundo o autor, a TF1, Le Figaro, Le Parisien e os títulos do grupo Le Monde encontram-se entre os que foram pagos para produzirem conteúdos de vídeo para o Facebook

O preço a pagar é um cumprimento rigoroso dos formatos projectados e decididos na grande empresa patrocinadora. Mas esta dependência tem consequências também sobre os departamentos de publicidade das pequenas empresas, que não podem competir com as “malas cheias de dinheiro” de um gigante como o Facebook

Nicolas Becquet ouve os argumentos (e as queixas) de vários dos envolvidos nesta aventura e sublinha, principalmente, que está a instalar-se um “ecossistema a duas velocidades”, com as pequenas empresas noticiosas a perderem a corrida e a possibilidade de manterem a audiência específica dos seus assinantes conhecidos. 

E conclui: 

“Os media franceses têm feito soar regularmente os alarmes sobre a perda de independência perante os accionistas industriais bilionários. No entanto, os mesmos media têm permitido a instalação de uma ameaça que é igualmente tóxica para o futuro dos seus sites e da própria democracia  - a ameaça do soft power, do dinheiro e do ecossistema das GAFA (Google, Amazon, Facebook e Apple). 


O artigo na íntegra, no European Journalism Observatory

Connosco
A crise de identidade nos jornais de prestígio e a “anarquia digital” Ver galeria

As datas são recentes, mas a história que contam parece comprida, tem capítulos uns atrás dos outros. O efeito da revolução digital sobre o jornal impresso está sempre a ser revisto e avaliado, como nos filmes de ficção científica em que o herói vai ao passado para tentar “corrigir” a História.
“O marco da anarquia digital é 1996, ninguém previu o novo ciclo e ele se inicia para implantar o caos e desorganizar a segurança conservadora, principalmente dos grandes grupos de comunicação.”

A reflexão é do jornalista Luís Sérgio Santos, docente de Desenho Editorial na Universidade Federal do Ceará, e o seu texto multiplica termos como “ameaça”, “abismo”, “conflito”, “incerteza”. Mas trata-se apenas de uma abordagem à “crise de identidade dos jornais de prestígio”  - título que escolheu para este artigo, publicado no Observatório da Imprensa do Brasil.

O perigo de instrumentalizar a Rede para uma "guerra digital" Ver galeria

A relação entre os poderes instituídos e o novo poder das redes sociais passou por diversas fases. Houve um tempo em que alguns governos temeram a voz do povo na Internet, e fenómenos como as Primaveras Árabes, que derrubaram regimes instalados, levaram ao bloqueio destas plataformas. “Mas agora muitos governos descobriram que é mais útil intoxicar nas redes sociais do que proibi-las. E os trolls encarregam-se do resto.”

É esta a reflexão inicial do jornalista e empreendedor no meio digital Miguel Ossorio Vega, que faz uma síntese do ocorrido neste terreno nos últimos anos, chamando a atenção para o que considera serem os maiores perigos da ciberguerra em curso.

O Clube
O CPI – Clube Português de Imprensa voltou a participar no Prémio  Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura,  em cooperação com a Europa Nostra, a principal organização europeia de defesa do património,  que o CNC representa em Portugal.   O Prémio foi atribuído, este ano,  à...

ver mais >
Opinião
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
É inegável a importância da tomada de posição conjunta de 350 jornais americanos que, respondendo a um apelo do The Boston Globe, assinaram  editoriais simultâneos, rejeitando a política de hostilidade desencadeada pelo presidente Trump contra os media. A data de 16 de Agosto ficará para a História da Imprensa  americana ao assumir esta iniciativa solidária e absolutamente inédita, que mobilizou grandes...
O optimismo de Centeno
Luís Queirós
"A economia da zona Euro cresce há 20 trimestres consecutivos", disse Mário Centeno no Grémio Literário, na palestra, proferida no passado dia 22 de Maio passado, integrada no ciclo que ali decorre subordinado ao tema  "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções", uma iniciativa do Clube de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e com o Grémio Literário. O Ministro das Finanças de Portugal e presidente do...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...